Alice Sheldon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Alice Sheldon
Alice Bradley Sheldon
Nascimento 24 de agosto de 1915
Chicago, Illinois
Morte 19 de maio de 1987 (71 anos)
McLean, Virginia
Nacionalidade Estados Unidos norte-americana
Alma mater BA, American University
PhD, George Washington U.
Ocupação Escritora
Prémios Prémio Hugo
Prêmio Júpiter
Prémio Nebula
Gênero literário Ficção científica
Magnum opus “Houston, Houston, do you read?”

Alice Bradley Sheldon (Chicago, 24 de agosto de 1987 - McLean, 19 de maio de 1987) foi uma escritora estadunidense de ficção científica, conhecida pelos pseudônimos de James Tiptree Jr. e Racoona Sheldon[1]. Era conhecida por quebrar barreiras na escrita de ficção científica, tendo sido recebida nos círculos literários, antes de sua identidade ser descoberta, com entusiasmo por sua literatura vigorosa e criativa, normalmente associada a escritores homens. Sua identidade só veio a público em 1977[2].

Alice foi inserida no Hall da Fama da Ficção Científica em 2012[2].

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Alice Sheldon com o povo Kikuyu, em 1920

Alice nasceu em uma família de intelectuais em Hyde Park, em Chicago, um bairro universitário[3]. Seu pai era Herbert Bradley, advogado e naturalista, sua mãe era Mary Hastings Bradley, escritora prolífica e ficção e guias de viagem[1]. Desde criança, Alice viajava com seus pais e em 1921-1922, a família visitou a África Central, o que influenciou, posteriormente, seu conto "The Women Men Don't See"[2][4].

Alice tornou-se artista gráfica e pintora, usando o nome "Alice Bradley Davey"[5], além de ser crítica de arte do Chicago Sun entre 1941 e 1942[4]. Aos 19 anos, ela conheceu seu primeiro marido, William Davey e eles se casaram em 1934[6]. A relação durou até 1941, quando o casal se divorciou[2].

Os autógrafos de Alice Sheldon e seus pseudônimos.

Em 1942, ela entrou para a Força Aérea dos Estados Unidos, trabalhando com fotos áreas na força-tarefa da inteligência. Foi promovida a major por seu trabalho, um posto alto para mulheres na época[1]. Alice chegou a dizer que estava entre mulheres que se sentiam livres pela primeira vez na vida. Em 1945, casou-se com seu segundo marido, Huntington D. Sheldon, perto do fim da guerra, em seu posto em Paris, com quem teve três filhos[2][6]. Alice foi dispensada do serviço militar em 1946, abrindo um pequeno negócio com o marido. No mesmo ano, seu primeiro conto foi publicado na The New Yorker, creditado a "Alice Bradley". Em 1952, ela e o marido foram convidados para trabalhar para a CIA, posição da qual ela se demitiu em 1955 para entrar na faculdade[1][7].

Ela cursou o curso de bacharelado em Artes, de 1957 a 1959 na American University, obtendo doutorado pela George Washington University em Psicologia Experimental, em 1967. Sua tese era sobre as respostas de animais sob estímulos em diferentes ambientes. Nesta época, Alice escreveu e submeteu contos de ficção científica sob o pseudônimo de James Tiptree Jr., para preservar sua reputação acadêmica[8][6].

Na esfera pessoal, Alice tinha uma complexa vida sexual, que ela descreveu de maneiras diferentes ao longo dos anos[7]. Assim ela disse:

Cquote1.svg Gosto muito de homens, alguns antes de sequer saber algo sobre eles, mas sempre houve mulheres que me excitaram.[7][9] Cquote2.svg

Formação[editar | editar código-fonte]

A família Bradley voltou para Chicago depois de sua viagem à África, em março de 1922, quando Alice tinha sete anos de idade e entrou na escola pela primeira vez. Após uma segunda viagem para a África, em 1924, a família voltou para os Estados Unidos para passar o verão. No outono do mesmo ano, a pequena Alice foi estudar na escola experimental da Universidade de Chicago, uma escola privada, com técnicas inovadoras de ensino para a época. Eram salas de aula pequenas, sem a rígida estrutura de carteiras, com crianças aprendendo na prática, não apenas na teoria[10]. Aulas de geografia eram dadas com a confecção de mapas, aulas de latim eram com conversação e aulas de ciências eram nos laboratórios, construindo termômetros[2][7].

