Alan Wake

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Alan Wake
Arte da capa norte americana do jogo Alan Wake
Desenvolvedora Remedy Entertainment
Publicadora(s) Microsoft Game Studios
Designer Petri Järvilehto (designer lider)
Escritor(es) Sam Lake
Mikko Rautalahti
Compositor(es) Petri Alanko[1]
Motor Havok e Umbra Occlusion Booster[2]
Plataforma(s) Xbox 360 , Microsoft Windows
Data(s) de lançamento Xbox 360
  • EU 14 de maio, 2010
  • AN 18 de maio, 2010
    Microsoft Windows
    16 de fevereiro, 2012[3]
    Gênero(s) Survival horror
    Modos de jogo Single-player
    Número de jogadores 1 Jogador
    Classificação Inadequado para menores de 13 anos i ESRB (América do Norte)[4]
    Permitido para maiores de 15 anos BBFC (Reino Unido)[5]
    Inadequado para menores de 12 anos i CERO (Japão)
    Inadequado para menores de 14 anos i DEJUS (Brasil)
    Recomendado para públicos maduros i OFLCA (Austrália)
    Inadequado para menores de 16 anos i PEGI (Europa)
    Inadequado para menores de 16 anos i USK (Alemanha)
    Mídia DVD-DL
    Controles Gamepad
    Idioma Inglês
    Hardware
    Resolução 720p[6]

    Alan Wake é um jogo eletrônico de ação baseados em histórias do gênero horror psicológico, desenvolvido pelo estúdio Remedy Entertainment e publicado pela Microsoft Game Studios, lançado para Xbox 360 em 2010 e lançado para Microsoft Windows em 2012. A trama gira em torno de Alan Wake, um escritor de Bestsellers de horror psicológico, tentando descobrir os misterios por trás do desaparecimento de sua esposa enquanto estavam de férias em uma cidade pequena chamada Bright Falls, em Washington, onde ele vivencia os eventos de seu último livro que ele não lembra de ter escrito. O personagem Alan Wake foi modelado a partir de Ilkka Villi e dublado por Matthew Porretta na versão em inglês.

    Além do jogo em si, que é dividido em 6 episódios como as séries de TV, a história do jogo é continuada com mais dois episódios especiais, disponiveis via downloadable content, chamados "The Signal" e "The Writer". Uma série de livros e seis episódios de uma websérie em live-action chamada Bright Falls expandem o universo de Alan Wake e foram usados como marketing para o jogo.

    Remedy Entertainment é conhecida pela criação da série Max Payne (2001), e sua continuação, Max Payne 2: The Fall of Max Payne (2003). Escrito por Sam Lake (escritor dos dois primeiros jogos da série Max Payne), Alan Wake é o primeiro jogo do estúdio desde Max Payne 2, e levou 5 anos para ser criado; um tempo muito incomum para o desenvolvimento de um jogo. O jogo foi criticamente aclamado, e é reverenciado por sua narrativa, ritmo e atmosfera. Foi atribuido a Alan Wake o primeiro lugar no "Top 10 Jogos de Videogame de 2010" da revista Times.[7]

    Jogabilidade[editar | editar código-fonte]

    Alan Wake é um jogo de ação com forte narrativa. O jogo acontece na pequena cidade fictícia de Bright Falls, Washington, mostrando várias partes diferentes da cidade, como a floresta, um parque e uma fazenda. O jogo apresenta um ciclo de dia e noite, porém, ele é controlado pelo jogo para criar suspense e drama em determinados momentos do jogo.

    Durante o dia, o jogador podem interagir com os outros personagens não jogáveis para saber mais sobre a cidade de Bright Falls. Já a noite, o jogo passa a ter ação, que é onde a luz desempenha um papel importante na jogabilidade. Por exemplo, os inimigos "humanos" no jogo, chamado de "Os Taken", só podem ser atingidos ao eliminar a escuridão que os cobre com a luz da lanterna. A luz da lanterna pode ser forçada, para assim queimar a escuridão mais rapidamente, mas isso reduz a carga da bateria da lanterna. Portanto, além de ter que se preocupar em recarregar a arma de fogo quando a munição acaba, o jogador também tem que inserir baterias novas na lanterna, ou esperar ela se recarregar lentamente. Além do mais, os jogadores são encorajados a tomar vantagem sobre a luz do ambiente, e a usar outros fontes de luz como Pistolas sinalizadoras, Sinalizadores e Granadas de luz. A energia do personagem se regenera lentamente, mas se o jogador ficar debaixo de uma forte fonte de luz como postes ela se recupera rapidamente.

