Aloizio Mercadante

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Aloizio Mercadante
Aloizio Mercadante em 2015
Ministro da Educação do Brasil Brasil
Período 2 de outubro de 2015
a 12 de maio de 2016
Presidente Dilma Rousseff
Antecessor(a) Renato Janine Ribeiro
Sucessor(a) Mendonça Filho
Ministro-chefe da Casa Civil do Brasil Brasil
Período 3 de fevereiro de 2014
até 2 de outubro de 2015
Presidente Dilma Rousseff
Antecessor(a) Gleisi Hoffmann
Sucessor(a) Jaques Wagner
Ministro da Educação do Brasil Brasil
Período 24 de janeiro de 2012
até 3 de fevereiro de 2014
Presidente Dilma Rousseff
Antecessor(a) Fernando Haddad
Sucessor(a) José Henrique Paim
Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação do Brasil Brasil
Período 1º de janeiro de 2011
até 23 de janeiro de 2012
Presidente Dilma Rousseff
Antecessor(a) Sérgio Machado Rezende
Sucessor(a) Marco Antonio Raupp
Senador por São Paulo São Paulo
Período 1 de fevereiro de 2003
até 1 de janeiro de 2011
Deputado federal por São Paulo São Paulo
Período 2°- 1 de fevereiro de 1999
até 1 de fevereiro de 2003
1°- 1º de fevereiro de 1991
até 1º de fevereiro de 1995
Vida
Nome completo Aloizio Mercadante Oliva
Nascimento 13 de maio de 1954 (62 anos)
Santos, São Paulo, Brasil
Dados pessoais
Alma mater Universidade de São Paulo
Partido PT
Profissão Economista

Aloizio Mercadante Oliva (Santos, 13 de maio de 1954) é um economista e político brasileiro.

Foi um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores (PT) em fevereiro de 1980 e o vice-presidente do partido entre 1991 e 1999. Foi senador pelo estado de São Paulo entre 2003 e 2010. De 2011 a 2012 foi Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação do Brasil, e, em 2012 tornou-se Ministro da Educação, devido à saída de Fernando Haddad para concorrer à Prefeitura de São Paulo. Em 2014, tornou-se Ministro da Casa Civil.[1] Com a reforma em outubro de 2015, voltou a ser Ministro da Educação.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho do general de exército e ex-comandante da Escola Superior de Guerra (1988 - 1990)[3] Oswaldo Muniz Oliva,[4] é formado em economia pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP), na qual, durante seus estudos, destacou-se sendo presidente das entidades estudantis Associação Atlética Acadêmica Visconde de Cairu e Centro Acadêmico Visconde de Cairu. Concluiu o mestrado em Economia pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) em agosto de 1989 e iniciou o curso de doutorado em Economia na mesma Universidade em março de 1995, tendo que interromper a matricula, devido às atividades parlamentares a partir de fevereiro 1999. Mais de dez anos depois, em outubro de 2009, conseguiu reingressar no curso, devido, segundo a Unicamp, a uma resolução que estabelece que a readmissão de alunos de pós-graduação que se desligaram por excederem o prazo de integralização poderia ser solicitada pelo seu professor orientador. Mercadante, desta forma, conseguiu concluir o doutorado, tendo defendido sua tese em dezembro de 2010.[5] É professor licenciado da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Mercadante foi vice-presidente nacional do PT e secretário de relações internacionais, além de integrante do Diretório Nacional e da Executiva Nacional. Participou da elaboração dos programas de governo do PT e foi coordenador da campanha presidencial do partido nas eleições de 1989 e 2002. Foi candidato à vice-presidência da República na chapa de Lula nas eleições de 1994.

Em sua primeira disputa por uma vaga de deputado federal, em 1990, foi eleito como o mais votado do PT. Na Câmara, destacou-se em duas Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs): a do PC Farias e a do Orçamento.

Na campanha de 1994, Mercadante abriu mão de uma provável reeleição para a Câmara dos Deputados e concorreu à vice-presidente da República na chapa de Lula.

Em 1996 coordenou o programa de governo do PT e foi candidato a vice-prefeito de São Paulo na chapa de Luiza Erundina. Foi protagonista no debate econômico nacional, participando de palestras e publicando artigos propondo um modelo alternativo de desenvolvimento. Este período resultou no lançamento do livro "O Brasil Pós-Real", organizado por Mercadante.

