Alcides Longhi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Alcides Longhi no início de sua carreira futebolística, c. 1930

Alcides Longhi (Caxias do Sul, 10 de junho de 1917 — Caxias do Sul, 18 de agosto de 1994) foi um industrial, comerciante e futebolista brasileiro.

Iniciando a vida como sapateiro de magros recursos, depois fundou uma fábrica e loja de sapatos que por alguns anos foi muito bem sucedida, sendo elogiada na imprensa e exportando seus produtos para outros locais do estado do Rio Grande do Sul e do Brasil. Ao mesmo tempo, sempre envolvido no futebol, foi ativo colaborador do Esporte Clube Juventude como jogador, dirigente em várias gestões, presidente do clube e coordenador das obras de construção do Estádio Alfredo Jaconi. Foi um dos mais populares "ídolos" do alvi-verde em sua geração, que coincidiu com os tempos dourados do amadorismo, conquistou vários campeonatos e distinções, incluindo dez títulos de campeão do Citadino e campeão da Copa Governador do Estado do Rio Grande do Sul, tornou-se figura estimada na cidade e é lembrado como um destacado personagem da história do futebol caxiense. Casado com Noris Leda Artico, teve seis filhos que deram expressivas contribuições à sociedade local.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Origens familiares[editar | editar código-fonte]

Brasão da família Longhi de Vermiglio

A família de Alcides era nativa de Vermiglio, no norte do antigo Principado Episcopal de Trento. A origem remota do grupo de Alcides é mal conhecida e sua genealogia é fragmentária, principalmente devido ao fato de que os antigos arquivos locais sofreram uma perda quase total em incêndios e guerras.[1] O que se sabe vem de uma extensa pesquisa realizada por seu neto Ricardo Frantz. Os resultados indicaram que a família descende de um grupo originalmente grafado Long, nobilitado na comuna vizinha de Ortisè antes de 1529 com o título imperial de "nobres rurais". Um brasão de características imperiais preservado por parentes de Vermiglio deixa muito pouco espaço para dúvidas sobre essa origem, uma conclusão corroborada pelo historiador trentino Paolo Odorizzi. Os Long, por sua vez, provavelmente descendiam de um núcleo de vassalos da Igreja e pequenos senhores feudais registrados na região a partir do início do século XIII. Em 1784 o Império Austríaco aboliu todos os títulos da nobreza rural concedidos pelos antigos bispos de Trento. Na mesma época a região começava a ser devastada por guerras e por uma série de desastres naturais, epidemias, fome e carestias, e o ramo de Alcides aparece empobrecido. Desde então seus ancestrais diretos viveram como madeireiros e artesãos.[2]

Seu bisavô, o imigrante Ignazio Longhi, antes casado com Anna Maria Poli, chegou ao Brasil em 1876 já idoso, com sua segunda esposa Candida Pedron e alguns filhos, nos primórdios da imigração italiana no Rio Grande do Sul, estando entre os primeiros colonizadores de Caxias do Sul.[3][4] Ignazio faleceu pouco depois da chegada, legando a chefia da família a seu filho Giovanni Battista,[5] um dos fundadores da Comunidade de São Romédio, onde primeiro formou-se um núcleo comunitário, sendo hoje considerada "o berço de Caxias". Ali também participou da fundação e foi membro da primeira diretoria da Sociedade Igreja de São Romédio, a primeira associação civil da cidade,[6][7] permanecendo na função até 1894, colaborando na estruturação da comunidade e na construção das duas primeiras capelas de madeira, da escola e do cemitério.[5]

Casamento de Alcides Longhi e Leda Artico, 1938.

Giovanni Battista rapidamente prosperou como agricultor, industrial, moleiro e comerciante, abrindo uma série de negócios. João Tessari, o historiador de São Romédio, o chamou de um "faz-tudo", e anos depois de morto virou lenda, quando seu túmulo foi aberto para uma reforma e seus despojos não foram encontrados. Sua esposa, Catterina Rossi, também gerou folclore, falecendo com fama de santa, e 32 anos depois de seu sepultamento seu corpo foi encontrado incorrupto, o que desencadeou a formação de um pequeno culto popular em seu redor, sendo-lhe atribuídas graças e curas.[5]

Victorio Longhi, filho de Giovanni e Catterina, casou com Lucia Pezzi e foi pai de Alcides, Francisco, Tercila, Flora, Romilda, Oscar, Natalino, Irma e Guilherme. Victorio deixou a zona semi-rural de São Romédio e passou a viver no centro urbano, mas ainda foi conselheiro fiscal da Sociedade e um dos fundadores da terceira e atual capela.[8] Tornou-se grande industrial madeireiro, um dos três sócios de uma empresa que em seu auge teve o vultoso capital de 900 contos de réis e filiais em Porto Alegre e Jaguari,[9]