    Um elemento importante da jogabilidade é colecionar as páginas de um manuscrito do último livro de Alan Wake, Departure. Wake não se lembra de ter escrito este livro, mas a história gira em torno do que está escrito nele. Estas páginas do manuscrito estão espalhadas pelo jogo, fora da ordem cronológica; Portanto, eles geralmente descrevem cenas que ainda não aconteceram e agem como um aviso e as instruções de como prosseguir nos episódios do jogo. Outros itens colecionáveis incluem garrafas térmicas de café, televisores que mostram vários episódios da série Night Springs, rádios em que se ouve a programação da rádio local, e as placas que falam da cultura e história da cidade. Nos DLCs do jogo há outros itens colecionáveis como relógios despertadores e jogos de videogame.

    Enredo[editar | editar código-fonte]

    Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

    Alan Wake, um escritor de bestsellers, não conseguia escrever nada há dois anos. Sua mulher, Alice, o levou para a pequena cidade de Bright Falls, para recuperar sua criatividade. Alan pega as chaves e o mapa de sua cabana alugada com uma mulher de véu preto que estava no lugar do dono da cabana que estava doente. Eles dirigem até uma cabana em Cauldron Lake. A medida que vão desempacotando a bagagem, Alan descobre que Alice trouxe uma máquina de escrever, com esperanças de que ele pudesse começar a escrever um novo livro. Nervoso com sua persistência, Alan sai da cabana para caminhar, e momentos depois ouve sua esposa gritar. Ele vê que alguma coisa puxou Alice para as águas do lago, e ele pula para salvá-la, mas perde a consciência ao entrar em contato com a água.

    Alan acorda em um acidente com seu carro. Ele começa a fazer seu caminho de volta para a cidade, encontrando várias criaturas do folclore da cidade de Bright Falls cobertas pela escuridão que querem lhe matar; Alan descobre que a luz é a única arma que pode parar essas criaturas. Ele também se depara com uma aparição fantasmagórica de um mergulhador, que joga páginas de um manuscrito para Alan coletá-los. Alan reconhece que é um trabalho seu, mas não lembra de tê-lo escrito, o manuscrito o avisa sobre as criaturas e o que vai acontecer, assim, podendo escapar com segurança. Na cidade, Alan descobre que ficou desaparecido por uma semana desde quando pulou no lago, e ele fica ainda mais confuso quando a xerife Sarah Breaker mostra-lhe que nenhuma ilha ou cabana existiu no lago por quase 30 anos. Barry, amigo de Alan e seu agente, logo aparece na cidade para ajudar Alan com o desaparecimento de sua mulher, e o caso atraiu o interesse do agente do FBI Robert Nightingale que acredita que Alan está por trás do desaparecimento de Alice.

    Um homem que se apresenta como o sequestrador diz para Alan ficar longe do FBI; e que ambos são procurados pela entidades das sombras. Alan vai até o homem, que revela que não sequestrou Alice mas que precisa alertar a Alan sobre a Presença Sombria que habita Cauldron Lake e o que está controlando as criaturas, os Taken, que o perseguem. O homem explica que essa Presença Sombria tem a habilidade de transformar a ficção em realidade, e que ela usou Alan para criar um modo de escapar do lago e que Alan tem que pará-la. A Presença Sombria, toma forma de um furacão negro, que engole o homem; Alan consegue fugir, mas cai em um lugar distante e inconsciente. Alan acorda no Alojamento de Cauldron Lake, um hospital para doentes mentais. Ele conhece dois velhos roqueiros, Os irmãos Anderson, que tem uma pista de como derrotar a Presença Sombria em sua fazenda. A Presença Sombria aparece no alojamento, mas Alan escapa com a ajuda de Barry, e eles vão para a fazenda dos Anderson. Lá, descobrem que essa mulher, Cynthia Weaver, tem uma arma que pode destruir a Presença Sombria. Os dois passam a noite na fazenda dos Anderson bebendo. Em seus sonhos, Alan relembra o que aconteceu na semana que ficou desaparecido, onde ele foi forçado pela Presença Sombria a escrever sua fuga. Porém, Alan subconscientemente, guiado pelo espírito de Thomas Zane, que foi o outro escritor que prendeu à Presença Negra, coloca elementos que lhe permitem escapar do lago, incluindo a criação do espírito de Thomas em forma de mergulhador. O acidente de carro foi resultado de sua tentativa fracassada de escapar.

