Aldo de Maio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Aldo de Maio
Nascimento 1930
Curitiba
Morte 1988 (58 anos)
Curitiba
Ocupação Ator

Aldo de Maio (Curitiba, 1930 - Curitiba , 1988) foi um ator, diretor, escritor, e pintor brasileiro. Foi integrante do grupo teatral “Teatro dos Sete”, ao lado de Fernanda Montenegro, Sérgio Britto e Ítalo Rossi, que estreou em 1959 com a peça “O Mambembe”. Dentre outras peças, atuou, também, em “A Alma Boa de Set-Suan” (1958); “As Medalhas da Velha Senhora”, “A Mulher de Todos Nós”, “Águia de Duas Cabeças” e “Week End”.

Nos primórdios da TV Tupi, participou de vários episódios do “Grande Teatro Tupí”. Posteriormente apresentado na TV Rio do Rio de Janeiro. Além de formar plateia para o teatro, o programa possibilitou a fundação do Teatro dos Sete, uma das mais atuantes companhias teatrais dos anos 60[1].

Na televisão, atuou na minissérie “Padre Cícero” (1984), no seriado “Alice & Alice” (1983) e nas novelas “Jerônimo, o Herói do Sertão” (1972); “Verão Vermelho” (1970); “Sangue do Meu Sangue (1969); “A Muralha” (1968); “Um Rosto de Mulher” (1966); “Sonho de Amor” (1964); “Vitória” (1964); “O Desconhecido” (1964); “Pouco Amor Não É Amor” (1963) e “A Morta Sem Espelho” (1963).

No cinema, esteve no filme “Society em Baby-Doll” (1965).

Na década de 1980, doente e quase esquecido, tornou-se pintor e foi viver em Curitiba. Foi com a venda de seus quadros que ele custeou seu tratamento médico.

Seu último trabalho na televisão foi na minissérie “O Tempo e o Vento” exibida em 1985, onde interpretava o personagem Macedo.

Referências

  1. «Um Grande Teatro». Bloch Editores. revista Manchete (n°565): pg. 89-91. 16 de fevereiro de 1963