No entanto, em sua juventude a família de Alcides havia empobrecido, e ele iniciou sua vida profissional como sapateiro, aprendendo o ofício de João Maineri.[8] Casou-se em 1938 com Noris Leda Artico, filha de Augusto Artico e Ema Panigas, nascida em 10 de novembro de 1918 e falecida em 16 de outubro de 2011, também de família tradicional,[10] mas que tivera sorte semelhante, ganhando riqueza no início do século com uma grande cantina, de produto premiado,[11][12][13] e falindo em 1921.[14] Com a esposa teve os filhos Beatriz Ignez, Elisabeth Ana, Vera Mari, Villi Victorio, Vitor Augusto e Roberto Alcides.[15]

Carreira na indústria[editar | editar código-fonte]

Associando-se ao irmão Francisco, abriu uma fábrica de sapatos em torno de 1935, a Longhi & Cia. Ltda., mais conhecida como Fábrica de Calçados Caxias, iniciando uma fase ascendente. Na época era a única empresa do gênero da cidade, produzindo calçados de todos os tipos, mas concentrando-se nos modelos escolares e botas para o Exército, passando a atender o mercado interno e também exportando seu produto para várias cidades do Rio Grande do Sul e outros estados do Brasil.[16][17]

Alcides em sua primeira sapataria, c. 1935.
Publicidade da sua fábrica de sapatos.

A empresa conheceu um período de significativa prosperidade, ampliando suas instalações em 1947 com uma seção de varejo junto à fábrica[16] e abrindo uma loja própria em 1948 na praça central da cidade. A imprensa da época apontou sua contribuição para o avanço econômico e industrial de Caxias,[18] como fez O Momento:

"Aqui estamos hoje falando da grande fábrica de calçados da firma Longhi & Cia. Ltda. Não resta dúvida que o progresso e o desenvolvimento material e cultural desta terra, de anos a esta parte, vem tomando um incremento extraordinário, digno do maior crédito e apreciação. Assim, depois de termos abordado noutros números, a marcha admirável de dois importantes estabelecimentos comerciais da praça, hoje cuidaremos [...] da firma que tem como dirigente o sr. Alcides Longhi. Senhor dum tino comercial idôneo e apreciável, cavalheiresco e entusiasta do esporte caxiense, o sr. Alcides Longhi há mais de um lustro que está norteando, dentro do terreno da honradez e do critério, a Fábrica de Calçados marca 'Caxias', instalada próxima ao campo do Juventude.
"Iniciando suas atividades com modesta sapataria, em ponto central da cidade, hoje o sr. Alcides Longhi, para orgulho desta terra, orienta os negócios daquele modelar estabelecimento. Com uma seção de varejo instalada na própria fábrica, com funcionários que exprimem a beleza do comércio moderno, no tocante ao esforço, a dedicação, a atenção e o trabalho em geral, o sr. Alcides Longhi viu concretizados os seus mais ardentes sonhos. A passos gigantescos, marcha a indústria em Caxias do Sul. Com homens de têmpera construtiva e progressista do quilate do sr. Alcides Longhi e doutros que integram a poderosa indústria, breve a 'Pérola das Colônias' poderá, festivamente, proclamar a sua independência econômica".[19]
Alcides Longhi na década de 1940.

Recebeu destaque também em 1950 em dois grandes álbuns ilustrados comemorativos dos 75 anos da colonização italiana no estado, um publicado pela Festa da Uva e outro pela Municipalidade. No primeiro, declara-se que a cidade podia se orgulhar de uma empresa que era a única em seu tipo na região e que se comparava às melhores do estado,[20] e no segundo, de teor semelhante, foi descrita como...

"[...] uma fábrica de calçados que hoje figura em pé de igualdade com as mais reputadas congêneres do estado e do país, [...] fornecendo calçados de todos os tipos, todos de superior qualidade, a uma multidão de consumidores em todo o estado e demais unidades da Federação. [...] Fazendo do binômio 'qualidade e preço módico' o seu lema de trabalho, a firma Longhi & Cia. Ltda. conquistou para seus calçados uma aceitação que superou as melhores expectativas. [...] Os negócios da firma acham-se sob a direta orientação do sócio sr. Alcides Longhi, cuja capacidade comercial tem sido um dos fundamentos do extraordinário progresso que consolidou em poucos anos a Fábrica de Calçados Caxias".[21]

