Alexander Anderson (matemático)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Alexander Anderson
Nascimento c. 1582
Aberdeen
Morte 1620 (38 anos)
Paris
Nacionalidade Flag of Scotland (traditional).svg Reino da Escócia
Ocupação matemático

Alexander Anderson (Aberdeen, c. 1592 – Paris, ca. 1620) foi um matemático escocês.

Supplementum Apollonii redivivi, 1612

Biografia[editar | editar código-fonte]

Anderson era filho de David Anderson de Finshaugh. Sua irmã foi Janet Anderson, mãe do célebre James Gregory. Em sua juventude foi para o continente e ensinou matemática em Paris, onde publicou ou editou, entre os anos de 1612 e 1619, vários panfletos sobre geometria e álgebra.

Foi selecionado pelos testamenteiros de François Viète para revisar e editar as obras manuscritas de Viète. O trabalho de Anderson resultou em seis volumes, e como o último deles foi publicado em 1619, é provável que o autor morreu logo depois daquele ano, mas a data exata é desconhecida.

Trabalhos[editar | editar código-fonte]

Seus trabalhos são os seguintes:

  • Supplementum Apollonii Redivivi, Paris, 1612, no qual ele exibe um notável domínio da análise antiga, e fornece as deficiências na tentativa de Marin Ghetaldi de restaurar o livro perdido de Apolônio de Pérgamo, Περὶ νεύσεων
  • Αὶτιολογία pro Zetetico Apolloniani Problematis à se jam pridem edito in supplemento Apollonii Redivivi, Paris, 1615, uma adição ao anterior.
  • Francisci Vietæ de Equationum recognitione et emendatione tractatus duo, Paris, 1615, contém o avanço de Viète na transformação e redução das equações algébricas, com um apêndice de Anderson, mostrando que a solução das equações cúbicas pode ser feita baseada na trissecção de um ângulo.
  • Ad Angularium Sectionum Analyticen Theoremata καθολικώτερα, Paris, 1615, dedicado a Carlos, Príncipe de Gales, acrescenta aos teoremas de Viète, sobre seções angulares, demonstrações posteriormente incorporadas na edição das obras do algebrista francês publicadas por Frans van Schooten, em Leiden, em 1646.
  • Vindiciæ Archimedis, Paris, 1616, refuta a alegação de Philippe van Lansberge, um astrônomo belga, para resolver o problema da quadratura do círculo, e critica a Stereometria de Johannes Kepler.
  • Animadversionis in Franciscum Vietam à Clemente Cyriaco nuper editæ brevis Διάκρισις, Paris, 1617.
  • Exercitationum Mathematicarum Decas Prima, Paris, 1619. Dois trabalhos de Anderson sobre estereometria parecem ter se perdido. Um deles é mencionado por ele mesmo (Ex. Math.), e cópias de ambos (o segundo, intitulado Stereometria Triangulorum Sphæricorum) estavam de posse de Sir Alexander Hume até muito tempo depois da metade do século XVII.

Referências