    Os dois são encontrados pelo Agente Nightingale na manhã seguinte, mas a Presença Sombria ataca o grupo. Alan, Barry, e Sarah escapam e vão a uma central hidroeléctrica abandonada onde Cynthia estava escondida. Cynthia cumprimenta o grupo e diz para Alan que na "Sala Bem Iluminada" é onde ele vai encontrar a arma para derrotar a Presença Sombria, um interruptor chamado Clicker que Thomas colocou na história de Alan. Alan volta ao lago, e se encontra com a Presença Sombria, e usa o Clicker para derrota-lá. No entanto, Alice permanece no lago, e Alan percebe que, para manter o equilíbrio, ele terá que voltar para dentro do lago para permitir Alice escapar. Depois de Alan pular no lago, Alice emerge, voltando em segurança para terra. Nas cenas finais, Alan é visto na máquina de escrever na cabana, começando a escrever seu novo trabalho. As últimas palavras de Alan no jogo são, "Não é um lago; é um oceano…"

    Downloadable content[editar | editar código-fonte]

    The Signal[editar | editar código-fonte]

    Continuando diretamente do final do jogo principal, Alan se encontra em uma versão surreal de Bright Falls. Ele acorda no restaurante, e vê que tudo é familiar, mas está fora do lugar que deveria estar. Ao entrar no banheiro do restaurante Zane conversa com Alan através de um espelho. Quando sai do banheiro ele encontra alguns televisores que mostram uma versão maníaca dele mesmo passando por eventos futuros, alertando-o sobre o que está por vir. Quando Alan sai do restaurante ele vai parar na floresta de Bright Falls onde encontra um manuscrito que mistura fragmentos do livro Departure com o sonho. Algumas palavras do manuscrito aparecem na frente de Alan, mas ele se concentra na palavra "Telefone". Ao iluminar a palavra ela se transforma em um telefone, que Zane usa para se comunicar com Alan. Ele diz para Alan seguir o sinal que ele vai criar para guiá-lo a saída desse lugar.

    Enquanto Alan tenta escapar do lugar seguindo o sinal, ele derrota vários Takens, encontra televisores que o avisam sobre os eventos até sair de uma igreja. Então ele vê um manuscrito cair do céu e várias palavras surgem na frente dele. Ele ilumina a palavra "Amigo" e assim surge uma versão etérea de Barry, que ajuda Alan a passar com segurança pelo local.

    Os sinais de Zane guiam Alan até uma serraria, mas enquanto ele explora o local, ele percebe que está devolta a seu apartamento na cidade. Zane aparece, e explica que ele mesmo que está se prendendo naquele lugar, através de sua versão maníaca. Alan não acredita que é ele mesmo que está se prendendo ali. Mas logo Zane é violentamente expulso dali e TVs que mostram o Alan maníaco começam a atacá-lo. Alan é capaz de derrotar a versão maluca de si mesmo, voltando a cabana no lago, mas descobre que ainda está preso. O capítulo termina com Alan gritando "Não há saída, não há saída… Eu tenho que sair daqui!"

    The Writer[editar | editar código-fonte]

    Ainda preso, Alan recobra a consciência e encontra uma Bright Falls fundida; depois de deixar o local que é uma fusão do Alojamento de Cauldron Lake e da Fazenda dos Andersons, Zane diz a Alan que ele terá que voltar para a cabana por meio de um farol. Os ambientes começam a ficar muito surreais e Alan segue o caminho indicado por Zane. Zane avisa a Alan que o Alan maluco é a sua parte irracional que foi separada do seu corpo e que ele estava dentro do farol controlando tudo; o Alan racional tem que retomar o controle de sua mente se quiser ter alguma chance de escapar dali. O lado irracional do Alan tenta impedi-lo criando ilusões de Alice, apagando a luz do farol, e mandando um exército de Takens atacar sua parte racional, mas com a ajuda de Zane, Alan consegue chegar ao seu objetivo, passando pelo farol para chegar a cabana.

    Enquanto ele se aproxima da cabana, um Barry imaginário aparece e conta a Alan que ele terá que se livrar de todas as ilusões antes que ele possa enfrentar sua parte irracional, incluindo a própria aparição de Barry. Alan está pronto para aceitar isso, forçando Alan a lutar contra versões Taken de Dr. Hartman, Odin e Thor, e a expulsar Barry várias vezes, para finalmente entrar na cabana. E quando Alan entra na cabana encontra sua versão irracional em um estado paranoico, e quando Alan o toca, os dois se tornam um só novamente. Alan percebe que não pode deixar-se cair em um estado delirante novamente ou caso contrario ele nunca poderá escapar, e assim ele volta a maquina de escrever para iniciar sua mais nova história, "Return".

    Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

    Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

    Após a distribuição de Max Payne 2: The Fall of Max Payne em 2003, a Remedy Entertainment passou um tempo "se recuperando da crise",[1] e começaram a planejar diferentes conceitos para seu próximo jogo. Entre estes conceitos estava Alan Wake.[1]

    O jogo foi anunciado na Electronic Entertainment Expo 2005 para os consoles da próxima geração e PCs", e foi mostrado à imprensa à portas fechadas, sob a forma de uma demo.[8] [9] Em 2006, a Remedy fechou uma parceria com a Microsoft Game Studios para publicar o jogo exclusivamente para o Video game da Microsoft, Xbox 360 e, em seguida, para o sistema operacional Windows Vista[10] As primeiras imagens mostravam um Alan Wake com trajes bem diferentes dos atuais, bem como um layout diferente para a cidade de Bright Falls.[11]

    Originalmente, a Remedy planejou Bright Falls como uma cidade aberta, similar ao que é visto na série Grand Theft Auto. Porém, pouco tempo após desenvolverem a tecnologia para permitir esse tipo de jogo, a Remedy decidiu que esta era uma má ideia, porque isto interferiria no ritmo e história de jogo, já que planejavam fazer um thriller.[12] [13]

    Após quatro anós fazendo demonstrações da versão para Windows, em 2009, a Remedy confirmou que faria um jogo exclusivo para o Xbox 360 e a decisão de fazer uma versão para computadores ficaria nas mãos da Microsoft.[14] O jogo foi declarado como pronto, mas em fase de "polimento", em Agosto de 2009.[15] Ele foi terminado em 7 de Abril de 2010. A data de lançamento para a Europa foi marcada para 21 de maio, mas em 7 de abril de 2010, a data de lançamento foi adiada para 14 de maio. Depois do jogo ser lançado, a Remedy disse que trazer o jogo para os computadores não era "a prioridade no momento".[16]

    Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

    A trilha sonora do jogo foi composta por Petri Alanko.[1] A trilha sonora apresenta a música "War" dos Poets of the Fall, do quarto álbum de estúdio da banda, Twilight Theater. Sam Lake disse que essa música "…é uma parte importante da trilha sonora de Alan Wake e o tema tem forte ligação com o enredo do jogo."[17] Os Poets of the Fall também fizeram as músicas, "Children of the Elder God" e "The Poet and the Muse", com o nome de Old Gods of Asgard. A banda também fez o tema de encerramento do jogo anterior da Remedy, Max Payne 2: The Fall of Max Payne, chamado "Late Goodbye", que é baseado em um poema escrito por Lake. "War", por outro lado, não foi escrito especificamente para Alan Wake. Em 20 de Julho a trilha sonora oficial foi lançada, contendo 18 músicas do jogo.[18]

    Temas dos episódios[editar | editar código-fonte]

    Cada episódio do jogo tem seu próprio tema de encerramento, que é tocado juntamente a frase que indica o fim do episódio. A lista de temas de cada episódio é a seguinte:

    Episódio Artista Música Ano Lançada Duração
    Nightmare Roy Orbison In Dreams 1963 2:48
    Taken Poe Haunted 2000 5:20
    Ransom Nick Cave and the Bad Seeds Up Jumped The Devil 1988 5:16
    The Truth Old Gods of Asgard The Poet and the Muse 2010 4:18
    The Truth Old Gods of Asgard Children of the Elder God 2010 3:37
    The Clicker Poets of the Fall War 2010 5:05
    Departure David Bowie Space Oddity 1969 5:15
    The Signal Anna Ternheim No, I Don't Remember 2009 3:56
    The Writer Depeche Mode The Darkest Star[19] 2005 6:42

    Além destas músicas, outras foram candidatas a tema dos episódios dois e três. Os candidatos para tema do capitulo dois eram "Lovely Head" da Goldfrapp, "Dear Darkness" de PJ Harvey e "Lilac Wine" de Jeff Buckley. Já do terceiro episódio, "Sea of Love" e "Don't Go into That Barn" de Tom Waits eram as prováveis escolhas, assim como "Sit and Wonder" da The Verve e "Wake Up" da Arcade Fire.[20]

    Recepção[editar | editar código-fonte]

    Resposta crítica[editar | editar código-fonte]

     Recepção
    Pontuação geral
    Agregador Pontuação
    GameRankings 83.56% (71 reviews)[21]
    Metacritic 83 (100 reviews)[22]
    Resultados das análises
    Publicado por Resultado
    1UP B+[23]
    Computer and Video Games 9.0/10[24]
    Eurogamer 7/10[25]
    Game Informer 8.5/10[26]
    GamePro 4/5 [27]
    GameSpot 8.5/10[28]
    GameTrailers 8.6/10[29]
    IGN 9/10[30]
    Official Xbox Magazine 9/10[31]
    Prêmios
    Entidade Prêmio
    IGN Editors' Choice Award[30]
    Time No. 1 video game of 2010

    Alan Wake foi bem recebido entre os críticos. Michael Plant do The Independent deu ao jogo uma pontuação perfeita de 5/5. Ele elogiou Alan Wake pelo seu "ritmo impecável", que "garante uma experiência compulsiva". A edição e o enredo também foram recebidos positivamente, fazendo do jogo "o tipo de experiência que a geração de consoles atuais foi feita para fazer".[32]