Porém, depois desta boa fase, Alcides faliu em 1954,[22] em uma crise do setor coureiro. Então passou a direcionar sua atenção para outra empresa que havia fundado na mesma época, a Mibral, que produzia rebites, braçadeiras e lonas para freios,[23] mas que até a falência da fábrica de calçados havia permanecido em segundo plano e tinha um porte pequeno. Para aumentar seus rendimentos e sustentar sua grande família, abriu também uma lancheria. No entanto, os negócios não foram muito bem e ele passou por períodos difíceis. Em 1965 a Mibral tornou-se uma sociedade anônima, quando Alcides retirou-se da empresa e se aposentou.[8]

O desportista[editar | editar código-fonte]

Paralelamente à sua vida empresarial, Alcides sempre manteve forte envolvimento com o futebol, vindo a construir destacada carreira. Iniciou sua participação no Esporte Clube Juventude nos anos 30 como júnior, e em 1935 ingressou no time principal, ocupando a posição de zagueiro.[23] Nesta época, por um breve período colaborou com o Esporte Clube Cruzeiro do Sul como tesoureiro,[24] mas dedicaria depois toda a vida ao Juventude. Francisco Michielin o citou em várias passagens de seu livro Assim na Terra como no Céu, que narra a história do clube. Em uma delas, o autor diz:

“Quando o Juventude despontou no futebol, em 1913, havia tanta gurizada que queria jogar, misturando-se aos ‘coroas’, que a primeira providência, logo que as coisas se definiram, foi criar a divisão dos ‘filhotes’. Eram gurizotes de dez anos para cima, loucos para chutar uma bolinha e, naturalmente, vestidos de verde. A partir daí, gerações de craques foram nascendo como banana em cacho. A história do Juventude é rica pelos ‘prata-da-casa’ que produziu.
“O time-base que vinha atuando nos últimos oito anos [entre as décadas de 20 e 30] era quase imutável, com mínimas variações. Algumas peças haviam se desgastado. [...] Fazia-se claramente necessário efetuar uma eficaz reposição. Foi justamente nos ‘filhotes’ que o Juventude procurou suas soluções emergenciais. A fornada de novos talentos oferecia promissoras condições de montar uma equipe sempre competitiva. [...] Para o arco, apareceu o grandalhão, de quase dois metros de altura, forte como um touro, Adelino Fabbris, o Vanzetti. Ele, posteriormente, seria técnico, diretor de futebol e presidente. Ocuparia todo e qualquer cargo diretivo para servir o seu Juventude. A zaga trazia a proposição de dois fortíssimos elementos: Décio Nabinger – A Mobília – com sua boina verde, e Alcides Longhi – A Lenda – também, mais tarde, um faz-tudo e, naturalmente, presidente. Era impressionante o amor que esses jogadores todos nutriam pelo Juventude. Antes de jogar, amavam-no. [...] A Lenda Longhi prolongou-se por quase vinte anos, jogando até o último reservatório de sua energia".[25]
Equipe do Juventude em 1935, quando Alcides conquistou com o grupo seu primeiro Campeonato Citadino. Ele está na primeira fila, à extrema esquerda

Conquistou com seu clube vários títulos: campeão do Citadino em 1935, 1936, 1938, 1940, 1941,[26] 1949,[27] campeão da 4ª Região em 1939,[28] campeão do Torneio Início em 1942,[29] vice-campeão do Citadino em 1937, 1942, 1945 e 1946,[30][31] e vice-campeão da Região Nordeste em 1940.[28] Sua atuação individual foi elogiada numerosas vezes na imprensa da época, citando os seus "pés mágicos"[32] e assinalando especialmente a segurança que transmitia em sua posição na retaguarda.[33][34][35][36][37][38][39][29][40] Esta qualidade foi destacada em umas quadras humorísticas referentes aos "ìdolos" do clube publicadas no jornal A Época, onde se dizia dele:

Longhi é baque direito
Ligeiro e empreendedor
Por ele ninguém passa
Nem pedindo por favor. [41]

Michelin também fez menção a este talento particular: “Lá atrás, Alcides Longhi era uma garantia, uma fortaleza, principalmente quando Décio Nabinger, com a sua ‘bomba’, abandonou o futebol".[25] Foi o capitão do time entre 1939 e 1947 e em 1948 recebeu o título de Jogador Laureado.[28]

Foi juiz em jogos da segunda divisão em 1941,[42] e em 1947, ainda jogando, iniciou sua participação nas diretorias, assumindo primeiramente como diretor de Futebol.[43] Em 1949 ocupou a presidência, ano em que realizou benfeitorias no primitivo estádio, a então chamada Quinta dos Pinheiros, construindo em anexo "um majestoso pavilhão",[44] e conquistando invicto o Campeonato Citadino.[28] O jornal A Época assim o descreveu neste ano:

“Longhi conquistou para o Juventude inúmeros campeonatos trabalhando no campo da luta. Este ano, conquistou outro galardão, desta vez mais significativo, porque estava sob sua responsabilidade, não como antigamente conter o avanço e quebrar o ímpeto dos adversários – mas o Clube todo. Alcides Longhi é mais um dos nomes que há de figurar para sempre, aplaudido, estimado e respeitado, nas páginas imorredouras da história do E. C. Juventude. Seu esforço, sua abnegação, seu trabalho e dinamismo servem para solidificar cada vez mais os alicerces deste veterano clube caxiense”.[28]

A revista Panorama Esportivo de Porto Alegre deixou outro registro sobre a conquista:

"É o ponto central de onde partem todas as iniciativas, que ele sabe distribuir inteligentemente entre os seus companheiros de diretoria. Esportista de linha, ativo, incansável mesmo, não encontra dificuldades nem sacrifícios quando se trata da defesa do bom nome e da grandeza do clube ao qual dispensa os melhores dias de sua existência. Como presidente lhe coube a honra de reconquistar para seu clube o título de Campeão Invicto da cidade de Caxias do Sul, entretanto com fundadas esperanças na jornada final pelo campeonato estadual. A Alcides Longhi deve, pois, o simpático clube da Pérola das Colônias o lugar de destaque em que se encontra, com seu pavilhão verde e branco cheio de novas e retumbantes vitórias".[45]

Ingressou no time dos Veteranos em 1953[46] e permaneceria associado ao Juventude ainda por muitos anos, fazendo parte de outras diretorias como conselheiro, membro da Comissão Técnica[47] ou diretor de Futebol,[48] colaborando para a conquista de outros títulos. O clube foi campeão do Citadino também em 1950, 1951 e 1953;[49] campeão do Interior em 1964, 1965 e 1966,[50] e vice-campeão do Estadual de 1965.[51] Em 1966 Alcides recebeu o título de Melhor Diretor de Futebol, conferido pela popular Rádio Caxias,[52] e em 1970 recebeu homenagem do clube nas festividades do aniversário do alvi-verde.[51]

No início dos anos 70 o Juventude passava por sérias dificuldades financeiras, e para saná-las concebeu-se a fusão com o seu maior rival, o Flamengo. Alcides foi um dos poucos dirigentes que se opôs à ideia, considerando que "nas cidades onde só há um clube o futebol está morrendo", como disse em entrevista para a revista Placar. A fusão de fato ocorreu mas acabou fracassando, e em 1975 o Juventude retornou à sua antiga identidade, iniciando uma fase de novos sucessos.[48] Neste mesmo ano, sendo presidente Willy Sanvito, inaugurou-se o seu novo estádio, o Alfredo Jaconi, cujas obras foram dirigidas por Alcides,[53] e foi conquistada a Copa Governador do Estado do Rio Grande do Sul,[25] com Alcides ocupando também a função de diretor de Futebol e assessor da Presidência. Seu filho Vitor era o preparador físico.[48] A Copa, de âmbito estadual, comemorava nesta edição o centenário da imigração italiana.[25]

Por um breve tempo deixou suas atividades no Juventude, mas em 1981 o então presidente Flávio Ioppi e o lendário Pastelão o convidaram para colaborar mais uma vez,[54] mas logo retirou-se em definitivo, encerrando sua participação no esporte caxiense. Faleceu em 18 de agosto de 1994.[8]

O Estádio Alfredo Jaconi, cuja construção Alcides supervisionou.

Legado[editar | editar código-fonte]

Alcides Longhi é lembrado hoje principalmente como figura ilustre do Esporte Clube Juventude. Como jogador foi um dos seus ídolos na fase áurea do amadorismo, recebendo os apelidos de A Lenda e Jesus, este pelos "milagres" que fazia com a bola, deixando depois, quando passou para o trabalho nos bastidores, também significativa contribuição.[25][15] Roni Rigon dedicou-lhe vários pequenos artigos entre 2002 e 2003 publicados na coluna "Memória" do jornal Pioneiro, o maior da região nordeste do estado, [53][51][23][16] assinalando ainda suas atividades filantrópicas.[55] Além de prestigiá-lo em seu livro sobre a história do clube, Francisco Michielin o incluiu na sua galeria dos “100 Personagens” publicada no Pioneiro em 2013, quando foi comemorado o centenário da agremiação,[56] e na mesma oportunidade a Gazeta de Caxias o listou entre as figuras destacadas da sua história.[57]

