América Futebol Clube (Rio Grande do Norte)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
América de Natal
América de Natal
Nome América Futebol Clube (Rio Grande do Norte)
Alcunhas Mecão
Alvirrubro
Orgulho do RN
Dragão
Vermelhão
Alvirrubro da Rodrigues Alves
Torcedor/Adepto Alvirrubro ou Americano
Mascote Dragão
Principal rival ABC
Fundação 14 de julho de 1915 (106 anos)
Estádio Arena América
Capacidade 5.000 pessoas
Localização Natal, RN
Mando de jogo em Arena das Dunas
Capacidade (mando) 32.000 pessoas
Presidente Souza
Treinador Renatinho Potiguar
Patrocinador Unifacex
Material (d)esportivo Super Bolla
Competição Campeonato Potiguar
Brasileirão - Série D
Ranking nacional Baixa (2) 61º lugar, 1 558 pontos
Website americadenatal.com.br
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo

América Futebol Clube, mais conhecido como América de Natal é um clube polidesportivo da cidade de Natal, no Estado brasileiro do Rio Grande do Norte e popularmente chamado de Mecão.

Fundado em 14 de julho de 1915 na residência do juiz Joaquim Homem de Siqueira, na Cidade Alta, tem como modalidade esportiva principal o futebol. Na época, que os clubes surgiam no Brasil era comum adotar o nome do território qual o clube pertencia, bairro, cidade, estado, país ou continente como foi o caso do América de Natal que recebeu esse nome em homenagem ao continente americano ao qual pertence, usando a denominação do seu homônimo America carioca. As cores do clube, presentes no escudo e na bandeira oficial, são vermelho e branco. Suas cores iniciais eram azul e branco. Hoje, sua sede social se localiza no bairro do Tirol e o centro de treinamento na cidade de Parnamirim (Rio Grande do Norte).

Seu título mais relevante é a Copa do Nordeste de 1998. Dos clubes potiguares é aquele com mais participações na Série A do Campeonato Brasileiro. Destaca-se também por ter sido o primeiro vencedor estadual em 1919[1] e ser o único clube do Rio Grande do Norte a participar de uma competição internacional: a extinta Copa Conmebol.[2]

No futsal, o América de Natal é vice-campeão brasileiro (Taça Brasil de Futsal), tricampeão do Nordeste e o maior vencedor do RN, 38 estaduais e metropolitanos. No basquete, em 2013, o clube conquistou o tricampeonato do Nordeste e garantiu o 3º lugar no Campeonato Brasileiro. Em 2014, o time de basquete alcançou as semifinais do Brasileirão. No futebol americano, a equipe foi campeã do Nordeste em 2009 com uma campanha invicta, atualmente o clube foi vice-campeão da Divisão Nordeste no Campeonato Brasileiro.

História[editar | editar código-fonte]

A Fundação[editar | editar código-fonte]

Por um grupo de 38 jovens estudantes, comerciários e funcionário públicos, o América de Natal foi fundado em 14 de julho de 1915, uma quarta-feira, na residência do juiz Joaquim Homem de Siqueira, situada na Rua Vigário Bartolomeu. Inicialmente, as cores do time eram o azul e o branco, transformando-se nas cores atuais em 1918, com a personificação jurídica do clube. A data 14 de julho foi escolhida em memória aos ideais da Revolução Francesa: Liberdade, Igualdade e Fraternidade. As cores iniciais do clube foram azul e branco, escolhidas para diferenciar do Sport Club Natalense, clube de vida efêmera fundado em 1907 que já utilizada as cores alvirrubras. Mesmo com a mudança de cores para as atuais em 1918, o América mantém a cor azul e branca no seu terceiro uniforme.

A oficialização jurídica do clube tem uma história curiosa. Sobre isto, existe uma versão que diz que o então Coronel Júlio Canavarro de Negreiros Melo furou a única bola que o clube tinha para treinar e jogar, tendo sido o América obrigado a possuir personalidade jurídica para poder entrar com uma ação indenizatória. Para tanto, os estatutos foram registrados pela primeira vez no dia 3 de julho de 1918, no Primeiro Ofício de Notas, em documento assinado pelo então presidente Oswaldo da Costa Pereira, sendo o primeiro clube de futebol do RN a possuir personalidade jurídica.

Os jogadores do América eram provenientes da Cidade Alta. Nos seus primeiros sete anos de existência, os recursos financeiros do clube vinham em grande parte do bolso de Aguinaldo Tinoco, um dos seus fundadores e que também era zagueiro e capitão do time.

Abaixo, segue tabela com alguns dos fundadores do América de Natal:

  • Brasil Abel Viana
  • Brasil Aguinaldo Câmara
  • Brasil Aguinaldo Fernandes
  • Brasil Aguinaldo Tinoco
  • Brasil Aníbal Ataliba
  • Brasil Braga Filho
  • Brasil Antônio da Rocha e Silva
  • Brasil Antônio Trigueiro
  • Brasil Armando da Cunha Pinheiro
  • Brasil Augusto Servita Pereira de Brito
  • Brasil Bartolomeu Campos Queiroz
  • Brasil Carlos de Laet
  • Brasil Carlos Fernandes Barros
  • Brasil Carlos Homem de Siqueira
  • Brasil Clóvis Fernandes Barros
  • Brasil Francisco dos Reis Lisboa
  • Brasil Francisco Lopes Teixeira
  • Brasil Getúlio Soares
  • Brasil José Artur dos Reis Lisboa
  • Brasil José Lopes Teixeira
  • Brasil Lauro Lustosa
  • Brasil Lélio Fernandes
  • Brasil Manoel Coelho Filho
  • Brasil Mário Monteiro
  • Brasil Napoleão Soares
  • Brasil Oscar Homem de Siqueira
  • Brasil Sidrack Caldas

Em 15 de julho de 1915, a primeira diretoria do clube que foi eleita por aclamação, foi a seguinte:

Cargo Nome
Presidente Brasil Getúlio Soares
Secretário Brasil Mário Monteiro
Tesoureiro Brasil Clóvis Fernandes Barros
Guardião do material Brasil Manoel Coelho Filho

A primeira partida[editar | editar código-fonte]

A primeira partida realizada pela nova equipe de natal ocorreu no dia 26/09/1915, contra a equipe que seria posteriormente seu maior rival, o ABC. A partida se deu na Praça Pedro Velho, em um campo improvisado, e a equipe alvinegra derrotou os rubros pelo placar de 4 a 1. Gols de Mousinho (2), Mandu e Babua para o ABC, enquanto que Neco descontou para o América. Nessa partida, o América de Natal atuou com: Oscar Siqueira; Lélio e Gato; Carvalho, Gallo e Barros; Antônio, Carlos Siqueira, Neco, Garcia e Pipiu.

