Alice de Battenberg

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Alice
Princesa de Battenberg
Princesa André da Grécia e Dinamarca
Marido André da Grécia e Dinamarca
Descendência
Margarida da Grécia e Dinamarca
Teodora da Grécia e Dinamarca
Cecília da Grécia e Dinamarca
Sofia da Grécia e Dinamarca
Filipe, Duque de Edimburgo
Nome completo
Vitória Alice Isabel Júlia Maria
Casa Battenberg (por nascimento)
Schleswig-Holstein-Sonderburg-Glücksburg (por casamento)
Pai Luís de Battenberg
Mãe Vitória de Hesse e Reno
Nascimento 25 de fevereiro de 1885
Castelo de Windsor, Windsor, Berkshire, Reino Unido
Morte 5 de dezembro de 1969 (84 anos)
Palácio de Buckingham, Londres, Reino Unido
Enterro Igreja de Santa Maria Madalena, Jerusalém, Israel
Religião Igreja Ortodoxa Grega
(anteriormente Anglicanismo)

Vitória Alice Isabel Júlia Maria (Windsor, 25 de fevereiro de 1885Londres, 5 de dezembro de 1969) foi a esposa do príncipe André da Grécia e Dinamarca e mãe do príncipe Filipe, Duque de Edimburgo.

Alice era bisneta da rainha Vitória do Reino Unido e cresceu na Alemanha, Inglaterra e no Mediterrâneo. Ela se casou em 1903 com o príncipe André da Grécia e Dinamarca e foi viver na Grécia até ser exilada junto com toda a família real em 1917. Seu marido foi culpado pela derrota na Guerra Greco-Turca de 1919-1922 depois de voltarem para país alguns anos depois, com a família sendo forçada a se exilar novamente até a restauração da monarquia em 1935.

Portadora de surdez congênita, foi diagnosticada em 1930 com esquizofrenia e internada em um sanatório na Suíça; assim ela passou a viver separada de André. Ela se recuperou e dedicou o restante de seus anos realizando trabalhos de caridade na Grécia. Alice ficou em Atenas durante a Segunda Guerra Mundial protegendo judeus, sendo reconhecida postumamente pelo Yad Vashem como Justa Entre as Nações. Ela continuou na Grécia depois da guerra e fundou uma ordem de enfermagem ortodoxa de freiras conhecida como a Irmandade Cristã de Marta e Maria.

Com a queda do rei Constantino II da Grécia e o fim da monarquia grega em 1967 por um golpe militar, Alice foi convidada por seu filho Filipe e sua esposa a rainha Isabel II do Reino Unido a ir morar no Palácio de Buckingham em Londres, onde morreu dois anos depois. Seus restos foram transferidos para o Monte das Oliveiras em 1988.

Início de vida[editar | editar código-fonte]

Alice (direita) com seu pai, sua mãe e sua irmã Luísa em 1889.

Alice nasceu em 25 de fevereiro de 1885 na Sala da Tapeçaria do Castelo de Windsor, Berkshire, Reino Unido, na presença de sua bisavó a rainha Vitória do Reino Unido. Era a filha mais velha do príncipe Luís de Battenberg e sua esposa a princesa Vitória de Hesse e Reno. Sua mãe era a filha mais velha da princesa Alice do Reino Unido, a segunda filha menina da rainha Vitória com o príncipe Alberto de Saxe-Coburgo-Gota. Seu pai era o filho mais velho do príncipe Alexandre de Hesse e Reno através de um casamento morganático com Julia von Hauke. Alice tinha três irmãos mais novos: Luísa, Jorge e Luís.[1] [2]

Ela foi batizada como Vitória Alice Isabel Júlia Maria em 25 de abril na cidade de Darmstadt. Alice teve seis padrinhos: seus três avós ainda vivos, Luís IV, Grão-Duque de Hesse e Reno, o príncipe Alexandre e Julia von Hauke; suas tias a grã-duquesa Isabel Feodorovna e a princesa Maria de Battenberg; e sua bisavó a rainha Vitória.[3]