Alcides na festa de seu 64º aniversário. Na foto, da esquerda para direita, seu irmão Oscar e a esposa Leda Salami Longhi, Alcides Longhi e a esposa Noris Leda Artico Longhi, sua cunhada Ada Artico Tessari, sua irmã Flora Longhi Mattana, sua outra irmã Romilda Longhi Baratto e o esposo Orestes Baratto

O reconhecimento da comunidade foi coroado, contudo, com a atribuição de seu nome a uma rua. Foi louvado pela Comissão de Desenvolvimento Urbano e Obras, que analisou o referente Projeto de Lei, como "cidadão empreendedor, que dedicou sua vida ao seu time do coração: Esporte Clube Juventude. [...] A Comissão se manifesta pela aprovação do projeto em tela, aproveitando a oportunidade para unir-se ao vereador autor do projeto nas homenagens ao senhor Alcides Longhi".[15] O Projeto de Lei foi aprovado na Câmara Municipal por unanimidade, com manifestações dos vereadores Francisco Spiandorello e Walmor Vanazzi, que fizeram breves retrospectivas de sua atuação. O primeiro assim disse:

“Senhor presidente, pedi a palavra para declarar o voto e mencionar que o homenageado, Alcides Longhi, foi um dos mais extraordinários atletas que passaram por Caxias do Sul. Conhecido no futebol como ‘Jesus’, era um jogador laureado no Esporte Clube Juventude. Deixou a sua passagem como atleta, como dirigente e como homem integrado a Caxias do Sul. Trabalhou sem pretensões pessoais, mas com muito idealismo. Era casado com a Noris Leda Artico Longhi e tem os filhos Beatriz, Elisabeth, Vera Mari, Villi Victorio, Vitor Augusto e Roberto Alcides. Trabalhou também, no início de sua vida profissional, como sapateiro na área central de Caxias do Sul. Durante toda a atividade que teve em Caxias do Sul, sempre procurou estar próximo da cidade, dos seus eventos, das suas manifestações, amando o Esporte Clube Juventude. Por exemplo, em 1949, pelas atuações todas, ele fez com que o Esporte Clube Juventude se sagrasse campeão invicto, o que era uma raridade no futebol. Creio que, pelo exemplo de dignidade e de honradez, pela família que possui, pelo exemplo que legou, ele merece esta homenagem. Contamos com a aprovação desta Casa para que fique eternizado o seu nome, a sua história, a sua vida como exemplo para nós”.[15]

O vereador Vanazzi declarou:

“Eu conheci o homenageado, Alcides Longhi. Quando era menino, de 1935 a 1948, jogou como zagueiro central do Esporte Clube Juventude. Também era empreendedor, botou uma fábrica de calçados bem próximo ao estádio do Juventude. [...] Acho que estamos fazendo justiça a esse ilustre cidadão caxiense ao denominar com seu nome uma rua de nossa cidade. Como empreendedor, fabricou calçados masculinos e femininos e foi bem sucedido. Como jogador de futebol obteve diversos títulos. Naquele tempo eram disputados apenas campeonatos municipais, e todos eles eram amadores. Se nós tivéssemos hoje, no nosso profissionalismo, tanto no Juventude como no Caxias, o espírito amadorista do qual Alcides Longhi era exemplo, não estaríamos correndo o risco de cair nas divisões: o Juventude para a segunda, e nós para a terceira. Quero, então, homenagear a família de Alcides Longhi e seus descendentes”.[15]

Como industrial, teve sua empresa destacada em sua época por publicações de larga circulação,[21][20][19] e em tempos recentes sua trajetória foi recuperada por vários autores. Roni Rigon escreveu sobre ela em sua coluna "Memória" no jornal Pioneiro,[16][55] foi assinalada como uma das empresas que "marcaram época" na cidade pelas historiadoras Loraine Slomp Giron e Heloísa Bergamaschi em um livro sobre a história das casas comerciais de Caxias,[17] e o prédio novo foi estudado por Ana Elísia da Costa, sendo considerado um bom representante da estética Déco aplicada à indústria.[58]

Descendência[editar | editar código-fonte]

Alcides Longhi com sua esposa e filhos. Atrás: Roberto Longhi e a esposa Siloé Hainzenreder, Villi Longhi e a esposa Tânia de Carvalho, Vitor Longhi e a esposa Maria Elisa Sebben, Aluysio Nonnenmacher. Na frente: Murillo Frantz e a esposa Elisabeth Longhi, Alcides Longhi e a esposa Leda Artico, Vera Longhi (de branco) e Beatriz Longhi, esposa de Aluysio

