Alexandr Dugin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Alexandr Dugin
Data de nascimento: 7 de janeiro de 1962 (59 anos)
Local: Moscou, Rússia
Religião Igreja Ortodoxa Russa
Influências: Alain de Benoist, Heidegger, Evola, Schmitt, Guénon, Mackinder, Haushofer, Kalajić, Lenin, Niekisch, Nietzsche, Stalin, Ustryalov, Weber, Hobson, Spengler,[1] Crowley[2]
Influenciados: Djemal,[3] Karpets,[4][5] Limonov,[6] Soral[7][8]

Alexándr Gélievitch Dúgin, em russo Алекса́ндр Ге́льевич Ду́гин (Moscou, 7 de janeiro de 1962), é um cientista político russo cujo viés político vem sendo classificado como fascista.[9][10]

Analistas contestam sua influência: nas palavras do jornalista Alexandr Nevzorov, "se Sergei Kurginian e Dugin estivessem no poder no lugar de Putin, teríamos um inferno para pagar nossos pecados, pois, sem dúvida, eles teriam desencadeado uma Guerra Mundial, sem considerar consequências." No entanto, "Dugin e Kurginian não exercem a mínima influência sobre o Kremlin, pois nem sequer trabalham lá".[11][12] Pesquisadores como Mark Sedgwick e Benjamin R. Teitelbaum têm descrito Dugin como pertencente a escola filosófica esotérica Tradicionalista (ou "Perenialista"), ainda que modificando partes dessa filosofia para adaptar às condições da Rússia.[13] [14]

Atua como analista político e estrategista russo. Ele foi o principal organizador do Partido Bolchevique Nacional, da Frente Bolchevique Nacional e do Partido da Eurásia. Ele também serviu como conselheiro do presidente da Duma Estatal Gennadiy Seleznyov e membro líder do partido governante Rússia Unida, Sergei Naryshkin. Dugin é autor de mais de 30 livros, dentre eles “Fundamentos da Geopolítica” (1997) e “O Quarto Partido Político” (2009). [15] [16]

Em uma entrevista de 1999 para a mídia polonesa, Dugin explica: "No cristianismo ortodoxo russo, uma pessoa é parte da Igreja, parte do organismo coletivo, assim como uma perna. Então, como uma pessoa pode ser responsável por si mesma? Perna ser responsável por si mesma? É aqui que se origina a ideia de estado, estado total. Também por isso, os russos, por serem ortodoxos, podem ser os verdadeiros fascistas, ao contrário dos fascistas italianos artificiais: de tipo gentio ou seus hegelianos. O verdadeiro hegelianismo é Ivan Peresvetov - o homem que no século 16 inventou a oprichnina para Ivan, o Terrível. Ele foi o verdadeiro criador do fascismo russo. Ele criou a ideia de que o Estado é tudo e um indivíduo não é nada ". [17] [18] [19] [20]

Ativista e ideólogo, Alexandr Dugin é um dos mais destacados geopolíticos russos da atualidade, teórico do Eurasianismo, professor da Universidade Estatal de Moscou, fundador do Movimento Eurásia; é autor de uma dezena de livros, dos quais se destacam: "A Grande Guerra dos Continentes", "A Quarta Teoria Política", "Fundamentos da Geopolítica" e "A Geopolítica do Mundo Multipolar".[21] Sociólogo, filósofo e cientista político, além de geopolítico, presidente do Centro de Estudos Conservadores da Universidade Estatal de Moscou, pertence ao departamento de Sociologia das Relações Internacionais daquela universidade.[22]

Infância e Educação[editar | editar código-fonte]

Dugin nasceu em Moscou, no seio da família de um coronel-general da inteligência militar soviética e candidato a advogado, Geliy Alexandrovich Dugin, e de sua esposa Galina, médica e candidata a medicina. Seu pai deixou a família quando ele tinha três anos, mas garantiu que eles tivessem um bom padrão de vida e ajudou Dugin a se livrar de problemas com as autoridades na ocasião. Ele foi transferido para o serviço de alfândega devido ao comportamento de seu filho em 1983. Em 1979, Aleksandr entrou no Instituto de Aviação de Moscou, mas não se formou e teve que fazer um curso por correspondência em uma faculdade diferente. Ele então obteve o mestrado em filosofia e, eventualmente, dois doutorados, um em sociologia e outro em ciências políticas. [23] [24] [25] [26]

Em 1980, Dugin se juntou ao 'grupo Yuzhinsky', um grupo dissidente de vanguarda que se envolveu com o satanismo e outras formas de ocultismo. No grupo, ele era conhecido por abraçar o nazismo, que atribui a uma rebelião contra sua ascensão soviética, em oposição à simpatia genuína por Hitler. Ele adotou um alter ego com o nome de 'Hans Siever', uma referência a Wolfram Sievers, um pesquisador do paranormal nazista . Estudando sozinho, ele aprendeu a falar italiano, alemão, francês,inglês e espanhol. Ele também descobriu os escritos de Julius Evola na Biblioteca Estadual de VI Lenin e adotou as crenças da Escola Tradicionalista. [27] [28] [29]

Carreira e Visões Políticas[editar | editar código-fonte]

Aleksandr Dugin, na Conferência "New Horizon", 2018

Na década de 1980, Dugin era um dissidente e anticomunista. Trabalhou como jornalista antes de se envolver na política pouco antes da queda do comunismo. Em 1988, ele e seu amigo Geydar Dzhemal ingressaram no grupo ultranacionalista Pamyat (Memória), que mais tarde daria origem ao fascismo russo. Ele ajudou a escrever o programa político para o recém-fundado Partido Comunista da Federação Russa sob a liderança de Gennady Zyuganov. [30] [31] [32] [33]

Dugin publicou “Fundamentos da Geopolítica” em 1997; este trabalho foi usado como um livro-texto na Academia do Estado-Maior General dos militares russos, e alarma cientistas políticos nos Estados Unidos, às vezes referenciado por eles como "Destino Manifesto da Rússia". Também em 1997, seu artigo, "Fascismo - Sem Fronteiras e Vermelho", proclamou a chegada de um "fascismo fascista genuíno, verdadeiro, radicalmente revolucionário e consistente" na Rússia. Ele acredita que não foram "de forma alguma os aspectos racistas e chauvinistas do nacional-socialismo que determinou a natureza de sua ideologia. Os excessos desta ideologia na Alemanha são uma questão exclusivamente dos alemães ... enquanto o fascismo russo é uma combinação de conservadorismo nacional natural com um desejo apaixonado por mudanças verdadeiras. AWaffen-SS (ramo militar da SS) e especialmente o setor científico deste organização, Ahnenerbe , "era" um oásis intelectual no quadro do regime nacional-socialista ", segundo ele. [34] [35] [36]

