Alexander Anderson (matemático)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Alexander Anderson
Frontispício do Supplementum Apollonii redivivi, de Alexander Anderson, 1612
Nascimento 1582
Aberdeen
Morte 1620 (37–38 anos)
Paris
Cidadania Reino da Escócia
Ocupação matemático
Empregador Universidade de Paris

Alexander Anderson (Aberdeen, c. 1592 – Paris, ca. 1620) foi um matemático escocês.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Anderson era filho de David Anderson de Finshaugh. Sua irmã foi Janet Anderson, mãe do célebre James Gregory. Em sua juventude foi para o continente e ensinou matemática em Paris, onde publicou ou editou, entre os anos de 1612 e 1619, vários panfletos sobre geometria e álgebra.

Foi selecionado pelos testamenteiros de François Viète para revisar e editar as obras manuscritas de Viète. O trabalho de Anderson resultou em seis volumes, e como o último deles foi publicado em 1619, é provável que o autor morreu logo depois daquele ano, mas a data exata é desconhecida.

Obras[editar | editar código-fonte]

Seus trabalhos são os seguintes:

  • Supplementum Apollonii Redivivi, Paris, 1612, no qual ele exibe um notável domínio da análise antiga, e fornece as deficiências na tentativa de Marin Ghetaldi de restaurar o livro perdido de Apolônio de Pérgamo, Περὶ νεύσεων
  • Αὶτιολογία pro Zetetico Apolloniani Problematis à se jam pridem edito in supplemento Apollonii Redivivi, Paris, 1615, uma adição ao anterior.
  • Francisci Vietæ de Equationum recognitione et emendatione tractatus duo, Paris, 1615, contém o avanço de Viète na transformação e redução das equações algébricas, com um apêndice de Anderson, mostrando que a solução das equações cúbicas pode ser feita baseada na trissecção de um ângulo.
  • Ad Angularium Sectionum Analyticen Theoremata καθολικώτερα, Paris, 1615, dedicado a Carlos, Príncipe de Gales, acrescenta aos teoremas de Viète, sobre seções angulares, demonstrações posteriormente incorporadas na edição das obras do algebrista francês publicadas por Frans van Schooten, em Leiden, em 1646.
  • Vindiciæ Archimedis, Paris, 1616, refuta a alegação de Philippe van Lansberge, um astrônomo belga, para resolver o problema da quadratura do círculo, e critica a Stereometria de Johannes Kepler.
  • Animadversionis in Franciscum Vietam à Clemente Cyriaco nuper editæ brevis Διάκρισις, Paris, 1617.
  • Exercitationum Mathematicarum Decas Prima, Paris, 1619. Dois trabalhos de Anderson sobre estereometria parecem ter se perdido. Um deles é mencionado por ele mesmo (Ex. Math.), e cópias de ambos (o segundo, intitulado Stereometria Triangulorum Sphæricorum) estavam de posse de Sir Alexander Hume até muito tempo depois da metade do século XVII.

Referências