Alcides Longhi e Noris Leda Artico deram origem a uma descendência que recebeu atribuições de responsabilidade e numerosas distinções de organismos oficiais, bem como louvores na imprensa.[8] Seus filhos são:

  • Villi, professor de Informática da UFRGS,[96] executivo de grandes empresas e depois sócio fundador de duas importantes consultorias de Informática (MBS Consulting e BPM Soluções),[8] com clientes de peso em todo o Brasil,[97][98][99][100][101] premiado com o Global Awards for Excellence in BPM & Workflow, categoria Ouro, concedido pela Workflow Management Coalition, pelo case de automação da gestão de contratos da Unimed.[102]
  • Vitor, sargento do Exército, jogou nos Veteranos[103] e foi preparador físico do Esporte Clube Juventude[48][104][105] e nesta condição campeão da Copa Governador em 1975,[25] diretor do Departamento Esportivo do Recreio da Juventude,[106][107] professor de Educação Física, vice-diretor do Colégio Abramo Randon, empresário e um dos fundadores do balneário Noiva do Mar.[8]
  • Roberto, também jogou nos Juniores e nos Veteranos do Juventude,[103] formou-se dentista e tornou-se conhecido profissional em Caxias, um dos fundadores e membro da diretoria do Sindicato dos Odontologistas de Caxias do Sul, entidade com abrangência sobre 30 municípios.[8]

