Alexandre III da Rússia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Alexandre III
Imperador e Autocrata de Todas as Rússias
Rei da Polônia e Grão-Duque da Finlândia
Imperador da Rússia
Reinado 13 de março de 1881
a 1 de novembro de 1894
Coroação 27 de maio de 1883
Antecessor(a) Alexandre II
Sucessor(a) Nicolau II
 
Esposa Maria Feodorovna
Descendência Nicolau II da Rússia
Alexandre Alexandrovich da Rússia
Jorge Alexandrovich da Rússia
Xenia Alexandrovna da Rússia
Miguel Alexandrovich da Rússia
Olga Alexandrovna da Rússia
Casa Holstein-Gottorp-Romanov
Nome completo
Alexandre Alexandrovich Romanov
Nascimento 10 de março de 1845
São Petersburgo, Rússia
Morte 1 de novembro de 1894 (49 anos)
Livadiya, Rússia
Sepultamento Catedral de Pedro e Paulo,
São Petersburgo, Rússia
Pai Alexandre II da Rússia
Mãe Maria Alexandrovna

Alexandre III (São Petersburgo, 10 de março de 1845 – Livadia, 1 de novembro de 1894), foi o Imperador da Rússia de 1881 até sua morte. Era o segundo filho do czar Alexandre II com sua esposa, a imperatriz Maria Alexandrovna. Alexandre era um grande conservador e reverteu várias das reformas liberais realizadas por seu pai.

Características[editar | editar código-fonte]

Alexandre III durante a sua juventude, por Sergey Lvovich Levitsky

Alexandre nasceu em São Petersburgo, sendo o segundo filho do czar Alexandre II da Rússia e da sua esposa Maria Alexandrovna.

Em personalidade tinha muito poucas semelhanças com o seu pai de coração mole e liberal e ainda menos com o seu tio-avô Alexandre I, conhecido por ser requintado, filosófico, sentimental e gracioso. Apesar de ser um apreciador entusiástico de ballet, ao czarevitch Alexandre Alexandrovitch faltavam o requinte e elegância necessários a membros da realeza. De facto, Alexandre orgulhava-se do facto de ser feito da mesma textura forte que caracterizava a maioria dos seus súbditos. A sua honestidade cega, modos abruptos temperados por vezes de mau-humor, encaixavam-se perfeitamente na sua estatura gigantesca. Alexandre era também conhecido pela sua grande força física. A sua educação não foi dada no sentido de suavizar estas características.

Alexandre III com a sua esposa Maria Feodorovna em 1868

Talvez o testemunho do artista Aleksandr Benois descreva bem a personalidade de Alexandre III:

Educação[editar | editar código-fonte]

Durante os primeiros vinte anos da sua vida, Alexandre tinha poucas perspectivas para suceder ao trono russo, uma vez que tinha um irmão mais velho (o czarevich Nicolau Alexandrovich) que parecia ter uma saúde e textura fortes. Mesmo quando o seu irmão mostrou os primeiros sinais de que a sua saúde se estava a deteriorar, a possibilidade de que o herdeiro poderia morrer nunca foi levada a sério. Nicolau ficou noivo da gentil princesa Dagmar da Dinamarca em 1864.

Sob estas circunstâncias, os maiores esforços de educação foram dirigidos para Nicolau e Alexandre recebeu apenas a formação básica dada a um grão-duque da época, que não ia além de uma educação secundária com uma formação básica em línguas como o francês, o inglês e o alemão e muita prática militar.

Como czarevich[editar | editar código-fonte]

Alexandre tornou-se herdeiro aparente ao trono depois da morte súbita do seu irmão mais velho em 1865. Foi a partir dessa altura que começou a estudar os princípios das leis e administração sob a orientação de Constantino Pobedonostsev que era, na época, um professor de direito civil na Universidade de Moscovo e que, mais tarde (em 1880) se tornou Procurador Chefe do Concílio Sagrado.

Pobedonostsev não fez com que o seu aluno se interessasse muito por estudos abstractos ou por dissertações intelectuais extensas, mas influenciou o tipo de reinado de Alexandre III, moldando a mentalidade do jovem para acreditar no zelo da Igreja Ortodoxa Russa, vista como um factor essencial do patriotismo russo.

