Alicia de Larrocha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Alicia de Larrocha
Alicia de Larrocha (1983)
Nascimento Alícia de Larrocha i de la Calle
23 de maio de 1923
Barcelona
Morte 25 de setembro de 2009 (86 anos)
Barcelona
Cidadania Espanha
Ocupação pianista, compositora
Prêmios
  • Comendador das Artes e das Letras
  • Prémio Princesa das Astúrias para as Artes (1994)
  • Medalha de Ouro da Generalidade da Catalunha
  • doutor honoris causa pela Universidade de Lérida
  • Cavaleiro da Legião de Honra
  • Prêmio Nacional de Música (1984)
  • Medalha de Ouro do Mérito nas Belas Artes (1982)
Página oficial
http://www.aliciadelarrocha.com/

Alicia de Larrocha i de la Calle, (Barcelona, 23 de maio de 1923 - Barcelona, 25 de setembro de 2009) foi uma pianista espanhola, reconhecida como a de maior projecção internacional, e uma das melhores intérpretes de piano do século XX especialmente em obras de Wolfgang Amadeus Mozart e no repertório espanhol.[1] Acumula entre outros prémios quatro Grammy, a Legião de Honra francesa e o Prémio Príncipe das Astúrias de Artes de 1994.[2] Foi Académica de Honra da Real Academia de Belas Artes de Nossa Senhora das Angústias de Granada, onde representava a "letra B".

Biografia[editar | editar código-fonte]

Pianista precoce, começou os seus estudos musicais aos três anos: descoberta por Frank Marshall, discípulo de Enrique Granados, entrou na prestigiada Academia Granados. Aí conheceu Arthur Rubinstein, Alfred Cortot e outros grandes pianistas da época.[3]

Interpretou o seu primeiro concerto aos seis anos, na Exposição Universal de Barcelona de 1929, e aos onze participou no seu primeiro concerto oficial, com a Orquestra Sinfónica de Madrid. A partir de 1939 ofereceu concertos com diferentes orquestras europeias, mas foi em 1954 ao protagonizar uma turnée pelos Estados Unidos com a Orquestra Filarmónica de Los Angeles, convidada por Alfred Wallenstein, que começou o seu reconhecimento internacional pela sua impecável técnica de piano.[4] Desde então e até 2003 (ano da sua despedida dos palcos), deu mais de 3500 concertos nos 5 continentes, embora fosse na América do Norte que mais pedidos tinha, fazendo 3 turnées anuais (de três meses cada uma).

Alicia de Larrocha gravou muitíssimas obras para piano, mas era especialmente reconhecida pelas suas interpretações de autores espanhóis.[5] Em particular, de composições de Manuel de Falla, Enrique Granados e Isaac Albéniz — autor este a que esteve ligada ao longo da sua vida, com as suas versões da suite Iberia[6] ou de edições como a das sonatas de Antonio Soler, em 1967.

Faleceu em 25 de setembro de 2009 em Barcelona[7]

Legado[editar | editar código-fonte]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Alier, Roge; et al. (1997). La discoteca ideal de intérpretes. [S.l.]: Planeta 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]