Dugin logo começou a publicar seu próprio jornal intitulado “Elementy”, que inicialmente elogiou o franco-belga Jean-François Thiriart , tardiamente um defensor de um "império euro- soviético que se estenderia de Dublin a Vladivostok e também precisaria se expandir para o sul, uma vez que requer um porto no Oceano Índico". Consistentemente glorificando a Rússia czarista e estalinista, “Elementy” também indicou sua admiração por Júlio Evola. Dugin também colaborou com o jornal semanal Den (The Day), anteriormente dirigido por Alexander Prokhanov. [37] [38]

Ideologia[editar | editar código-fonte]

Dugin desaprova o liberalismo e o Ocidente, particularmente a hegemonia dos EUA. Ele afirma que "Estamos do lado de Stalin e da União Soviética". Diz-se conservador: “Nós, conservadores, queremos um Estado forte e sólido, queremos ordem e família sã, valores positivos, o reforço da importância da religião e da Igreja na sociedade”. Ele acrescenta: “Queremos rádio patriótica, TV, especialistas patrióticos, clubes patrióticos. Queremos uma mídia que expresse os interesses nacionais”. Segundo a cientista política Marlene Laruelle, o pensamento de Dugin, principal fabricante de um fascismo à russa, poderia ser descrito como uma série de círculos concêntricos, com ideologias de extrema direita sustentadas por diferentes tradições políticas e filosóficas (nazismo esotérico, tradicionalismo, perenialismo, a revolução conservadora alemã e a nova direita europeia) em sua espinha dorsal. [39] [40] [41] [42] [43] [44] [45]

Dugin apoia o pensamento de Martin Heidegger, notadamente o conceito geofilosófico de Dasein (Existência). De acordo com Dugin, as forças da civilização ocidental liberal e capitalista representam o que os antigos gregos chamavam de hubris , "a forma essencial de titanismo" (a forma anti-ideal), que se opõe ao Céu ("a forma ideal- em termos de espaço, tempo, ser "). Em outras palavras, o Ocidente resumiria "a revolta da Terra contra o Céu". Ao que ele chama de universalismo "atomizador" do Ocidente, Dugin contrasta um apofático universalismo, expresso na ideia política de "império". Os valores da democracia, dos direitos humanos, do individualismo, etc. não são considerados por ele como universais, mas exclusivamente ocidentais. Em 2019, Dugin travou um debate com o intelectual francês Bernard-Henri Lévy sobre o tema do que tem sido chamado de "a crise do capitalismo" e a insurreição dos populismos nacionalistas. [44] [45] [46]

Geopolítica[editar | editar código-fonte]

Dugin defendeu pontos de vista fascistas, e teorizou a fundação de um "império euro-asiático" capaz de lutar contra o mundo ocidental liderado pelos Estados Unidos. A este respeito, ele foi o organizador e o primeiro líder do Partido Bolchevique Nacional de 1993 a 1998 (junto com Eduard Limonov) e, posteriormente, da Frente Bolchevique Nacional e do Partido da Eurásia , que então se tornou uma associação não governamental. A ideologia eurasiática de Dugin, portanto, visa a unificação de todos os povos de língua russa em um único país, por meio do desmembramento territorial forçado das ex-repúblicas da União Soviética. No início da década de 1990, o trabalho de Dugin na Frente Bolchevique Nacional incluiu pesquisas sobre as raízes dos movimentos nacionais e as atividades de apoio a grupos esotéricos na primeira metade do século XX. Em parceria com Christian Bouchet, um então membro da Ordo Templi Orientis francesa, e construindo sobre os grupos de interesse nacional- fascista e migratório - integrativo na Ásia e na Europa, eles contribuem para trazer a política internacional para mais perto da geopolítica Rússia. [47] [48] [49] [50] [51] [52] [53]

Dugin passou dois anos estudando as teorias geopolíticas, semióticas e esotéricas do controverso estudioso alemão Herman Wirth (1885-1981), um dos fundadores da Ahnenerbe alemã. Isso resultou no livro Hyperborean Theory (1993), no qual Dugin endossou amplamente as ideias de Wirth como uma possível base para seu eurasianismo. Aparentemente, este é "um dos mais extensos resumos e tratamentos de Wirth em qualquer idioma". De acordo com o antropólogo moldávio Leonid Mosionjnik Wirth, as ideias abertamente selvagens se encaixaram perfeitamente no vazio ideológico após o fim do comunismo, do liberalismo e da democracia. Dugin também promoveu a lenda de que Wirth havia escrito um livro importante sobre a história do Povo Judeu e do Velho Testamento, o chamado Palestinabuch, que poderia ter mudado o mundo se não tivesse sido roubado. As ideias de Dugin, particularmente aquelas sobre "uma aliança turca - eslava na esfera eurasiana" começaram a receber atenção entre certos círculos nacionalistas na Turquia. [54] [55] [56] [57]

A Ideologia do eurasianismo de Dugin também tem sido ligado à sua adesão às doutrinas da Escola Tradicionalista. As crenças tradicionalistas de Dugin são o assunto de um estudo da extensão de um livro por J. Heiser (The American Empire Should Be Destroyed — Aleksandr Dugin and the Perils of Imanentized Eschatology). Dugin também defende uma aliança russo-árabe. Declarou “Em princípio, a Eurásia e o nosso espaço, o coração da Rússia, continuam a ser o palco de uma nova revolução antiburguesa e antiamericana ... O novo império eurasiano será construído com base no princípio fundamental do inimigo comum: a rejeição do atlantismo, o controle estratégico dos EUA e a recusa em permitir que os valores liberais nos dominem. Este impulso civilizacional comum será a base de uma união política e estratégica.” (As bases da Geopolítica, 1997). [58][56] [57]

A Rússia renascida, de acordo com o conceito de Dugin, é considerada por Charles Clover do Financial Times como uma versão ligeiramente refeita da União Soviética com ecos de Mil novecentos e oitenta e quatro de George Orwell, onde a Eurásia era um dos três superestados do tamanho de um continente incluindo Lestásia e Oceania como os outros dois e estava participando de uma guerra sem fim entre eles. Na esfera do discurso público da Eurásia, a política comunista totalitária implantada em mais de três décadas de trabalhos de vários grupos internacionais que fazem parte do movimento, é "uma versão de reintegração do espaço pós-soviético em uma esfera" eurasiana ". de influência para a Rússia ". O programa norte-americano "trabalha com uma ampla gama de parceiros de todos os setores da sociedade civil" e "é promovido por meio de doações, defesa e pesquisa, iniciativas regionais e envolvimento próximo". [59] [60] [61]

Igreja Ortodoxa e Neopaganismo Eslavo[editar | editar código-fonte]

