Alexander Friedmann

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Alexander Friedmann
Nascimento 16 de junho de 1888
São Petersburgo
Morte 16 de setembro de 1925 (37 anos)
Petrogrado
Sepultamento Cemitério Smolensk
Nacionalidade russo
Cidadania Império Russo, União Soviética
Alma mater
  • The Second Saint Petersburg Gymnasium
  • Faculty of Physics and Mathematics of the Saint Petersburg University
Ocupação matemático, físico, meteorologista
Prêmios
  • Ordem de São Jorge
  • Ordem de São Vladimir, 4.ª classe
  • Cruz de São Jorge 4ª classe
  • Espada Dourada pela Bravura
Empregador Universidade Estatal de Engenheiros de Caminhos de San Petersburgo, Saint Petersburg Mining University, Perm State University, Universidade Estatal de São Petersburgo, The Voeikov Main Geophysical Observatory, Instituto Ótico Estatal Vavilov
Orientador(es) Vladimir Steklov
Orientado(s) George Gamow, Nikolai Kochin, Pelageya Polubarinova-Kochina
Campo(s) matemática, cosmologia
Obras destacadas Equações de Friedmann, Métrica de Friedmann-Lemaître-Robertson-Walker
Causa da morte tifo
Assinatura
Aleksandr Fridman signature.png

Alexander Alexandrovich Friedmann (em russo: Александр Александрович Фридман; São Petersburgo, 16 de junho de 1888Petrogrado, 16 de setembro de 1925) foi um matemático e cosmólogo russo.[1] Friedmann é um dos "pais" da teoria de expansão do universo e do Big Bang, juntamente com Georges Lemaître e George Gamov.[1]

Primeira Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Friedmann lutou na Primeira Guerra Mundial em nome da Rússia Imperial, como aviador do exército, instrutor e, eventualmente, sob o regime revolucionário, como chefe de uma fábrica de aviões.[2]

Teoria[editar | editar código-fonte]

Friedmann em 1922 introduziu a ideia de um universo em expansão que continha matéria em movimento. A correspondência com Einstein sugere que Einstein não estava disposto a aceitar a ideia de um Universo em evolução e, em vez disso, trabalhou para modificar suas equações para garantir um Universo estático eterno, como se acreditava desde a época de Newton. Alguns anos depois, em 1926, Hubble publicou a relação redshift vs distância, ou seja, todas as galáxias na vizinhança pareciam estar recuando a uma taxa proporcional à distância, formalizando uma observação feita anteriormente por Carl Wilhelm Wirtz . Pode-se notar que em 1927 o astrônomo belga Georges Lemaître também chegou independentemente à conclusão de um Universo em evolução.[3]

Em junho de 1925, Friedmann recebeu o cargo de diretor do Observatório Geofísico Principal de Leningrado. Em julho de 1925, ele participou de um vôo de balão recorde, atingindo a elevação de 7 400 m (24 300 pés).[4]

Trabalho[editar | editar código-fonte]

Relatividade[editar | editar código-fonte]

Os artigos de Friedmann de 1924, incluindo "Über die Möglichkeit einer Welt mit konstanter negativer Krümmung des Raumes" ("Sobre a possibilidade de um mundo com curvatura negativa constante do espaço") publicado pelo jornal de física alemão Zeitschrift für Physik (Vol. 21, pp. 326-332), demonstrou que ele tinha o comando de todos os três modelos de Friedmann que descrevem curvatura positiva, zero e negativa, respectivamente, uma década antes de Robertson e Walker publicarem sua análise.

Este modelo cosmológico dinâmico da relatividade geral viria a formar o padrão para as teorias do Big Bang e do estado estacionário. O trabalho de Friedmann apóia ambas as teorias igualmente, então foi somente com a detecção da radiação cósmica de fundo em micro-ondas que a teoria do estado estacionário foi abandonada em favor do paradigma favorito atual do Big Bang.

A solução clássica das equações de campo de Einstein que descreve um universo homogêneo e isotrópico é chamada de métrica Friedmann–Lemaître–Robertson–Walker, ou FLRW, em homenagem a Friedmann, Georges Lemaître, Howard P. Robertson e Arthur Geoffrey Walker, que trabalharam no problema nos anos 1920 e 30, independentemente de Friedmann.

Hidrodinâmica e meteorologia[editar | editar código-fonte]

Além da relatividade geral, os interesses de Friedmann incluíam hidrodinâmica e meteorologia.

Seminário Internacional Alexander Friedmann[editar | editar código-fonte]

O Seminário Internacional Alexander Friedmann é um evento científico periódico. O objetivo do encontro é promover contatos entre cientistas que atuam na área da Relatividade, Gravitação e Cosmologia e áreas afins. O Primeiro Seminário Internacional Alexander Friedmann sobre Gravitação e Cosmologia dedicado ao centenário de seu nascimento ocorreu em 1988.

Morte[editar | editar código-fonte]

Friedmann morreu em 16 de setembro de 1925 de febre tifóide mal diagnosticada. Ele teria contraído a bactéria no caminho de volta de sua lua de mel na Crimeia, quando comeu uma pêra não lavada que comprou em uma estação ferroviária.[1][5]

Publicações selecionadas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Tropp, Eduard A.; Frenkel, Viktor Ya; Chernin, Artur D. (11 de maio de 2006). Alexander A Friedmann: The Man who Made the Universe Expand (em inglês). [S.l.]: Cambridge University Press 
  2. Pyenson L. Revisão do livro. Physics Today [série online]. Setembro de 1994; 47 (9): 93. Disponível em: MasterFILE Premier, Ipswich, MA. Acessado em 18 de outubro de 2012.
  3. Daintith J. Dictionary Of Scientists [e-book]. Oxford University Press; 1999. Available from: eBook Collection (EBSCOhost), Ipswich, MA. Accessed October 18, 2012.
  4. Davidson et al., A Voyage Through Turbulence, Cambridge University Press, ISBN 9780521149310
  5. Френкель, Виктор Яковлевич (1 de julho de 1988). «Александр Александрович Фридман (Биографический очерк)». Успехи физических наук (em russo) (7): 481–516. ISSN 0042-1294. Consultado em 15 de setembro de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Alexander Friedmann