Alysson Paulinelli

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Alysson Paulinelli
Alysson Paulinelli no Senado Federal em 2011
Ministro da Agricultura do  Brasil
Período 15 de março de 1974
até 15 de março de 1979
Deputado federal por  Minas Gerais
Período 1 de fevereiro de 1987
até 31 de janeiro de 1991
Dados pessoais
Nascimento 10 de julho de 1936 (85 anos)
Bambuí, (Minas Gerais)
Alma mater Universidade Federal de Lavras
Prêmio(s) World Food Prize (2006)
Esposa Marisa Gonzaga (1978–presente)
Profissão Agrônomo, político
linkWP:PPO#Brasil

Alysson Paulinelli (Bambuí, 10 de julho de 1936) é um agrônomo e político brasileiro,[1] formado em Engenharia Agronômica pela Universidade Federal de Lavras. Especializou-se nos estudos sobre o potencial da região do Cerrado para a produção agrícola

Biografia[editar | editar código-fonte]

Em 1971, assumiu a Secretaria de Agricultura de Minas e criou incentivos e inovações tecnológicas que tornaram o estado de Minas Gerais o maior produtor de café do Brasil. Foi ministro da Agricultura no governo de Ernesto Geisel, de 15 de março de 1974 a 15 de março de 1979. Nesse período, Paulinelli modernizou a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e promoveu a ocupação econômica do Cerrado. Foi filiado ao PSD, Arena, PDS e PFL. Por este último elegeu-se deputado federal por Minas Gerais nas eleições de 1986, fazendo parte da Assembleia Nacional Constituinte de 1987-1988.[carece de fontes?]

Alysson Paulinelli sempre foi incentivador da pesquisa, ciência e tecnologia. Implantou um programa de bolsa de estudos para estudantes brasileiros em diversos centros de pesquisa em agricultura pelo mundo, como por exemplo nos Estados Unidos.[2] Após deixar o ministério, foi presidente do Banco do Estado de Minas Gerais, deputado constituinte e presidente da Confederação Nacional da Agricultura (CNA). Alysson Paulinelli é presidente executivo da Associação Brasileira dos Produtores de Milho (ABRAMILHO) e diretor da Verde AgriTech desde 2014.[carece de fontes?]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Em 2006 ganhou o prêmio World Food Prize.[3] O World Food Prize seria o equivalente ao Nobel da alimentação. É um prêmio dado a pessoas, independente de raça e gênero, que ajudaram consideravelmente a população a melhorar a qualidade, quantidade ou disponibilidade de alimentos no mundo.

Em 2021, Paulinelli foi indicado ao Prêmio Nobel da Paz.[4][5][6]

Referências

  1. «Conheça Alysson Paolinelli: O homem que reinvetou a agricultura no Brasil». SGAgora. 17 de agosto de 2015. Cópia arquivada em 29 de agosto de 2018 
  2. «Alysson Paolinelli». EMBRAPA. Consultado em 29 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 29 de agosto de 2018 
  3. «2006 Ceremony». The World Food Prize (em inglês). Consultado em 29 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 2 de março de 2021 
  4. «Paolinelli é indicado ao Prêmio Nobel da Paz 2021». Portal Agrolink. 27 de janeiro de 2021. Consultado em 28 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 1 de março de 2021 
  5. Valverde, Michelle (27 de janeiro de 2021). «Paolinelli está oficialmente na disputa pelo prêmio Nobel da Paz 2021». Diário do Comércio. Consultado em 28 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 2 de maio de 2021 
  6. «Indicação de Alysson Paolinelli ao Nobel da Paz 2021 é oficializada». Revista Globo Rural. 26 de janeiro de 2021. Consultado em 28 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 1 de março de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
José Francisco de Moura Cavalcanti
Ministro da Agricultura do Brasil
1974 — 1979
Sucedido por
Antônio Delfim Netto
Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço relacionado ao Projeto Biografias de Políticos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.