Alice passou sua infância entre Darmstadt, Londres, Jugenheim e Malta (onde seu pai estava postado como oficial naval).[4] Sua mãe percebeu que ela demorou muito para aprender a falar e ficou preocupada com sua pronúncia indistinta. Ela eventualmente foi diagnosticada com surdez congênita depois de sua avó ter indentificado o problema e a levado para um otorrino. Alice acabou aprendendo a ler lábios e escrever em inglês e alemão com a ajuda da princesa Vitória.[5] Ela estudou em particular e também aprendeu francês[6] e grego depois de seu noivado.[7] Alice passou seus primeiros anos de vida na companhia de seus parentes reais, sendo em 1893 uma das damas de honra no casamento do príncipe Jorge, Duque de Iorque, com a princesa Maria de Teck.[8] Ela compareceu ao funeral da rainha Vitória em 1901 na Capela de São Jorge, algumas semanas antes de seu aniversário de dezesseis anos, tendo sua crisma na Igreja Anglicana pouco depois.[9]

Casamento[editar | editar código-fonte]

Alice em seu casamento.

Alice conheceu e se apaixonou pelo príncipe André da Grécia e Dinamarca, o quarto filho do rei Jorge I da Grécia e sua esposa Olga Constantinovna da Rússia, em 1902 durante a coroação do rei Eduardo VII do Reino Unido.[10] Eles se casaram em 6 de outubro de 1903 em uma cerimônia civil em Darmstadt. Houve duas cerimônias religiosas no dia seguinte: uma luterana e outra ortodoxa grega.[11] Ela adotou o estilo de seu marido, se tornando "Princesa André da Grécia e Dinamarca".[12] Os dois tinham relações familiares próximas com as familías reais britânica, alemã, russa, dinamarquesa e grega; seu casamento foi uma das grandes reuniões dos descendentes da rainha Vitória e do rei Cristiano IX da Dinamarca antes da Primeira Guerra Mundial.[4] Alice e André tiveram cinco filhos: Margarida em 1905, Teodora em 1906, Cecília em 1911, Sofia em 1914 e Filipe em 1921.[13]

André continuou sua carreira militar depois do casamento e Alice ficou envolvida em trabalhos de caridade. Ela visitou o Império Russo em 1908 para o casamento da grã-duquesa Maria Pavlovna com o príncipe sueco Guilherme, Duque de Södermanland. Lá ela conversou com sua tia Isabel Feodorovna, que estava criando planos para fundar uma ordem religiosa de freiras. Alice compareceu na cerimônia de colocação da pedra fundamental da nova igreja da tia. A grã-duquesa começou a doar suas posses no mesmo ano na preparação para uma vida mais espiritual.[14] André a Alice descobriram ao voltarem que a situação política na Grécia estava piorando, já que o governo tinha recusado apoio ao parlamento da ilha de Creta, que estava pedindo por uma união com a Grécia (na época, a ilha pertencia nominalmente ao Império Otomano). Um grupo de oficiais militares insatisfeitos formaram uma liga militar nacionalista que eventualmente fizeram o príncipe André renunciar seus cargos e levaram a ascensão de Elefthérios Venizélos ao poder.[15]

Crises[editar | editar código-fonte]

Alice com suas filhas Margarida e Teodora c. 1912.

