Almufauade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Jafar ibne Almutâmide (Ja'far ibn al-Mu'tamid, lit. "Jafar, filho de Almutâmide"), melhor conhecido por seu nome real Almufauade Ilá (em árabe: المفوض إلى الله‎‎; transl.: al-Mufawwad ila-llah , lit. "Agende de Deus"), foi o filho do califa abássida Almutâmide (r. 870–892) e herdeiro-aparente do califado de 875 até seu afastamento por seu primo Almutadide (r. 892–902) em 891.

Vida[editar | editar código-fonte]

Árvore genealógica dos abássidas do século IX
Dinar de ouro de Chumarauai (r. 884–896) portando os nomes de Almutâmide e Almufauade

Jafar ibne Almutâmide é atestado pela primeira vez na história de [[Atabari ]] em 872.[1] Em 20 de julho de 875, Almutâmide formalmente organizou a governança do Estado e sua sucessão, Jafar, com o nome honorífico Almufauade Ilá, foi nomeado herdeiro aparente e chefe da metade ocidental do califado, enquanto o irmão de Almutâmide, Almuafaque, recebeu as províncias orientais e foi nomeado segundo herdeiro, exceto se o califa falecesse enquanto Almufauade ainda fosse jovem. Almufauade foi então responsável pela Ifríquia, Egito, Síria, a Jazira e Moçul, Armênia, Mirajancadaque e Hulvã, com Muça ibne Buga como seu representante.[2] No entanto, foi Almuafaque que manteve o poder real no Estado, e essa divisão de autoridade parece ter sido sobretudo no papel; segundo Hugh N. Kennedy, "não parece que Almufauade exerceu qualquer autoridade real".[3]

Quando Almutâmide deixou Samarra em março de 876 para liderar o exército ao sul e confrontar o exército safárida na Batalha de Dair Alacul, Almufauade foi deixado para trás para supervisionar a capital, com auxílio de Maomé Almualade.[4] Em 882/883, quando Almufauade e o poderoso governador autônomo do Egito, Amade ibne Tulune (r. 868–884), abriram conflito aberto entre si, Almufauade foi obrigado a publicamente amaldiçoar e despojar seu subordinado nominal de seus ofícios, que foram entregues ao governador de Moçul, Ixaque ibne Cundaje.[3][5] No evento, contudo, Amade prevaleceu sobre os ataques abássidas e permaneceu no comando do Egito, assim como seu filho Chumarauai (r. 884–896) fez depois dele.[6]

Em abril de 891, enquanto Almuafaque estava morrendo, uma tentativa foi feita para evitar a sucessão da regência de seu filho, Abulabas, Almuafaque prendeu seu filho por uma razão desconhecido, e o governador de Bagdá tentou assegurar que ele não seria libertado, e secretamente trouxe o califa e Almufauade à cidade para capitalizar sobre a iminente morte de Almuafaque. A tentativa falhou devido ao apoio que Abulabas gozava entre a população e o exército: Abulabas foi libertado pelas tropas, a casa do governador foi saqueada pela multidão, e em 4 de junho, dois dias após a morte de Almuafaque, o juramento de fidelidade foi renovado, incluindo Abulabas, agora sob o título de Almutadide Bilá, como segundo herdeiro depois de Almufauade.[3][7] Finalmente, em 30 de abril de 892, Almufauade foi removido da sucessão,[8] e quando Almutamide morreu em outubro, ele foi sucedido por Almutadide (r. 892–902).[3]

Referências

  1. Waines 1992, p. 148.
  2. Waines 1992, p. 166–167.
  3. a b c d Kennedy 1993, p. 765–766.
  4. Waines 1992, p. 169ff.
  5. Fields 1987, p. 97–98.
  6. Bonner 2010, p. 322, 323, 335.
  7. Fields 1987, p. 176.
  8. Fields 1987, p. 166–169.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bonner, Michael (2010). «The waning of empire, 861–945». In: Robinson, Charles F. The New Cambridge History of Islam, Volume I: The Formation of the Islamic World, Sixth to Eleventh Centuries. Cambridge: Cambridge University Press. pp. 305–359. ISBN 978-0-521-83823-8 
  • Fields, Philip M., ed. (1987). The History of al-Ṭabarī, Volume XXXVII: The ʿAbbāsid Recovery. The War Against the Zanj Ends, A.D. 879–893/A.H. 266–279. Albany, Nova Iorque: State University of New York Press. ISBN 0-88706-053-6 
  • Kennedy, Hugh N. (1993). «al-Muʿtamid ʿAlā 'llāh». In: Bosworth, C. E.; van Donzel, E.; Heinrichs, W. P.; Pellat, Ch. The Encyclopedia of Islam, New Edition, Volume VII: Mif–Naz. Leida: Brill. p. 765–766. ISBN 90-04-09419-9 
  • Waines, David (1992). The History of al-Ṭabarī, Volume XXXVI: The Revolt of the Zanj, A.D. 869–879/A.H. 255–265. Albany, Nova Iorque: State University of New York Press. ISBN 0-7914-0764-0