Em setembro de 1929, quando Alice tinha 14 anos, ela foi para Lausanne, na Suíça terminar os estudos. Lá aprendeu equitação, estudou etiqueta e aprendeu francês. Sua mãe e Alice tiveram desentendimentos a respeito de seu futuro[11]. Enquanto a mãe queria que ela seguisse uma carreira acadêmica, Alice queria estudar artes. O desentendimento levou Alice para o Sarah Lawrence College, em Bronxville, Nova York, cujo programa atendia seus objetivos de estudar mais as artes em geral[2][7].

Em 1941, já divorciada de William Davey e depois de não poder estudar em várias universidades que não aceitava casais casados, ela voltou para a casa dos pais e começou a ter aulas em um instituto de arte da cidade. Com a entrada do país na Segunda Guerra Mundial, Alice começou a ter aulas de pilotagem, mas abandonou o curso com as notas baixas que recebeu[10].

Em maio de 1942, o Congresso estabeleceu o Women's Army Auxiliary Corps, no qual Alice se alistou em agosto. Candidatando-se posteriormente para a escola de oficiais, Alice continuou buscando oportunidades educacionais dentro das forças armadas. Começou a estudar fotointerpretação com a Força Aérea Real, do Reino Unido, sendo transferida para o setor da Inteligência em seguida[10].

Com o fim da guerra, Alice e o novo marido decidiram se dedicar a uma pequena fazenda, criando galinhas. Cinco anos depois, com o negócio não dando muito certo, eles venderam a chácara e se mudaram para Washington D.C., onde começaram a trabalhar a para a CIA. Ao sair da agência, ela ingressou em Psicologia e defendeu seu doutorado em 1967[10][12].

A ficção científica[editar | editar código-fonte]

Insegura sobre o que fazer e sobre como prosseguir com sua carreira, Alice começou a escrever ficção científica sob o pseudônimo de James Tiptree Jr., em 1967. O Tiptree veio de uma marca de doces da empresa Wilkin & Sons; o Jr. foi ideia do marido[10]. Em uma entrevista, ela declarou:

Cquote1.svg Um nome masculino me parecia uma boa camuflagem. Tinha a sensação de que um homem poderia errar sem ser julgado. Tive muitas experiências na vida em ser a primeira mulher em qualquer ocupação[13]. Cquote2.svg

O pseudônimo permitia que Sheldon escrevesse em uma época em que os autores homens poderiam esperar mais sucesso no universo da ficção científica. Segundo sua biógrafa, Julie Phillips, "ninguém jamais tinha visto ou falado com o dono dessa voz [de Alice]. Ele escreveu cartas calorosas, francas, engraçadas, para outros escritores, editores e fãs de ficção científica"[6]. Em cartas para suas colegas Ursula K. Le Guin e Joanna Russ, ela se apresentava como um homem feminista; porém, Alice nunca se apresentava como um homem. Escrever era a maneira que Alice encontrou de escapar de uma sociedade machista, algo ilustrado com propriedade no conto “Houston, Houston, Do You Read?", onde viajantes do tempo encontram uma Terra futurista, onde a população masculina foi exterminada e as mulheres estão levando a sociedade muito bem[11][1].

Seu primeiro conto publicado foi "Birth of a Salesman", em março de 1968, na revista Analog Science Fact & Fiction, editada por John W. Campbell. Outros três contos se seguiram na revista If e na Fantastic[11]. O pseudônimo foi mantido com sucesso até o final dos anos 1070, em parte porque Tiptree era um apelido famoso, geralmente usado para proteger a reputação profissional de alguma comunidade de inteligência ou membro de agências do governo. Leitores, editores e jornalistas assumiam que James era um homem. Havia especulação, em parte pelos temas abordados em seus contos, de que James seria uma mulher. Mas Robert Silverberg uma vez escreveu:

Cquote1.svg É absurdo sugerir que Tiptree seja uma mulher, pois há algo inerentemente masculino na escrita dele[6]. Cquote2.svg

"Tiptree" nunca fez aparições públicas, mas se correspondia com regularidade com fãs e outros autores de ficção científica pelo correio. Quando perguntado sobre detalhes biográficos, James\Alice, falava sober tudo, menos seu sexo. Muitos detalhes de sua biografia, como seus anos na Força Aérea, seu doutorado, foram todos mencionados em cartas que ela escreveu e também em sua biografia[7][10][6].

Após a morte de Mary Hastings Bradley, sua mãe, em 1976, "Tiptree" mencionou em uma carta que sua mãe também era escritora e que tinha falecido em Chicago, detalhes captados pelos fãs no obituário, que fazia referência a Alice Sheldon. Vários autores de ficção científica ficaram constrangidos com a revelação. Robert Silverberg escreveu na introdução de Warm Worlds and Otherwise que era impossível que Tiptree fosse uma mulher. Harlan Ellison argumentou que Kate Wilhelm era a mulher do ano e Tiptree era o homem[10][6].

