América Latina Logística

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
ALL
America Latina Logistica S.A.
Slogan A gente nunca para
Tipo Empresa de capital aberto
Cotação BM&F Bovespa: ALLL3
OTCQX: AALTF
Indústria Logística
Gênero Sociedade anônima
Fundação 1997 como Ferrovia Sul Atlântico
1999 passa a se chamar América Latina Logística - ALL
Encerramento 2015
Sede Brasil Curitiba, Paraná, Brasil
Áreas servidas Brasil
Locais São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul
Proprietário(s) 3G Capital
Presidente Júlio Fontana Neto
Empregados 8.470[1] (2011)
Produtos Transporte e movimentação de carga
Valor
de mercado
Aumento R$ 5,968 bilhões[2](2012)
Lucro Aumento R$ 244,9 milhões[3](2011)
Faturamento Aumento R$ 3,675 bilhões[3](2011)
Significado
da sigla
América
Latina
Logística
Antecessora(s) Ferrovia Sul Atlântico
Brasil Ferrovias
Sucessora(s) Rumo Logística
Cosan Logística
Página oficial www.all-logistica.com


América Latina Logística
Abreviações ALL
Área de operação São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul
Tempo de operação 1999–2015
Antecessora RFFSA
Sucessora RUMO
Bitola Métrica, larga e mista.
Frota 1.143[1] locomotivas
33.574[1] vagões
Extensão 11.738 km[1]
Interconexão Ferroviária Ferroeste, FCA e MRS
Portos Atendidos Santos (SP), São Francisco do Sul (SC) e Paranaguá (PR) e Rio Grande (RS)

A América Latina Logística (ALL) foi uma companhia ferroviária do Brasil e empresa de logística da América do Sul. Em 2015 foi absorvida, no processo de fusão com a empresa Rumo Logística, para a criação da RUMO.[4][5]

Durante sua existência, controlava a maior malha ferroviária do país.[6]

História[editar | editar código-fonte]

A origem da empresa foi a Ferrovia Sul Atlântico criada em 1997 após as privatizações da malha ferroviária brasileira, adotou o nome América Latina Logística (ALL) após adquirir concessões para explorar ferrovias na Argentina. ALL possuia uma malha de 21.300 km de extensão, que abrangia os estados do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, no Brasil. Ate junho de 2013, operava também nas regiões de Paso de los Libres, Buenos Aires e Mendoza, na Argentina. A operação da empresa na Argentina estava sendo estrangulada por imposições do Governo estatizante de Cristina Kirchner e acabou tendo a concessão cassada sob a alegação de falta de investimentos e divida de impostos [7] [8]

A companhia operava de forma integrada nos setores ferroviário e rodoviário uma frota de 966 locomotivas, 27.748 mil vagões, 70 Road Railers (carretas bimodais que trafegam em ferrovias e rodovias) e 1.000 veículos entre próprios e agregados, e conta com unidades localizadas em pontos estratégicos para embarque e desembarque de carga.

Com 8.470 empregados diretos, entre próprios e terceiros,[1] e 25 mil indiretos, distribuídos por mais de 30 unidades em seis estados do país, a ALL atua em três segmentos de negócios no transporte ferroviário: commodities agrícolas, combustíveis e produtos industrializados. Além disso, presta serviços rodoviários, operações de terminais e armazenagem.

A ALL formou com a transportadora Ouro Verde um empreendimento conjunto na área da logística rodoviária uma nova companhia chamada Ritmo Logística, na qual a ALL teve a participação de 65% e a Ouro Verde, 35%[9].

História[editar | editar código-fonte]

Locomotiva diesel GE C30-7 da ALL.
Parque de Triagem da ALL, no Itararé, em Santa Maria / RS.

Fundada em 1997, como Ferrovia Sul Atlântico, a América Latina Logística (ALL) foi uma das três companhias a assumir os serviços ferroviários no Brasil após o processo de privatização do setor. Em 1998, assumiu também a concessão de ferrovias nas regiões central e norte da Argentina. Em 2001, adquire a Delara, empresa de transportes rodoviários no Brasil, e amplia seu suporte logístico. Com a aquisição da Brasil Ferrovias e Novoeste Brasil, em 2006, passa a atuar também em áreas estratégicas do Centro-Oeste e de São Paulo, tornando-se a maior companhia de logística com estrutura ferroviária do Brasil.

Em 2010 a ALL operava a mais extensa malha ferroviária da América do Sul, sendo detentora de concessões em uma área de cobertura que alcança 75% do PIB do Mercosul, por onde passam 78% das exportações de grãos da região rumo a alguns dos principais portos instalados no Brasil. Em território nacional opera quase 16 mil dos mais de 29 mil km de linhas férreas existentes no país. Oferece soluções logísticas personalizadas para clientes no segmento agrícola e industrial. Considerada a "Empresa mais admirada" no segmento de logística, segundo ranking da Revista Carta Capital. Em junho de 2013, o governo argentino cancelou o contrato da ALL por violações do contrato "graves" ao não investir e acumular multas no valor de 30 por cento da concessão.[10]

UniALL[editar | editar código-fonte]

A ALL mantém uma Universidade Corporativa própria, a UniALL. Criada em 2000, com o objetivo de suprir as necessidades de formação de novos colaboradores com treinamentos técnicos e de aperfeiçoamentos característicos ao sistema ferroviário, área de atuação predominante dos serviços prestados pela companhia. A Universidade Corporativa abriga todo o modelo de treinamento, de reciclagem e de desenvolvimento adotado na ALL.[11]

Governança Corporativa e relacionamento com investidores[editar | editar código-fonte]

As ações da América Latina Logística (ALL) são negociadas no Novo Mercado, maior nível de governança corporativa da Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo.[12]

Malha ferroviária[editar | editar código-fonte]

Concessionárias Extensão
(km)
Prazo de concessão Area de atendimento
ALL Malha Sul 6.586 1997 - 2027 Paraná; São Francisco do Sul e Rio Grande do Sul
ALL Malha Paulista 2.916 1998 - 2028 Porto de Santos
ALL Malha Norte (Ferronorte) 5.228 1989 - 2079 Mato Grosso; Mato Grosso do Sul; Minas Gerais; Paraguai
ALL Malha Oeste 1.621 1996 - 2026 Porto Esperança e Rio Paraguai
Total 16.351

Presidentes[editar | editar código-fonte]

  • Bernardo Hees (2002 a 2010)
  • Paulo Basílio (2010 a 06.2012)
  • Eduardo Machado de Carvalho Pelleissone (07.2012 - 06.2013 )
  • Alexandre de Jesus Santoro (06.2013 a 01.2015)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre América Latina Logística