Dugin foi batizado aos seis anos na igreja ortodoxa russa de Michurinsk por sua bisavó Elena Mikhailovna Kargaltseva. Desde 1999, ele abraçou formalmente um ramo dos “Velhos Crentes”, um movimento religioso russo que rejeitou as reformas de 1652-1666 da Igreja Ortodoxa Russa oficial. A filosofia eurasiana de Dugin deve muito ao Integralismo Tradicional e aos movimentos da Nova Direita e, como tal, ressoa com o Neopaganismo, uma categoria que, neste contexto, significa o movimento da Fé Nativa Eslava (Neopaganismo eslavo ou Rodnovery), especialmente nas formas de Anastasianismo e Ynglismo. O eurasianismo de Dugin é freqüentemente citado como pertencente ao mesmo espectro desses movimentos, e também tendo influências de tradições herméticas , gnósticas e orientais. Ele próprio apela a confiar na "teologia oriental e nas correntes místicas" para o desenvolvimento da Quarta Teoria Política. [62] [63] [64]

De acordo com Marlene Laruelle, a adesão de Dugin ao grupo dos “Velhos Crentes” permite que ele se posicione entre o Paganismo e o Cristianismo Ortodoxo sem adotar formalmente nenhum deles. Sua escolha não é paradoxal, uma vez que, segundo ele - na esteira de René Guénon - a ortodoxia russa e especialmente os “Velhos Crentes” preservou um caráter esotérico e iniciático que se perdeu totalmente no Cristianismo ocidental. Como tal, a tradição ortodoxa russa pode ser fundida com o neopaganismo e pode hospedar "a força nacionalista do neopaganismo, que o ancora no solo russo e o separa das outras duas confissões cristãs". [65]

Participação em partidos políticos[editar | editar código-fonte]

Partido Eurásia (Evrasia)[editar | editar código-fonte]

O Partido Eurasia, que promove ideias neo-eurasianistas, foi lançado em abril de 2001. Dugin foi relatado como o fundador do grupo. Ele disse que o movimento enfatizaria a diversidade cultural na política russa e se oporia à "globalização ao estilo americano, e também resistiria a um retorno ao comunismo e ao nacionalismo". Foi oficialmente reconhecido pelo Ministério da Justiça em 31 de maio de 2001. O Partido da Eurásia reivindica o apoio de alguns círculos militares e de líderes da fé cristã ortodoxa na Rússia, e o partido espera desempenhar um papel fundamental nas tentativas de resolução o checheno problema, com o objetivo de preparar o terreno para o objetivo de Dugin de uma aliança estratégica da Rússia com os estados europeus e do Oriente Médio, principalmente o Irã. Em 2005, Dugin fundou a União da Juventude Eurasiana da Rússia como a ala jovem do Movimento Internacional da Eurásia. [66] [67]

Partido Bolchevique Nacional[editar | editar código-fonte]

Em 1992, Eduard Limonov fundou a Frente Bolchevique Nacional como um amálgama de seis grupos menores. Aleksandr Dugin estava entre os primeiros membros e foi fundamental para convencer Limonov a entrar na política, e assinou a declaração de fundação do partido em 1993. O partido atraiu a atenção pela primeira vez em 1992, quando dois membros foram presos por posse de granadas. O incidente deu ao partido publicidade para uma campanha de boicote que eles estavam organizando contra produtos ocidentais. O partido niu forças com a Frente de Salvação Nacional (uma ampla coalizão de comunistas e nacionalistas russos). Em 1998, Dugin deixou o partido como resultado de um conflito com outros membros do partido.  Isso levou o partido a se mover ainda mais para a esquerda no espectro político da Rússia e levou membros do partido a denunciar Dugin e seu grupo como fascistas. [68] [69]

Ucrânia[editar | editar código-fonte]

Dugin apóia Putin e sua política externa, mas se opõe às políticas econômicas do governo russo. Sua citação de 2007, "Não há mais oponentes do curso de Putin e, se houver, eles estão mentalmente doentes e precisam ser enviados para exames clínicos. Putin está em toda parte, Putin é tudo, Putin é absoluto e Putin é indispensável" - foi eleito o número dois em elogios pelos leitores do Kommersant. No Kremlin, Dugin representa o "partido da guerra", uma divisão dentro da liderança sobre a Ucrânia. Dugin é um autor da iniciativa de Putin para a anexação da Crimeia pela Rússia Ele considerou a guerra entre a Rússia e a Ucrânia inevitável e apelou para que Putin começasse a intervir na Guerra do Donbass. Dugin disse: "A Renascença russa só pode parar em Kiev." [70] [71] [72] [73]

Durante o conflito pró-Rússia de 2014 na Ucrânia, Dugin estava em contato regular com insurgentes separatistas pró-Rússia. Ele descreveu sua posição como "incondicionalmente próseparatista ". Uma videochamada do Skype postada no YouTube mostrou Dugin dando instruções aos separatistas do sul e leste da Ucrânia, bem como aconselhando Ekaterina Gubareva, cujo marido Pavel Gubarev se declarou governador da região de Donetsk e depois disso foi preso pelo Serviço de Segurança da Ucrânia. Em 31 de março de 2014, Oleg Bahtiyarov, um membro da União da Juventude da Eurásia da Rússia fundada por Dugin, foi preso. Ele treinou um grupo de cerca de 200 pessoas para tomar o parlamento e outro prédio do governo, de acordo com o Serviço de Segurança da Ucrânia. [74]

Dugin afirmou estar desapontado com o presidente russo, Vladimir Putin, dizendo que Putin não ajudou os insurgentes pró-russos na Ucrânia após a ofensiva do exército ucraniano no início de julho de 2014. Em agosto de 2014, Dugin pediu um "genocídio" dos ucranianos. Halya Coynash, do Grupo de Proteção dos Direitos Humanos de Kharkiv, disse que a influência da "ideologia eurasiana" de Dugin nos acontecimentos no leste da Ucrânia e na invasão da Crimeia pela Rússia está além de qualquer dúvida. De acordo com Vincent Jauvert, a ideologia radical de Dugin tornou-se a base para a política interna e externa das autoridades russas. "Portanto, vale a pena ouvir Dugin, a fim de entender a que destino o Kremlin está levando seu país e toda a Europa." [75] [76]

A Ucrânia deu a Dugin uma proibição de entrada de cinco anos, começando em junho de 2006,  e Kiev o declarou uma persona non grata em 2007.  Sua União da Juventude Eurasiana foi proibida na Ucrânia.  Em 2007, o Serviço de Segurança da Ucrânia identificou pessoas da União da Juventude da Eurásia que cometeram vandalismo em Hoverla em 2007 : eles escalaram a montanha de Hoverla, imitando serrar os detalhes da construção na forma de um pequeno casaco de armas da Ucrânia por ferramentas trazidas com eles e pintou o emblema da União da Juventude da Eurásia no símbolo do memorial da Constituição da Ucrânia . Ele foi deportado de volta para a Rússia quando chegou ao Aeroporto Internacional de Simferopol em junho de 2007. [77]

Antes do início da guerra entre a Rússia e a Geórgia em 2008, Dugin visitou a Ossétia do Sul e previu: "Nossas tropas ocuparão a capital georgiana, Tbilisi, todo o país e talvez até a Ucrânia e a Península da Crimeia, que historicamente faz parte da Rússia". Posteriormente, ele disse que a Rússia "não deveria parar de libertar a Ossétia do Sul, mas deveria ir mais longe" e "temos que fazer algo semelhante na Ucrânia".  Em 2008, Dugin afirmou que a Rússia deveria repetir o cenário georgiano na Ucrânia, ou seja, atacá-la.  Em setembro de 2008, após a guerra russo-georgiana, ele não escondeu sua raiva de Putin, que "não ousou largar o outro sapato" e "restaurar o Império". [78] [79]