    O Daily Telegraph avaliou o jogo como 9/10 com o editor Nick Cowen ficando impressionado por seu "stunning" look, dizendo que a cidade de Bright FAlls e seu ambiente ao redor eram "autênticos" em termos de arquitetura, vegetação, clima e luz. Ele descreveu a atmosfera como sendo capaz de "... turn on a dime from feeling safe and serene to one of choking menace and foreboding...". As mecânicas de combate e o enredo também foram elogiados, com o primeiro fazendo "o jogador se sentir constantemente sob ameaça" e o último sendo "... um dos pontos mais fortes [do jogo]". Críticas incluem a animação facial e a curta duração do jogo.[33]

    Dirk Lammers disse que o jogo mantém "o jogador na beirada de sua cadeira", dando uma pontuação final de 4/4 em seu review para o San Francisco Chronicle.[34]

    Matt Greenop do The New Zealand Herald avaliou o jogo como 5/5 e elogiou o "excelente ritmo" por causa de seu formato de episódios. Ele também elogiou o enredo "chilling", "ambiente brilhante" e concluiu que o jogo era "de longe um dos mais inovadores e divertidos jogos do ano"[35]

    William Vitka do The New York Post deu uma nova B+, elogiando o jogo por sua "atmosfera assustadora", música, gráficos e um "nível surpreendente de complexidade" no combate, mas comentou negativamente da animação e do enredo do jogo.[36]

    Brian Crecente, editor-chefe do Kotaku.com, elogiou o uso geral da luz como uma mecânica da jogabilidade. Ele comentou a estrutura de episódios, dizendo que isso fazia o jogador se sentir satisfeito mesmo após seções curtas de jogo. Ele também elogiou a história como um todo, tendo jogado o último episódio três vezes seguidas, dizendo: "pela primeira vez em minha vida, eu experimentei algo que se desenvolve como um jogo mas tem um impacto de um filme ... Alan Wake é uma poderosa experiência, uma forte ligação deixando você pensando sobre isso e querendo mais por vários dias após completar". Entretanto, ele criticou o jogo por não providenciar informação suficiente sobre Wake e sua esposa, apesar de estar "cheio de pessoas memoráveis". Concluindo, ele disse: "Eu estou aberto para o potencial dos jogos desse ano, mas eu ainda não consigo imaginar que Alan Wake será superado em 2010. O jogo conta uma história que é engajadora, e também, emocional. Ele faz você se importar, e também causa medo. Mas principalmente isso redefine a história interativa. More aptly put, Alan Wake finalmente solta uma de suas frases usadas tanto que isso se torna uma piada."[37]

    Tom McShea criticou o jogo pela falta de "momentos de jogabilidade surpreendentes e memoráveis" em seu review para Gamespot.com, mas parabenizou o seu modo de contar a história, uma boa e original música, efeitos luminosos sutis que, junto com a trilha sonora, "cria uma atmosfera disturbing", um sistema de combate "satisfatório" e uma "sábia" inclusão de colecionáveis, dando uma nota final 8.5/10.[28]

    Charles Onyett da IGN avaliou o jogo como 9/10, premiando-o com o "Editors' Choice Award". Ele descreveu o jogo como "... difícil de parar uma vez que se começa", e apreciou o jogo por sua estrutura de episódios, uma "interessante" mecânica de story-telling, efeitos luminosos, trilha sonora e sistema de combate, que descreveu como "rápido e responsive", mas criticou o enredo como "uneven". O jogo recebeu uma nota alta por sua "Forte atmosfera", "Jogabilidade divertida", e "Ótimos visuais", mas perdeu pontos por causa do "Fraco final".[30]

    Tom Orry do VideoGamer.com também avaliou o jogo como 9/10, elogiando o jogo por sua "sábia narrativa", "atmosfera incrível" e uma trilha sonora que ele descreveu como "... uma das melhores e mais memoráveis que eu já ouvi em um jogo", concluindo que Alan Wake é "... an escapade que eu vou lembrar por um bom tempo. It's a stunning action game, a superbly scripted adventure and a technical showcase for the now-aging Xbox 360 hardware."[38]

    GameTRailers deu ao jogo 8.6/10. O review elogiou a apresentação do jogo dizendo que "Alan Wake's presentation fires on all cylinders, selling you completely on its twisted nightmare." Eles também comentaram que "o feedback é brilhante, e os encontros são acompanhados de um genuino senso de pavor.[29]