Por volta desta época, ela terminou seu primeiro livro, Up the Walls of the World (1978)[6]. Antes disso ela preferiu construir sua carreira e reputação como uma sólida autora de contos de ficção científica[10][6].

Temas[editar | editar código-fonte]

Alice\James era uma escritora eclética, oscilando em vários estilos e sub-gêneros, em geral combinando o foco na tecnologia, aliada a um afiado senso de hard sci-fi com preocupações sociológicas e psicológicas normalmente abordadas pela soft sci-fi, além de experimentar algumas explorações no movimento new wave da ficção científica[10][6].

Após escrever vários contos nos moldes tradicionais, ela produziu seu primeiro trabalho a ser aclamado pelos leitores, em 1969: "The Last Flight of Doctor Ain". Um de seus contos, "Ain", era um retrato simpático de um cientista cuja preocupação com o meio ambiente e a destruição da natureza o levaria a destruir a raça humana por completo[10][6]. Alguns trabalhos traziam a space opera de revistas pulp que Alice lia quando era adolescente, mas com seu típico tom obscuro, onde personagens alienados e perturbados embarcavam em jornadas cósmicas rumo a experiências que lhe trouxessem algo novo, mas que também poderiam eventualmente matá-los[7].

John Clute, intrigado as complexas visões de Tiptree, assim escreveu:

Cquote1.svg É muito raro que uma história de James Tiptree não trate diretamente com a morte e termine com a morte do espírito, ou de toda a esperança, ou mesmo da raça.[10] Cquote2.svg

Contos notáveis como este são "Painwise"[14], em que um astronauta teve o DNA alterado para ser imune à dor, mas acha sua nova existência intolerável e "A Momentary Taste of Being", onde o verdadeiro propósito da humanidade, encontrado em um planeta distante, transforma a vida individual humana sem sentido[1].

Outro tema frequente em suas obras, é a tensão entre livre arbítrio e determinismo biológico, ou razão vs. desejo sexual. "Love Is the Plan the Plan Is Death"[15], uma das raras histórias de ficção científica em que nenhum ser humano aparece, que descreve as racionalizações românticas de uma criatura alienígena sobre os instintos brutais que dirigem seu ciclo de vida. "The Screwfly Solution" sugere que os seres humanos poderiam igualmente racionalizar uma praga de insanidade sexual assassina. Sexo na escrita de Alice\James é francamente retratado, uma força às vezes irônica, porém mais frequentemente ameaçadora[1].

Antes de sua identidade verdadeira ser revelada, Alice era sempre referida no masculino, bem como um incomum autor de ficção científica feminista, especialmente depois de "The Women Men Don't See", uma história de duas mulheres que procuram por aliens para escaparem da sociedade misógina do planeta Terra[10]. No entanto, as opiniões sobre políticas sexuais da autoras podem ser ambíguas, como no final de "Houston, Houston, Do You Read?", seu premiado conto, onde uma sociedade de clones de mulheres precisa lidar com três astronautas homens viajantes do tempo[1].

Feminismo[editar | editar código-fonte]

Este é um tema constante em muitos dos trabalhos de Alice\James. Em "The Women Men Don’t See", ela nos dá uma reviravolta na narrativa, ao colocar um homem como narrador, Don Fenton. Don julga as duas protagonistas, mãe e filha, que buscam pela vida alienígena, por sua sensualidade e fica consternado quando elas não se encaixam nos estereótipos típicos femininos[10][1]. Além disso, o narrador reluta em em compreender a alienação que as duas personagens enfrentam, em uma alusão ao abismo que existe entre homens e mulheres na sociedade. O próprio título do conto reflete a ideia de que mulheres eram invisíveis pela perspectiva de Alice[16][1].

Os dois livros de Alice\James, já perto do final da carreira, não foram bem recebidos pela crítica, nem ficaram conhecidos como os melhores que ela já produziu, mas continuaram a explorar temas semelhantes. Os melhores trabalhos da autora foram reunidos na coleção Her Smoke Rose Up Forever, em 2004[1].

Morte[editar | editar código-fonte]

Alice quando criança.

Alice Sheldon continuou escrevendo sob o nome de Tiptree por mais uma década. Seus últimos anos, porém, não foram felizes. Seu marido ficou cego e incapaz de cuidar de si mesmo e a própria Alice estava com problemas de saúde causados por anos de cigarro. Em 1976, aos 60 anos de idade, Alice escreveu a um amigo seu desejo de acabar com a própria vida enquanto ainda era ativa, mas que relutava em prosseguir com ele, já que seu marido não teria ninguém para cuidar dele.