Em 10 de outubro de 2014, Dugin disse: "Somente depois de restaurar a Grande Rússia que é a União da Eurásia, podemos nos tornar um jogador global confiável. Agora esses processos desaceleraram muito. O maidan ucraniano foi a resposta do Ocidente ao avanço de a integração russa."  Ele descreveu o Euromaidan como um golpe de estado realizado pelos Estados Unidos: "A América deseja travar a guerra contra a Rússia não por suas próprias mãos, mas pelas mãos dos ucranianos. Prometendo piscar para até 10 mil vítimas entre a pacífica população da Ucrânia e, na verdade, exigindo as vítimas, os Estados Unidos conduziram a esta guerra.Os Estados Unidos deram o golpe de Estado durante o maidan com o objetivo desta guerra.Os Estados Unidos levantaram Russófobos neonazistas ao poder com o propósito desta guerra."  Dugin disse que a Rússia é a principal força motriz para os eventos atuais na Ucrânia:" A Rússia insiste em sua soberania, sua liberdade, responde aos desafios que lhe são impostos , por exemplo, na Ucrânia. A Rússia está tentando integrar o espaço pós-soviético ... "  Como afirma o cientista político israelense Vyacheslav Likhachov," Se alguém levar a sério o fato de que uma pessoa como Alexander Dugin é o ideólogo da corrida imperial para o Ocidente, então pode-se estabelecer que a Rússia não vai parar tão longe quanto o Oceano Atlântico. " [80] [81] [82] [83]

No artigo de 2014 de Dmitry Bykov "Por que a TV, Alexander Dugin e Galina Pyshnyak crucificaram um menino ", o uso do Canal Um da Rússia da história transmitida por Dugin e Pyshnyak sobre o menino supostamente crucificado como pretexto para intensificar o conflito foi comparado a o caso de Beilis. Em 9 de julho de 2014, Dugin em sua conta no Facebook escreveu uma história que uma criança de 6 anos foi supostamente pregada em um quadro de anúncios e morta a tiros diante dos olhos de seu pai.  Em 16 de julho de 2014, Novaya Gazeta forneceu uma fita de vídeo de seu correspondente Eugen Feldman caminhando ao longo da praça principal em Sloviansk, perguntando a mulheres idosas locais se tinham ouvido falar do assassinato da criança. Eles disseram que tal evento não aconteceu. O site Change.org hospedou uma petição de cidadãos que exigiam "uma investigação abrangente com identificação para todas as pessoas envolvidas na fabricação do complô." [84] [85]

Em 2 de outubro de 2014, Dugin descreveu a situação em Donbass: "A crise humanitária já assola o território de Novorossiya. Já cerca de um milhão, senão mais, de refugiados estão na Federação Russa. Uma grande parte dos habitantes do DPR e do LPR simplesmente se mudaram para o exterior. "  No final de outubro de 2014, Dugin aconselhou os separatistas a estabelecerem a ditadura em Novorossiya até que vencessem o confronto. [86] [87]

Relações com grupos radicais em outros países[editar | editar código-fonte]

Dugin fez contato com o pensador francês de extrema direita Alain de Benoist em 1990.  Por volta da mesma época, ele também conheceu o belga Jean-François Thiriart e Yves Lacoste.  Em 1992, ele convidou algumas das figuras europeias de extrema direita que havia conhecido para a Rússia. Ele também trouxe membros do Jobbik e Golden Dawn para a Rússia, a fim de fortalecer seus laços com o país.  De acordo com o livro War for Eternity de Benjamin R. Teitelbaum, Dugin conheceu Steve Bannon em Romaem 2018 para discutir as relações geopolíticas da Rússia com os Estados Unidos e a China, bem como a filosofia tradicionalista. Dugin também desenvolveu ligações com partidos políticos de extrema direita e extrema esquerda na União Europeia, incluindo Syriza na Grécia, Ataka na Bulgária, Partido da Liberdade da Áustria e Front National na França, para influenciar a política da UE na Ucrânia e Rússia. Dugin também está intimamente alinhado com o jornalista israelense Avigdor Eskin, que anteriormente atuou no conselho do Partido da Eurásia de Dugin. [88] [89] [90] [91] [92]

A Quinta coluna[editar | editar código-fonte]

A retórica típica sobre a quinta coluna como agentes estrangeiros é usada por Dugin para acusações políticas em muitas publicações. Em sua entrevista de 2014 publicada por Vzglyad e Komsomolskaya Pravda , ele disse: "Uma grande luta está sendo travada. E, claro, a Europa tem sua própria quinta coluna, seu próprio Bolotnaya Square- minded peopl,. fazendo coisas desagradáveis ​​em Dozhd, a Europa é de fato dominada e governada pela quinta coluna em pleno andamento. Esta é a mesma gentalha americana." Ele vê os Estados Unidos nos bastidores, incluindo a quinta coluna russa; de acordo com sua declaração, "O perigo de nossa quinta coluna não é que eles sejam fortes, eles são absolutamente insignificantes, mas que eles são contratados pelo maior 'padrinho' do mundo moderno - pelos Estados Unidos. É por isso que eles são eficazes, eles funcionam, são ouvidos e se safam de qualquer coisa porque têm o poder mundial por trás deles."  Ele vê a embaixada dos EUA como o centro de financiamento e orientação da quinta coluna e afirma: "Sabemos que a quinta coluna recebe dinheiro e instruções da embaixada americana." [93] [94] [95]

De acordo com Dugin, a quinta coluna promoveu a dissolução da União Soviética como uma construção continental terrestre, tomou o poder sob Boris Yeltsin e liderou a Rússia como a elite político-econômica e cultural dominante até os anos 2000; a quinta coluna é o regime dos reformadores liberais da década de 1990 e inclui os ex -oligarcas russos Vladimir Gusinsky, Boris Berezovsky, ex-funcionários do governo Mikhail Kasyanov, Boris Nemtsov, Vladimir Ryzhkov, trabalhadores artísticos, culturais e de mídia, o Eco de Moscou, a Universidade Estatal Russa de Humanidades, os mais altos escalões da Escola Superior de Economia da National Research University, uma parte significativa de professores do Instituto Estadual de Relações Internacionais de Moscou e uma parte minoritária de professores da Universidade Estadual de Moscou. Dugin propõe privar a quinta coluna da cidadania russa e deportar o grupo da Rússia: "Eu acredito que é necessário deportar a quinta coluna e privá-los de sua cidadania."  No entanto, em 2007, Dugin argumentou: "Não há mais oponentes da política de Putin e, se houver, eles estão mentalmente doentes e devem ser enviados para exames profiláticos de saúde."  Em 2014, Dugin em uma entrevista paraO Der Spiegel confirmou que considera os adversários de Putin como doentes mentais. [96] [97] [98] [99]