Já primeira partida oficial foi realizada entre ABC e América de Natal, ocorreu em 15 de setembro de 1918 pelo campeonato estadual de 1918, que não foi finalizado. O América venceu a partida pelo placar de 3 a 0, com gols de Arnaldo, Pinheiro (contra) e Nilo Murtinho Braga.

Os primeiros campeonatos potiguares e seus primeiros títulos[editar | editar código-fonte]

O primeiro título americano veio em 1919. Foi o segundo campeonato de futebol promovido pela Liga de Desportos Terrestres no estado, primeiro a ser concluído. Em 1920, conseguiu seu primeiro bicampeonato. Dois anos mais tarde, o clube conquistou seu terceiro troféu, ao ganhar o campeonato daquele ano que foi intitulado Taça da Independência em 1922, em homenagem ao centenário da Independência. Na final, João Maria Furtado, conhecido como "De Maria" fez o único gol da partida frente aos eternos rivais americanos, o ABC. O América voltou a ganhar um título estadual apenas em 1924, e em 1926 abriu o caminho para o segundo bicampeonato da competição. Após o terceiro bicampeonato de 1930-1931, o América amargou 15 anos sem vitórias locais, voltando a ser campeão só em 1946. A equipe alvirrubra repetiu o bom desempenho em competições estaduais, conquistando o bicampeonato em mais três ocasiões: 1948/1949, 1951/1952, sendo campeão neste ano com 100% de aproveitamento, 1956/1957. O destaque dessa época foi o atacante Saquinho, tido como maior centroavante que já vestiu a camisa alvirrubra potiguar.

Campeão - América-RN em 1967 após seu retorno a federação.

Após um largo período licenciado da Federação (de 1959 a 1966) para construção de sua Sede Social, o América voltou a ser campeão em 1967, contando com um time bastante caseiro, mas com jogadores de destaque como Véscio e Evaldo "Pancinha". Nesse ano, a final foi contra o Riachuelo, do então jovem Marinho Chagas. Essa vitória propiciou a participação do América na Taça Brasil (o Campeonato Brasileiro da época) de 1968. Em 1969 foi campeão estadual após uma série de jogos finais contra seu principal rival, na qual perdeu o primeiro jogo por 3 x 0, empatou o segundo por 0 x 0 e precisava de uma vitória no último jogo para forçar uma quarta partida. Ela veio a partir dos pés do atacante Alemão, que marcou nos últimos minutos do jogo, quando a torcida alvinegra já comemorava o título. Na quarta partida, o Alvirrubro venceu por 2 x 0 seu principal rival, com gols de Bagadão e Alemão, e se sagrou campeão do Estado.

"O Orgulho do RN"[editar | editar código-fonte]

Nos anos 1970 a equipe natalense marcou presença em campeonatos brasileiros. Em 1973 ficou em 25º lugar, dentre os 40 times que disputavam a competição. O time base era: Ubirajara; Ivan Silva, Scala, Mário Braga e Cosme; Paúra, Garcia e Hélcio Jacaré; Almir, Santa Cruz e Gilson Porto. Técnico: Sebastião Leônidas.

Destaque para Hélcio Jacaré, tido como um dos maiores ídolos do América, Scala, ex-seleção e Ivan Silva, recordista de partidas pelo América: 476 jogos. A melhor participação do América nos antigos campeonatos nacionais foi no Campeonato Brasileiro de Futebol de 1977, quando conseguiu um 17º lugar entre 62 clubes. O América participou de 11 competições seguidas(de 1973 a 1983). A partir daí, o América passou a ser conhecido como Orgulho do RN.

Em 1973 o América foi campeão da Taça Almir de Albuquerque, foi uma premiação simbólica oferecida por uma revista esportiva aos times do Norte e Nordeste melhores colocados na primeira fase do Campeonato Brasileiro de Futebol de 1973. Durante a sua campanha para fazer jus ao troféu, o América de Natal disputou 7 jogos na primeira fase, vencendo 4 e empatando 3. Marcou 11 gols e tomou 4.

Em 1979, o clube iniciou a sua maior série de vitórias no campeonato estadual, sendo tetracampeão de 1979 a 1982, ficando dois anos e vários jogos sem perder para nenhuma equipe do Rio Grande do Norte. Além disso, o América foi bicampeão em 1974/1975, campeão em 1977, na famosa final que não acabou, quando os 22 jogadores se envolveram numa briga sem precedentes, e tricampeão em 1987/1988/1989.

O vice-campeonato na Série B[editar | editar código-fonte]

O América voltou a ser notícia no cenário do futebol brasileiro, nos anos 1990. Em 1996, Liderado pelo habilidoso meia Moura, a equipe do Rio Grande do Norte conquistou o vice-campeonato nacional da segunda divisão, estando de volta à Série A depois de 13 anos.

No Campeonato Brasileiro de 1997 o América fez uma campanha regular conseguindo vitórias ou empates importantes enquanto jogou no Machadão, a ponto de permanecer invicto, em casa, até a última rodada, quando sucumbiu diante do São Paulo , mas que naquela oportunidade já tinha a certeza da permanência na elite do futebol nacional no ano seguinte, ficando em 16º lugar com (7V, 9E, 9D) na frente de equipes tradicionais como Corinthians, Atlético Paranaense e Cruzeiro. Um detalhe daquele elenco é que, embora contasse com alguns jogadores já conhecidos no cenário nacional como o goleiro Emerson (ex-Flamengo), lateral-esquerdo Denys (ex-Palmeiras), centroavante Gian (ex-Vasco) e o meio-campista Moura (Sport e futebol japonês) , a equipe manteve diversos pratas da casa, inclusive assumindo a camisa de titular como o zagueiro Gito e os meios de campo Carioca e Biro-Biro. 