No seu leito de morte, o irmão mais velho de Alexandre, Nicolau, terá expressado o desejo de que a sua noiva, a princesa Dagmar da Dinamarca, se casasse com o irmão mais novo, o que aconteceu no dia 9 de novembro de 1866. A união foi feliz e permaneceu forte até ao fim. Ao contrário dos seus parentes, Alexandre III nunca teve amantes.

Durante os anos em que o seu pai continuou no trono, Alexandre nunca teve um papel proeminente em público, mas deixou bem claro que tinha as suas próprias ideias e que elas não coincidiam com as praticas do governo de Alexandre II. Mais tarde, pai e filho afastaram-se devido às suas diferenças políticas e também ao ressentimento que o futuro czar sentia pelo pai, devido à longa relação que este mantinha com Catarina Dolgorukov, a sua amante mais antiga, de quem tinha filhos ilegítimos, mesmo enquanto a sua mãe, a imperatriz, sofria de uma saúde frágil.[1] Para horror de Alexandre e de toda a corte, o czar acabaria mesmo por se casar com a sua amante apenas um mês depois da morte da sua primeira esposa.[2]

Reinado[editar | editar código-fonte]

Política interna[editar | editar código-fonte]

No dia em que Alexandre II foi assassinado, tinha acabado de assinar um decreto que definia a criação de uma comissão consultiva com poderes para aconselhar o monarca. No entanto, quando subiu ao trono, Alexandre III, seguindo o conselho de Pobedonostsev, seu amigo pessoal, decidiu cancelar o decreto antes da sua publicação, deixando bem claro que o sistema de governo autocrático não seria limitado.

Todas as reformas internas levadas a cabo por Alexandre III tiveram como objectivo reverter as políticas liberais que foram implementadas durante o reinado do seu pai. O novo imperador acreditava que, ao manter-se fiel à Igreja Ortodoxa, à autocracia e ao nacionalismo (uma ideologia que tinha sido introduzida pelo seu avô, o czar Nicolau I), iria salvar a Rússia da agitação revolucionária. O ideal político de Alexandre era uma nação composta por uma única nacionalidade, língua e religião, assim como uma única forma de administração. Tentou levar a cabo esta ideia instituindo o ensino obrigatório da língua russa por todo o império, incluindo a súbditos alemães, polacos e de outras nacionalidades que viviam na Rússia (com a excepção dos finlandeses), padronizando a Igreja Ortodoxa Oriental, destruindo o que restava das instituições alemãs, polacas e suecas em algumas províncias, e enfraquecendo o judaísmo através da perseguição de judeus. Esta política de perseguição foi legitimada através das "Leis de Maio", publicadas em 1882, que ditaram a expulsão dos judeus de zonas rurais e dos shtetl (mesmo apesar de existirem zonas de assentamento judeu na Rússia) e restringiu as profissões que estes podiam exercer.

Alexandre enfraqueceu os poderes dos zemstva (assembleias regionais eleitas que tinham um sistema semelhante aos conselhos paroquiais britânicos) e colocou a administração das comunidades camponesas sob a supervisão dos proprietários de terras, nomeados pelo governo. Estes "capitães da terra" (zemskiye nachalniki) eram temidos e odiados por todas as comunidades de camponeses do império. Estas acções enfraqueceram enfraqueceram a nobreza e o povo e fizeram com que o imperador se tornasse o controlador pessoal da administração do império.

Todas estas políticas de Alexandre III eram encorajadas por Konstantin Pobedonostsev, que foi o controlador da Igreja na Rússia ao longo do seu longo mandato como Procurador do Santo Sínodo (entre 1880 e 1905) e que se tornou tutor do filho e herdeiro de Alexandre, Nicolau. Tolstoi inspirou-se em Pobedonostsev para criar a sua personagem "Toporov" no romance Ressurreição. Outros conselheiros conservadores incluíam o conde Dmitry Tolstoy, ministro da educação e, mais tarde, da administração interna) e Ivan Durnovo, que sucedeu a Tolstoy como ministro da administração interna. Mikhail Katkov e outros jornalistas também apoiavam a política autocrática do imperador.