Em uma de suas publicações, Dugin introduziu o termo sexta coluna e definiu-o como "a quinta coluna que apenas finge ser algo diferente",  aqueles que são a favor de Putin, mas exigem que ele defenda os valores liberais ( em oposição à quinta coluna liberal, que é especificamente contra Putin). Durante a intervenção militar russa de 2014 na Ucrânia , Dugin disse que toda a sexta coluna russa se levantou firmemente pelo oligarca ucraniano Rinat Akhmetov.  Como ele afirma, "Precisamos lutar contra a quinta e a sexta colunas." [100] [101]

O artista russo-americano Mihail Chemiakin diz que Dugin está inventando "a sexta coluna". “Em breve, provavelmente, já haveria a sétima também.” A quinta coluna “é compreensível. Ou seja, nós, intelligentsia, péssima, safada, que lemos Camus. E “a sexta coluna”, na opinião dele, é mais perigoso, porque essa é a comitiva pessoal de Vladimir Putin. Mas ele é ingênuo e não entende nada. E quanto a Dugin, ele pode dizer a quem atirar até a morte e quem prender. Talvez, Kudrin e talvez, Medvedev  ... "

Segundo Dugin, toda a Internet deveria ser banida: "Acho que a Internet como tal, como fenômeno, vale a pena proibir porque não dá nada de bom a ninguém".  Em junho de 2012, Dugin disse em uma palestra que a química e a física são ciências demoníacas, e que todos os russos ortodoxos precisam se unir em torno do presidente da Rússia na última batalha entre o bem e o mal, seguindo o exemplo do Irã e da Coreia do Norte .  Ele acrescentou: "Se quisermos nos libertar do Ocidente, é necessário nos libertarmos dos livros didáticos de física e química." Dugin caracterizou sua posição no conflito ucraniano como "oposição firme à Junta e o nazismo ucraniano que estão aniquilando civis pacíficos", bem como rejeição ao liberalismo e à hegemonia dos EUA. [102] [103]

Perda da chefia do departamento[editar | editar código-fonte]

Durante o conflito na Ucrânia, Dugin também perdeu o cargo oferecido como Chefe do Departamento de Sociologia das Relações Internacionais da Faculdade de Sociologia da Universidade Estadual de Moscou (embora fosse Chefe Adjunto desde 2009).  Em 2014, uma petição intitulada "Exigimos a demissão do Professor AG Dugin da Faculdade de Sociologia da MSU!" foi assinado por mais de 10.000 pessoas e enviado ao reitor da MSU, Viktor Sadovnichiy.  A petição foi iniciada após a entrevista de Dugin na qual ele disse em relação a ativistas pró-russos queimados em um prédio em Odessa em 2 de maio de 2014: ("Mas o que vemos no dia 2 de maio está além de qualquer limite. Mate-os, mate-os, mate-os. Não deveria haver mais conversas. Como professor, considero isso"). Enquanto ele falava sobre "aqueles que perpetraram a ilegalidade em 2 de maio",  mídia interpretou isso como um chamado para matar os ucranianos. Dugin afirmou ter sido demitido deste posto; a universidade alegou que a oferta do cargo de chefe de departamento resultou de um erro técnico e foi, portanto, cancelada, e que ele permaneceria como professor e vice-chefe de departamento sob contrato até setembro de 2014.  Dugin escreveu a declaração de renúncia a ser renomeado para o pessoal da Universidade Estadual de Moscou devido ao cargo oferecido de chefe de departamento, mas desde que a nomeação foi cancelada e que ele não era mais um membro do corpo docente, nem um membro da equipe da Universidade Estatal de Moscou (os dois membros da equipe são formalmente diferente no MSU). [104] [105] [106] [107]

Editora-chefe da Tsargrad TV[editar | editar código-fonte]

Dugin foi nomeado editor-chefe da Tsargrad TV pelo empresário Konstantin Malofeev logo após a fundação da estação de TV. [108]

Obras e Publicações[editar | editar código-fonte]

Vários dos livros de Dugin foram publicados pela editora Arktos Media , uma editora em inglês de livros tradicionalistas e da nova direita. [109]

Publicações[editar | editar código-fonte]

