Alexandre Jagelão da Polônia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Alexandre Jagelão
Alexandre Jagelão segundo Jan Matejko
Nascimento 5 de agosto de 1461
Cracóvia
Morte 19 de agosto de 1506 (45 anos)
Vilnius
Sepultamento Catedral de Vilnius
Cidadania Grão-Ducado da Lituânia
Progenitores
Cônjuge Helena de Moscou
Irmão(s) Anna Jagiellon, Bárbara da Polónia, Sofia Jagiellon, Margravina de Brandemburgo-Ansbach, Edviges Jagelão, Isabel Jagiellon, Vladislau II da Hungria, São Casimiro, João I Alberto da Polônia, Sigismundo I da Polônia, Isabel Jagelão, Elisabeth Jagiellon
Ocupação soberano
Prêmios
Título Grão-Duque da Lituânia
Aleksander jagiellończyk.png
Assinatura
Autograph-AleksanderJagiellonczyk.png

Alexandre Jagelão (em polonês/polaco: Aleksander Jagiellończyk, em lituano: Aleksandras Jogailaitis; Cracóvia, 5 de agosto de 1461 — Vilnius, 19 de agosto de 1506) foi o Grão-Duque da Lituânia de 1492 até sua morte e também Rei da Polônia a partir de 1501.[1] Era filho do rei Casimiro IV Jagelão e Isabel da Áustria.

Grão-Duque da Lituânia[editar | editar código-fonte]

Alexandre Jagelão, o quarto filho de Casimiro IV Jagelão[2] e Isabel da Áustria, irmão do rei João I Alberto, após a morte de Casimiro IV Jagelão, governou o Grão-Ducado da Lituânia a partir de 20 de julho de 1492,[2] o que equivalia a quebrar a união pessoal entre a Lituânia e a Coroa do Reino da Polônia.[2]

Ele falava fluentemente lituano e também foi o último Grão-Duque da Lituânia a ter essa habilidade.[3] O príncipe cuidou do desenvolvimento da capital Vilnius, bem como de assuntos importantes para o Estado. Usou a ajuda de conselheiros lituanos e deu independência ao Grão-Ducado na condução da política externa. Nunca houve um conflito entre ele e seu irmão mais velho no trono polonês. Nos anos 1492–1494, travou uma guerra com o Grão-Principado de Moscou, que terminou com a perda de Viazma e a perda de controle sobre parte dos Principados de Wierchowskie. Em um esforço para estabelecer relações pacíficas entre a Lituânia e Moscou, em 18 de fevereiro de 1495, casou-se com Helena, filha do grão-duque de Moscou Ivã III, o Grande e Sofia Paleóloga. No entanto, em 1500, as tropas rutenas capturaram parte de Zadnieper e ameaçaram Smolensk, iniciando uma nova guerra lituano-moscou. Em 3 de março de 1501, ele fez uma aliança em Vilnius contra o Grão-Principado de Moscou com o mestre nacional da Livônia da Ordem Teutônica, Wolter von Plettenberg. Após a morte de João I Alberto, em 3 de outubro de 1501, foi eleito seu sucessor[2] pela reunião do parlamento geral em Piotrków.[4] Notificado por uma delegação do Sejm chefiada por Dom Boryszewski, ele partiu urgentemente da Lituânia para Cracóvia para a coroa polonesa, contando com o apoio polonês na guerra com Moscou.[2]

Rei da Polônia[editar | editar código-fonte]

Como rei dos sarracenos, provavelmente o retrato mais preciso de Alexandre, por Jan Goraj, ca. 1504
[5]

Em 12 de dezembro de 1501, na Catedral de Wawel, foi coroado Rei da Polônia pelo seu irmão, o Arcebispo de Gniezno e Primaz da Polônia, Cardeal Frederico Jagelão na presença, entre outros da mãe, Isabel da Áustria. A esposa de Alexandre não foi coroada rainha da Polônia, pois os bispos se opuseram dado que ela professava a fé ortodoxa. Ele obteve a coroa somente após a assinatura de dois atos sistêmicos, elaborados por magnatas poloneses: sobre a renúncia de seus direitos hereditários à Lituânia e fortalecimento da união polaco-lituana (União Mielnik, 1501) e concessão de poder no país ao Senado sob o privilégio Mielnik, o que logo aconteceu. Isso equivalia a colocar o rei sob o controle dos magnatas.[2]

A escassez de fundos para governar obrigou Alexandre a ser subserviente ao Senado (Sejm) e à nobreza (szlachta) polonesa, que o privaram do controle sobre a Casa da Moeda (então uma das fontes mais lucrativas de receita para os reis da Polônia), reduziram suas prerrogativas, e, geralmente, esforçaram-se para reduzi-lo a uma posição subordinada. Por falta de fundos, Alexandre foi incapaz de resistir ao Grão-mestre dos Cavaleiros Teutônicos ou impedir que o Grão-duque da Moscóvia, Ivã III, com os tártaros, assolassem o Grão-Ducado da Lituânia. O máximo que o grão-duque da Lituânia podia fazer era reforçar as defesas de Smolensk e de outras fortalezas e colocar sua esposa Helena, filha do czar, para mediar uma trégua entre seu sogro e ele mesmo após a desastrosa Batalha de Vedrosha (1500). Nos termos da trégua, a Lituânia teve de entregar cerca de um terço do seu território para o nascente Estado expansionista russo.[2]

Em 28 de março de 1503, uma trégua de seis anos foi assinada, encerrando a Guerra de Moscou. Sob ele, 1/3 do território do Grão-Ducado da Lituânia estava sob ocupação de Moscou. Em 1504, o rei visitou Gdańsk, confirmou seus privilégios e resolveu problemas com questões comerciais.[6]