Encorajados pelo facto de terem conseguido assassinar o czar Alexandre II, o movimento Naródnaia vólia começou a planear o assassinato de Alexandre III. A Okhrana descobriu o golpe e cinco dos conspiradores, incluindo Alexandre Ulyanov, irmão mais velho de Vladimir Lenine, foram presos e enforcados a 20 de maio de 1887. A 29 de Dezembro de 1888, o comboio imperial onde seguia Alexandre com a sua família, descarrilou-se num acidente em Borki. No momento em que ocorreu o acidente, a família imperial encontrava-se no vagão restaurante. O telhado ruiu e Alexandre terá segurado os seus destroços para que os seus filhos pudessem fugir para o exterior. Mais tarde, muitos membros da família referiram que foi este episódio que despontou a doença nos rins que viria a matar Alexandre.[3]

A fome de 1891-1892 e a epidemia de cólera que se seguiu contribuíram para o aumento da actividade liberal, uma vez que o governo russo não conseguiu lidar com a crise e teve de dar permissão aos zemstvos para ajudarem os súbditos afectados. Entre outras personalidades da época, Tolstoi ajudou a organizar cantinas de sopa e Anton Chekhov dirigiu programas de prevenção de cólera em várias aldeias.

Relações externas[editar | editar código-fonte]

Alexandre III no seu uniforme,
Por Nikolai Sverchkov
Museu Russo

Alexandre desprezava aquilo que via como influência externa desnecessária em geral e influência alemã em particular, por isso adoptou princípios tipicamente nacionalistas e tinha como ideal uma Rússia homogénea em língua, administração e religião. Com tais ideais e inspirações, nunca conseguia concordar com o pai que, apesar de ser também patriota, tinha grandes simpatias com os alemães, utilizando frequentemente a língua alemã em conversas privadas, sendo várias vezes ridicularizado pelos seus exageros e excentricidades e por basear a sua política externa na melhoria das relações com o Reino da Prússia.

Este antagonismo tornou-se público durante a Guerra Franco-Prussiana quando o czar Alexandre II da Rússia apoiou o governo prussiano enquanto que o czarevich não escondeu as suas simpatias pelo governo francês. O antagonismo voltou a reaparecer numa moda intermitente durante os anos de 1875-1879 quando a "Questão do Oriente" causou grande entusiasmo entre a sociedade russa. No início, o czarevitch era mais eslavófilo do que o governo, mas a sua natureza pragmática protegeu-o de muitos exageros cometidos por outros e nenhuma das ilusões populares que o possam ter afectado ultrapassaram a sua própria observação da situação na Bulgária onde ele comandou uma parte do exercito invasor.

Nunca sendo consultado em questões políticas, Alexandre dedicou-se aos seus deveres militares e cumpriu-os de forma consciente e não agressiva. Após muitos erros e desapontamentos, o exército chegou a Constantinopla e foi assinado o Tratado de São Estêvão, mas muito daquilo que se ganhou com o documento foi perdido no Congresso de Berlim. Otto von Bismarck falhou e não conseguiu cumprir aquilo que era esperado dele em segredo pelo czar.

Em troca do apoio russo, que o tinham ajudado a criar o Império Alemão, pensava-se que ele ajudaria o Império Russo a resolver a Questão do Oriente de acordo com os seus próprios interesses, mas para surpresa e indignação do governo de São Petersburgo, ele preferiu actuar como "separador honesto" no congresso e, pouco depois formou uma aliança com a Áustria com o único objectivo de contrariar os propósitos russos na Europa de Leste.

O czarevitch confirmou assim a posição que tinha mantido durante a Guerra Franco-Prussiana e chegou rapidamente à conclusão de que o melhor para a Rússia era recuperar rapidamente da sua exaustão temporária e preparar-se para uma reorganização radical na marinha e exercito. Para apoiar as suas crenças, sugeriu que certas reformas deveriam ser introduzidas.

Vida familiar[editar | editar código-fonte]

Alexandre III (sentado à direita) com a sua esposa, Maria Feodorovna (sentada à esquerda) e os seus cinco filhos: (da esquerda para a direita) Nicolau, Jorge, Olga, Xenia e Miguel (sentado).

Após o assassinato do seu pai, Alexandre III foi aconselhado a deixar o Palácio de Inverno, em São Petersburgo, uma vez que seria difícil manter a família em segurança nesse edifício. Assim, Alexandre mudou-se para o Palácio de Gatchina, localizado 30km a sul de São Petersburgo, que se tornou a sua residência principal. A partir desse momento, as visitas de Alexandre a São Petersburgo começaram a ser raras e sempre acompanhadas de grandes medidas de segurança e, passou a preferir alojar-se no Palácio de Anichkov e não no Palácio de Inverno.