Onze anos depois, em 1987, Alice finalmente levou seu plano adiante, atirando no marido enquanto ele dormia, se matando em seguida. Os dois foram encontrados mortos em sua cama, onde moravam em McLean, na Virgínia. O casal ficou mais e mais recluso em seus últimos anos, conforme suas saúdes se deterioravam. Na manhã anterior às suas mortes, Alice ligou para seu advogado, informando-o sobre o que estava para fazer[17].

Segundo sua biógrafa Julie Phillips, a nota de suicídio de Alice fora escrita anos antes e guardada até aquele dia. Em uma entrevista com Charles Platt, no começo dos anos 1980, Alice falou de seu problemas emocionais e de suas tentativas prévias de suicídio nos últimos 20 anos.

O Prêmio James Tiptree Jr. foi estabelecido em sua homenagem para trabalhos de ficção científica e fantasia que explorem nossa compreensão sobre o gênero. O prêmio foi criado pelas escritoras Karen Joy Fowler e Pat Murphy em 1991. Novelas como Half Life, de Shelley Jackson e Light, de M. John Harrison já foram ganhadoras.

Obras[editar | editar código-fonte]

Romances[editar | editar código-fonte]

Coletâneas de pequenas histórias[editar | editar código-fonte]

Contos em português[editar | editar código-fonte]

Contos premiados[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k Tor (ed.). «Where to Start with the Works of James Tiptree, Jr.». Tor. Consultado em 6 de fevereiro de 2017 
  2. a b c d e f g «"Science Fiction Hall of Fame: EMP Museum Announces the 2012 Science Fiction Hall of Fame Inductees"». Archived from the original on 22 de julho de 2012. Consultado em 22 de julho de 2012 . May/June 2012. EMP Museum (empmuseum.org). Archived 2012-07-22. Retrieved 2013-03-19.
  3. Phillips 2006, pp. 11.
  4. a b "Tiptree, James Jr.". The Locus Index to SF Awards: Index of Literary Nominees. Locus Publications. Retrieved 2013-04-18.
  5. Phillips 2006, pp. 104.
  6. a b c d e f g h i j k NPR Books (ed.). «The Secret Sci-Fi Life of Alice B. Sheldon». NPR Books. Consultado em 6 de fevereiro de 2016 
  7. a b c d e f g Wolfe, Kathi (September 2, 2006). «She blinded me with science fiction». Houstonvoice.com. Houston Voice. Consultado em 24 de março de 2011  Verifique data em: |date= (ajuda)
  8. Phillips, Julie. "Alice Bradley Sheldon, 1915–1987". James Tiptree Jr.: The Double Life of Alice B. Sheldon. October 23, 2011. Retrieved 2011-10-31.
  9. Shawl, Nisi (August 4, 2006). «"James Tiptree Jr.": The amazing lives of writer Alice B. Sheldon». seattletimes.nwsource.com. The Seattle Times. Consultado em 24 de março de 2011  Verifique data em: |date= (ajuda)
  10. a b c d e f g h i j k l m Gunnels, Jen (January 2012). Xenophilia, based on the works of James Tiptree Jr. and Connie Converse. The New York Review of Science Fiction. Pleasantville, NY: Dragon Press. pp. 1, 8–11  Verifique data em: |date= (ajuda);
  11. a b c Alice Sheldon (em inglês) na Internet Speculative Fiction Database (ISFDB). Retrieved 2013-04-18. Select a title to see its linked publication history and general information. Select a particular edition (title) for more data at that level, such as a front cover image or linked contents.
  12. «The Secret Sci-Fi Life of Alice B. Sheldon». NPR.org. Consultado em 8 de dezembro de 2015 
  13. Profile in April 1983 issue of Isaac Asimov's Science Fiction Magazine.
  14. Wikimedia Foundation (ed.). «Painwise». Sci-fi. Consultado em 9 de dezembro de 2014 
  15. Lightspeed Magazine (ed.). «Love Is the Plan the Plan Is Death». Lightspeed Magazine. Consultado em 6 de fevereiro de 2017 
  16. Cranny-Francis, Anne. Feminist Fiction. New York: St. Martin’s Press. 1990. pp. 30, 33, 38.
  17. Osgood, N.J. (1992). Suicide in Later Life: Recognizing the Warning Signs Lexington Books [S.l.] p. 7. ISBN 9780669212143. Consultado em 8 de abril de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Página do Prêmio James Tiptree