Caualixe

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Al Qawalish)
Ir para: navegação, pesquisa
Caualixe

لقواليش

—  Vila  —
Caualixe está localizado em: Líbia
Caualixe
Localização de Caualixe
Coordenadas 31° 59' N 12° 37' E
País  Líbia
Região Tripolitânia
Distrito Jabal Algarbi

Caualixe (em árabe: لقواليش; transl.: al Qawalish) é uma localidade do distrito de Jabal Algarbi, na Líbia. Está a 3,2 quilômetros de Sauadina, 5,2 de Baiatina, 9,5 de Alcalá e 10,4 de Cazur.[1]

Guerra Civil Líbia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Frente das Montanhas Nafusa

Caualixe, na Guerra Civil Líbia de 2011, foi capturado por insurgentes em 6 de julho;[2] a captura abria caminho para Gariam e a principal estrada ao sul de Trípoli. Nos três dias de confronto pela vila, 9 soldados do capitão insurgente Ali Alhaje (que eram fazendeiros, engenheiros ou alunos) foram mortos, e dúzias ficaram feridos.[3] Em resposta, lealistas colocaram minas fora da vila.[2] Num ato relacionado ao intenso conflito que há entre árabes e berberes no país, mesmo estando eles guerreando lado a lado, após a captura de Caualixe, uma das primeiras coisas que os grupos rivais fizeram foi escrever os nomes das cidades de onde vieram nos muros.[4] Em junho, 5 corpos desfigurados encontrados flutuando em tanque d'água entre Zintane e Caualixe mostram violações de direitos humanos.[5]

Em 13 de julho, as forças leais atacaram novamente Caualixe, e desta vez os rebeldes recuaram. Alguns alegaram o motivo de a retirada que eles acabaram sem munição. As tropas governamentais começaram o ataque depois que grupo de insurgentes tentou avançar a leste da cidade em direção a Gariam. Os lealistas rapidamente varreram Caualixe a partir do leste e chegaram ao ponto de controle na borda ocidental da aldeia.[6] inda assim, à noite, os rebeldes contra-atacaram e, depois de batalha de 5 horas, retomaram a cidade e perseguiram forças leais para os arredores de Assaba. Durante a luta, dois rebeldes foram mortos e 17 feridos.[7] Em 23 de agosto, homens da 32ª Brigada conduziu massacre de mais de 50 presos; mortes similares ocorreram em Caualixe, Homs e Bani Ualide.[8]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bellamy, Alex J.; Dunne, Tim (2016). The Oxford Handbook of the Responsibility to Protect. Oxford: Oxford University Press 
  • Bona, Giacomina de (2012). Human Rights in Libya: The Impact of International Society Since 1969. Nova Iorque: Routledge