André foi restaurado no exército com o advento da Primeira Guerra Balcânica e Alice atuou como enfermeira, auxiliando operações e estabelecendo hospitais de campo, trabalho pelo qual o rei Jorge V do Reino Unido lhe presenteou em 1913 com a Cruz Vermelha Real.[4] Seu cunhado o rei Constantino I da Grécia seguiu uma política de neutralidade durante a Primeira Guerra Mundial apesar do governo democraticamente eleito de Venizélos apoiar os aliados. Alice e seus filhos foram forçados a se proteger nos porões do palácio real durante o bombardeio francês de Atenas em 1 de dezembro de 1916.[16] A política de neutralidade do rei ficou tão insustentável em junho de 1917 que Constantino foi forçado a abdicar em favor de seu filho Alexandre, forçando Alice e todos os outros membros da família real grega a partirem para o exílio na Suíça.[17]

A guerra mundial efetivamente acabou com o poder político de várias casas reais europeias. A carreira naval do príncipe Luís, pai de Alice, havia ruído no início do conflito por causa do sentimento anti-germânico no Reino Unido. Ele abriu mão em 14 de julho de 1917 de seu título de Príncipe de Battenberg à pedido de Jorge V e anglicanizou seu nome familiar para Mountbatten. O rei lhe criou o título de Marquês de Milford Haven no dia seguinte. Alice nunca mudou seu nome para Mountbatten ou assumiu o título de cortesia de uma filha de marquês por estar casada com um membro da realeza grega. Suas tias Alexandra Feodorovna e Isabel Feodorovna foram assassinadas por bolcheviques um ano depois durante a Revolução Russa. Com o fim da guerra os impérios russo, alemão e autro-húngaro cairam, com Ernesto Augusto, Grão-Duque de Hesse e Reno e tio de Alice, sendo deposto.[18]

Alexandre morreu em 1920 e Constantino foi restaurado ao trono, com Alice e sua família voltando para a Grécia e assumindo residência na vila de Mon Repos em Corfu. O exército helênico foi derrotado na Guerra Greco-Turca de 1919-1922 e um comitê revolucionário liderado pelos coroneis Nikólaos Plastíras e Stilianós Gonatás assumiram o poder e novamente forçaram o exílio de Constantino.[19] André tinha servido como comandante do Segundo Corpo do Exército no confronto e acabou preso. Vários antigos ministros e generais presos na mesma época foram executados, com diplomatas britânicos presumindo que o príncipe estava em perigo mortal. Um julgamento de fechada o sentenciou ao banimento, com André, Alice e seus filhos deixando a Grécia abordo do cruzador britânico HMS Calypso sob a proteção do adido britânico o comandante Gerald Talbot.[20]

Alice em 1922 por Philip de László.

A família se estabeleceu em Saint-Cloud em uma pequena casa alugada da princesa Maria Bonaparte, onde Alice passou a ajudar uma organização de caridade para refugiados gregos.[21] Ela ficou profundamente religiosa e entrou na Igreja Ortodoxa Grega em 20 de outubro de 1928. A princesa traduziu para o inglês durante aquele inverno a defesa de André de suas ações na Guerra Greco-Turca.[22] Logo depois começou a afirmar que estava recebendo mensagens divinas e que possuia poderes de cura.[23] Alice sofreu uma crise nervosa em 1930 e foi diagnosticada com esquizofrenia paranoide, primeiro pelo psiquiátra Thomas Ross e depois por sir Maurice Craig, que tratou o príncipe Alberto, Duque de Iorque, antes dele ter terapias para fala.[24] O diagnóstico foi confirmado no sanatório do dr. Ernst Simmel em Berlim.[25] Ela foi retirada à força de sua família e internada no sanatório do dr. Ludwig Binswanger em Kreuzlingen na Suíça.[26] Era uma instituição famosa e bem respeitada com vários pacientes célebres, como o bailarino e coreógrafo Vaslav Nijinski, que ficou lá durante o mesmo período que Alice.[27] Binswanger também diagnosticou o distúrbio como esquizofrenia. Tanto ele quanto Simmel consultaram Sigmund Freud, que acreditava que os delírios da princesa eram causados por frustração sexual. Ele recomendou um "raio-x de seus ovários para poder acabar com seu libido". Alice protestou sua sanidade e tentou deixar o sanatório várias vezes.[24]