O destaque da equipe naquele certame, sem dúvidas, foi o zagueiro Gito que se tornou o artilheiro com 09 gols, a maioria deles em cobranças de faltas da intermediária do campo.

A equipe potiguar venceu a Copa do Nordeste de Futebol de 1998 derrotando o Vitória na final por 3 a 1, gols de Kobayashi, Biro Biro e Carioca. Apesar de o Estádio Machadão estar com uma parte de suas arquibancadas interditada, a torcida rubra lotou o estádio, com um público de 23.412 pagantes, e empurrou o América para mais um título, que lhe deu direito à participação numa competição internacional, a extinta Copa Conmebol de 1998, hoje Copa Sul-Americana. O América entrou em campo naquela noite chuvosa de 4 de junho com a seguinte escalação: Gabriel; Gilson, Paulo Roberto, Lima e Rogerinho; Montanha, Carioca, Moura e Biro Biro; Kobayashi e Leonardo. Técnico: Arturzinho.

América-RN.jpg

Anos 2000[editar | editar código-fonte]

Copa do Brasil de 2000 o América chegou as fases finais, pela primeira vez. Na primeira fase eliminou o Sport nos pênaltis por 2x4 após perder em casa por 0x1, em Recife venceu o rubro negro por 0x1 se classificando. Na segunda fase eliminou o Sampaio Corrêa vencendo em Natal 2x1 e no maranhão empate por 2x2. Na 3ª Fase fez uma grande virada contra o Remo perdendo no Pará por 2x0 e em Natal goleando por 6x2 conseguindo a classificação. Chegando nas Oitavas-de-final disputa contra o futuro vice-campeão o São Paulo perdendo os dois jogos no Machadão por 1x3 e no Morumbi 3x2 sendo eliminado. Em 2002 e 2003 o América foi bi campeão no Campeonato Potiguar de Futebol.

Da C para A em apenas dois anos: 2005 e 2006[editar | editar código-fonte]

Em 2004 houve o amargo rebaixamento à Série C. Nisto culminou numa ascensão meteórica, jamais vista no futebol brasileiro, com dois acessos seguidos. Após conseguir o acesso para a Série B em 2005, sendo vice-campeão do Campeonato Brasileiro Série C, o América fez uma grande campanha em 2006, liderados pelo maior ídolo da história, o maestro Souza, craque "nascido" no América, que retornou ao seu clube do coração após passagens pelos principais clubes do Brasil, e ficou em quarto lugar, posição que o garantiu no Campeonato Brasileiro de 2007.

Interior do Estádio Machadão onde foi a casa do América-RN por muitos anos antes de ser demolido para a construção da Arena das Dunas com vistas à realização da Copa do Mundo FIFA de 2014 na cidade

Utilidade Pública[editar | editar código-fonte]

Em 9 de dezembro de 2005 pela lei municipal n.º 5.697 foi criado o Dia do América Futebol Clube. A data comemorativa no calendário da cidade homenageia a fundação do clube, sendo comemorada no mesmo dia 14 de julho.[3] No dia 3 de outubro de 2003, foi publicado no Diário Oficial de Município a Lei n.° 5.493, de autoria do vereador Hermano Morais, reconhecendo o América Futebol Clube, como de Utilidade Pública Municipal.

A crise dos 4 anos: 2007 a 2010[editar | editar código-fonte]

Em 2006, o clube conseguiu o acesso para a série principal do Campeonato Brasileiro, encerrando sua participação na Série B (2006) em 4.º colocado, sendo seu último jogo contra o Atlético Mineiro, no estádio Mineirão, com o placar final de (2x2). Além disso a partida foi transmitida pela Rede Globo para todo o país. No confronto em questão, foi registrado o maior público do campeonato, 74.694 espectadores, a equipe que atuou nessa partida foi: Fabiano; Eduardo Arroz, Roni (Leandro Sena, que em 2013 viria a comandar a equipe na Série B do campeonato brasileiro) e Robson; Adriano Peixe, Fernando Lombardi, Magal, Paulinho Kobayashi (Max) e Souza; Paulo Isidoro e Du. Técnico: Heriberto da Cunha.

Foi em 2007 que a crise se instalou no time potiguar. Perdeu o título estadual para o ABC, com o placar de 5 a 2 no último jogo da final. Na Copa do Brasil enfrentou o Fluminense na segunda fase, perdendo em Natal por (1x2) e vencendo no Maracanã por (0x1) mesmo com a vitória acabou eliminado com os 2 gols fora dos tricolores.

Em 12 de maio de 2007, o América fez sua estreia na Série A diante do Vasco da Gama, na reinauguração do Estádio Machadão, que fora reformado para atender às previsões de grande público. O América foi batido pelo time da cruz de malta pelo placar de 1 x 0, com gol de André Dias, aos 20 minutos do 2º tempo, mas em compensação a torcida se fez presente no estádio e marcou o maior público da rodada, 26.469 pessoas.

Na segunda partida, o alvirrubro foi até Santos enfrentar o Peixe, era de se esperar uma vitória da equipe santista, porém o América de Natal conseguiu um triunfo em plena Vila Belmiro, vencendo o Santos pelo placar de (3x2), com 3 gols marcados por um só jogador, o zagueiro Edson Borges, ainda levando em conta que o time americano jogava com uma a menos devido a expulsão de Geovane no decorrer da partida.

Mas depois o América amargou sete jogos sem vencer (6 derrotas e 1 empate), voltando a marcar 3 pontos só em 6 de julho, em Curitiba contra o Paraná, pelo placar de 1x0. Em seguida perdeu para o Internacional e para o Atlético Mineiro, venceu o Atlético Paranaense e não pontuou mais até o final do 1º turno.

Os 3 primeiros pontos do 2.º turno só vieram contra o Paraná, na 9ª rodada. Mesmo com a péssima campanha no campeonato, o time rubro obteve uma média de público de 9.730 por jogo, ficando na frente de Figueirense, Paraná, Santos e Juventude. Ao final do campeonato o América de Natal foi rebaixado para a Série B com apenas 17 pontos, permanecendo até 2021 como detentor da pior campanha da história do campeonato brasileiro na era dos pontos corridos, ano este em que a Chapecoense somou, ao final do campeonato, apenas 15 pontos, dois a menos que o América em 2007.