Durante seu reinado, a Polônia sofreu muita humilhação nas mãos do seu principado vassalo, a Moldávia. Somente após a morte de Estêvão, o grande hospodar da Moldávia, foi que a Polônia ainda pode manter seu domínio sobre o rio Danúbio. A grande ajuda recebida por Alexandre veio do Papa Júlio II, que emitiu nada menos do que vinte e nove bulas em favor da Polônia e concedeu a Alexandre o óbolo de São Pedro e outras ajudas financeiras, permitindo-lhe conter um pouco a arrogância da Ordem Teutônica.[2]

Nihil novi[editar | editar código-fonte]

Parte do Castelo de Wawel construído por Alexandre

Em 1505, outro parlamento em Radom aprovou a constituição de direitos Nihil novi, segundo a qual o rei não poderia decidir “nada de novo” nestas questões sem o consentimento da câmara dos deputados e do senado. O assim chamado “Estatuto de Łaski” escrito pelo Grão-Chanceler da Coroa, Jan Łaski, constitui um conjunto de privilégios aos nobres e eclesiásticos, bem como direitos municipais em vigor no Reino.[2]

Vida privada[editar | editar código-fonte]

Embora seu casamento com Helena de Moscou não tenha cumprido os objetivos políticos assumidos, o casamento de Alexandre (a única união oficial do governante polonês com a filha do príncipe de Moscou) é considerado bem-sucedido. Por outro lado, tanto as relações de Helena com sua sogra (rainha viúva Isabel da Áustria) quanto com a nobreza polonesa e a elite da igreja eram ruins. O motivo foi a relutância da rainha em mudar de religião (ela permaneceu ortodoxa até o fim de sua vida).[7]

Fundações artísticas[editar | editar código-fonte]

Durante o reinado do rei Alexandre em 1504, começou a construção de um palácio renascentista no Castelo de Wawel. Durante a vida do rei, uma ala noroeste foi construída. A construção foi continuada por seu irmão mais novo, Sigismundo I, o Velho.[2]

Últimos anos[editar | editar código-fonte]

Sarcófago de Alexandre na Catedral de Vilnius

A Prússia religiosa, os feudos da Moldávia e especialmente os tártaros da Crimeia, que invadiram a Lituânia várias vezes, também causaram muitos problemas. Alexandre nunca se sentiu em casa, na Polônia, e sempre que possível, procurou agradar a seus companheiros lituanos, sendo o mais notável deles, o magnata Michael Glinski, que justificou a confiança através de sua grande vitória sobre os tártaros em Kleck (5 de agosto de 1506), a notícia esta que foi trazida para Alexandre em seu leito de morte, em Vilnius.[2]

Alexandre Jagelão morreu em 19 de agosto de 1506 sem filhos aos 45 anos em Vilnius sendo enterrado na catedral de Vilnius. Seu irmão, Sigismundo I, o Velho (1506–1548), que era 6 anos mais novo, foi eleito Grão-Duque da Lituânia e, em seguida, Rei da Polônia.[2]

Em 1931, durante a restauração da catedral de Vilnius, o esquecido sarcófago de Alexandre foi descoberto, e desde então foi colocado em exibição.[2]

Referências

  1. Jerzy Jan Lerski, Piotr Wróbel, Richard J. Kozicki (1996). Historical dictionary of Poland, 966-1945. [S.l.]: Greenwood Publishing Group. isbn 978-0-313-26007-0 
  2. a b c d e f g h i j k l m Wikisource-logo.svg Chisholm, Hugh, ed. (1911). «Alexander (king of Poland)». Encyclopædia Britannica (em inglês) 11.ª ed. Encyclopædia Britannica, Inc. (atualmente em domínio público) 
  3. Maculevičius & Baltrušiene 1999, p. 31.
  4. Dekret elekcyjny króla Aleksandra z d. 3 października 1501 roku.. Józef Szujski Jeszcze o elekcji w epoce Jagiellonów w: Opowiadania i roztrząsania historyczne: pisane w latach 1875–1880 pp. 310–312.
  5. «King Alexander of Poland, detail of Miracle of Saint Simeon Stylites from the Polyptych of John the Merciful by Jan Goraj, ca. 1504, N… | Miscellaneous». web.archive.org. 27 de julho de 2019. Consultado em 17 de junho de 2022 
  6. Marek Żydowicz (1992). «Średniowieczna kaplica pw. św. Anny przy franciszkańskim Kościele św. Trójcy w Gdańsku» (PDF) (em polonês). Muzeum Historii Polski. Consultado em 17 de junho de 2022 
  7. Urszula Borkowska, Dynastia Jagiellonów w Polsce, Wydawnictwo Naukowe PWN, 2011.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Maculevičius, Steponas; Baltrušiene, Doloresa, eds. (1999). Znajomość z Litwą - księga tysiąclecia. Kaunas: Kraštotvarka. OCLC 977889759 
  • Paweł Jasienica – Polska Jagiellonów
  • T. Biber, A. i M. Leszczyńscy – Poczet Władców Polski
  • Urszula Borkowska, Dynastia Jagiellonów w Polsce, Wydawnictwo Naukowe PWN, 2011.
  • Kraszewski, Józef Ignacy (1929). Jaszka Orfanem zwanego żywota i spraw pamiętnik. Varsóvia: wyd. M.Arcta 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ancestrais[editar | editar código-fonte]


Precedido por:
Casimiro IV Jagelão
Grão-duque da Lituânia
1492–1506
Sucedido por:
Sigismundo I
Precedido por:
João I Alberto
Rei da Polônia
1501–1506