Algoritmo de Liu Hui para π

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Método de Liu Hui para calcular a área de um círculo

O algorítmo de Liu Hui para π foi inventado por Liu Hui (fl. século III), um matemático do império de Cao Wei. Antes de sua época, a razão entre o perímetro de uma circunferência e seu diâmetro era muitas vezes tomada experimentalmente como três na China, enquanto Zhang Heng (78-139) a representava como sendo 3,1724 (da proporção do círculo celeste com o diâmetro da Terra, 92/29) ou como . Liu Hui não ficou satisfeito com este valor. Ele comentou que ele era muito grande e ultrapassava a marca. Outro matemático, Wang Fan (228-266), forneceu .[1] Todos esses valores empíricos para π eram precisos para dois dígitos (ou seja, uma casa decimal). Liu Hui foi o primeiro matemático chinês a fornecer um algoritmo rigoroso para o cálculo de π para qualquer precisão. O próprio cálculo de Liu Hui com um polígono de 96 lados forneceu uma precisão de cinco dígitos: π ≈ 3,1416.

Liu Hui observou em seu comentário no Os nove capítulos da arte matemática,[2] que a relação do perímetro de um hexágono inscrito com o diâmetro da circunferência era três, então π deve ser maior que três. Ele passou a fornecer uma descrição detalhada passo-a-passo de um algoritmo iterativo para calcular π com qualquer precisão estabelecida com base em bisseção de polígonos; ele calculou π entre 3,141024 e 3,142708 com um polígono de 96 lados; ele sugeriu que 3,14 era uma aproximação boa o suficiente, e expressou π como 157/50; ele admitiu que este número era um pouco pequeno. Inventou mais tarde um engenhoso método rápido para melhorá-lo, e obteve π ≈ 3,1416 com apenas um polígono de 96 lados, com uma precisão comparável à de um polígono de 1536 lados. Sua contribuição mais importante nessa área foi seu algoritmo simples iterativo para π.

Área de um círculo[editar | editar código-fonte]

A área no interior de um círculo é igual ao raio multiplicado por metade da circunferência, ou A = r x C/2 = r x r x π.

Liu Hui argumentou:

"Multiplique um lado de um hexágono pelo raio (de sua circunferência circunscrita), e então multiplique este resultado por três, para obter a área de um dodecágono; se cortarmos um hexágono em um dodecágono, multiplicarmos seu lado pelo seu raio e, novamente, multiplicarmos por seis, obtemos a área de um polígono de 24 lados; quanto mais fino cortamos, menor a perda em relação à área do círculo, portanto, com mais corte após corte, a área do polígono resultante coincidirá e se tornará uma com o círculo; não haverá perda".

Aparentemente, Liu Hui já havia dominado o conceito do limite[3]

área do polígono de lados = área do círculo.

Também, Liu Hui provou que a área de um círculo é metade de seu perímetro multiplicado por seu raio. Ele registrou:

"Entre um polígono e um círculo, há excesso de raio. Multiplique o excesso de raio por um lado do polígono. A área resultante excede o limite do círculo".

No diagrama d = excesso de raio. Multiplicando d por um lado resulta no oblongo ABCD que excede o limite do círculo. Se um lado do polígono é pequeno (i.e. existe um número muito grande de lados), então o excesso do raio é pequeno, então o excesso na área será pequeno.

Como visto no diagrama, quando N → ∞, d → 0, e ABCD → 0.

"Multiplique o lado de um polígono pelo seu raio, e a área duplica; portanto, multiplique metade do perímetro pelo raio para obter a área do círculo".

Quando N → ∞, metade do perímetro do polígono de N lados aproxima um semicírculo, assim metade do perímetro de um círculo multiplicada por seu raio é igual à área do círculo. Liu Hui não explicou em detalhes esta dedução. No entanto, é evidente usando o "princípio do complemento in-out" de Liu Hui, que ele forneceu nos nove capítulos sobre a arte matemática: recortar uma forma geométrica em partes, reorganizar as partes para formar outra forma, a área das duas formas serão idênticas.

Assim, rearranjando os seis triângulos verdes, três triângulos azuis e três triângulos vermelhos em um retângulo com largura = 3L e altura R mostra que a área do dodecágono = 3RL.