Em 2008 o clube potiguar disputou a Série B, por onde passou por mais um aperto, porém bastante menor do que o de 2007. O clube terminou em 15º com 46 pontos ganhos, se livrando do rebaixamento nas últimas rodadas.

No ano de 2009, no mesmo campeonato, se livrou mais uma vez do rebaixamento com uma diferença de 2 pontos em relação ao 1º rebaixado Juventude. O jogador Lúcio Curió, atacante do América de Natal, foi vice-artilheiro do campeonato, com 15 gols marcados, 2 a menos que o artilheiro.

Já em 2010, depois de 2 anos tentando fugir do rebaixamento, o time acabou sendo rebaixado para a terceira divisão.

No ano seguinte o América disputara a Série C e classificara em 4º colocado, batendo o Paysandu, assim não passou sequer 1 ano na Série C e tendo seu retorno à 2ª divisão do Campeonato Brasileiro.

Campeonato Potiguar de 2012: Fim do jejum[editar | editar código-fonte]

Na estreia do Campeonato Potiguar de Futebol de 2012, o time alvirrubro teve como adversário o Caicó. O jogo ocorreu no Nazarenão com um show do América de Natal, uma goleada de 5x0, gols marcados por Júnior Xuxa (três vezes), Zé Antônio e Isac. Na segunda rodada, o time americano venceu o Palmeira pelo placar de 3x1. Logo após amargou 4 rodadas sem marcar 3 pontos, foram 3 derrotas e 1 empate, dentre as derrotas uma foi para o ABC pelo placar de 4x2, no estádio Frasqueirão. O América só voltou a vencer na sétima rodada e não parou, bateu o ASSU por 4x1, o Potiguar de Mossoró por 6x1 e por fim venceu o Santa Cruz-RN com um placar mais apertado, 2x1.

O América de Natal conseguiu então garantir a classificação para a semifinal. Enfrentou o Santa Cruz e venceu: 3x1 para o Mecão, passando assim para a final do primeiro turno do campeonato e enfrentando o ABC, que bateu o Corintians de Caicó. Na final, com jogos de ida e volta, o dragão caiu nos dois, pelo placar de 1x0 para a equipe alvinegra. Ao fim da última partida, o técnico Flávio Araújo pediu demissão.

O time vermelho da capital potiguar, após dois jogos da saída do último treinador, foi anunciado oficialmente a contratação de Roberto Fernandes como novo técnico. Roberto Fernandes comandou seu primeiro jogo no América, no Campeonato Potiguar de Futebol de 2012 contra o Baraúnas, fora de casa e perdeu pelo placar de 1x0. Depois a equipe embalou e venceu por 3 rodada consecutivas, inclusive venceu o clássico rei, porém não marcou mais 3 pontos nas 3 rodadas restantes, mas se classificou para a semifinal em quarto colocado. Enfrentou o ABC na semifinal e ganhou, com placar de 2x1. Partiu para a final do segundo turno e foi campeão diante do Baraúnas, venceu todos os dois jogos, o primeiro 4x1 e o segundo 2x0.

Na final do campeonato, onde se enfrentaria o campeão do primeiro e segundo turno, América e ABC duelaram nesta grande decisão. No primeiro jogo, o América venceu de virada por 2x1, com gols de Isac e Lúcio. Na segunda partida, venceu por 2x0, em pleno Frasqueirão, com gols de Wanderson e Fabinho. O América entrou em campo com Fabiano; Norberto, Cléber, Edson Rocha e Wanderson; Ricardo Baiano, Fabinho, Márcio Passos e Júnior Xuxa (Nata); Isac e Lúcio (Pingo).

Assim, o América consagrou-se campeão potiguar 2012.

Era Roberto Fernandes: 2012 - 2013[editar | editar código-fonte]

A Era Roberto Fernandes teve início no dia 5 de março de 2012 e fim em 20 de julho de 2013.[4] Flávio Araújo foi o técnico anterior, pediu demissão após ter perdido clássico contra o ABC, essa era a 3ª derrota seguida para o rival. Roberto Fernandes comandou o América de Natal em 91 partidas oficiais, foram 40 vitórias, 24 empates e 27 derrotas, tendo um aproveitamento aproximado de 52,8%. Conquistou o Campeonato Potiguar 2012. No tempo que esteve no comando do América ele nunca perdeu para o maior rival, ABC, foram 8 jogos disputados e nenhuma derrota.

Em 2012, Roberto Fernandes fez uma boa campanha na Série B, liderou o campeonato por uma vez, esteve no G4 13 vezes, sendo 12 partidas seguidas, também nunca esteve abaixo da 10ª posição. Começou bem, goleou o Goiás por 5x2, em seguida venceu o Avaí, Guaratinguetá, empatou com o Vitória e venceu o Bragantino até perder para o São Caetano fora de casa.

Em 2013 as coisas balançaram. Na Copa do Nordeste fez uma péssima campanha, acabou sendo demitido, porém voltou ao cargo após o primeiro jogo e primeira derrota do técnico substituto. No Campeonato Potiguar esteve muito bem, manteve uma inacreditável e incrível invencibilidade de 18 partidas, tudo corria bem, até a perda do campeonato para o Potiguar de Mossoró, o América de Natal acabou por ser vice-campeão. Na Série B 2013 não passou da 9ª rodada, caiu do cargo após a derrota para o Paraná, o clube havia apenas somado 6 pontos (1 vitória, 3 empates e 5 derrotas).

O treinador retornou ao clube nos últimos meses de 2014 e permaneceu até o outubro de 2015. Nesse período ainda conquistou o título do campeonato potiguar, dando ao América o título de campeão centenário, uma vez que o time alvirrubro e seu maior rival local completaram 100 anos em 2015.

Pelo América, Roberto Fernandes já conquistou dois títulos para o clube, comandou o Mecão por 150 jogos com 69 vitórias, 36 empates e 45 derrotas, um aproveitamento de 54%. Sob o seu comando, foram marcados 236 gols e sofridos 190.

Arena das Dunas[editar | editar código-fonte]

O ano de 2014 começa de forma especial para o América. O Estádio Arena das Dunas, construído para a Copa do Mundo FIFA 2014 é inaugurado. A partir de então, o América mandará seus jogos num estádio padrão FIFA, estádio moderno e grande, um verdadeiro tapete.