    Ellie Gibson do Eurogamer avaliou como 7/10, dizendo que "considerando tudo, há diversão suficiente para um fim de semana para os fãs de ação-aventura que não estão tão preocupados com conceitos inovadores e jogabilidade variada, e não se importam com muita repetição. Alan Wake é um jogo acessível e não exigente com uma mecânica de combate pura e visuais decentes. É só que o jogo não é muito original, certamente não é um jogo excepcional, e é uma pena que ele não estivesse pronto a alguns anos atrás."[25]

    Prêmios[editar | editar código-fonte]

    Editores da revista Time deram ao jogo Alan Wake o prêmio de Jogo do Ano de 2010.[7] Também foi nomeado para a categoria Melhor jogo de Xbox 360 para Spike TV Video Game Awards de 2010 e recebeu três nomeações no 2º Annaul Inside Gaming Awards nas categorias de Melhor Narrativa, Melhor Design de Som e Most Compelling Character (por Alan Wake).[59] [60] O artigo da Gamespot do Jogo do Ano de 2010 tinha sete nomeações para esse jogo, incluindo Melhor História e Melhor Roteiro/Diálogo.[61]

    IGN premiou Alan Wak como "Melhor jogo de terror de 2010"[62] e também o nomeou para "Melhor história", "Coolest Atmosfera", "Jogabilidade mais inovadora", e "Melhor personagem (Alan Wake)". Também foi nomeado para "Melhor jogo do Xbox 360" no Spike Video Game Awards de 2010. Foi escolhido como Jogo do Ano de 2010 pela revista Time.[7]

    A trilha sonora do jogo ganhou o Best Score - European no Annual Game Music Awards de 2010, com o painel exibindo "Breaking composer Petri Alanko's expansive score for the critically acclaimed Alan Wake captured the hearts of gamers and stand-alone listeners alike with its intimate orchestrations and psychological explorations."[63]

    Vendas[editar | editar código-fonte]

    Alan Wake estreou em segundo lugar nas tabelas do Reino Unido.[64] NPD Group disse que as vendas nas duas primeiras semanas chegaram a 145.000 unidades.[65] De acordo com um relatório, Alan Wake é o segundo jogo de Xbox 360 mais pirateado de 2010, com mais de 1,1 milhões de downloads.[66] Entretando, com vendas mundias ultrapassando 1 milhão, Alan Wake foi um sucesso comercial.

    Sequência[editar | editar código-fonte]

    O desenvolvedor Oskari Häkkinen disse que há uma possibilidade de haver um Alan Wake 2, como o primeiro título é apenas a 1ª temporada e os conteúdos para download são apenas um preparativo para o que está por vir. No entanto Häkkinen acrescentou que a idéia está em 'limbo', já que a Microsoft está se concentrando nos conteúdos para download para o primeiro jogo.[67] O roteirista Mikko Rautalahti acrescentou que a história é "maior do que um jogo" e que a seqüência será "estranha e maravilhosa"[68] .

    Em 10 de maio de 2011, a Remedy revelou que estão trabalhando em um novo Alan Wake, depois que algumas informações vazaram sobre o projeto antes de um anúncio oficial. A Remedy disse que não é Alan Wake 2 e nem um conteúdo para download. Mais informações serão divulgadas mais tarde, e a empresa deu o Outono americano de 2011 como estimativa para o lançamento[69] . Há rumores de que o jogo vai ser um título da Xbox Live Arcade, chamado de Alan Wake: Night Springs[70] .

    Em 18 de dezembro de 2011, O novo game da série ganhou outro título: Alan Wake's American Nightmare, além de ser confirmado que seria lançado somente em formato digital, via Xbox Live Arcade[71] . De acordo com a revista Xbox World, o título será inspirados em filmes de horror como Um Drink No Inferno e outras produções de Quentin Tarantino e Robert Rodriguez.

    American Nightmare será narrado dois anos após o original, quando o protagonista tornou-se uma espécie de lenda urban, depois de salvar Alice. Apesar de não estar presente no mundo, mas confinado no “Dark Place”, os fãs de Alan continuam o seu legado, e passam a escrever histórias de que ele desapareceu na floresta e retornou como um assassino em série chamado Mr. Scratch. Assim, o herói deve encontrar seu sósia que parte em busca de Alice, deixando um rasto de corpos para trás.

