Amástris (filha de Oxatres)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de Amástris, veja Amástris.
Amástris
Nome nativo Ἄμαστρις
Nascimento Século IV a.C.
Irã
Morte 284 a.C.
Heracleia Pôntica
Cidadania Pérsia
Cônjuge Crátero da Macedônia, Dionísio, Lisímaco
Filho(s) Clearco II de Heracleia Pôntica
Ocupação política
Título rainha
Causa da morte afogamento

Amástris (ou Amestris; ? — ca. 284 a.C.) foi uma sobrinha de Dario III, casou-se com Crátero e com Lisímaco, generais de Alexandre, e com Dionísio, tirano de Heracleia Pôntica. Ela foi mãe de dois tiranos de Heracleia e, possivelmente, de Alexandre, filho de Lisímaco.

Família[editar | editar código-fonte]

Amástris era filha de Oxatres, irmão de Dario III.[1] Dario era filho de Arsames [2][3][4] e Sisigambis.[5] Ela era prima de Estatira, filha de Dario que Alexandre tomou por esposa após ter matado seu pai; elas foram criadas juntas e eram muito amigas.[1]

Casamentos com Crátero e com Dionísio[editar | editar código-fonte]

Quando Alexandre se casou com Estatira, ele deu Amástris em casamento a Crátero, mas quando Crátero casou-se com Fila, filha de Antípatro, Amástris, com o consentimento de Crátero, foi viver com Dionísio, tirano de Heracleia Pôntica.[1] Dionísio era filho de Clearco, tirano de Heracleia Pôntica.[6]

Dionísio e Amástris tiveram dois filhos, Clearco e Oxatres e uma filha com o mesmo nome da mãe.[1] Quando Dionísio estava quase morrendo, deixou Amástris no governo, como guardiã dos filhos.[1]

Casamento com Lisímaco[editar | editar código-fonte]

A cidade prosperou, pois Antígono Monoftalmo protegeu os interesses dos filhos de Dionísio e seus cidadãos.[1] Quando os interesses de Antígono se voltaram para outros assuntos, Lisímaco tomou conta de Heracleia, casando-se com Amástris, por quem ele era muito apaixonado.[1] Lisímaco deixou Amástris governar Heracleia, porém mais tarde largou-a por Arsínoe, filha [Nota 1] de Ptolemeu Filadelfo.[1]

De acordo com algumas fontes, Alexandre, filho de Lisímaco,[7][8][9] era filho de Amástris;[9] por outras fontes, ele era filho de uma mulher do Reino Odrísio.[7][8]

Morte[editar | editar código-fonte]

Quando Clearco tornou-se adulto, assumiu o governo da cidade, mantendo-se como aliado a Lisímaco.[1] Quando Lisímaco lutou contra os getas, Clearco estava com ele, e foi capturado junto de Lisímaco.[1]

Clearco e Oxartes foram colocados no governo de Heracleia, mas não seguiram os passos do seu pai, cometendo vários crimes, inclusive o assassinato da própria mãe, Amástris, morta no mar quando seu barco afundou.[1]

Lisímaco, agora rei da Macedónia, ainda tinha afeição por Amástris, veio a Heracleia como que para confirmar a sucessão, e executou os dois irmãos, primeiro Clearco e depois Oxartes, levando os tesouros e restabelecendo a democracia.[1]

Notas e referências

Notas

  1. De acordo com outras fontes, Arsínoe era irmã de Ptolemeu Filadelfo.

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l Memnon de Heracleia, Livros XI e XII, citado por Fócio, Biblioteca de Fócio [em linha]
  2. Chronicon Paschale [em linha]
  3. Excerpta Latina Barbari [em linha]
  4. Papiros de Oxirrinco, pOxy 12 [em linha]
  5. Quinto Cúrcio Rufo, Hist. Alexandri, X.5.21 [la] [fr]
  6. Memnon de Heracleia, Livros IX e X, citado por Fócio, Biblioteca de Fócio [em linha]
  7. a b Pausânias (geógrafo), Descrição da Grécia, 1.10.4
  8. a b Pausânias (geógrafo), Descrição da Grécia, 1.10.5
  9. a b Polieno, Estratagemas, Livro VI, Capítulo XII, Alexandre, filho de Lisímaco [fr] [en]