O América começa a temporada disputando a Copa do Nordeste. Nas quartas de finais o América consegue a classificação de forma heróica diante do CRB. O América foi mal no primeiro jogo e perdeu por 2x0 no Rei Pelé. Todos já davam como certo a eliminação do Mecão, mas jogando na Arena das Dunas, o América surpreende o Galo e vence a partida por 4x0. No final do campeonato ficou em 3º lugar.

O Time também consegue o título de campeão do Campeonato Potiguar.

Pela Copa do Brasil o time fez grande campanha, chegando às quartas de finais. Na primeira e segunda fase eliminou o Boavista-RJ e o Náutico, depois obteve uma classificação heroica contra o Fluminense. No primeiro jogo o América foi derrotado em casa pelo time carioca por 3 a 0. Quando todos já davam como certa a eliminação do América, o time surpreendeu e goleou, em noite inspirada no Maracanã, vencendo o Fluminense por 5 a 2 conseguindo a classificação. Já nas oitavas eliminou o Athletico Paranaense. Nas quartas de final acabou eliminado pelo Flamengo.

Apesar da boa temporada que fazia, o América ia mal na Série B, e na última rodada perdeu e entrou na zona do rebaixamento, sofrendo seu segundo rebaixamento para a Série C nos últimos cinco anos.

Em 2015 o América completou 100 anos de fundação, juntamente com outras equipes da cidade de Natal. Realizando neste ano o Campeonato Potiguar centenário. Com uma grande campanha o alvirrubro conquistou o titulo do campeão centenário ao vencer seu rival na final por um 1x0 no Frasqueirão, levantando a taça.

Na Copa do Brasil de 2015 alcança a terceira fase caindo diante do Vasco da Gama, perdendo nos dois jogos, por 3x1 no São Januário e 3x2 na Arena das Dunas, respectivamente. Na Série C, o meia Cascata, o atacante Adriano Pardal e o zagueiro Flávio Boaventura se destacam vestindo a camisa do América, que apesar de ter feito uma boa campanha não conseguiu o acesso à Série B.

O pioneirismo na Arena[editar | editar código-fonte]

Em 26 de janeiro de 2014, o América de Natal fez a inauguração da Arena das Dunas em um partida válida pela Copa do Nordeste, o clube rubro venceu o Confiança pelo placar de 2 a 0. O primeiro gol da Arena foi marcado pelo zagueiro Adalberto. Naquela ocasião o América entrou em campo com: Andrey; Adalberto, Edson Rocha e Cléber; Fabinho, Márcio Passos, Jean Cléber, Rafinha (Rubinho) e Raí (Régis Potiguar); Adriano Pardal e Alfredo (Isac). Equipe comandada por Leandro Sena. Gols foram marcados por Adalberto e Adriano Pardal.

No primeiro clássico disputado na Arena deu vermelho. O Mecão venceu o ABC por 1 a 0, gol de Adriano Pardal. Além do primeiro gol marcado, da primeira vitória, do primeiro clássico vencido, o clube ainda foi o primeiro a levantar uma taça de campeão na Arena Fato ocorrido no dia 30 de abril de 2014, naquele dia, o alvirrubro entrou em campo com: Fernando Henrique; Fabinho, Edson Rocha, Cléber e Alex Barros; Val (Marcelinho), Márcio Passos, Jean Cléber e Arthur Maia; Max (Isac) e Rodrigo Pimpão (Adriano Pardal). Time comandado por Oliveira Canindé. O Mecão foi campeão do Campeonato Estadual em partida contra o Globo FC, vitória no jogo de ida em Ceará-Mirim de 2 a 1 e 0 a 0 em Natal.

Atualmente o recorde de público da Arena pertence ao América, 30.575 espectadores, contra o Flamengo, pelas Quartas de final da Copa do Brasil de 2014.

Série D[editar | editar código-fonte]

Em 2016, o América foi rebaixado da Série C. Disputando Campeonato Brasileiro de Futebol Série D pela primeira vez em 2017. Desde então o clube potiguar se encontra na divisão, com varias batidas na trave em busca do acesso, chegando nas quartas de finais varias vezes. Em 2022 o América disputa mais uma vez a competição.

Hino oficial[editar | editar código-fonte]

O Hino do América Futebol Clube tem letra de Behring Leiros e Hilton Acioli, que intitularam-no de "Eu sou América".

O nosso time mostra a sua raça no jogo, 

É o América, América 

Vai conquistando o coração do povo no jogo, 

E na torcida eu sou América 

Eu sou América e tenho orgulho de ser, 

Porque o América em tudo é o melhor 

É alegria no esporte e no futebol 

América, América (Bis) 

Meu coração vibra nas suas cores 

Eu sou América, América 

É uma canção que canta mil amores, enfim, 

Cantou América, América 

Vamos em frente gente Americana 

Mostrar que o nosso time entrou pra valer 

Bola pra frente, quero ver jogando pra ganhar 

América, América (Bis)

Estrutura e Patrimônio[editar | editar código-fonte]

Loja Oficial[editar | editar código-fonte]

A Espaço Rubro foi inaugurada no dia 4 de fevereiro de 2010, e fica localizada na Av. Rodrigues Alves – 950 – Tirol, na Sede Social do clube.

Sede Social[editar | editar código-fonte]

Comprado por iniciativas do presidente José Gomes da Costa, em 1929, juntamente com Orestes Silva, o terreno foi adquirido junto ao estado, por 9 mil cruzeiros, com recursos próprios e doados ao América, todo o quarteirão onde hoje está plantado o seu maior patrimônio, o imponente edifício-sede do clube. Participaram também da transação o Tenente Júlio Perouse Pontes, Clóvis Fernandes Barros e Osmar Lopes Cardoso. O local, que no passado servia também de campo de treinamentos, era considerado muito distante.

O América foi o primeiro clube de futebol do Estado do Rio Grande do Norte a possuir sede própria, construída na gestão do Presidente Humberto Nesi e levantada a primeira pedra no dia 14 de julho de 1945, à Avenida Maxaranguape, considerada a primeira e mais antiga sede própria do clube.

