Aloha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Flores dispostas para formar a palavra aloha

Aloha ( /ɑːˈlhɑː/; havaiano: [əˈloːˌha]) é a palavra havaiana para amor, afeto, paz, compaixão e misericórdia, comumente usada como uma saudação simples[1][2] mas tem um significado cultural e espiritual mais profundo para os havaianos nativos, nos quais o termo é usado para definir uma força que mantém a existência unida.[3]

A palavra é encontrada em todas as línguas polinésias e sempre com o mesmo significado básico de "amor, compaixão, simpatia, bondade"[4] embora seu uso no Havaí tenha uma seriedade que falta nos significados taitiano e samoano.[5] Mary Kawena Pukui escreveu que a "primeira expressão" de aloha era entre pais e filhos.[4] The Oxford English Dictionary definiu a palavra como uma "saudação", como "bem-vindo" e "adeus", usando uma série de exemplos que datam de 1798 a 1978, onde foi definida como um substituto para boas-vindas.[carece de fontes?]

Lorrin Andrews escreveu o primeiro dicionário havaiano, chamado A Dictionary of the Hawaiian Language.[6] Nele ele descreve aloha como "uma palavra que expressa diferentes sentimentos; amor, afeto, gratidão, bondade, pena, compaixão, pesar, a saudação comum moderna no encontro; despedida".[7] O Hawaiian Dictionary: Hawaiian-English, English-Hawaiian de Mary Kawena Pukui e Samuel Hoyt Elbert também contém uma definição semelhante. O antropólogo Francis Newton afirma que "Aloha é um sentimento complexo e profundo. Tais emoções desafiam a definição".[5] Anna Wierzbicka conclui que o termo "não tem equivalente em inglês".[5]

O estado do Havaí introduziu a lei Aloha Spirit ("Espírito Aloha") em 1986, que obriga as autoridades estaduais e juízes a tratar o público com Aloha.[8][9]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Pukui, Mary Kawena (1986). Hawaiian Dictionary: Hawaiian-English, English-Hawaiian. University of Hawaii Press. Honolulu: [s.n.] ISBN 978-0824807030. OCLC 229095 
  2. Van Valkenburg, June A. (2012), Feeling My Way: Finding Purpose, ISBN 978-1-4525-5462-4, BalboaPress, p. 69 
  3. Carrol, Bret (2000). The Routledge Historical Atlas of Religion in America. Psychology Press. [S.l.: s.n.] ISBN 9780415921312 
  4. a b Kanahele, George Hu'eu Sanford (1992). Ku Kanaka Stand Tall: A Search for Hawaiian Values. University of Hawaii Press. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-8248-1500-4 
  5. a b c Wierzbicka, Anna (1992). Semantics, Culture, and Cognition: Universal Human Concepts in Culture-Specific Configurations. Oxford University Press. [S.l.: s.n.] pp. 152–155. ISBN 978-0-19-536091-2 
  6. Forbes, David W. (1998). Hawaiian National Bibliography, Vol 3: 1851–1880. University of Hawaii Press. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-8248-2503-4 
  7. Andrews, Lorrin; Parker, Henry (1922). A Dictionary of the Hawaiian Language. Board of Commissioners of Public Archives of the Territory of Hawaii. Honolulu: [s.n.] 
  8. Kerr, Breena (23 de abril de 2018). «In Hawaii, being nice is the law». BBC. Consultado em 14 de julho de 2019 
  9. Hawaiʻi Law of The Aloha Spirit