  • Platonismo Político, Arktos (2019)
  • Ethos e Sociedade, Arktos (2018)
  • Conflitos do futuro - O retorno da geopolítica, Bonus (2015)
  • Noomahia: guerras de mente. Três Logos: Apolo, Dionísio, Cibele, Projeto Acadêmico (2014)
  • Etnosociologia, projeto acadêmico(2014)
    • Etnosociologia, Arktos (2019)
  • Martin Heidegger: filosofia para um outro começo, Akademicheskii proekt (2013)
    • Martin Heidegger: filosofia para um outro começo, Washington Summit (2014)
  • Em busca do Logos escuro, Akademicheskii proekt (2013)
  • Geopolítica da Rússia, Gaudeamus (2012)
    • Última Guerra da Ilha Mundial: A Geopolítica da Rússia Contemporânea, Arktos (2015)
  • Putin protiv Putina, Yauza (2012)
    • Putin contra Putin, Arktos (2014)
  • Os Estados Unidos e a Nova Ordem Mundial, com O. de Carvalho, VIDE Editorial (2012)
  • Quarta Teoria Política, Amfora (2009)
    • Quarta Teoria Política, Arktos (2012)
    • Quarta Teoria Política, Arktos (2013)
    • A ascensão da quarta teoria política, Arktos (2017)
  • Missão eurasiana, Eurasia (2005)
    • Missão Eurasaiana: Uma introdução ao neueurasianismo, Arktos (2014)
  • Cultura pop e os sinais dos tempos, Amphora (2005)
  • Filosofia da guerra, Yauza (2004)
  • A Família Absoluta, Arktogeia-tsentr (1999)
  • Templários do Proletariado: Bolchevismo Nacional e Iniciação, Arktogeia (1997)
  • Fundamentos da geopolítica: o futuro geopolítico da Rússia, Arktogeia (1997)
  • Metafísica das Boas Novas: Esoterismo Ortodoxo, Arktogeia (1996)
  • Mistérios da Eurásia, Arktogeia (1996)
  • Revolução conservadora, Arktogeia (1994)
  • Conspirologia (1993)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Alexander Dugin's "The Fourth Political Theory"». 4pt.su 
  2. «Dugin's Occult Fascism and the Hijacking of Left Anti-Imperialism and Muslim Anti-Salafism» 
  3. Djemal, Geidar (12 de janeiro de 2012). «Слово о Дугине». Nakanutche Ru (em russo). Consultado em 12 de abril de 2012 
  4. «Russian conservative thinker Vladimir Karpets has passed away today». Geopolitika.ru (em inglês). 27 de janeiro de 2017 
  5. «Дугин и проблемы православной миссии». Mejdunarodnoe evraziiskoe dvijenie (em russo). 30 de janeiro de 2006 
  6. Cullison, Alan (19 de março de 2020). «Eduard Limonov, Punk Exponent of Russian Nationalism, Dies at 77». Wall Street Journal (em inglês) 
  7. Jauvert, Vincent (3 de maio de 2014). «Le Raspoutine de Poutine». L'obs (em francês) 
  8. Lebourg, Nicolas. Les extrêmes droites françaises dans le champ magnétique de la Russie (em francês). Nova Iorque: Carnegie council. p. 13 
  9. "A classificação de Dugin como um fascista é justificada, independentemente do fato de que atualmente o professor da UEM muitas vezes não fale como um etnocentrista primitivo ou racista em âmbito biológico. (...) Por «fascista» compreendemos o significado «genérico» do conceito, usado na pesquisa comparativa da contemporânea extrema-direita de acordo com renomados historiadores-comparatistas como Alexandr Galkin (Moscou), Walter Laqueur (Washington) , Stanley Payne (Madison), Wolfgang Wippermann (Berlim) ou Roger Griffin (Oxford)", Andreas Umland (22 de junho de 2012). «"Евразийские" проекты Путина и Дугина – сходства и различия» [Projetos "Eurasianos" de Putin e Dugin - similaridades e diferenças]. Geopolitika (Lithuania). Consultado em 19 de julho de 2016 
  10. «Will United Russia become a fascist party?». www.hurriyetdailynews.com. Consultado em 27 de julho de 2015. Arquivado do original em 24 de setembro de 2015  por Andreas Umland, (University of Kyiv), Terça-feira, 15 de Abril de 2008
  11. Alexander Dugin - The one Russian linking Donald Trump, Vladimir Putin and Recep Tayyip Erdogan
  12. Дмитрий Быков (18 de outubro de 2014). Александр Невзоров: Человек – тупиковая ветвь эволюции (em russo). Sobesednik.ru 
  13. SEDGWICK, Mark (2020). Contra o Mundo Moderno: o Tradicionalismo e a história intelectual secreta do século XX. Belo Horizonte: Âyiné. pp. 389–418 
  14. TEITELBAUM, Benjamin (2020). Guerra pela Eterndade: o retoro do Tradicionalismo e a ascensão da direita populista. Campinas: UNICAMP. pp. 45–56 
  15. Eurasian Mission: An Introduction to Neo-Eurasianism, Arktos (2014) p.26
  16. «Ukraine and Crimea: what is Putin thinking?». the Guardian (em inglês). 23 de março de 2014. Consultado em 21 de setembro de 2021 
  17. "Czekam na Iwana Groźnego" [I'm waiting for Ivan the Terrible]. 11/12 (in Polish). Fronda. 1999. p. 133. Retrieved 23 February 2015
  18. «Anton Shekhovtsov - The Palingenetic Thrust of Russian Neo-Eurasianism: Ideas of Rebirth in Aleksandr Dugin's Worldview». web.archive.org. 18 de setembro de 2020. Consultado em 21 de setembro de 2021 
  19. «Anton Shekhovtsov - Aleksandr Dugin's Neo-Eurasianism: The New Right à la Russe». web.archive.org. 3 de novembro de 2020. Consultado em 21 de setembro de 2021 
  20. Ingram, Alan (novembro de 2001). «Alexander Dugin: geopolitics and neo-fascism in post-Soviet Russia». Political Geography (em inglês) (8): 1029–1051. doi:10.1016/S0962-6298(01)00043-9. Consultado em 21 de setembro de 2021 
  21. «Conferência Internacional: "A Geopolítica do Eurasianismo"». Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Consultado em 5 de janeiro de 2015 
  22. «Encontro Nacional Evoliano». encontronacionalevoliano.com.br. Consultado em 20 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 20 de dezembro de 2014 
  23. Доктор Дугин (in Russian). Литературная Россия. Archived from the original on 22 October 2012. Retrieved 18 March 2012.
  24. Clover, Charles (26 de abril de 2016). Black Wind, White Snow: The Rise of Russia's New Nationalism (em inglês). [S.l.]: Yale University Press 
  25. Clover, Charles (26 April 2016). Black Wind, White Snow: The Rise of Russia's New Nationalism. Yale University Press. ISBN 978-0-300-22394-1. Alexander, Geli was transferred to the customs service after his son's detention in 1983 by the KGB.
  26. Aleksandr Gel'evic Dugin, Prefazione, Comprendere Dugin - Vita, in Andrea Virga (a cura di), La Quarta Teoria Politica, 2ª ed., NOVAEUROPA, 2017, pp. XVII-XXII.
  27. Teitelbaum, Benjamin R. (21 April 2020). War for Eternity: The Return of Traditionalism and the Rise of the Populist Right. Penguin Books Limited. p. 41. ISBN 978-0-14-199204-4.
  28. Clover, Charles (26 April 2016). Black Wind, White Snow: The Rise of Russia's New Nationalism. Yale University Press. ISBN 978-0-300-22394-1.
  29. Teitelbaum, Benjamin R. (2020). War for eternity. London: [s.n.] OCLC 1197749884 
  30. «Putin's grand vision and echoes of '1984'». www.ft.com (em inglês). 5 de outubro de 2011. Consultado em 21 de setembro de 2021 
  31. SPIEGEL, DER. «»Jeder Westler ist ein Rassist«». www.spiegel.de (em alemão). Consultado em 21 de setembro de 2021 