Para construção da Sede Social, o maior bem do clube, o América esteve licenciado do futebol no período de 1960 a 1965. Construído com muito suor e dinheiro dos americanos, ficou pronta na gestão de Humberto Pignataro (grande responsável por sua construção) em 14/07/1967, num dia festivo para a torcida americana.

Centro de Treinamento[editar | editar código-fonte]

Na virada do século os dirigentes transferiram as atividades do futebol profissional e amador da antiga "Pousada do Atleta", próximo ao viaduto de Ponta Negra, para Parnamirim, onde passou a funcionar o "CT Dr. Abílio Medeiros".

Inaugurado em 1999, em uma área de 22 hectares, o Centro de Treinamento Abílio Medeiros foi reformado recentemente. A reforma inclui a reorganização paisagística e urbanística, implementação de ares-condicionados tipo Splits nos alojamentos do time profissional, renovação do equipamento da academia, decoração com painéis em todo o centro, implementação de uma sala tecnológica, colocação de uma piscina com hidromassagem, reforma do piso dos vestiários e muitas outras melhorias do Centro de Treinamento do América.

Estrutura do CT[editar | editar código-fonte]

  • 4 Campos de futebol oficiais;
  • 1 Campo de treino para goleiros;
  • 1 Campo de areia
  • 1 Departamento médico;
  • 1 Sala de musculação;
  • 2 Refeitórios;
  • 1 Cozinha Industrial;
  • 1 Lavanderia Industrial;
  • 1 Auditório para reunião e preleção;
  • 1 Sala de Imprensa;
  • 1 Mini capela;
  • 1 Vestiário com chuveiros, banheiras com hidromassagem e área de massagem;
  • 1 Alojamento para categoria profissional;
  • 1 Alojamento para as categorias de base.

A Arena América[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Arena América

Em 2012 iniciou-se o projeto para a construção do seu próprio estádio, a Arena América. A capacidade prevista é de 25.000 pessoas ao final de sua construção.

Basquete Paraolímpico[editar | editar código-fonte]

O América Tigres, maior clube de basquete paralímpico do Rio Grande do Norte, tem como objetivo fomentar o basquetebol em cadeira de rodas no Estado; representar o estado em competições locais, regionais, nacionais e internacionais; lutar por políticas de inclusão social de pessoas com deficiência física através do esporte; contribuir para uma melhora da saúde e qualidade de vida dos praticantes da modalidade do basquete em cadeira de rodas do clube; mostrar as marcas com responsabilidade social presentes no Estado do RN. [1]

O clube alcançou as semifinais do Campeonato Brasileiro de Basquete Paraolímpico da 1ª divisão, nos anos de 2013 e 2014. Vale lembrar ainda que a equipe é tricampeã do Nordeste, em 2011, 2012 e 2013.

O América Tigres tem como patrocinadores e parceiros as seguintes instituições: Unimed, Uni RN, Uniodonto, 10 Sports, POTIGAS, IFRN, Natal Card, Governo do Rio Grande do Norte, Ster Bom e CAERN.

Elenco[editar | editar código-fonte]

América Tigres
Jogadores Comissão Técnica
Pos. # País Nome Altura Nascimento Último Clube
Pivô 99 Brasil Davi
Armador 14 Brasil Bibi
Ala 13 Brasil Batoré
Pivô 88 Brasil Dino
Ala 22 Brasil Renato
Ala/Pivô Brasil Rex
Ala 7 Brasil Dentinho
Ala 6 Brasil Damar
Ala 4 Brasil Lilás
Pivô 12 Brasil Baby
Pivô 10 Brasil Naza
Técnico
  • Juliano Cruz
  • Maria José
Auxiliar Técnico

-

Outros Membros
  • Neidinha (terapeuta ocupacional)



Legenda
  • (C) Capitão
  • (S) Suspenso
  • (J) Juvenil
  • (INJ) Contundido

Elenco
• Última atualização: 24/12/2014

Football pictogram.svg Títulos[editar | editar código-fonte]

Regionais
Competição Títulos Temporadas
COPA 19 BR.png Copa do Nordeste 1 1998
Estaduais
Competição Títulos Temporadas
RNtrophy.png Campeonato Potiguar 36 1919, 1920Cscr-featured.png, 1922, 1924, 1926, 1927Cscr-featured.png, 1930, 1931Cscr-featured.png, 1946, 1948, 1949, 1951, 1952Cscr-featured.png, 1956, 1957, 1967, 1969, 1974Cscr-featured.png, 1975, 1977, 1979, 1980, 1981, 1982Cscr-featured.png, 1987, 1988, 1989, 1991, 1992, 1996, 2002, 2003, 2012, 2014, 2015, 2019
RNtrophy.png Torneio Início 14 1919,1929, 1932, 1934, 1948Cscr-featured.png, 1949, 1952, 1953Cscr-featured.png, 1955Cscr-featured.png, 1969, 1971, 1982Cscr-featured.png, 1984Cscr-featured.png, 1991
RNtrophy.png Taça Cidade de Natal 11 1972, 1973Cscr-featured.png, 1974Cscr-featured.png,1975Cscr-featured.png, 1976, 1977Cscr-featured.png, 1985, 1987, 1988, 1994, 1995
RNtrophy.png Copa Cidade de Natal 3 2014 Cscr-featured.png, 2015 Cscr-featured.png, 2016
RNtrophy.png Copa RN 4 2006, 2012, 2013, 2019
Outras Conquistas
Competição Títulos Temporadas
BandeirasNordesteBrasil.gif AmazonasPará Taça Almir de Albuquerque 1 1973Cscr-featured.png
BandeirasNordesteBrasil.gif Rio de Janeiro Copa Ecohouse 1 2013Cscr-featured.png

Cscr-featured.png Campeão Invicto

Participações[editar | editar código-fonte]

Participações em 2022
Competição Temporadas Melhor campanha Estreia Última P Aumento R Baixa
Rio Grande do Norte Campeonato Potiguar 95 Campeão (36 vezes) 1919 2022
BandeirasNordesteBrasil.gif Copa do Nordeste 16 Campeão (1998) 1994 2020
Brasil Campeonato Brasileiro 15 16º colocado (1997) 1968 2007 3
Série B 24 Vice-campeão (1996) 1972 2014 2 3
Série C 6 Vice-campeão (2005) 1988 2016 2 1
Série D 6 5°colocado (2020) 2017 2022
Copa do Brasil 25 Quartas de final (2014) 1989 2021
Flags of the Union of South American Nations.gif Copa Conmebol 1 Oitavas de final (1998) 1998