    Ver Também[editar | editar código-fonte]

    Referências

    1. a b c d Usúario "ADM" (20 de Fevereiro de 2007). Alan Wake FAQ (Postagem em fórum). Página visitada em 9 de Março de 2011.
    2. Newsdetail. Umbra Software (14 de Maio de 2010). Página visitada em 01 de Fevereiro de 2011.
    3. Remedy Entertainment (February 2, 2012). Alan Wake is coming home!. Press release. Página visitada em February 5, 2012.
    4. ESRB Rating (em inglês). Joystiq (20 de Fevereiro de 2010).
    5. Alan Wake rated 15 by the BBFC (em inglês). British Board of Film Classification (3 de Março de 2010).
    6. Alan Wake a uma resolução de 720p. EuroGamer (20 de Abril de 2010).
    7. a b c The Top 10 Everything of 2010: Top 10 Video Games: Alan Wake (9 de Dezembro de 2010).
    8. Surette, Tim (21 de Abril de 2005). Remedy fixin' up new game for E3. GameSpot. Página visitada em 9 de Março de 2011.
    9. Kasavin, Greg (18 de Maio de 2005). Alan Wake E3 2005 Impressions. GameSpot. Página visitada em 9 de Março de 2011.
    10. Microsoft Game Studios, Remedy Entertainment.GameSpot (9 de Maio de 2006). Microsoft Game Studios and Remedy Partner In Delivering Alan Wake. Press release. Página visitada em 9 de Março de 2011.
    11. Alan Wake Screenshots & Images. Eurogamer (10 de Maio de 2006). Página visitada em 9 de Março de 2011.
    12. Ingham, Tim (17 de Fevereiro de 2010). Alan Wake was nearly a sandbox title. Computer and Video Games. Página visitada em 9 de Março de 2011.
    13. Kietzmann, Ludwig (14 de Abril de 2010). Interview: Matias Myllyrinne on breathing life into Alan Wake. Joystiq. Página visitada em 9 de Março de 2011.
    14. Thorsen, Tor (15 de Julho de 2009). PC Alan Wake's fate TBD - Remedy. GameSpot. Página visitada em 9 de Março de 2011.
    15. Sliwinski, Alexander (17 de Agosto de 2009). Reassuring: Alan Wake is 'done,' being polished. Joystiq. Página visitada em 9 de Março de 2011.
    16. Yin-Poole, Wesley (9 de Agosto de 2010). Alan Wake: Remedy Looks Back. Eurogamer. Página visitada em 9 de Março de 2011.
    17. Site Oficial - Poets of the Fall in Alan Wake. Poets of the Fall (12 de Setembro de 2009). Página visitada em 01 de Fevereiro de 2011.
    18. Amazon.com: Alan Wake [Original Soundtrack]. Amazon. Página visitada em 01 de Fevereiro de 2011.
    19. The Darkest Star licensed for Alan Wake DLC. Emisound.com (16 de Setembro de 2010). Página visitada em 01 de Fevereiro de 2011.
    20. Título não preenchido, favor adicionar (em inglês) (11 de Janeiro de 2011). Página visitada em 19 de Agosto de 2011.
    21. Alan Wake for Xbox 360 - GameRankings. Gamerankings.com. Página visitada em 2010-10-03.
    22. Alan Wake xbox 360 reviews at Metacritic.com. Metacritic.com. Página visitada em 2010-10-03.
    23. Thierry Nguyen (2010-05-05). Alan Wake Review for the Xbox 360 from 1UP.com. 1UP.com. Página visitada em 2010-05-06.
    24. Andy Robinson (2010-05-05). Review Alan Wake Review - ComputerAndVideoGames.com. Página visitada em 2010-05-07.
    25. a b Ellie Gibson (2010-05-05). Eurogamer : Alan Wake Review eurogamer.net. Página visitada em 2010-05-05.
    26. Andrew Reiner (2010-05-05). Redefining Video Game Storytelling - Alan Wake. Game Informer. Página visitada em 2010-05-07.
    27. Xav de Matos (2010-05-04). Review Alan Wake Review - GamePro. Página visitada em 2010-05-10.
    28. a b Tom Mc Shea (2010-05-07). Alan Wake Review for Xbox360 - Gamespot. Gamespot.com. Página visitada em 2010-05-07.
    29. a b GameTrailers.com (2010-05-05). Alan Wake Video Game Review HD. Página visitada em 2010-05-06.
    30. a b c Charles Onyett. Alan Wake Review - Xbox 360 review at IGN. Página visitada em 2010-05-05.
    31. Francesca Reyes (2010-05-05). Alan Wake Review. oxmonline.com. Página visitada em 2010-05-06.
    32. Michael Plant. "Games Reviews: Alan Wake - Gaming, Gadgets & Tech - The Independent", 2010-05-07. Página visitada em 2010-05-08.
    33. Nick Cowen (May 6, 2010). Alan Wake video game review - Telegraph. The Daily Telegraph. Página visitada em May 7, 2010.
    34. Dirk Lammers (May 19, 2010). Review: `Alan Wake' offers tons of creepy thrills. The San Francisco Chronicle. Página visitada em May 20, 2010. [ligação inativa]
