Alonso Mudarra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Alonso Mudarra
Informação geral
Nome completo Alonso de Mudarra
Nascimento 1510
País Flag of Spain.svg Espanha
Morte 1 de abril de 1580 (70 anos), em Sevilha
Gênero(s) Renascença
Ocupação(ões) Pajem, vihuelista, compositor e padre.

Alonso Mudarra (c. 1510 - Sevilha, 1 de Abril de 1580) foi um compositor e vihuelista espanhol da época do Renascimento.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

O patronímico Mudarra era muito frequente na cidade de Valladolid, Espanha entre os séculos XV e XVI, a família Mudarra era uma das dez que dividiam os cargos municipais desde o século XIII.[2]

Apesar da quantidade de pessoas com o patronímico "Mudarra" em Valladolid, não há registros de que Alonso Mudarra teria nascido na cidade. O que se sabe é que fora criado na cidade de Guadalajara nas propriedades do Duque de Infantado, Diego Hurtado de Mendoza, onde se educou e se dedicou ao estudo da vihuela.[3] Alonso teve quatro irmãos; Francisco, Ana, Catalina e Ysabel.[4]

Após ser educado musicalmente, passou a prestar serviços ao Duque de Infantado como pajem e vihuelista entre 1523 e 1531 com um salário de 10 mil maravedis.[5][6]

Alonso participou da comitiva de Carlos I a Bolonha, Itália, no ano de 1529, ao lado do IV duque de Infantado, Iñigo Lopez de Mendoza.[7]

Em 1531, morre Diego Hurtado de Mendoza, III duque de Infantado, e, em 1532, Alonso Mudarra é dispensado dos serviços de vihuelista dos músicos da casa do duque, uma vez que o herdeiro deste já possuía seus próprios músicos. Volta a ser contratado em 1537 e permanece no cargo até 1543.[8]

Já em Sevilha, em 1546, Alonso Mudarra publicou sua obra mestra; Tres libros de música en cifra para vihuela[9] e ordenou-se padre na Catedral de Sevilha[10], com auxílio de seu irmão Francisco que era padre e fora nomeado procurador da catedral em Roma.[11]

Um dos tientos de Mudarra

Em 1559 foi nomeado presidente da Capela de Nossa Senhora da Antigua, a capela mais importante da Catedral de Sevilha e, em 1568, ficou responsável por diversos afazeres na Catedral, desde compras até encarregar-se das reformas.[12]

Alonso Mudarra faleceu em uma sexta-feira, 1º de abril de 1580.[13]

Obra[editar | editar código-fonte]

Capa da obra Tres libros de música en cifra para vihuela, de 1546.

As composições de Alonso Mudarra estão registradas e distribuídas em três livros ou cadernos de música para vihuela, guitarra e canto acompanhado por vihuela, nos quais o autor discorre sobre as três principais formas de tocar vihuela: a adaptação de obras vocais ao instrumento; a composição musical e o acompanhamento.[14]

Primeiro livro[editar | editar código-fonte]

Aqui figuram dez fantasias, entre pavanas, galhardas e romanescas e arranjos de peças do compositor francês Josquin des Prez.

Segundo livro[editar | editar código-fonte]

O segundo livro contém diversos tientos, uma espécie de ricercar[15], sendo um para cada tom musical.

Terceiro livro[editar | editar código-fonte]

O terceiro é dedicado ao canto acompanhado pela vihuela.

Referências

  1. Griffiths, John (2001). «Mudarra, Alonso (1510 - 1580), vihuelist, composer.». In: Oxford. Grove Music Online (em inglês). ISBN 9781561592630 
  2. Alonso, Francisco JR (2015). Alonso Mudarra, vihuelista en la casa del infantado y canónigo en la Catedral de Sevilla. (PDF) (Tese de Doutorado) (em espanhol). Universidad Complutense de Madrid. 
  3. Chase, Gilbert (1959). The Music of Spain. New York: Dover. p. 60. ISBN 9780486205496 
  4. Alonso, 2015, p. 26
  5. Alonso Mudarra, el músico del Infantado - Portal Musica Antigua.
  6. Alonso, 2015, p. 113
  7. Walker, Michael P (2016). Alonso Mudarra - Six Compositions for the Renaissance Guitar. Philadelphia: Morgan Cobb Associates. p. 2. ISBN 9781365009624 
  8. Alonso, 2015, p. 137-141
  9. Little, Guy (2015). «Learn to play Alonso Mudarra.». Acoustic Magazine 
  10. Chase, 1959, p. 60
  11. Alonso, 2015, p. 166
  12. Alonso, 2015, pp. 176-181
  13. Alonso, 2015, p. 210
  14. Pujol, Emilio (1984). Tres libros de música en cifra para vihuela. Barcelona: Editorial CSIC. p. 16. ISBN 978-84-00-05680-3 
  15. Dourado, Henrique A. (2004). Dicionário de termos e expressões da música. São Paulo: Editora 34. p. 331. ISBN 85-7326-294-X 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]