Alexandru Vlahuță

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Alexandru Vlahuţă)
Alexandru Vlahuță
Nascimento 5 de setembro de 1858
Alexandru Vlahuță
Morte 19 de novembro de 1919 (61 anos)
Bucareste
Cidadania Romênia
Ocupação escritor, poeta

Alexandru Vlahuţă (Alexandru Vlahuță, 5 de setembro de 1858Bucareste, 19 de novembro de 1919) foi um escritor romeno.[1]

Criação literária[editar | editar código-fonte]

Em 1880 estreou-se como poeta na revista "Convorbiri literare". Durante sua carreira de professor, ele fez seu nome como escritor com "Nuvele" (1886), "poezii" (1887), "Din Goana vietii" (1892) e "Icoane sterse" (1893), e ele publicou muitos trabalhos (Esboços, histórias, novelas) nas páginas de "Sămănătorul".[2]

A partir de 1887 ele entrou em conflito com a Academia Română, já que tanto sua obra em prosa "Nuvele" quanto a coleção de poemas "Poezii" - apesar do forte apoio de Coşbuc - não lhe renderam o prêmio "Eliade Rădulescu". Como resultado, ele se recusou a trabalhar como membro correspondente da academia em 1893. Devido a esta rejeição, outro romance, nomeadamente "În vâltoare" (1896), não foi premiado. Apenas três obras foram homenageadas: “Clipe de linişte” com o prêmio “Năsturel Herescu”, “România pitorească” e “Poezii 1880–1915” com o “Grande Prêmio da Academia Romena”. Sua obra mais famosa foi "România pitorească" (1901), da qual os historiadores e críticos literários posteriores Dumitru Micudisse que era um atlas geográfico anotado, marcado por um grande amor pelo lar. Em 1910, ele dedicou uma monografia lírica (1910) a seu amigo pintor Grigorescu. Ele queria escrever uma monografia sobre Ion Luca Caragiale, bem como uma continuação de seu romance “Dan”, mas não conseguiu.[2]

Vlahuţă não apenas tentou renovar o estilo de escrita ou descobrir jovens talentos, ele também se viu como um artista, a quem responsabilizou pelo cultivo de idéias. Um ditado frequentemente citado por ele é: Un om care nu munceşte nu ştie să prețuiască munca altuia. (Uma pessoa que não trabalha não sabe valorizar o trabalho de outra pessoa).[3]

Trabalhos (seleção)[editar | editar código-fonte]

Prosa[editar | editar código-fonte]

  • 1886 Nuvele, 261 S.
  • 1890 După Eminescu, 194 S.
  • 1892 Din goana vieții
  • 1894 Dan, 336 S.
  • 1895 Un an de luptă, 248 S.
  • 1895 Icoane șterse (Nuvele și amintiri)
  • 1896 În vâltoare – Nuvele și impresii, 221 S.
  • 1899 Clipe de liniște
  • 1901 România pitorească, 330 S.
  • 1908 Din trecutul nostru, 126 S.
  • 1908 Din durerile lumii
  • 1909 File Rupte, 260 S.
  • 1910 Pictorul N. I. Grigorescu

Poesia[editar | editar código-fonte]

  • 1887 Poezii
  • 1894 Poezii vechi și nouă, 143 S.
  • 1896 Iubire (1888–1895), 233 S.
  • 1904 Poezii (1880–1904)
  • 1909 Poezii (1880–1908), 288 S.
  • 1911 La gura sobei, 282 S.
  • 1914 Dreptate, 251 S.
  • 1915 Poezii (1880–1915)

Literatura[editar | editar código-fonte]

  • Valeriu Râpeanu: „Alexandru Vlahuță și epoca sa“, Editura Tineretului, București 1956
  • Virgiliu Ene: „Alexandru Vlahuță“, Editura Albatros, București 1976

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Muzeul Vrancei» (em romeno). Consultado em 6 de setembro de 2021 
  2. a b Casa memoriala Alexandru Vlahuta (Memento vom 1. outubro 2012 im Internet Archive)
  3. «Primul ziar crestin din Romania - Ziarul Lumina». web.archive.org. 14 de fevereiro de 2009. Consultado em 6 de setembro de 2021 
Wikisource
A Wikisource contém fontes primárias relacionadas com Alexandru Vlahuţă
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Alexandru Vlahuță
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Alexandru Vlahuţă
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.