Na década de 1860, Alexandre apaixonou-se profundamente por uma das damas-de-companhia da sua mãe, a princesa Maria Elimovna Meshcherskaya. Ao saber que o príncipe de Wittgenstein tinha pedido a sua amada em casamento na primavera de 1866, Alexandre disse aos seus pais que estava preparado para prescindir dos seus direitos de sucessão para se casar com a sua amada "Dusenka". A 19 de maio de 1866, o czar Alexandre II informou-o de que a Rússia tinha chegado a acordo com os pais da princesa Dagmar da Dinamarca para que os dois se casassem. Dagmar era sua prima em décimo grau e noiva do seu irmão mais velho, Nicolau, que tinha morrido no ano anterior.

Inicialmente, Alexandre recusou-se a viajar para Copenhaga, afirmando que não amava Dagmar e que o seu desejo era casar-se com Maria. Em resposta, o seu pai enfurecido ordenou a Alexandre que partisse imediatamente para a Dinamarca e que pedisse a princesa Dagmar em casamento. Alexandre apercebeu-se de que não era livre de tomar as suas próprias decisões e que o dever vinha sempre em primeiro lugar; a única coisa que lhe restou fazer foi escrever no seu diário: "adeus, querida Dusenka". Maria foi obrigada a deixar a Rússia na companhia da sua tia, a princesa Chernyshova. Quase um ano depois de chegar a Paris, Pavel Pavlovich Demidov, 2º Príncipe di San Donato, apaixonou-se por ela e os dois casaram-se em 1867. Maria acabaria por morrer ao dar ao luz o seu filho, Elim Pavlovich Demidov, 3º Príncipe di San Donato. Não se sabe qual terá sido a reacção de Alexandre quando soube do seu casamento e morte prematura.[4]

Alexandre acabaria por se apaixonar por Dagmar, que ao casar adoptou o nome de Maria Feodorovna, e os dois tiveram seis filhos juntos, cinco dos quais chegaram à idade adulta: Nicolau (n. 1868), Jorge (n. 1871), Xenia (n. 1875), Miguel (n. 1878) e Olga (n. 1882). Segundo relatos da época, Alexandre tinha uma relação mais próxima com os seus dois filhos mais novos.

Todos os verões, os seus sogros, o rei Cristiano IX e a rainha Luísa da Dinamarca, organizavam uma reunião familiar nos palácios dinamarqueses de Fredensborg e Bernstorff, nas quais Alexandre, Maria e os filhos se juntavam ao resto da família na Dinamarca.[5] A sua cunhada, a princesa de Gales, também se juntava a eles, vinda da Grã-Bretanha, assim como o rei Jorge I da Grécia e a rainha Olga, que era prima direita de Alexandre e uma Romanov por nascimento. Ao contrário das medidas de segurança às quais se encontravm sujeitos na Rússia, Alexandre e Maria podiam passear em relativa liberdade quando se encontravam na Dinamarca. Em certa ocasião, quando uma destas reuniões familiares estava prestes a terminar, o czar terá dito ao príncipe e à princesa de Gales que os invejava, uma vez que eles podiam regressar para um lar feliz em Inglaterra, enquanto que ele tinha de voltar para a sua prisão na Rússia.[6] Na Dinamarca, podia divertir-se com os seus filhos em poças cheias de lama, à procura de sapos, escapar-se para o pomar do seu sogro para roubar maçãs, e pregar partidas aos seus familiares. Uma das suas partidas mais conhecidas foi ligar uma mangueira e apontá-la ao rei Óscar II da Suécia.[6]

Enquanto czarevich - e depois já como czar - Alexandre tinha uma relação muito hostil com o seu irmão mais novo, o grão-duque Vladimir Alexandrovich. A tensão entre os dois irmãos reflectiu-se posteriormente numa rivalidade entre as suas esposas, a czarina Maria Feodorovna e a grã-duquesa Maria Pavlovna.[7] Alexandre dava-se melhor com os seus outros irmãos: Alexei (a quem nomeou almirante e depois grande almirante da Marinha Russa), Sérgio (a quem nomeou governador de Moscovo) e Paulo.

