Alexandre Guimarães

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Alexandre Guimarães
Alexandre Guimarães
Informações pessoais
Nome completo Alexandre Borges Guimarães
Data de nasc. 7 de novembro de 1959 (61 anos)
Local de nasc. Maceió (AL), Brasil
Nacionalidade brasileiro
costarriquenho
Informações profissionais
Período em atividade Como jogador: 1979–1992 (13 anos)
Como treinador: 1994–presente (26 anos)
Posição Ex-meia
Função Treinador
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1979–1980
1980–1981
1982–1991
1991–1992
Durpanel San Blas Drapeau
Municipal Puntarenas
Deportivo Saprissa
Turrialba
Seleção nacional
1985–1990 Costa Rica 0016 000(2)
Times/Equipas que treinou
1994–1996
1996–1998
1998–1999
1999–2000
2000–2002
2002–2003
2004
2005–2006
2006–2008
2009–2010
2010–2011
2011
2012–2014
2016–2018
2019–
Belen
Herediano
Comunicaciones
Deportivo Saprissa
Costa Rica
Irapuato
Dorados de Sinaloa
Costa Rica
Panamá
Al-Wasl
Al Dhafra
Deportivo Saprissa
Tianjin Teda
Mumbai City
América de Cali

Alexandre Borges Guimarães, mais conhecido como Alexandre Guimarães (Maceió, 7 de novembro de 1959), é um treinador e ex-futebolista brasileiro naturalizado costarriquenho que atuava como meia. Atualmente, dirige o América de Cali, da Colômbia.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Chegou aos 11 anos à Costa Rica devido ao trabalho do pai. A cidadania foi adquirida em 1985; Guimarães já havia sido campeão nacional pelo Deportivo Saprissa (clube que por mais tempo ele defendeu) em 1982 e conquistaria outros dois em 1988 e 1989. Guimarães jogou pela Costa Rica a Copa do Mundo de 1990, o primeiro mundial disputado pelo país centro-americano. Não foi o primeiro brasileiro a disputar uma Copa por outro país (o "italiano" Guarisi já o havia feito no de 1934), mas foi o primeiro a jogar contra o Brasil no torneio, o que se deu na primeira fase, com uma derrota honrosa por 1 a 0. A Costa Rica conseguiu passar da primeira fase com vitórias sobre as favoritas Escócia e Suécia, sendo eliminada nas oitavas pela Tchecoslováquia.

Guimarães, que iniciara a carreira em 1979, parou de jogar em 1992. Tornou-se técnico em 1994 e assumiu a Seleção Costarriquenha em 2000, classificando-a para a Copa do Mundo de 2002, fazendo o país voltar às Copas depois de 12 anos. Enfrentou novamente a Brasil, além da China, treinada por Bora Milutinović, que fora seu técnico na Copa de 90. Apesar de não ter feito feio, a Costa Rica acabou eliminada na primeira fase, devido a saldo de gols inferior à dos turcos. Guimarães, que havia deixado o cargo, retornou em 2005 e obteve nova classificação, agora para a Copa de 2006, mas a equipe terminou em último lugar de seu grupo.

Em seguida foi treinador da seleção do Panamá e foi para os Emirados Árabes, aonde comandou o Al Wasl e Al Dhafra. Em 2011 retornou a Costa Rica, onde comandou o Deportivo Saprissa[1]. Atualmente é treinador do América de Cali, tendo sido campeão do Torneio Finalización, no ano de 2019.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Deportivo Saprissa
América de Cali

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

É pai do também jogador Celso Borges, que esteve presente e foi decisivo na melhor campanha da Seleção da Costa Rica em copas. Na Copa de 2014 no Brasil na qual, a equipe chegou nas quartas-de-final e acabou derrotada pela favorita Holanda, nos pênaltis. A Seleção terminou em primeiro no "Grupo da Morte" e ainda eliminou as campeãs mundias, Itália e Inglaterra, num grupo que ainda contava com o Uruguai.

Referências

  1. ESPN (9 de maio de 2011). «Alexandre Guimarães é anunciado como o novo treinador do Saprissa». Consultado em 8 de abril de 2012. Arquivado do original em 11 de maio de 2011