Alfredo Lim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Alfredo Lim
O prefeito Lim conversando com repórteres na Ponte Mendiola em Manila no ano 2008
Senador das Filipinas
Período 30 de junho de 2004
a 30 de junho de 2007
Prefeito de Manila
Período 30 de junho de 1992
a 27 de março de 1998
Antecessor Mel Lopez
Sucessor Lito Atienza
Prefeito de Manila
Período 30 de junho de 2007
a 30 de junho de 2013
Antecessor Lito Atienza
Sucessor Joseph Estrada
Dados pessoais
Nome completo Alfredo Siojo Lim
Nascimento 21 de dezembro de 1929
Manila, Filipinas
Morte 8 de agosto de 2020 (90 anos)
Nacionalidade chinês
filipino
Partido Partido Liberal
Profissão político

Alfredo Siojo Lim (em chinês: 林雯洛; pinyin: Lín Wénluò; pe̍h-ōe-jī: Lîm Bûn-lo̍k; Manila, 21 de dezembro de 19298 de agosto de 2020) foi um policial e político sino-filipino, o qual foi prefeito da capital das Filipinas, Manila, em duas ocasiões: de 1993 a 1997 e entre 2007 e 2013; também foi senador do país de 2004 a 2007, sob filiação do Partido Liberal. Antes de entrar para a política, Lim serviu como policial por três décadas.[1]

Durante a gestão do presidente Corazon Aquino, foi diretor da Investigação Nacional das Filipinas. Em 1998, concorreu à presidência do país; no entanto, foi mal-sucedido e perdeu para Joseph Estrada, o qual o nomeou Secretário do Departamento Interior e do Governo Local em 2000. Durante as eleições gerais de 2004, voltou a se eleger para um cargo, agora senador, bem-sucedido; renunciou em 2007 para ocupar a prefeitura da capital das Filipinas, Manila.[2]

Alfredo Lim se graduou no Instituto de Tecnologia de Bohol; Colégio San Beda e Universidade do Extremo Oriente em 1948. Formou-se, também, Administração de Empresas em 1951 e bacharel em Direito em 1963 na Universidade do Oriente; em 1981, finalizou seu mestrado em Administração de Segurança Nacional pela Universidade de Defesa Nacional das Filipinas. Quando Lim começou a trabalhar na polícia em 1950, uma de suas primeiras realizações foi prender o futuro senador Robert Barbers, em razão do porte ilegal de armas.[3]

Em 1992, concorreu com seis outros políticos à prefeitura de Manila, quando intensificou um programa de ordem que diminuiu a criminalidade na cidade. Com o lema "Manila Disciplina", em sua gestão, combateu o tráfico de drogas e inaugurou o Colégio de Manila. Retornou ao cargo quinze anos depois, em 2007, depois de derrotar Ali Atienza, sob o lema "Manila Dignificada". No segundo governo, investiu em transportes e vistoriou estabelecimentos sem licenças de comércio, principalmente de vendas de bebidas alcoólicas.[4]

Morreu no dia 8 de agosto de 2020, aos 90 anos, de COVID-19.[5]

Referências

  1. «Mayor Lim's son arrested on drug charge». Inquirer. Consultado em 23 de novembro de 2016 
  2. «No more bars, restos at Baywalk». ABS-CBN. Consultado em 23 de novembro de 2016. Arquivado do original em 9 de julho de 2007 
  3. «Recall 'open-Mendiola policy'». PNP. GMA News. Consultado em 23 de novembro de 2016 
  4. «I won't help my son: Manila mayor». The Australian News. 27 de março de 2008. Consultado em 23 de novembro de 2016 [ligação inativa]
  5. «Former Manila mayor Alfredo Lim dies». The Philippine Star (em inglês). 8 de agosto de 2020. Consultado em 8 de agosto de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Media relacionados com Alfredo Lim no Wikimedia Commons