Em geral, multiplicar metade do perímetro de um N-polígono pelo seu raio produz a área de um 2N-polígono. Liu Hui usou este resultado repetidamente em seu algoritmo π.

Desigualdade π de Liu Hui[editar | editar código-fonte]

Desigualdade π de Liu Hui

Liu Hui provou uma desigualdade envolvendo π considerando a área de polígonos inscritos com lados N e 2N.

No diagrama, a área amarela representa a área de um N-polígono, denotada por , e a área amarela mais a área verde representa a área de um 2N-polígono, denotada por . Portanto, a área verde representa a diferença entre as áreas do 2 N-polígono e do N-polígono:

A área vermelha é igual à área verde, e assim também é . Então

área amarela + área verde + área vermelha =

Seja a área do círculo. Então

Se o raio da circunferência é assumido ser 1, então obtemos a desigualdade de Liu Hui:

Algoritmo iterativo[editar | editar código-fonte]

Algoritmo de Liu Hui para π

Liu Hui começou com um hexágono inscrito. Seja M o comprimento de um lado AB do hexágono, r o raio do círculo.

Bisseccionando AB com a linha OPC, AC torna-se um lado do dodecágono (12-polígono), seja seu comprimento m. Seja o comprimento de PC j e o comprimento de OP G.

AOP, APC são dois triângulos retângulos. Liu Hui usou o teorema de Gou Gu repetitivamente:

A partir daqui, existe agora uma técnica para determinar m de M, que dá o comprimento do lado de um polígono com o dobro do número de arestas. Começando com um hexágono, Liu Hui pode determinar o comprimento lateral de um dodecágono usando esta fórmula. Então continue repetidamente para determinar o comprimento lateral de um 24-polígono, dado o comprimento lateral de um dodecágono. Ele poderia fazer isso de forma recursiva quantas vezes fosse necessário. Sabendo como determinar a área destes polígonos, Liu Hui poderia então aproximar π.

Com unidades, ele obteve

área do 48-polígono
área do 96-polígono
Diferença do 96-polígono e do 48-polígono:
da desigualdade de Liu Hui para π:
Como r = 10,
então:

Ele nunca considerou π como a média do limite inferior 3,141024 e do limite superior 3,142704. Ao invés sugeriu que 3,14 era um valor aproximado bom o suficiente para π, e o expressou como a fração ; salientou que este número era ligeiramente menor que o exato.

Liu Hui efetuou seus cálculos com o sistema numérico de varas, e expressou os resultados com frações. Contudo, a natureza iterativa do algoritmo de Liu Hui para π é muito clara:

onde m é o comprimento de um lado do polígono de próxima ordem bissectado de M. O mesmo cálculo é feito repetidamente, cada passo requerendo somente uma adição e uma extração de raiz quadrada.

Método rápido[editar | editar código-fonte]

O cálculo de raízes quadradas de números irracionais não era uma tarefa fácil no século III com o sistema numérico de varas. Liu Hui descobriu um atalho comparando os diferenciais de área de polígonos, e constatou que a proporção da diferença na área de polígonos de ordem sucessiva era de aproximadamente 1/4.[4]

Seja DN a diferença de áreas de um N-polígono e um (N/2)-polígono

.

Ele encontrou:

1

Então:

Área do círculo de raio unitário =

Em que

Isso é tudo o que subsequentes áreas em excesso somam a um terço de

área do círculo unitário2

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

↑1 Valor correto: 0.2502009052
↑2 Valor correto:


O método rápido de Liu Hui era potencialmente hábil para fornecer aproximadamente o mesmo resultado de um 12288-polígono (3,141592516588) com apenas um 96-polígono.

Referências

  1. Schepler, Herman C. (1950), “The Chronology of Pi”, Mathematics Magazine 23 (3): 165–170, ISSN 0025-570X.
  2. Needham, Volume 3, 66.
  3. Notado a primeira vez pelo matemático japonês Yoshio Mikami
  4. Yoshio Mikami: Ph.D. Dissertation 1932

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Needham, Joseph (1986). Science and Civilization in China: Volume 3, Mathematics and the Sciences of the Heavens and the Earth. Taipei: Caves Books, Ltd.
  • Wu Wenjun ed, History of Chinese Mathematics Vol III (em chinês) ISBN 7-303-04557-0