Referências

  1. Panizza, Luigi. “Cronologia Incendi di Vermiglio”. In: El forsí..., 2006; XI
  2. Frantz, Ricardo André Longhi. Crônica das famílias Longhi e Frantz e sua parentela em Caxias do Sul, Brasil: Estórias e História - Volume III: o passado na Europa, Parte 1, 2015, pp. 117-139
  3. Gardelin, Mário & Balen, João Maria. “Primeiras Famílias Chegadas a Caxias do Sul”. Folha de Caxias, 10/06/1989
  4. Gardelin, Mário & Costa, Rovílio. Os Povoadores da Colônia Caxias. EST / Folha de Hoje, 1994
  5. a b c Tessari, João Antônio. Memórias. E.A., 1994
  6. "Primeira sociedade caxiense comemora 125 anos". Folha do Sul, 23-24/12/2000
  7. "Comunidade caxiense celebra 135 anos" Arquivado em 12 de agosto de 2014, no Wayback Machine.. Correio Riograndense, s/d.
  8. a b c d e f g h Frantz, Ricardo André Longhi. Crônica das famílias Artico e Longhi e sua parentela em Caxias do Sul, Brasil: Estórias e Histórias - Volumes I e II. Academia.edu, 2015-2020
  9. Giron, Loraine Slomp & Bergamaschi, Heloísa Eberle. Casas de Negócio: 125 anos de imigração italiana e o comércio regional. EDUCS, 2001, p. 138
  10. "Faleceu o sr. Augusto Artico". Pioneiro, 24/06/1962
  11. "Visitando lo stabilimento". Città di Caxias, 14/10/1915
  12. "Inauguração de uma cantina". O Brazil, 13/07/1917
  13. "Os Srs. Artico & Cia." Città di Caxias, 12/01/1920
  14. “Notas forenses”. O Brasil, 25/03/1922
  15. a b c d e Câmara de Vereadores de Caxias do Sul. 355ª Sessão Ordinária no 3º Período da XIII Legislatura, 10/09/2003
  16. a b c d Rigon, Roni. “Memória: novo setor produtivo”. Pioneiro, 02/09/2003
  17. a b Giron & Bergamaschi, p. 173
  18. "Inaugurado o varejo de Calçados da Fábrica Longhi & Cia. Lt." O Momento, 13/03/1948
  19. a b "A Fábrica de Calçados 'Caxias' de Longhi & Cia." O Momento, 31/05/1947
  20. a b Festa da Uva. Álbum Comemorativo do 75º Aniversário da Colonização Italiana no Rio Grande do Sul. Editora Globo, 1950, p. 218
  21. a b Antunes, Duminiense Paranhos (org). Documentário Histórico do Município de Caxias do Sul 1875-1950, Comemorativo do 75º Aniversário da Colonização. Associação Comercial / Biblioteca Pública / Câmara dos Vereadores / Prefeitura de Caxias do Sul, 1950, p. 223
  22. "Edital de 1ª Praça". A Época, 14/01/1954
  23. a b c Rigon, Roni. “Memória: o zagueiro Alcides”. Pioneiro, 18/09/2003
  24. "S. C. Cruzeiro do Sul". O Momento, 13/01/1936
  25. a b c d e f Michielin, Francisco. Assim na Terra como no Céu. Sagra / D. C. Luzzatto, 1994
  26. “Crack da Semana”. O Momento, 21/07/1945
  27. “Campeonato da Cidade”. A Época, 01/10/1949
  28. a b c d e "Juventude - Campeão da Cidade". A Época, 18/08/1949
  29. a b "O Juventude sagrou-se campeão do Início". A Época, 10/05/1942
  30. “Pelo esporte”. O Momento, 29/09/1945
  31. “Salve G. E. Fluminense! Campeão citadino de 1946”. O Momento, 05/10/1946
  32. "Esporte". O Momento, 11/07/1935,
  33. "O Juventude venceu espetacularmente o União na 1ª Melhor de Três". A Época, 23/10/1938
  34. "Juventude x Bento Gonçalves". A Época, 13/11/1938
  35. "Esportes". A Época, 20/11/1938
  36. "Por 3 x 1, o Juventude venceu o 9º B. C. Atlético Clube", A Época, 30/07/1939
  37. "O Juventude começou bem". A Época, 14/04/1940
  38. "Bela vitória do Juventude frente ao Cruzeiro". A Época, 28/04/1940
  39. "Em partida eliminatória pelo Campeonato Estadual de Futebol, o Juventude venceu o Esportivo de Bento Gonçalves". A Época, 27/10/1940
  40. "Pelo Esporte". O Momento, 03/05/1947
  41. "Os onze da Papada". A Época, 16/10/1941
  42. "Nota oficial". A Época, 08/06/1941
  43. "Nova Diretoria do E. C. Juventude". O Momento, 22/03/1947
  44. "O Esporte Clube Juventude completou 36 anos de existência". O Momento, 02/07/1949
  45. "Alcides Longhi". Panorama Esportivo, ago/1949
  46. "Amanhã a posse da Diretoria dos Veteranos". A Época, 01/02/1953
  47. "Crespo, Saul, Enio e um técnico para o Juventude". A Época, 04/02/1951
  48. a b c d Fonseca, Divino. “Lá vem o Juventude”. Placar, 31/01/1975
  49. RSSSF Brasil. Rio Grande do Sul - List of Caxias City Champions
  50. RSSSF Brasil. Campeões do Interior
  51. a b c Rigon, Roni. "Aniversário do Esporte Clube Juventude". Pioneiro, 19-20/10/2002
  52. Rádio Caxias. Diploma: Alcides Longhi, 28/12/1966
  53. a b "Rigon, Roni. "Alcides Longhi, ídolo do Juventude". Pioneiro, 18/09/2003
  54. "Quem é o Longhi". Pioneiro, 07/03/1981
  55. a b Rigon, Roni. "Retratos". Pioneiro18/09/2003
  56. Michielin, Francisco. “Histórias Juventudistas: 100 Personagens”. Pioneiro, 23-24/03/2013
  57. “100 anos Juventude com muito orgulho”. Gazeta de Caxias, junho/2013
  58. Da Costa, Ana Elísia. A evolução do edifício industrial em Caxias do Sul, de 1880 a 1950. UFRGS, 2001
  59. "Ginástica". Informativo Social do Recreio da Juventude, 1977 (5)
