Alexandre Birnfeld

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Alexandre Birnfeld
Informação geral
Nome completo Alexandre Birnfeld
Nascimento 29 de abril de 1964
Local de nascimento Montenegro, RS
 Brasil
Morte 26 de novembro de 2014 (50 anos)
Local de morte Porto Alegre, RS
 Brasil
Gênero(s) música experimental
trilha sonora
música contemporânea
mpb
Ocupação(ões) compositor, arranjador
Instrumento(s) baixo elétrico
Período em atividade 1985 – 2014
Afiliação(ões) Grupo Ex-Machina

Alexandre Birnfeld (Montenegro, 29 de abril de 1964 - Porto Alegre, 26 de novembro de 2014) foi um compositor e professor brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Iniciou seus estudos musicais na cidade de Montenegro com Guaracy e Antonio Carlos Borges-Cunha. Participou como baixista do grupo "Anos Blues". Após mudar-se para Porto Alegre, ingressou na Universidade Federal do Rio Grande do Sul onde fez graduação e mestrado em música sob orientação de Antonio Carlos Borges-Cunha. Obteve o grau de "Mestre em Música" pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul em 2003, tendo publicado "Polyakanthos : processos composicionais", dissertação que inclui CD com a gravação das obras compostas durante o mestrado em música. [1]

Foi membro fundador do grupo Ex-Machina de música erudita contemporânea do qual participou como compositor e instrumentista, lançou discos e participou de apresentações no Brasil, Argentina e Uruguai. Após retornar para Montenegro, foi professor da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul[2] e professor adjunto da Fundação Municipal de Artes de Montenegro e da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul.[3]

Em junho de 1997, a Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (OSPA) realizou a estreia de sua composição "O Sonho de Dédalo".[4] No ano 2000, teve sua composição "Trio para Violino Violoncelo e Piano" incluída no filme "Tolerância" de Carlos Gerbase, estrelado por Maitê Proença.[5]

Alexandre também participou de edições do Encompor em Porto Alegre e da Bienal de Música Brasileira Contemporânea no Rio de Janeiro[6], e teve composições tocadas pela Orquestra Sesi-Fundarte e pela Orquestra de Câmara do Theatro São Pedro.

A partir de 2011 desenvolveu o projeto "Programas e Jogos Musicais Aplicáveis à Educação", que investigava programas e jogos musicais disponibilizados de maneira gratuita na internet e que poderiam ser destinados à educação. Trabalhos relacionados com este projeto foram apresentado por Alexandre em congressos em diversas ocasiões[7].

Homenagens[editar | editar código-fonte]

Em 2016, a pianista Catarina Domenici, apresentou na Fundação Ecarta e no projeto Desconcerto, no Espaço Parangolé em Porto Alegre, a composição "Lux Eterna (in memoriam Ulisses Ferretti e Alexandre Birnfeld)", escrita pela referida pianista, em parceria com o compositor James Correa[8].

Em 20 abril de 2017, a escola de música Espaço Musical Montenegro, na cidade de Montenegro, inaugurou a sala "Prof. Alexandre Birnfeld", como uma homenagem ao compositor.

Obra[editar | editar código-fonte]

Principais Composições[editar | editar código-fonte]

  • "Pampa Guarany", 2001, 15min, Fagote e Orquestra de cordas
  • "O Sonho de Dédalo", 1996, 9min, Orquestra de cordas
  • "Polyakantos", 2002, 18min, Flauta/piccolo, Clarinete/Clarinete baixo, percussão, piano, violino e violoncelo.
  • "Trio para Violino Violoncelo e Piano", 1996, 8min, Violino, violoncelo e piano
  • "Immobili", 2004, 3min, Theremin, viola, fagote e contrabaixo elétrico
  • "Voga", 2000, 5min, 5 vozes
  • "O Caminho", 1995, 5min, voz e quinteto de madeiras
  • "A Grande Ilusão do Carnaval", 2002, 7min, voz, fagote, piano, teclado e contrabaixo
  • "Eletroac. K'uei", 2002, 10min, CD
  • "Akrotismo Cinecromático", 2003, 5min, Instalação

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • Polyakanthos : processos composicionais, 2003. [9]
  • Ex-Machina. Um Som Que Não Soa, 2002.[10].
  • Catarina Domenici. "Porto 60'", 2002. Gravação da obra "Cangaço", para piano.
  • Ex-Machina. Ex-Machina, 1998.[11].

Referências

  1. Birnfeld, Alexandre. Polyakanthos : processos composicionais. Porto Alegre: UFRGS, 2003.
  2. "Compositores". Página do Centro de Documentação de Música Contemporânea, Musicon CDMC Unicamp. 04/12/2014, 14h45.
  3. Docentes. Página no Studio Clio Instituto de Arte e Humanismo. 03/02/2010, 21h01.
  4. "Ospa homenageia J. V. Brandão". Página do jornal Correio do Povo. 04/12/2014, 18h34.
  5. "Tolerância". Página da Casa de Cinema de Porto Alegre. 04/12/2014, 15h09.
  6. [http://www.funarte.gov.br/wp-content/uploads/2013/09/Cat%C3%A1logo-XX_Bienal_2013_completo.pdf "Catálogo Bienal". Página da FUNARTE]. 04/12/2014, 15h09.
  7. [http://lattes.cnpq.br/6105959070016434 "Currículo Lattes de Alexandre Birnfeld". Página do CNPq]. 06/12/2014, 13h54.
  8. "Pianista Catarina Domenici se apresenta no projeto Desconcerto". Página do sítio No Palco. 22/04/2017, 00h10.
  9. Birnfeld, Alexandre. Polyakanthos : processos composicionais. Porto Alegre: UFRGS, 2003.
  10. FPMPA/SMC / FUMPROARTE / Projetos Beneficiados / 2000 Página da Prefeitura Municipal de Porto Alegre. 02/02/2010 - 17h28.
  11. FPMPA/SMC / FUMPROARTE / Projetos Beneficiados / 1997 . Página da Prefeitura Municipal de Porto Alegre. 03/02/2010 - 12h33.
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) compositor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.