Ela e André permaneceram separados durante sua longa convalescência, com suas filhas todas se casando com príncipes alemães em 1930 e 1931 (ela não compareceu a nenhum dos casamentos) enquanto seu filho o príncipe Filipe foi para o Reino Unido ficar com seus tios, Luís Mountbatten e Jorge Mountbatten, 2.º Marquês de Milford Haven, e sua avó, a Viúva Marquesa de Milford Haven.[28]

Alice ficou durante dois anos em Kreuzlingen, porém foi liberada depois de um breve período em uma clínica de Merano e começou uma vida incógnita na Europa Central. Ela manteve contato com sua mãe, porém cortou contato com o resto de sua família por volta do final de 1936.[29] Sua filha Cecília foi morta em 1937 junto com o marido e dois de seus filhos em um acidente aéreo; Alice e André se encontraram pela primeira vez em seis anos durante o funeral (o príncipe Filipe, Luís Mountbatten e Hermann Göring também compareceram).[30] A princesa voltou a ter contato com a família e voltou sozinha para Atenas em 1938 para trabalhar com os pobres, vivendo em um apartamento de dois dormitórios perto do Museu Benaki.[31]

Segunda Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Alice ficou na difícil posição durante a Segunda Guerra Mundial de ter um filho na Marinha Real Britânica e genros lutando no lado alemão. Seu primo o príncipe Vítor de Erbach-Schönberg era o embaixador alemão na Grécia até a ocupação de Atenas em abril de 1941 peças forças do Eixo. Sua cunhada a grã-duquesa Helena Vladimirovna da Rússia viveu em Atenas durante a maior parte do conflito, enquanto que a maior parte da família real grega ficou em exílio na África do Sul.[32] [33] Alice se mudou para um pequeno apartamento no centro de Atenas que era propriedade de seu cunhado o príncipe Jorge. Ela trabalhou para a Cruz Vermelha, ajudando a organizar distribuições de sopa para a população faminta e viajando para a Suécia sob o pretexto de visitar sua irmã Luísa a fim de trazer suprimentos médicos.[34] Ela organizou abrigos para crianças órfãs e abandonadas e trabalhou como enfermeira em bairros pobres.[35]

As forças de ocupação aparentemente presumiram que a princesa era pró-Alemanha, já que um de seus genros, o príncipe Cristóvão de Hesse, eram membro do Partido Nazista e da Waffen-SS, enquanto outro, Bertoldo, Marquês de Baden, tinha lutado no exército alemão até ser invalidado em 1940 na França por um ferimento. Mesmo assim, quando um general alemão a visitou e perguntou "Existe algo que eu possa fazer por você?", ela respondeu com "Você pode tirar suas tropas do meu país".[34]

Tanques alemães em Atenas, 1943.

Com a queda em setembro de 1943 do ditador italiano Benito Mussolini, o exército alemão ocupou Atenas, onde judeus gregos tinham procurado refúgio. A maioria (aproximadamente sessenta mil de uma população de 75 mil) foram deportados para campos de concentração, com apenas dois mil sobrevivendo.[36] Alice escondeu a viúva judia Rachel Cohen e dois de seus cinco filhos durante esse período, que procuravam fugir da Gestapo e da deportação. Haimaki Cohen, marido de Rachel, havia ajudado o rei Jorge I da Grécia em 1913. Em troca, Jorge havia se oferecido para auxiliá-lo em qualquer serviço que pudesse, caso Cohen precisasse algum dia. Um de seus filhos se lembrou disso durante a ameaça nazista e apelou para Alice, que junto com Helena Vladimirovna eram os únicos membros da família real ainda na Grécia. Ela honrou a promessa feita por seu sogro e salvou a família Cohen.[37]