Histórico[editar | editar código-fonte]

Brasil Campeonato Brasileiro
Pos. 1968(A) 1968(A) 1969
Pos. 16º
Ano 1970 1971 1972(B) 1973(A) 1974(A) 1975(A) 1976(A) 1977(A) 1978(A) 1979(A)
Pos. 25º 32º 24º 29º 17º 60º 85º
Ano 1980(A) 1981(A) 1982(A),(B)[a] 1983(A) 1984(B) 1985(B) 1986(B) 1987(MB) 1988(C) 1989(B)
Pos. 34º 33º 39º,16º 28º 19º 17º 12º 36º 41º
Ano 1990(C) 1991(B) 1992 1993 (SB) [4] 1994(B) 1995(B) 1996(B) 1997(A) 1998(A) 1999(B) [d]
Pos. 25º 16º 16º 24º 21º
Ano 2000(B) 2001(B) 2002(B) 2003(B) 2004(B) 2005(C) 2006(B) 2007(A) 2008(B) 2009(B)
Pos. 12º 12º 10º 15º 19º 20º 15º 16º
Ano 2010(B) 2011(C) 2012(B) 2013(B) 2014(B) 2015(C) 2016(C) 2017(D) 2018(D) 2019(D)
Pos. 20º 13º 17º 17º 17º 11º
Ano 2020(D) 2021(D) 2022(D)
Pos. -
Brasil Copa do Brasil
Ano 1989
Pos. 32º
Ano 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999
Pos. 18º 29º 22º 25º 35º 30º
Ano 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009
Pos. 11º 56º 30º 21º 37º 23º 43º
Ano 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019
Pos. 40º 34º 35º 25º 48º 77º 84º 51º
Ano 2020 2021
Pos. 30º 42º
     Campeão e promovido à divisão.
     Promovido à divisão superior.
     Rebaixado à divisão inferior.
     Classificado à Copa Sul-Americana.

a. ^ No Brasileiro de 1982, o América de Natal terminou a primeira fase em penúltimo lugar do Grupo B. De acordo com o regulamento daquela edição, o penúltimo colocado disputava uma repescagem contra o penúltimo do Grupo A, o Paysandu. Na repescagem, o América perdeu a partida e foi virtualmente rebaixado à Série B do mesmo ano.

4. ^ Em 1993, houve um qualificatório para a Série B de 1994, uma vez que a Série B daquele ano havia sido cancelada.

d. ^ Em 2000, o Clube dos 13 organizou o Campeonato Brasileiro (a CBF foi punida pela Justiça de organizar o campeonato). Porém, impossibilitada de aplicar os critérios de acesso e descenso do ano anterior, o América de Natal não foi rebaixado para a Série C de 2000, disputando o Módulo Amarelo da Copa João Havelange (divisão equivalente à Série B).

Uniformes[editar | editar código-fonte]

Uniformes antigos[editar | editar código-fonte]

  • 2020
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Terceiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Copa do Nordeste

Temporadas recentes[editar | editar código-fonte]

  • 2019
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme


  • 2018
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
  • 2017
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
  • 2016
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
  • 2015
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo

Elenco Atual[editar | editar código-fonte]

Futebol profissional[editar código-fonte]

Última atualização: 30 de novembro de 2021[5]
Legenda
  • Capitão: capitão
  • Categorias de base: juvenil
  • Vindo de Empréstimo: empréstimo
Goleiros
Jogador
Brasil Samuel Pires
Brasil Bruno Pianissolla
Brasil Júlio César
Brasil Lucas Freitas Prata da casa
Defensores
Jogador Pos.
Brasil Jean Pierre Capitão Z
Brasil Raniery Z
Brasil Gerson Galdino Z
Brasil Alexandre Z
Brasil Lucas Rex Z
Brasil Felipinho LD
Brasil Rodrigo Prata da casa LD
Brasil Leozinho LE
Brasil Felipe Cruz LE
Brasil Juninho Silva Prata da casa LE
Meio-campistas
Jogador Pos.
Brasil Allef V
Brasil Bebeto V
Brasil Araújo V
Brasil Juninho Prata da casa V
Brasil Nikollas Prata da casa V
Brasil Dennis Prata da casa V
Brasil Elvinho M
Brasil Téssio M
Brasil Márcio Mossoró M
Brasil Beto Prata da casa M
Brasil Allan Prata da casa M
Atacantes
Jogador
Brasil Thiaguinho
Brasil William Marcilio
Brasil Mayco Félix
Brasil Zé Eduardo Vindo de Empréstimo
Brasil Wallace Pernambucano
Brasil Guilherme Prata da casa
Comissão técnica
Nome Pos.
Brasil Renatinho Potiguar T
Brasil Leandro Sena AS

Torcidas organizadas[editar | editar código-fonte]

Torcida Máfia Vermelha

O Grêmio Recreativo Sócio Cultural Torcida Máfia Vermelha (TMV) foi fundado no ano de 1991 por Aécio Franklin de Albuquerque Júnior e por mais alguns jovens que naquela época sentiram a vontade de criar a torcida organizada e sempre nutriram grande sentimento de afeto pelo América Futebol Clube. "O que víamos nos estádios era uma grande torcida, que comparecia, mas que na maioria do tempo de jogo se postava de forma arredia, ou seja, torcedores que só sabiam cobrar de nossos jogadores, de nossa diretoria, mas que não incentivavam, não ajudavam, principalmente em jogos chamados clássicos" Após a sua fundação, a TMV se expandiu rapidamente nas arquibancadas do Machadão, atingindo um número significativo de associados. O próximo passo era a formação de alianças com outras torcidas, o que acabou por acontecer rapidamente. A primeira aliança que a TMV fez foi com a torcida Leões da TUF, quando em um jogo do Fortaleza Esporte Clube em Natal. Outras aliança foram formadas, como por exemplo com a torcida Inferno Coral, do Santa Cruz do Recife, dentre outras.