Em 1998, Mercadante voltou à Câmara dos Deputados como o terceiro deputado mais votado do país - 241.559 votos. Em seu segundo mandato, participou de diversas comissões especializadas nas áreas econômica, financeira e tributária. Presidiu a Comissão de Economia, Indústria e Comércio (1999), foi líder da Bancada do PT (2000) e membro das comissões de Relações Exteriores e Defesa Nacional e de Finanças e Tributação (2001).

Ao concorrer a uma vaga no Senado em 2002, Mercadante obteve a maior votação da história do País – 10.497.348, recorde superado por Aloysio Nunes, do PSDB, que obteve 11.182.669 votos nas eleições de 2010 e por José Serra, também do PSDB, que obteve 11.105.874 votos nas eleições de 2014. No Senado, exerceu a liderança do governo até junho de 2006.

Em 2006, foi candidato ao governo de São Paulo pelo PT, quando obteve o maior número de votos do partido no Estado – 6.771.582 votos. Neste mesmo ano, lançou o livro: "Brasil – Primeiro Tempo", uma análise comparativa do Governo Lula. De 2007 a 2008, presidiu a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado.

Durante o processo de cassação do senador Renan Calheiros (PMDB-AL) defendeu a junção de todas as denúncias contra Calheiros, para que os processos fossem julgados de uma única vez, em sessão aberta. Em discurso, defendeu sua posição: "Meu voto não foi de omissão, como alguns disseram. Foi um voto transparente, de quem entende que o julgamento de mérito se faz com base na conclusão do processo".[6]

Em janeiro de 2009, foi eleito líder do PT no Senado. Em 20 de agosto de 2009, anunciou que iria renunciar ao cargo, por causa da decisão de seu partido de arquivar a abertura de investigação pelo Conselho de Ética contra o presidente da Senado Federal, José Sarney.[7] No dia seguinte, porém, em discurso no Senado, após longa conversa noturna com o presidente Lula, afirmou que - contra a vontade de sua família - aceitava o pedido do presidente para que continuasse na liderança.

Em 2010, concorreu como candidato ao governo do estado de São Paulo pelo PT, sendo, porém, derrotado no primeiro turno por Geraldo Alckmin. Foi convidado a integrar o governo da presidente Dilma Rousseff para assumir o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação em 2011. Em 18 de Janeiro de 2012, foi convidado para assumir o Ministério da Educação, devido a saída do então ministro Fernando Haddad, para concorrer a Prefeitura de São Paulo[8]

Em 2012 defendeu Octávio Frias e o jornal Folha de S.Paulo de acusações de colaboracionismo com a ditadura militar dizendo que teve " a oportunidade de testemunhar o papel desempenhado pelo jornal, sob o comando de 'seu Frias', na luta pelas liberdades democráticas."[9]

Casa Civil[editar | editar código-fonte]

Em 31 de dezembro de 2014 foi confirmado seu nome para continuar como ministro da Casa Civil.[10]


Vida[editar | editar código-fonte]

Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Aloizio Mercadante foi o senador mais votado do Brasil em 2002,[11] sendo superado em 2010 pelo tucano Aloysio Nunes, que obteve mais de 11 milhões de votos se tornando o senador mais votado da História do Brasil.

A estreia mais efetiva de Mercadante na vida política começou na época da faculdade de Economia na USP. Ele foi presidente do Centro Acadêmico Visconde de Cairu (CAVC) em 1974 e 1975 e ajudou a organizar protestos contra o assassinato do estudante Alexandre Vannucchi Leme e do jornalista Vladimir Herzog.

Venceu a ex-prefeita de São Paulo Marta Suplicy nas prévias do PT e concorreu ao governo do estado de São Paulo nas eleições de 2006. Derrotado por José Serra, voltou aos seus quatro anos restantes no Senado.

Em 2010 concorreu ao governo de São Paulo tendo o apoio das seguintes legendas PDT, PCdoB, PR, PRB, PPL e também busca a aliança com PTdoB, PRP, PTC, PSL, PTN , e foi derrotado pelo opositor Geraldo Alckmin que obteve 11,5 milhões (50,63 %) de votos. Mercadante obteve 8,01 milhões de votos (35,23 %).

