Almaçudi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde julho de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Almaçudi
Nome nativo المسعودي
Nascimento 896
Bagdade
Morte 956 (60 anos)
Cairo
Cidadania Califado Abássida
Ocupação geógrafo, historiador, escritor
Religião Islão

Abul Haçane Ali ibne Huceine ibne Ali Almaçudi (Abul Hasan Ali Ibn Husain Ibn Ali Al-Masudi, lit. "Abul Haçane Ali, filho de Huceine, filho de Ali Almaçudi"; Bagdade, cerca de 888 - Cairo, 957), melhor conhecido somente como Almaçudi,[1] foi um estudioso conhecido como o Heródoto-árabe, que combinou história e geografia num tratado de mais de 30 volumes sobre as suas viagens na Europa, Médio Oriente e países do Oceano Índico.

Vida[editar | editar código-fonte]

Almaçudi era descendente de Abdalá ibne Maçude, da tribo dos Mutazilitas, um dos companheiros de Maomé. O seu primeiro livro Muruj-al-Thahabwa al-Ma'adin al-Jawahir ("Searas de ouro e minas de pedras preciosas") foi terminado em Baçorá, em 947, e nele Almaçudi descreveu as suas experiências com judeus, iranianos, indianos, cristãos e dos zanjes ou negros de África. De Baçorá ele mudou-se para o Cairo, onde escreveu o seu segundo livro, Muruj al-Zaman de trinta volumes, em que ele descreveu detalhadamente a geografia e história dos países que tinha conhecido. A seguir, ele preparou um suplemento, a que ele chamou Kitab al-Ausat, com a lista cronológica dos acontecimentos históricos descritos no anterior. Em 957, ano da sua morte, Almaçudi terminou o seu último livro, Kitab al-Tanbih wa al-Ishraf, que inclui um resumo dos anteriores.

Na sua obra, Almaçudi descreve as terras de Sofala e da importância da mineração e comércio entre o Império Monomotapa e os árabes e indianos que ali se haviam estabelecido. Duma forma científica, Almaçudi tentou identificar as causas do terramoto de 955, além de discutir as características da água do mar Vermelho e outras questões geológicas. Foi igualmente o primeiro autor a descrever os moinhos de vento, que foram inventados pelos muçulmanos de Sijistão.

Almaçudi deixou ainda importantes contribuições para a música: no seu livro Muruj al-Thahab ele fornece informações detalhadas sobre a música árabe antiga, assim como de outros países.

Outro aspeto do ecletismo de Almaçudi é a sua antevisão da teoria da evolução, propondo ligações entre os minerais e as plantas, entre estas e os animais e mesmo entre estes e o homem.

Em seu livro Prados de ouro e minas de gemas (em árabe: مروج الذهب ومعادن الجوهر) de 947, Almaçudi relata as viagem de um jovem nascido em Córdoba de nome Khachkhach junto com seus companheiros por terras além do oceano Atlântico e do mar Mediterrâneo de onde voltaram com grandes riquezas, essa história seria conhecida por todos na Espanha e revela o conhecimento das terras americanas na Península Ibérica muito antes dos tempos de Colombo e Cabral.[2]

Referências

  1. Vasconcellos 1994, p. 263.
  2. Al-Masudi, Abul Hasan; DE MEYNARD, C. BARBIER; COURTEILLE, PAVET DE. Les prairies d'or. [S.l.]: Paris : Impr. Impériale. pp. 257–259 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Vasconcellos, José Leite; Guerreiro, Manuel Viegas; Soromenho, Alda da Silva; Soromenho, Paulo Caratão (1994). Etnografia portuguesa. 2. Lisboa: Impr. Nacional-Casa da Moeda 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]