  32. Clover, Charles (26 de abril de 2016). Black Wind, White Snow: The Rise of Russia's New Nationalism (em inglês). [S.l.]: Yale University Press 
  33. «Aleksandr Dugin's Foundations of Geopolitics - Tags: DUGIN, Aleksandr RUSSIA -- Politics & government». web.archive.org. 11 de maio de 2014. Consultado em 21 de setembro de 2021 
  34. «Russia's New—and Frightening—"Ism"». Hoover Institution (em inglês). Consultado em 21 de setembro de 2021 
  35. Clover, Charles. «The Unlikely Origins of Russia's Manifest Destiny». Foreign Policy (em inglês). Consultado em 21 de setembro de 2021 
  36. Andreas Umland (15 April 2008). "Will United Russia become a fascist party?". Hürriyet Daily News.
  37. Allensworth, Wayne (1998). The Russian Question: Nationalism, Modernization and Post-Communist Russia. Lanham, MD: Rowman and Littlefield. p. 251.
  38. Koehler, John (1 de julho de 2004). «East Germany: The Stasi and De-Stasification». Demokratizatsiya: The Journal of Post-Soviet Democratization (3): 369–395. ISSN 1074-6846. doi:10.3200/demo.12.3.369-395. Consultado em 21 de setembro de 2021 
  39. «Anton Shekhovtsov - Aleksandr Dugin's Neo-Eurasianism: The New Right à la Russe». web.archive.org. 3 de novembro de 2020. Consultado em 21 de setembro de 2021 
  40. Ingram, Alan (November 2001). "Alexander Dugin: geopolitics and neo-fascism in post-Soviet Russia". Political Geography. 20 (8): 1029–1051. doi:10.1016/S0962-6298(01)00043-9.
  41. «Anton Shekhovtsov - The Palingenetic Thrust of Russian Neo-Eurasianism: Ideas of Rebirth in Aleksandr Dugin's Worldview». web.archive.org. 18 de setembro de 2020. Consultado em 21 de setembro de 2021 
  42. «Aleksander Dugin: Czekam na Iwana Groźnego». www.fronda.pl (em polaco). Consultado em 21 de setembro de 2021 
  43. «Anton Shekhovtsov - Aleksandr Dugin's Neo-Eurasianism: The New Right à la Russe». web.archive.org. 3 de novembro de 2020. Consultado em 21 de setembro de 2021 
  44. a b «Introduction». Routledge. 28 de janeiro de 2015: 27–33. Consultado em 21 de setembro de 2021 
  45. a b Александр, Дугин. «Александр Дугин — Особое мнение — Эхо Москвы, 08.08.2008». Эхо Москвы (em russo). Consultado em 21 de setembro de 2021 
  46. «Il compleanno | Elogio di Bernard-Henri Levy, il filosofo engagé dei nostri tempi oscuri». Linkiesta.it (em italiano). 5 de novembro de 2019. Consultado em 21 de setembro de 2021 
  47. Shekhovtsov, Anton (2009). "Aleksandr Dugin's Neo-Eurasianism: The New Right à la Russe". Religion Compass: Political Religions. 3 (4): 697–716. doi:10.1111/j.1749-8171.2009.00158.x. Archived from the original on 3 November 2020. Retrieved 24 February 2015.
  48. Ingram, Alan (novembro de 2001). «Alexander Dugin: geopolitics and neo-fascism in post-Soviet Russia». Political Geography (em inglês) (8): 1029–1051. doi:10.1016/S0962-6298(01)00043-9. Consultado em 21 de setembro de 2021 
  49. Shekhovtsov, Anton (2008). "The Palingenetic Thrust of Russian Neo-Eurasianism: Ideas of Rebirth in Aleksandr Dugin's Worldview". Totalitarian Movements and Political Religions. 9 (4): 491–506. doi:10.1080/14690760802436142. S2CID 144301027. Archived from the original on 18 September 2020. Retrieved 24 February 2015.
  50. «Aleksander Dugin: Czekam na Iwana Groźnego». www.fronda.pl (em polaco). Consultado em 21 de setembro de 2021 
  51. Stephen Shenfield (2001). Russian Fascism: Traditions, Tendencies, Movements. M. E. Sharpe. p. 195.
  52. The Ordo Templi Orientis Phenomenon. "Mega Therion and his books in the Russian tradition Archived 24 December 2018 at the Wayback Machine". Ordo Templi Orientis. Russia
  53. https://www.parareligion.ch. «DRAFT - INTRO - Spicy Smack In Russia - DRAFT». www.parareligion.ch. Consultado em 21 de setembro de 2021 
  54. Aleksandr G. Dugin, Hyperborean Theory: The Experience of Ariosophical Research (Giperboreiskaia teoriia: Opit ariosofskogo issledovaniia), Moscow 1993. Ibidem, 'Herman Wirth and the Sacred Proto-Language of Humanity: In Search of the Holy Grail of Meanings' (transl. Jafe Arnold), in: Dugin, Philosophy of Traditionalism (Filosofiia Traditsionalizma), Moscow 2002, p. 135-167. Ibidem, 'Herman Wirth's Theory of Civilization' (transl. Jafe Arnold), in: Dugin, Noomakhia: Wars of the Mind, vol. 14: Geosophy – Horizons and Civilizations (Noomakhia: voinii uma, vol. 14: Geosofiia: gorizonti i tsivilizatsii), Moscow 2017, p. 153-157.
  55. afe Arnold, Mysteries of Eurasia: The Esoteric Sources of Alexander Dugin and the Yuzhinsky Circle, Research Masters Thesis, Amsterdam 2019, p. 72-73. Cf. Marlene Laruelle, Russian Nationalism: Imaginaries, Doctrines, and Political Battlefields, Abington, Oxon / New York 2019, p. 95-133 (A Textbook Case of Doctrinal Entrepreneurship: Aleksandr Dugin) (download here). Ibidem, 'Alexander Dugin and Eurasianism', in: Mark Sedgwick (red.), Key Thinkers of the Radical Right: Behind the New Threat to Liberal Democracy, Oxford 2019, p. 155-169, 157, 159. Jacob Christiansen Senholt, 'Radical Politics and Political Esotericism: The Adaption of Esoteric Discourse within the Radical Right', in: Egil Asprem, Kennet Granholm (red.), Contemporary Esotericism, Abbington, Oxon / New York 2013, p. 244-264, 252-254. Jafe Arnold, 'Alexander Dugin and Western Esotericism: The Challenge of the Language of Tradition', in: Mondi: Movimenti Simbolici e Sociali dell'Uomo 2 (2019), p. 33-70.
  56. a b Мосионжник, Леонид (17 de junho de 2021). Технология исторического мифа (em russo). [S.l.]: Litres 
  57. a b Aleksandr G. Dugin, 'Herman Wirth: In Search of the Holy Grail of Meanings' (German Virt: v poiskakh Sviatogo Graalia smislov) (1998), in: Ibidem, Philosophy of Traditionalism (Filosofiia Traditsionalizma), Moscow 2002, p. 135-167, 162. See also Dugin, 'Runology According to Herman Wirth' (transl. Jafe Arnold), in: Absolute Homeland (Absoliutnaia Rodina), Moscow 1999, p. 489 (Ch. 9). Ibidem, 'Herman Wirth: Runes, Great Yule, and the Arctic Homeland' (transl. Jafe Arnold), Foreword to the 2nd ed. of Hyperborean Theory: Signs of the Great Nord (Znaki Velikogo Norda: Giperboreiskaia teoriia), Moscow 2008, p. 3-20, 17.
  58. James D. Heiser (May 2014). The American Empire Should Be Destroyed: Alexander Dugin and the Perils of Immanentized Eschatology. Repristination Press. ISBN 978-1891469435.
  59. «Part VI. THE OCTOBER INSURRECTION October 3rd-November 1st». Princeton University Press. 31 de dezembro de 1984: 545–668. Consultado em 21 de setembro de 2021 
  60. Radin, Andrew; Reach, Clint (18 de maio de 2017). «Russian Views of the International Order» (em inglês). Consultado em 21 de setembro de 2021 
  61. «Open Society Eurasia Program». www.opensocietyfoundations.org (em inglês). Consultado em 21 de setembro de 2021 