Atenas foi libertada em outubro de 1944 e Harold Macmillan visitou a princesa, descrevendo-a como "vivendo em humildade, para não dizer em condições um pouco precárias".[38] Ela admitiu em uma carta para seu filho Filipe que não tinha nenhuma comida além de pão e manteiga durante a última semana antes da libertação, não tendo comido carne por vários meses.[39] A situação da capital grega ainda estava ruim em dezembro; guerrilheiros comunistas estavam lutando contra os britânicos pelo controle da cidade. Alice foi informada durante os confrontos que o príncipe André tinha morrido, justamente quando cresciam as esperanças de uma reunião do casal ao final da guerra.[33] Eles não se viam desde 1939. Para a preocupação das autoridades britânicas, ela insistia em andar pelas ruas distribuindo rações alimentícias para policiais e crianças, quebrando a ordem de toque de recolher. Quando avisada que poderia ser atingida por uma bala perdida, Alice respondeu dizendo "eles me dizem que você não ouve o tiro que te mata e de qualquer forma eu sou surda. Então, por que se preocupar com isso?"[40]

Viuvez[editar | editar código-fonte]

Alice voltou para o Reino Unido em abril de 1947 para comparecer em novembro ao casamento de seu filho Filipe com a princesa Isabel, a filha mais velha e herdeira presuntiva do rei Jorge VI. Ela fez com que algumas de suas jóias restantes fossem utilizadas no anel de noivado da princesa.[41] O rei criou para Filipe o título de Duque de Edimburgo no dia do casamento. Alice sentou como chefe de sua família durante a cerimônia na Abadia de Westminster, do outro lado do rei, da rainha Isabel Bowes-Lyon e da rainha Maria de Teck. Foi decidido não convidar as irmãs de Filipe por causa do sentimento anti-germânico ainda forte no Reino Unido depois da Segunda Guerra.[42]

A princesa fundou uma ordem de freiras ortodoxas grega enfermeiras em janeiro de 1949, a Irmandade Cristã de Marta e Maria, modelada a partir do convento criado em 1909 por sua tia Isabel Feodorovna na Rússia. Ela treinou na ilha de Tinos, estabeleceu a sede da ordem em um lugarejo ao norte de Atenas e realizou duas viagens para os Estados Unidos em 1950 e 1952 para levantar fundos. Sua mãe ficou perplexa com suas ações, perguntando "O que pode se dizer de uma freira que fuma e joga canasta?".[43] Sua nora Isabel se tornou em 1952 rainha dos Reinos da Comunidade de Nações e Alice compareceu a coroação em junho do ano seguinte usando um vestido com dois tons de cinza e um véu semelhante ao de uma freira. Entretanto, a ordem eventualmente fracassou pela falta de aplicantes adequadas.[44]

Ela visitou a Índia em 1960 por causa de uma busca espiritual e também devido ao convite de Amrit Kaur, que havia ficado impressionado pelo interesse da princesa no pensamento religioso indiano. A viagem terminou mais cedo que o esperado porque Alice adoeceu, com sua cunhada Edwina Mountbatten, Condessa Mountbatten da Birmânia, que por acaso estava em Delhi em sua própria viagem, conseguindo ajeitar as coisas com os anfitriões indianos que ficaram sentidos pela súbita mudança de planos. Ela mais tarde afirmou ter tido uma projeção da consciência.[45]

Cada vez mais surda e com a saúde fraca, Alice deixou a Grécia pela última vez depois do golpe militar de abril de 1967. Seu filho Filipe e sua nora Isabel a convidaram para morar permanentemente no Palácio de Buckingham.[4] O rei Constantino II da Grécia e sua esposa Ana Maria da Dinamarca deixaram o país em exílio em dezembro depois de um contra-golpe realista fracassado.[15] [46]

Morte e enterro[editar | editar código-fonte]

Igreja de Santa Maria Madalena em Jerusalém, local de enterro de Alice.