  60. Ruzzarin, Camila. “Presidentes da Liga Feminina de Combate ao Câncer de Caxias do Sul”. In: Laboratório Online de Jornalismo da UCS. Tá na Pauta, 07/03/2004
  61. “Liga Feminina de Combate ao Câncer”. Pioneiro, 21/04/1995
  62. "Liga". Folha de Hoje, 19/03/1994
  63. Pulita, João. "Beatriz Nonnenmacher é gente de expressão". Pioneiro, 14/09/1993
  64. Lions Clube São Pelegrino. Trajetória Fotográfica dos 30 Anos dos Lions Clube Caxias do Sul São Pelegrino, 1968-1998
  65. "Promoção social beneficente mostrou moda primavera-verão". Jornal de Caxias, 22/09/1979
  66. Câmara de Vereadores de Caxias do Sul. 86ª Sessão Solene da XIV Legislatura, 29/05/2008
  67. Secretaria de Educação e Cultura. Portaria 07969. Porto Alegre, 13/03/1987
  68. Adami, Sonia Regina. “Nós, as Mulheres”. Pioneiro, 11/03/1978
  69. Rigon, Roni. “Memória: Festa da Uva homenageia ex-presidentes em 1984”. Pioneiro, 31/10/2013
  70. "Comissão de Hospedagem". Pioneiro, 04/02/1978
  71. "Sucesso em muitas realizações garante êxito da grande festa". Pioneiro, 07/02/1981
  72. Secretaria de Educação e Cultura. Processo 01.653/87-19.00, 18/02/1987
  73. Brizolla, Francéli. Políticas Públicas de Inclusão Escolar: negociação sem fim, vol. II. Tese de Doutorado. UFRGS, 2007
  74. Sociedade de Cultura e Arte Aldo Locatelli — Paróquia de São Pelegrino. Legionária Benemérita da Arte, s/d.
  75. Longhi, Elisabeth Ana. “A JEC em Ação”. Pioneiro, 19/09/1959
  76. Editorial. “Cordial saudação de Elisabeth”. Pioneiro, 22/06/1961
  77. Editorial. “A delicadeza de nossa colaboradora Elisabeth”. Pioneiro, mar/1961
  78. a b Adami, João Spadari. Dicionário dos Intelectuais Caxienses, Editora São Miguel, 1960
  79. a b Santos, Leonir. “Academia Caxiense de Letras (V)”. Jornal do Comércio, 03/06/1996
  80. “Integração entre a Escola e a Comunidade: A fórmula para Imigrante ser colégio-modelo”. Pioneiro, 16/08/1977
  81. Câmara Municipal de Caxias do Sul. 86ª Sessão Solene da XIV Legislatura, 29/05/2008
  82. Câmara Municipal de Caxias do Sul. 70ª Sessão Extraordinária, de caráter Solene, em homenagem aos 10 anos do Núcleo de Artes Visuais, no 3º Período da XII Legislatura, 29/04/1999
  83. “Núcleo de Artes Visuais promove a cultura regional”. Jornal do Comércio, 21/09/1995
  84. “Prefeito em Exercício prestigia a comemoração dos 25 anos do NAVI”. Departamento de Comunicação da Secretaria da Cultura de Caxias do Sul, 07/11/2013
  85. “Comissão de Festas e da Rainha inicia promoção da Festa da Uva – 81”. Pioneiro, 31/05/1980
  86. “A Extensa Programação do Departamento Social”. In: Informativo Social do Recreio da Juventude, 1976; (6)
  87. “Centenário: Acervo Fotográfico resgata um século de história”. Informativo Clube Juvenil, dez/2001
  88. “Centro de Cultura recebe 3º ato de exposição cultural”. Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Caxias do Sul, 11/05/2006
  89. “Mostra de documentos no Iguatemi Caxias integra festejos do centenário do Clube Juvenil, um dos mais tradicionais da cidade”. Pioneiro, 12/04/2006
  90. Câmara de Vereadores de Caxias do Sul. Ata da 6ª Sessão Solene da XIV Legislatura, 23/06/2005
  91. Pulita, João. "Liga Feminina de Combate ao Câncer". Pioneiro, 20/11/1995
  92. “Rotary Cinquentenário 35 Anos”. Folha de Hoje, 07/05/1993
  93. Gargioni, Paulo. “Incidente, Miss Brasil e Rotary”. Folha de Hoje, 01/07/1994
  94. Gargioni, Paulo. “Quinta na Primeira Classe”. Folha de Hoje, 21/10/1993
  95. "Damas Rotárias: Presenças Marcantes". Folha de Hoje, 07/05/1993
  96. UFRGS — Instituto de Informática. Corpo docente Arquivado em 18 de outubro de 2014, no Wayback Machine.
  97. “Sefaz implantará Projeto de Redesenho do Modelo de Gestão e Execução da Ação Fiscal”. JusClip, 16/01/2014
  98. “CRA-RS apresenta Planejamento estratégico 2014-2020”. Conselho Regional de Administração, 25/11/2013
  99. Renner, Maurício. “BPM Soluções distribui BizAgi”. Baguete, 16/03/2011
  100. “SEFAZ implantará Projeto de Redesenho do Modelo de Gestão e Execução da Ação Fiscal”. Secretaria da Fazenda do Estado do Piauí, 16/01/2014
  101. Gomes, Catarina & Bandeira, Élio. “Prefeitura lança sistema de aprovação eletrônica de projetos”. Jornal da Cidade, 24/10/2014
  102. “Unimed Porto Alegre conquista prêmio internacional de gestão”. Portal Fator Brasil, 03/12/2010
  103. a b Souza, Luiz Carlos de. “Sêniors do Juventude resgatam a história”. Pioneiro, 25-27/12/1995
  104. “Destaques fora das quatro linhas”. Pioneiro, 31/12/1975-03/01/1976
  105. "Marcaram Futebol em 1975". Pioneiro, 31/12/1975-03/01/1976
  106. "Torneios Internos de Verão". Informativo Social do Recreio da Juventude, 1976 (3)
  107. "Esportes". Informativo Social do Recreio da Juventude, 1977 (5)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Alcides Longhi

Ligações externas[editar | editar código-fonte]