Interferência na Operação Lava Jato[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Operação Lava Jato

Em 15 março de 2016, após a homologação da delação premiada do senador Delcídio do Amaral, documentos liberados pelo Supremo Tribunal Federal citam Aloizio Mercadante como suposto homem do governo para impedir a delação de Delcídio: "Mercadante prometeu usar a influência política do governo junto ao Senado e ao Supremo Tribunal Federal para tentar evitar a cassação do petista e conseguir sua libertação."[12] Além disto um áudio confirma que Mercadante tentou atuar para livrar Delcídio.[13] No áudio, Mercadante diz que "política pode tudo".[14] Sobre o envolvimento de Mercadante para tentar o silêncio do Delcídio do Amaral, a presidente Dilma Rousseff quis distância. Em nota, ela disse que "repudia com veemência e indignação a tentativa de envolvimento do seu nome na iniciativa pessoal do ministro Aloizio Mercadante".[15] Em nota, Mercadante negou as acusações.[16][17] No dia 4 de Maio de 2016, Mercadante foi incluido em lista de Rodrigo Janot, que pede que seja investigado.[18]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Dilma dá posse a quatro novos ministros». Brasil.gov.br. 3 de fevereiro de 2014. 
  2. Nathalia Passarinho (2 de outubro de 2015). «Novos ministros de Dilma Rousseff: veja quem entra e quem sai». G1. Consultado em 2 de outubro de 2015. 
  3. Escola Superior de Guerra. Comandantes
  4. Oswaldo Muniz Oliva - O general de Mercadante, por Fábio Farah. Istoé Gente, 20 de janeiro de 2003.
  5. As perguntas de ÉPOCA e as respostas da Unicamp sobre o doutorado de Mercadante
  6. Mercadante pede junção das denúncias contra Calheiros
  7. Redação, Agência Brasil (20 de agosto de 2009). «Mercadante deixa cargo de líder do PT no Senado». Abril.com. 
  8. Natuza Nery (3 de dezembro de 2010). «Mercadante é convidado e aceita Ciência e Tecnologia». Folha de S.Paulo. Consultado em 15 de março de 2016. 
  9. «Ministro comenta acusação feita por ex-agente da repressão contra a Folha». Folha de S.Paulo. 23 de abril de 2013. 
  10. Helena Martins (31 de dezembro de 2014). «Com Mercadante, Casa Civil manterá perfil político». Consultado em 15 de março de 2016. 
  11. «Aloizio Mercadante». Portal iG. Último Segundo. Consultado em 18 de janeiro de 2015. 
  12. «Mercadante ofereceu ajuda em troca de silêncio, diz Delcídio em delação». G1. 15 de março de 2016. Consultado em 15 de março de 2016. 
  13. Guilherme Mazui (15 de março de 2016). «Delação de Delcídio complica situação de Mercadante no governo». Zero Hora. Consultado em 15 de março de 2016. 
  14. «Mercadante: "Em política, tudo pode"». O Antagonista. 15 de março de 2016. Consultado em 15 de março de 2016. 
  15. «Dilma: Mercadante agiu sozinho». O Antagonista. 15 de março de 2016. Consultado em 15 de março de 2016. 
  16. «Ministro esclarece citação em delação». mec.gov.br. 15 de março de 2016. Consultado em 3 de maio de 2016. 
  17. «Nota de Esclarecimento». portal.mec.gov.br. 15 de março de 2016. Consultado em 3 de maio de 2016. 
  18. http://www.em.com.br/app/noticia/politica/2016/05/04/interna_politica,758986/pgr-denuncia-lula-ao-stf-e-pede-autorizacao-para-investigar-dilma.shtml

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Categoria no Commons


Precedido por
Sérgio Machado Rezende
Ministro da Ciência e Tecnologia do Brasil
2011 – 2012
Sucedido por
Marco Antonio Raupp
Precedido por
Fernando Haddad
Ministro da Educação do Brasil
2012 – 2014
Sucedido por
José Henrique Paim
Precedido por
Gleisi Hoffmann
Ministro-chefe da Casa Civil do Brasil
2014 – 2015
Sucedido por
Jaques Wagner
Precedido por
Renato Janine Ribeiro
Ministro da Educação do Brasil
2015 – 2016
Sucedido por
-