    35. Matt Greenop (May 13, 2010). Game review: Alan Wake - Games - NZ Herald News. NZ Herald. Página visitada em May 17, 2010.
    36. William Vitka (May 6, 2010). Alan Wake:Stephen King, The Game. NYpost.com. Página visitada em May 8, 2010.
    37. Brian Crecente. VAlan Wake Review - Transcending Its Medium - Alan Wake - Kotaku. MSNBC.com. Página visitada em May 9, 2010.
    38. Tom Orry. Alan Wake Review for Xbox 360. Página visitada em 2010-05-04.
    39. Video Games Awards Winners in 2011. British Academy of Film and Television Arts (2011). Página visitada em May 23, 2011.
    40. Annual Game Music Awards of 2010: Best Score Winners. Square Enix Music Online (2010). Página visitada em May 23, 2011.
      Annual Game Music Awards 2010: Nominations. Square Enix Music Online (December 19, 2010). Página visitada em May 23, 2011.
    41. The Best Games of 2010: Best Original IP. GameSpot. Página visitada em May 23, 2011.
    42. The Best Games of 2010: Best Story. GameSpot. Página visitada em May 23, 2011.
    43. The Best Games of 2010: Best Graphics, Artistic. GameSpot. Página visitada em May 23, 2011.
    44. The Best Games of 2010: Best Atmosphere. GameSpot. Página visitada em May 23, 2011.
    45. The Best Games of 2010: Best Sound Design. GameSpot. Página visitada em May 23, 2011.
    46. The Best Games of 2010: Best Voice Acting. GameSpot. Página visitada em May 23, 2011.
    47. The Best Games of 2010: Best Original Game Mechanic. GameSpot. Página visitada em May 23, 2011.
    48. The Best Games of 2010: Best Writing/Dialogue. GameSpot. Página visitada em May 23, 2011.
    49. Best of 2010: Xbox 360: Best Horror Game. IGN. Página visitada em May 23, 2011.
    50. Best of 2010: Xbox 360: Best Character. IGN. Página visitada em May 23, 2011.
    51. Best of 2010: Xbox 360: Best Story. IGN. Página visitada em May 23, 2011.
    52. Best of 2010: Xbox 360: Coolest Atmosphere. IGN. Página visitada em May 23, 2011.
    53. Best of 2010: Xbox 360: Most Innovative Gameplay. IGN. Página visitada em May 23, 2011.
    54. Best of 2010 Awards: Action-Adventure. Shacknews (December 28, 2010). Página visitada em May 23, 2011.
    55. Best of 2010 Awards: Game of the Year. Shacknews (December 31, 2010). Página visitada em May 23, 2011.
    56. Best of 2010 Awards: New Face We Hope to See Again. Shacknews (December 27, 2010). Página visitada em May 23, 2011.
    57. Best of 2010 Awards: Story. Shacknews (December 27, 2010). Página visitada em May 23, 2011.
    58. Best of 2010 Awards: Xbox 360 Exclusive. Shacknews (December 29, 2010). Página visitada em May 23, 2011.
    59. [1] retrieved on 8 December 2010
    60. HINIMA.COM ANNOUNCES NOMINEES FOR SECOND ANNUAL INSIDE GAMING AWARDS (2010-11-19). Página visitada em 2010-12-14.
    61. Best Games of 2010 Nominees. Página visitada em 2010-12-14.
    62. http://uk.bestof.ign.com/2010/xbox-360/best-horror-game.html
    63. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas squareenixmusic.com
    64. FIFA Just Holds Off Alan Wake And Lost Planet 2 (em inglês). Chart-track.co.uk (17 de Maio de 2010). Página visitada em 19 de Agosto de 2011.
    65. Sliwinski, Alexander (2 de Julho de 2010). NPD on the Red Dead, Alan Wake, and Split/Second retail showdown (em inglês). Página visitada em 19 de Agosto de 2011.
    66. "Emesto" (28 de Dezembro de 2010). Call of Duty: Black Ops Most Pirated Game of 2010 (em inglês). TorrentFreak. Página visitada em 19 de Agosto de 2011.
    67. Alan Wake 2 'não está confirmado'. (em inglês). CVG (8 de Setembro de 2010).
    68. Alan Wake 2 will be very 'weird' (em inglês). CGV.
    69. Kietzmann, Ludwig (10 de Maio de 2011). Novo Alan Wake confirmado, mas não é Alan Wake 2 (em inglês). Joystiq. Página visitada em 19 de Agosto de 2011.
    70. Laster, John. Rumor: Alan Wake: Night Springs será um título da XBLA (em inglês). xblafans.com. Página visitada em 19 de Agosto de 2011.
    71. Mais detalhes sobre Alan Wake's American Nightmare (em inglês). omelete.uol.com.br. Página visitada em 18 de Dezembro de 2011.

    Ligações externas[editar | editar código-fonte]