Apesar de não ter qualquer empatia pela sua madrasta, a princesa Catarina Dolgorukov, Alexandre deu-lhe permissão para continuar a viver no Palácio de Inverno durante algum tempo após o assassinato do pai e deixou-a ficar com alguns pertences dele, incluindo o uniforme coberto de sangue que estava a usar quando morreu e os seus óculos de leitura.[8]

Doença e morte[editar | editar código-fonte]

Em 1894, Alexandre adoeceu com uma doença de rins terminal (Nefrite). No outono desse ano, a cunhada de Maria Feodorovna, a rainha Olga da Grécia, ofereceu a sua villa Mon Repos, na ilha de Corfu, na esperança que o clima ameno ajudasse a melhorar a saúde do czar.[9] No entanto, quando chegaram à Crimeia, ficaram alojados no Palácio de Maly, em Livadia, uma vez que Alexandre estava demasiado fraco para continuar a viagem.[10] Reconhecendo que não restava muito tempo de vida ao czar, vários parentes imperais viajaram até Livadia. Até um conhecido clérigo da época, João de Kronstadt, visitou o czar e deu-lhe a comunhão.[11] A 21 de outubro, Alexandre recebeu a noiva de Nicolau, a princesa Alexandra Feodorovna, que tinha viajado de Darmstadt para receber a bênção do czar,[12] Apesar de estar muito fraco, Alexandre insistiu em receber Alexandra vestido de uniforme, uma actividade que o deixou exausto.[13] Pouco depois, a sua saúde começou a deteriorar rapidamente. O czar Alexandre III acabaria por morrer nos braços da sua esposa, no Palácio de Maly, na Livadia, na tarde de 11 de novembro de 1894, aos quarenta-e-nove anos de idade. Foi sucedido pelo seu filho mais velho, o czarevich Nicolau, que se tornou no czar Nicolau II da Rússia.

Os seus restos mortais foram levados de Livadia a 18 de novembro e, depois de uma viagem por Moscovo, foram sepultados na Catedral de São Pedro e São Paulo, em São Petersburgo, a 20 de novembro.

Descendência[editar | editar código-fonte]

Nome Nascimento Morte Observações
Nicolau II 6 de maio de 1868 17 de julho de 1918 Imperador da Rússia (1894-1917); casado com Alexandra Feodorovna; canonizado pela Igreja Ortodoxa Russa; com descendência.
Alexandre Alexandrovich da Rússia 7 de junho de 1869 2 de maio de 1870 morreu aos 10 meses de idade com meningite; sem descendência.
Jorge Alexandrovich 6 de maio de 1871 9 de agosto de 1899 morreu aos 28 anos de tuberculose; possível descendência em discussão.
Xenia Alexandrovna 6 de abril de 1875 20 de abril de 1960 casada com o grão-duque Alexandre Mikailovich Romanov; com descendência.
Miguel Alexandrovich 22 de novembro de 1878 12 de junho de 1918 casado com Natalia Wulfert; por vezes referido como "czar Miguel II da Rússia"; com descendência.
Olga Alexandrovna 13 de junho de 1882 24 de novembro de 1960 casada com Pedro de Oldenburg (1901-1916); sem descendência; segundo casamento com Nikolai Alexandrovich Kulikovsky em 1916; com descendência.

Referências

  1. Van Der Kiste, John The Romanovs: 1818–1959 (Sutton Publishing, 2003) p. 94
  2. Van Der Kiste, John The Romanovs: 1818–1959 (Sutton Publishing, 2003) p. 97
  3. «Documentário "Uma Família Real" (2004)». os-romanov.blogspot.pt. Consultado em 2016-09-30. 
  4. «Meshcherskaya María Elimovna». booksp.eu. Consultado em 2016-09-30. 
  5. Van Der Kiste, John The Romanovs: 1818–1959 (Sutton Publishing, 2003), p. 151
  6. a b Van Der Kiste, p. 152
  7. Van Der Kiste, p. 141
  8. Van Der Kiste, p. 118
  9. King, Greg The Court of the Last Tsar: Pomp, Power and Pageantry in the Reign of Nicholas II (John Wiley & Sons, 2006) p. 325
  10. King, p. 325
  11. John Perry & Constantine Pleshakov The Flight of the Romanovs: a Family Saga (Basic Books, 1999) p. 62
  12. King, p. 326
  13. King, p. 327

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Alexandre III da Rússia
Alexandre III da Rússia
Casa de Holstein-Gottorp-Romanov
Ramo da Casa de Oldemburgo
10 de março de 1845 – 1 de novembro de 1894
Precedido por
Alexandre II
Lesser CoA of the empire of Russia.svg
Imperador da Rússia
13 de março de 1881 – 1 de novembro de 1894
Sucedido por
Nicolau II