Frente Radical

Formada no início de 2007 por um grupo fanático de americanos, que sempre assistiam aos jogos do Mecão juntos, a Frente Radical teve sua presença oficial no Machadão, no dia 24/06/2007, jogo contra o Fluminense válido pelo Campeonato Brasileiro 2007, tem como base na sua ideologia o apoio incondicional ao clube como: a compra de materiais oficiais, a adesão do titulo de sócio patrimonial como o sócio torcedor e apoiar o América Futebol Clube os 90 minutos de partida, sem intervalo. Essas são as características da Frente Radical, que não é uma torcida organizada e que foi pioneira no estilo de torcer, nas arquibancadas espalhadas pelo Rio Grande do Norte. A Frente Radical ficava localizada no anel inferior do já reformado Machadão, e tinha suas prévias feitas no Portão 4, horas antes de cada partida.

Os Loucos do Mecão

Fundada em 2011 por um grupo de amigos que tinham como missão acompanhar os jogos do Orgulho do RN, seja dentro ou fora do estado. O grupo foi crescendo e cada vez mais ganhando novos admiradores. O grupo tem como valores a confraternização de seus membros e o apoio incondicional ao América Futebol Clube.

Outras Torcidas Organizadas
  • Mecão beer
  • Fiéis Americanos
  • América Cachaça
  • Os Loucos do Mecão
  • M.E.T.A
  • Twitteiros do Mecão
  • Elite Americana
  • Portão 5
  • Esquadrão Jovem

Presidentes[editar | editar código-fonte]

Nome Período
Brasil Getúlio Soares 1915 – 1928
Brasil José Gomes da Costa 1928 – 1930
Brasil Edgar Homem Siqueira 1930 – 1932
Brasil Osório Bezerra Dantas 1933 – 1934
Brasil João Tinoco Filho 1934 – 1935
Brasil Afonso Ligório Pinheiro 1935 – 1936
Brasil Clóvis Fernandes Barros 1937 – 1938
Brasil Rui Moreira Paiva 1938 – 1941
Brasil Humberto de Oliveira Fernandes 1942 – 1943
Brasil Humberto Nesi 1944 – 1945
Brasil Rui Roberto de Paiva 1945 – 1947
Brasil José Rodrigues de Oliveira 1947 – 1950
Brasil Miguel Carrilho de Oliveira 1953
Brasil Jeremias Pinheiro da C. Filho 1953 – 1956
Brasil Maurício Tinoco Carvalho 1956 – 1958
Brasil Heriberto Ferreira Bezerra 1958 – 1961
Brasil Humberto Pignataro 1965 – 1970
Brasil Hugo Manso 1970 – 1972
Brasil Dilermando Machado 1972 – 1974
Brasil Carlos Jussier Trindade Santos 1976 – 1978
Brasil Henrique Arnaldo Gaspar 1981 – 1984
Brasil Carlos Jussier Trindade Santos 1985 – 1992
Brasil Fernando de José Resende Nesi 1992 – 1994
Brasil Marcos Antônio B. Cavalcanti 1994 – 1996
Brasil José Maria Barreto de Figueiredo 1996
Brasil Eduardo Serrano da Rocha 1996 – 1998
Brasil Cláudio Negreiros Bezerra 1999
Brasil Jerônimo Câmara Ferreira de Melo 2000
Brasil Francisco Soares de Melo 2003 – 2005
Brasil Gustavo Carvalho 2005 – 2007
Brasil José Vasconcelos da Rocha 2007 – 2009
Brasil José Maria Barreto Figueredo 2010
Brasil Clóvis Antônio T. Emídio 2010 – 2011
Brasil Hermano da Costa Moraes 2011
Brasil Alex Padang 2012 – 2013
Brasil Gustavo Carvalho 2014 - 2015
Nome Período
Brasil Beto Santos 2016 - 2017
Brasil José Vasconcelos da Rocha 2017
Brasil Eduardo Serrano da Rocha 2018 - 2019
Brasil Leonardo Bezerra 2020
Brasil Ricardo Valério 2020 - 2021
Brasil Souza 2022 -

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Conquistas consecutivas no Campeonato Potiguar[editar | editar código-fonte]

  • 1 tetracampeonato: 79/80/81/82.
  • 1 tricampeonato: 87/88/89.
  • 10 bicampeonatos: 1919/20, 26/27, 30/31, 48/49, 51/52, 56/57, 74/75, 91/92, 2002/2003 e 2014/2015

6º time mais vice-campeão no Brasil[editar | editar código-fonte]

  • 2 nacionais: 1996 série B, 2005 série C
  • 41 estaduais: 1921, 1923, 1925, 1928, 1929, 1933, 1934, 1935, 1937, 1938, 1939, 1940, 1943, 1944, 1945, 1953, 1954, 1955, 1958, 1959, 1970, 1971, 1973, 1976, 1978, 1983, 1984, 1985, 1990, 1993, 1994, 1998, 1999, 2001, 2004, 2005, 2007, 2013, 2016, 2018, 2020

Clássicos e Rivalidades[editar | editar código-fonte]

O grande rival do América de Natal é o ABC, que juntos protagonizam o chamado Clássico Rei. O clássico contém desde o início do século XX, com acirramento na década de 1930, uma tonalidade política: enquanto o ABC (Argentina, Brasil e Chile) era apoiado pelos políticos mais conservadores e populistas, como por exemplo os integrantes e membros das famílias Alves, Maia e Câmara Cascudo, o América de Natal (único clube brasileiro fundado em memória aos ideais da Revolução Francesa) era apoiado pelas frações mais progressistas, como por exemplo os liberais, integrantes da esquerda, integrantes da classe média e a família Faria.

O clássico entre o alvinegro e o alvirrubro tem esse nome pois estas são as equipes de maior tradição e conquistas do Rio Grande do Norte, seja no cenário regional ou brasileiro.

Estatísticas[6][editar | editar código-fonte]

Maior Público[editar | editar código-fonte]

América 2 x 1 ABC, (Campeonato Potiguar de Futebol de 1976), mais de 50.486 pagantes.

Alecrim

Outro grande rival é o Alecrim, terceiro clube em conquistas do Campeonato Potiguar de Futebol.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Bahia Vitória
BandeirasNordesteBrasil.gif Campeão da Copa do Nordeste
1998
Sucedido por
Bahia Vitória