Alice permaneceu lúcida, porém fisicamente frágil, até o final da sua vida, apesar de alegações que ela estaria ficando senil.[47] Ela morreu em Buckingham no dia 5 de dezembro de 1969. A princesa não deixou nenhuma posse, tendo doado todos os seus pertences. Seus restos foram inicialmente enterrados na cripta real da Capela de São Jorge, porém antes de morrer Alice tinha expressado seu desejo de ser enterrada na Igreja de Santa Maria Madalena no jardim de Getsêmani localizado no sopé do Monte das Oliveiras em Jerusalém (e perto de sua tia Isabel Feodorovna, posteriormente uma santa ortodoxa). Quando sua filha a princesa Sofia reclamou que seria muito longe para visitar seu túmulo, ela respondeu dizendo: "Besteira, há um serviço de ônibus perfeitamente bom!"[48] Seu desejo foi finalmente realizado em 8 de agosto de 1988, quando seus restos foram transferidos para seu local de descanço final na cripta abaixo da igreja.[4] [49]

Em 31 de outubro de 1994, seus dois filhos ainda vivos Sofia e Filipe foram para o Yad Vashem (o memorial do holocausto) em Jerusalém para testemunhar uma cerimônia honrando sua mãe como Justa Entre as Nações por seus esforços ao esconder a família Cohen em Atenas durante a Segunda Guerra Mundial.[50] [51] Filipe comentou sobre as ações de Alice: "Acredito que ela nunca pensou que suas ações eram de alguma forma especial. Era uma pessoa de profunda fé religiosa, e ela teria considerado uma reação humana perfeitamente natural para um igual em perigo".[52] A princesa foi postumamente honrada em 2010 pelo governo britânico ao ser nomeada uma Heroína do Holocausto.[53]

Títulos, estilos e honras[editar | editar código-fonte]

Títulos e estilos[editar | editar código-fonte]

  • 25 de outubro de 1885 – 6 de outubro de 1903: "Sua Alteza Sereníssima, Princesa Alice de Battenberg"[54]
  • 6 de outubro de 1903 – 5 de dezembro de 1969: "Sua Alteza Real, Princesa André da Grécia e Dinamarca"[54]
  • De 1949 até sua morte era algumas vezes chamada de "Madre Superiora Alice Isabel".[44]

Honras[editar | editar código-fonte]

Descendência[editar | editar código-fonte]

Nome[13] Nascimento Morte Notas
Princesa Margarida 18 de abril de 1905 24 de abril de 1981 Casou-se com Godofredo, Príncipe de Hohenlohe-Langenburg em 1931, com descendência.
Princesa Teodora 30 de maio de 1906 16 de outubro de 1969 Casou-se com Bertoldo, Marquês de Baden em 1931, com descendência.
Princesa Cecília 22 de junho de 1911 16 de novembro de 1937 Casou-se com Jorge Donatus, Grão-Duque Hereditário de Hesse em 1931, com descendência.
Princesa Sofia 26 de junho de 1914 24 de novembro de 2001 Casou-se com Cristóvão de Hesse em 1930, com descendência.
Caou-se com Jorge Guilherme de Hanôver em 1946, com descendência.
Príncipe Filipe 10 de junho de 1921 Casou-se com Isabel II do Reino Unido em 1947, com descendência.

