Alucinação auditiva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Paracusia
Classificação e recursos externos
CID-10 R44.0
CID-9 780.1
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Paracusia[1] ou alucinação auditiva é uma forma de alucinação que envolve a percepção de sons sem que haja estímulo auditivo.

Uma forma comum de alucinação auditiva é a percepção de vozes inexistentes, que pode estar associada a desordens psicóticas, sendo esta um tipo de ocorrência de especial significância para o diagnóstico da condição alucinatória.[2] Contudo, indivíduos que não sofrem qualquer transtorno mental podem experienciar esse tipo de ocorrência.[3] Existem três categorias principais entre as quais esse tipo de experiência auditiva se encaixa: o indivíduo a ouvir uma voz que fala seus pensamentos, o indivíduo a ouvir uma discussão e o indivíduo a ouvir uma voz que narra suas próprias ações.[4] Essas três categorias não abarcam todos os tipos de alucinação auditiva.

Outros tipos de alucinação auditiva incluem a síndrome da cabeça explosiva e a síndrome do ouvido musical. Nesta, o indivíduo ouve música a tocar na mente, geralmente canções que lhe são familiares. Isto pode ser causado por lesões no tronco cerebral (comumente resultantes de AVC) e também por distúrbios do sono, como a narcolepsia, tumores, encefalite ou abscessos.[5] Essa condição distingue-se do fenômeno comum de se ter uma música presa no pensamento. Outras razões para a ocorrência da alucinação auditiva são a surdez e epilepsia.[6]

Referências

  1. «paracusia». Infopédia. Consultado em 16 de julho de 2017 
  2. Yuhas, Daisy. «Throughout History, Defining Schizophrenia Has Remained A challenge». Scientific American Mind (March 2013). Consultado em 2 de março de 2013 
  3. Thompson, Andrea (15 de setembro de 2006). «Hearing Voices: Some People Like It». LiveScience.com. Consultado em 1 de fevereiro de 2014. Cópia arquivada em 2 de novembro de 2006 
  4. Semple, David. "Oxford hand book of psychiatry" Oxford press, 2005
  5. «Rare Hallucinations Make Music In The Mind». ScienceDaily.com. 9 de agosto de 2000. Consultado em 31 de dezembro de 2006. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2006 
  6. Engmann, Birk; Reuter, Mike: Spontaneous perception of melodies – hallucination or epilepsy? Nervenheilkunde 28 de abril de 2009: pp. 217-221. ISSN 0722-1541