Alfarábi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Alfarábi
Nascimento 870
Otrar
Morte 950 (79–80 anos)
Damasco
Ocupação filósofo, físico, teórico musical
Religião Islão

Abu Nácer Maomé ibne Maomé Alfarábi (em árabe: ابو نصر محمد بن محمد فارابی‎; romaniz.: Abū Naṣr Muḥammad ibn Muḥammad Fārābī;[1] Farabe, Turquistão, ca. 872Damasco, 950), mais conhecido somente como Alfarábi ou Farábi, foi um filósofo muçulmano turco ou persa da Idade de Ouro Islâmica. Do seu nome se gerou o termo português "alfarrábio" e termos deste derivados. Estudou em Bagdá e Harrã, viveu na Síria e no Egito, e estabeleceu-se depois na corte do soberano de Alepo, Ceife Adaulá.

Alfarábi, que inaugurou a grande linha de filósofos muçulmanos da Idade Média, se interessou tanto por química, ciências naturais, física quanto por ética, ciência política e filosofia da religião. Foi também um bom músico e seu Grande livro da música colocou-o entre os principais teóricos do assunto. A palavra portuguesa alfarrábio é uma simples alteração do seu nome.

Na filosofia dizia-se ao mesmo tempo influenciado por Platão e Aristóteles e considerava que as doutrinas dos dois mestres da Antiguidade, longe de serem opostas, se complementavam. Alfarábi formulou, com uma clareza até então desconhecida, a distinção entre a existência e a essência. Retomou a teoria aristotélica sobre a eternidade do mundo, o que lhe causou dificuldades com os círculos islâmicos ortodoxos. Mas o próprio Alfarábi não separava a religião da filosofia e se servia de termos do Alcorão para traduzir os conceitos de filosofia grega.

Grande parte de sua obra é dedicada à política e à economia. Em seu tratado Epístolas sobre as opiniões do povo ou Estado modelo, o filósofo apresentou uma utopia platônica na qual a sociedade é comparada com um grande corpo único que estenderia suas ramificações à totalidade dos homens.

Referências

  1. Dimitri Gutas, "Farabi" in Encyclopædia Iranica. [1]
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Alfarábi