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Vickers 2000, p. 2
  2. a b Alice Battenberg (Princess Alice, mother of Prince Philip) > Ancestors RoyaList. Visitado em 5 de junho de 2015.
  3. Vickers 2000, p. 19
  4. a b c d e f Vickers, Hugo (2004). "Alice, Princess (1885–1969)". Oxford Dictionary of National Biography. Oxford University Press. DOI:10.1093/ref:odnb/66337. 
  5. Vickers 2000, pp. 24–26
  6. Vickers 2000, p. 57
  7. Vickers 2000, pp. 57, 71
  8. Vickers 2000, pp. 29–48
  9. Vickers 2000, p. 51
  10. Vickers 2000, p. 52
  11. Seide, Georg. Die Russische Orthodoxe Kirche der Hl. Maria Magdalena auf der Mathildenhöhe in Darmstadt. Munique: Russische Orthodoxe Kirche im Ausland, 1997. p. 2. ISBN 3-926165-73-1
  12. Eilers, Marlene A.. Queen Victoria's Descendants. Baltimore: Genealogical Publishing Co., 1987. p. 181.
  13. a b Alice Battenberg (Princess Alice, mother of Prince Philip) > Descendants RoyaList. Visitado em 5 de junho de 2015.
  14. Vickers 2000, pp. 82–83
  15. a b Clogg, Richard. A Short History of Modern Greece. Cambridge: Cambridge University Press, 1979. pp. 97–99, 188–189. ISBN 0-521-22479-9
  16. Vickers 2000, p. 121
  17. Van der Kiste, John. Kings of the Hellenes. Stroud: Alan Sutton Publishing, 1994. p. 96. ISBN 0-7509-0525-5
  18. Vickers 2000, pp. 137–138
  19. Vickers 2000, p. 162
  20. Vickers 2000, p. 171
  21. Vickers 2000, pp. 176–178
  22. Vickers 2000, pp. 198–199
  23. Vickers 2000, p. 200
  24. a b Cohen, D.. (2013). "Freud and the British Royal Family". The Psychologist 26 (6): pp. 462–463.
  25. Vickers 2000, p. 205
  26. Vickers 2000, p. 209
  27. Vickers 2000, p. 213
  28. Ziegler, Philip. Mountbatten. Londres: Collins, 1985. p. 101. ISBN 0-00-216543-0
  29. Vickers 2000, pp. 245–256
  30. Vickers 2000, p. 273
  31. Vickers 2000, pp. 281, 291
  32. Vickers 2000, p. 292
  33. a b (6 de dezembro de 1969) "Princess Andrew, Mother of the Duke of Edinburgh". The Times p. 8, col. E.
  34. a b Vickers 2000, pp. 293–295
  35. Vickers 2000, p. 297
  36. Bowman, Stephen. In: Clogg, Richard. Minorities in Greece. Londres: Hurst & Co., 2002. pp. 64–80. ISBN 1-85065-706-8
  37. Vickers 2000, pp. 298–299
  38. Macmillan, Harold. War Diaries. Londres: Macmillan, 1984. pp. 558–559. ISBN 0-333-39404-6
  39. Vickers 2000, p. 306
  40. Vickers 2000, p. 311
  41. Vickers 2000, p. 326
  42. Bradford, Sarah. King George VI. Londres: Weidenfeld and Nicolson, 1989. p. 424. ISBN 0-297-79667-4
  43. Vickers 2000, p. 336
  44. a b (6 de dezembro de 1969) "Princess Andrew of Greece, 84, Mother of Prince Philip, Dead". The New York Times p. 37. col. 2.
  45. Vickers 2000, pp. 364–366
  46. Woodhouse, C. M.. The Story of Modern Greece. Londres: Faber and Faber, 1968. p. 293.
  47. Vickers 2000, p. 392
  48. Vickers 2000, p. 396
  49. Convent of Saint Mary Magdalene - The Garden of Gethsemane Missão Eclesiástica Russa em Jerusalém. Visitado em 9 de julho de 2015.
  50. a b Vickers 2000, p. 398
  51. Walker, Christopher. (1 de novmebro de 1994). "Duke pays homage to Holocaust millions". The Times p. 12.
  52. Brozan, Nadine. (1 de novembro de 1994). "Chronicle". The New York Times.
  53. a b Britons honoured for holocaust heroism (9 de março de 2010). Visitado em 9 de julho de 2015. Cópia arquivada em 9 de março de 2010.
  54. a b Massue, Melville Henry. The Titled Nobility of Europe. Londres: Harrison and Sons, 1914. p. 71.
  55. Montgomery-Massingberd, Hugh (ed.). Burke's Royal Families of the World. Londres: Burke's Peerage, 1977. p. 214. ISBN 0-85011-023-8

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Vickers, Hugo. Alice, Princess Andrew of Greece. Londres: Hamish Hamilton, 2000. ISBN 0-241-13686-5

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Alice de Battenberg