Alberto VII da Áustria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Alberto de Áustria)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde setembro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Alberto de Áustria
Cardeal Alberto de Áustria, por Peter Paul Rubens
Nascimento 15 de novembro de 1559
Wiener Neustadt
Morte 13 de julho de 1621
Bruxelas
Cidadania Bélgica, Espanha
Progenitores Mãe:Maria de Espanha, Imperatriz da Alemanha
Pai:Maximiliano II, Sacro Imperador Romano-Germânico
Cônjuge Isabel Clara Eugénia da Áustria
Ocupação Arcebispo, militar
Prêmios Godfather promotion of Special Military School of Saint-Cyr
Religião Igreja Católica, catolicismo

Alberto Ernesto de Habsburgo, simplesmente conhecido como Alberto de Áustria (Wiener Neustadt, 15 de novembro de 1559 - Bruxelas, 13 de julho de 1621), dito o Pio, foi cardeal, arquiduque de Áustria, Governador dos Países Baixos Espanhóis, Prior do Crato na Ordem Soberana e Militar de Malta e Vice-Rei de Portugal.

Era filho do imperador romano-germânico Maximiliano II (por sua vez filho de Fernando I e sobrinho de Carlos V), e da sua mulher Maria de Espanha (filha de Carlos V e irmã de Filipe II de Espanha).

Último filho varão de Maximiliano, foi destinado à vida religiosa, tendo sido feito cardeal da Igreja Católica em 3 de março de 1577. O seu tio, Filipe II nomeou-o Vice-Rei de Portugal em 11 de fevereiro de 1583 (cargo que exerceu durante dez anos), para substituir o Duque de Alba, que falecera em dezembro do ano anterior e, de seguida, Arcebispo de Toledo (1584-1598).

Em 1595, foi nomeado Governador dos Países Baixos Espanhóis; em 1598, renunciou ao celibato para poder contrair matrimónio, após dispensa papal, com a sua prima co-irmã Isabel Clara Eugénia, filha do seu tio Filipe II, tendo-se tornado ambos soberanos nominais dos Países Baixos Espanhóis (congregando os títulos de Duques de Brabante, Guéldria, Limburgo, Luxemburgo, e Condes de Artois, Borgonha, Flandres, Hainaut e Namur).

Deste enlace nasceram três filhos, todos mortos em tenra idade, muito provavelmente devido à consaguinidade dos seus pais:

  • Filipe (1605)
  • Alberto (1607)
  • Ana Maurício

Alberto e Isabel fixaram a sua corte em Bruxelas, tendo acolhido sob a sua protecção alguns dos artistas mais importantes do seu tempo, como Peter Paul Rubens (designado pintor oficial da sua corte em 1609), o qual pintou vários retratos dos soberanos, e Brueghel.

Ao nível do conflito com os Países Baixos (a Guerra dos Oitenta Anos), saiu derrotado na Batalha de Nieuwpoort (1600), mas conseguiu assediar com sucesso a cidade de Ostend, após um cerco de três anos (1601-1604). Em face disso, Alberto firmou com Maurício de Nassau uma trégua de doze anos (1609-1621).

Ao falecer em 1621, sem herdeiros legítimos, os Países Baixos retornaram ao controle da Coroa Espanhola.

Precedido por
Fernando Álvarez de Toledo y Pimentel,
3.º Duque de Alba
Armorial das Espanhas
2.º Vice-Rei de Portugal

11 de Fevereiro de 1583 - 5 de Julho de 1593
Sucedido por
Conselho de Regência
Precedido por
Gaspar de Quiroga y Vela
Brasão cardinalício
Arcebispo de Toledo

1584 - 1598
Sucedido por
García Loaysa y Girón
Precedido por
Pedro Enríquez de Acevedo
Governador dos Países Baixos Espanhóis
1598 - 1621
(com Isabel Clara Eugénia)
Sucedido por
Isabel Clara Eugénia


Ícone de esboço Este artigo sobre História da Espanha é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.