Almeida Faria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Almeida Faria
Almeida Faria aos 19 anos de idade.
Nome completo Benigno José Mira de Almeida Faria
Nascimento 6 de maio de 1943 (74 anos)
Montemor-o-Novo,  Portugal
Prémios Prémio de Revelação "Romance do Ano" (1962)

Prémio Aquilino Ribeiro (1979)
Prémio D. Dinis (1980)
Medalha de Mérito Cultural (1998)
Prémio Vergílio Ferreira (2000)

Género literário Romance, conto
Magnum opus Rumor Branco

Benigno José Mira de Almeida Faria, conhecido como Almeida Faria (Montemor-o-Novo, 6 de Maio de 1943) é um escritor português. Tem uma biblioteca com o seu nome em Montemor-o-Novo.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Frequentou as Faculdades de Direito e de Letras da Universidade de Lisboa, sendo licenciado em Filosofia.

Viveu como escritor residente (1968-1969) nos Estados Unidos (International Writing Program, Iowa City) e em Berlim, onde fez parte do Berliner Künstlerprogramm no qual participaram, entre outros, Witold Gombrowicz, Michel Butor, Michel Foucault, Peter Handke e Mario Vargas Llosa.

Tem colaborado em diversas publicações colectivas, nomeadamente em revistas alemãs, brasileiras, francesas, holandesas, italianas, suecas e norte-americanas. O seu nome encontra-se na lista de colaboradores da publicação académica Quadrante [1] (1958-1962) publicada pela Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa. Os seus romances foram objecto de várias teses universitárias na Itália, Holanda, Brasil, França e, mais recentemente, também em Portugal.

Foi professor convidado da Universidade Nova de Lisboa.

Obra[editar | editar código-fonte]

Romance[editar | editar código-fonte]

  • Rumor Branco. Lisboa, Portugália, (1962). Com prefácio de Vergílio Ferreira
  • A Paixão. Lisboa, Portugália, (1965)
  • Tetralogia Lusitana
  • O Conquistador. Lisboa, Caminho, (1990)[2]
  • O Murmúrio do Mundo. Lisboa, Tinta-da-China, (2012)

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • A Reviravolta. Lisboa, Caminho, 1999
  • Vozes da Paixão. Lisboa, Caminho, (1998)[3]

Novela[editar | editar código-fonte]

  • Os Passeios do Sonhador Solitário (1982)
  • Um Cão chamado Bolotas (1984)

Conto

  • Peregrinação (1967)
  • Romance de D. Sebastião de Portugal e Gabriel Espinosa Pasteleiro em Madrigal (1983)
  • Vanitas: 51 Avenue D'Iéna (1996)

Ensaio[editar | editar código-fonte]

  • Do Poeta-Pintor ao Pintor-Poeta (1988)

Traduções[editar | editar código-fonte]

Traduções das suas obras[editar | editar código-fonte]

  • Os seus livros estão traduzidos em várias línguas.

Prémios[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Ana Cabrera. «Ficha histórica:Quadrante – a revolta de uma elite perante a crise da universidade» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 30 de março de 2015 
  2. Com ilustrações de Mário Botas.
  3. Adaptação ao teatro, em verso livre, de A Paixão. A peça foi estreada, em 1998, em Lisboa no Centro Cultural de Belém.
  4. Cf. a página da Fundação da Casa de Mateus (consultado em 4 de Fevereiro de 2010)
  5. Ver o regulamento do prémio e a notícia da atribuição em 2010

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Ícone de esboço Este artigo sobre um poeta ou uma poetisa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.