  62. Laruelle, Marlene (2006). "Aleksandr Dugin: A Russian Version of the European Radical Right?". Occasional Paper #254. Kennan Institute, Woodrow Wilson International Center for Scholars.
  63. Shterin, Marat. «Attraktivität und Dilemma: Neue religiöse Bewegungen in Russland». G2W (em alemão). Consultado em 21 de setembro de 2021 
  64. «ALEKSANDAR GELJEVIČ DUGIN». Nacionalni interes (1): 201–210. 2006. ISSN 1820-4996. doi:10.22182/ni.212006.11. Consultado em 21 de setembro de 2021 
  65. Laruelle, Marlene (21 de fevereiro de 2019). «Alexander Dugin and Eurasianism». Oxford University Press: 155–169. Consultado em 21 de setembro de 2021 
  66. John Dunlop (January 2004). "Aleksandr Dugin's Foundations of Geopolitics". Demokratizatsiya. 12 (1): 41. Archived from the original on 11 May 2014
  67. Shynkarenko, Oleg (2 de abril de 2014). «Alexander Dugin: The Crazy Ideologue of the New Russian Empire». The Daily Beast (em inglês). Consultado em 30 de setembro de 2021 
  68. «Нацбол.ру | Нацбол должен знать | Декларация о создании НБП». web.archive.org. 21 de setembro de 2008. Consultado em 30 de setembro de 2021 
  69. «ВОС». w-o-s.ru. Consultado em 30 de setembro de 2021 
  70. «Тесты - Последние новости России и мира - Коммерсантъ». www.kommersant.ru (em russo). Consultado em 30 de setembro de 2021 
  71. «Russian nationalist thinker Dugin sees war with Ukraine». BBC News (em inglês). 10 de julho de 2014. Consultado em 30 de setembro de 2021 
  72. «Ректор МГУ уволил Александра Дугина». lenta.ru. Consultado em 30 de setembro de 2021 
  73. Shynkarenko, Oleg (2 de abril de 2014). «Alexander Dugin: The Crazy Ideologue of the New Russian Empire». The Daily Beast (em inglês). Consultado em 30 de setembro de 2021 
  74. «Putin abandona separatistas na Ucrânia». Consultado em 30 de setembro de 2021 
  75. Sonne, Paul (4 de julho de 2014). «Russian Nationalists Feel Let Down by Kremlin, Again». Wall Street Journal (em inglês). ISSN 0099-9660. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  76. Hope, Kerin; Weaver, Courtney (28 de janeiro de 2015). «Alarm bells ring over Syriza's Russian links». Financial Times. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  77. «Le Raspoutine de Poutine». L'Obs (em francês). 3 de maio de 2014. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  78. «СБУ встановила особи вандалів, які знищили герб на Говерлі». SVOBODA.FM. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  79. Staff, SPIEGEL (25 de agosto de 2008). «Road to War in Georgia: The Chronicle of a Caucasian Tragedy». Der Spiegel (em inglês). ISSN 2195-1349. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  80. «Александр Дугин: «Нужно бороться с «шестой колонной»». portal-kultura.ru (em russo). Consultado em 1 de outubro de 2021 
  81. «На пороге войны - Удастся ли нам избежать вооружённого противостояния с США?». versia.ru (em russo). Consultado em 1 de outubro de 2021 
  82. «Александр Дугин: «Нужно бороться с «шестой колонной»». portal-kultura.ru (em russo). Consultado em 1 de outubro de 2021 
  83. «Путін є найбільшим радикалом Росії – ізраїльський експерт». Радіо Свобода (em ucraniano). Consultado em 1 de outubro de 2021 
  84. «Дмитрий Быков: Зачем ТВ, Александр Дугин и Галина Пышняк распяли мальчика». sobesednik.ru (em russo). Consultado em 1 de outubro de 2021 
  85. «Новая газета - Novayagazeta.ru». Новая газета (em russo). Consultado em 1 de outubro de 2021 
  86. «Против Путина готовится заговор, мы наблюдаем либеральный ответ Русской весне». www.nakanune.ru (em russo). Consultado em 1 de outubro de 2021 
  87. «Новости политики - Joinfo». Joinfo Новости (em russo). Consultado em 1 de outubro de 2021 
  88. Clover, Charles (26 de abril de 2016). Black Wind, White Snow: The Rise of Russia's New Nationalism (em inglês). [S.l.]: Yale University Press 
  89. Teitelbaum, Benjamin R. (21 de abril de 2020). War for Eternity: The Return of Traditionalism and the Rise of the Populist Right (em inglês). [S.l.]: Penguin Books Limited 
  90. Hope, Kerin; Weaver, Courtney (28 de janeiro de 2015). «Alarm bells ring over Syriza's Russian links». Financial Times. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  91. «New Greek Government Has Deep, Long-Standing Ties With Russian 'Fascist' Dugin». RadioFreeEurope/RadioLiberty (em inglês). Consultado em 1 de outubro de 2021 
  92. «Aleksandr Dugin and Greece's SYRIZA Connection». www.interpretermag.com. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  93. ««Это великая война континентов»». ВЗГЛЯД.РУ (em russo). Consultado em 1 de outubro de 2021 
  94. «Политолог, философ Александр Дугин: Это великая война континентов». kp.ru (em russo). 20 de fevereiro de 2014. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  95. «Против Путина готовится заговор, мы наблюдаем либеральный ответ Русской весне». www.nakanune.ru (em russo). Consultado em 1 de outubro de 2021 
  96. ««Это великая война континентов»». ВЗГЛЯД.РУ (em russo). Consultado em 1 de outubro de 2021 
  97. «Шестая колонна». ВЗГЛЯД.РУ (em russo). Consultado em 1 de outubro de 2021 
  98. «Андрей Макаревич: «пятая колонна» или жертва травли?». Федеральное агентство новостей No.1 (em russo). 18 de agosto de 2014. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  99. «Григорий Пасько. Шизофрения, или Будьте здоровы!». index.org.ru. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  100. «Шестая колонна». ВЗГЛЯД.РУ (em russo). Consultado em 1 de outubro de 2021 
  101. «"За Ахметова грудью встала российская шестая колонна. Все предатели, угнездившиеся в тени Путина, не могут не понимать, что ДНР для них станет их собственным концом"». www.nakanune.ru (em russo). Consultado em 1 de outubro de 2021 
  102. «"Попахивает фашизмом"». Радио Свобода (em russo). Consultado em 1 de outubro de 2021 
  103. «Ректор МГУ уволил Александра Дугина». lenta.ru. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  104. «Rebels leaders in Ukraine (...)». Consultado em 30 de setembro de 2021 
  105. «Russia This Week: Dugin Dismissed from Moscow State University? (23-29 June)». www.interpretermag.com. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  106. «Assine o Abaixo-assinado». Change.org. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  107. «Дугин хочет с помощью Путина прояснить свой статус в МГУ». BBC News Русская служба (em russo). 30 de junho de 2014. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  108. «The weaponization of religion: How the Kremlin is using Christian fundamentalism to advance Moscow's agenda». Consultado em 30 de setembro de 2021 
  109. Teitelbaum, Benjamin R. (2 de janeiro de 2017). Lions of the North: Sounds of the New Nordic Radical Nationalism (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Alexandr Dugin
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.