Amósis II

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Abril de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Cabeça do faraó Amásis.

Amásis/Amósis II, leitura em grego popularizada por Heródoto, ou Ahmés II, em egípcio, foi um faraó da XXVI dinastia egípcia, que governou entre 570 e 526 a.C., na Época Baixa. O nome egípcio do faraó, Ahmés-Saneit, significa "Nascido da Lua", "Filho de Neit".

Amósis era oriundo de uma pequena cidade do nomo de Saís no Baixo Egipto, sendo filho de uma mulher de nome Tashereteneset. Começou por ser um general do faraó Apriés que conquistou o poder devido ao clima de descontentamento no exército egípcio. Este descontentamento estava relacionado com a penetração de mercenários gregos no exército que fazia os Egípcios se sentirem preteridos. Após o fracasso da expedição militar que Apriés enviou a Cirene para apoiar o soberano local, o exército aproveitou para se rebelar.1 Amósis, inicialmente enviado para tentar conter a revolta, acabou por ser eleito faraó pelos soldados.2 Após várias tentativas falhadas para tentar recuperar o poder, o rei Apriés foi capturado e estrangulado, e Amósis II tornou-se o novo soberano.3

No início do seu reinado Apriés teve que fazer frente a uma nova tentativa do rei babilónico Nabucodonosor II para conquistar o Egipto, que atingiu a região de Delta. Contudo, o seu reinado foi pacífico, registando-se apenas como grande campanha militar a conquista da ilha de Chipre.

Apesar de ter conquistado o poder graças a um ambiente de xenofobia, Amósis manteve relações de amizade com a Grécia; a sua esposa era mesmo grega. O rei concentrou a presença grega na colónia de Náucratis, na região ocidental do Delta (perto da actual Alexandria), numa tentativa de reduzir os contactos entre egípcios e gregos. A esta cidade concedeu privilégios fiscais e comerciais. Para além disso, o faraó apoiou a reconstrução do santuário de Apolo em Delfos, que tinha sido destruído pelas chamas em 548 a.C..

Apriés tentou conter o avanço dos Aqueménidas no Médio Oriente, aliando-se com a Lídia, várias cidades gregas e Samos, cujo tirano Polícrates era detentor de uma poderosa frota.

Segundo o historiador Heródoto, o faraó era um amante da bebida e das mulheres, razão pela qual deixava a governação em segundo plano. Estes relatos devem ser encarados como anedotas com pouco rigor histórico.

Ordenou bastantes construções, como a ampliação de templo de Neit em Sais e um santuário de Ísis em Mênfis.

Amósis foi sepultado na necrópole de Saís, mas o seu túmulo não foi até hoje identificado. Foi sucedido pelo seu filho Psamético III que governou durante pouco tempo, dado que o rei persa Cambises II aproveitou para conquistar o Egipto, colocando o ponto final no chamado período saíta (assim denominado devido ao facto da capital do Egipto ser Sais, correspondendo à época da XXVI dinastia), uma era de renascimento da cultura egípcia.

Titulatura[editar | editar código-fonte]

Nome de Nesut-bity
Hieroglifo
nswt&bity
<
N5 W9 G17 F34
>
Transliteração Ḫnm-jb-Rˁ
Transliteração (ASCII) khn.m ib-ra ou Xnm-ib-ra
Transcrição Henemib-rá
Tradução "Aquele que abraça o coração de "
Nome de Sa-Rá
Hieroglifo
G39 N5
 
<
N12 F31 R24 G39
>
Transliteração Jˁḥ-ms Sȝ-N.t
Transliteração (ASCII) jaH-msi sA-Nt
Transcrição Iah-mesi sa-Neith
Tradução "Amósis, o filho de Neith"

Referências

  1. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro I, 68.2
  2. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro I, 68.3
  3. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro I, 68.5

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • DODSON, Aidan - Monarchs of the Nile. The American University in Cairo Press, 2000. ISBN 977-424-600-4
  • PARCERISA, Josep Padró - História del Egipto faraónico. Madrid: Alianza Editorial, 1999. ISBN 84-206-8190-3
  • RICE, Michael - Who´s Who in Ancient Egypt. Routledge, 1999. ISBN 0-415-15448-0.


Precedido por
Apries
Faraó
XXVI dinastia
Sucedido por
Psamético III


Ícone de esboço Este artigo sobre um Faraó é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.