Amadou Hampâté Bâ

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Amadou Hampate Ba)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde agosto de 2012).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.


Amadou Hampâté Bâ
Nascimento 1901
Flag of Mali.svg Bandiagara
Morte 15 de maio 1991
Costa do Marfim Abidjan
Ocupação escritor, griot

Amadou Hampâté Bâ (Bandiagara, 1901 - Abidjan, 1991) foi um escritor malinês[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

No cenário da alta brousse do Mali, nasce, em 1900, o filho de Hampâté Bâ e Kadidja Diallo - Amadou Hampâté Bâ - o mestre da tradição oral africana que, nos últimos anos de sua vida, fez repousar, sobre as páginas de sua autobiografia, as histórias vivenciadas desde a sua infância até sua juventude: Amkoullel, o menino fula. Baseado nas lembranças faz um relato de fatos memoráveis que marcaram sua trajetória, e embora publicados a título póstumo, eternizaram a força da palavra na tradição oral africana. Bâ (2003), como um “homem de conhecimento”, lança um olhar sobre a África que se move de dentro para fora e focaliza toda a diversidade e riqueza que compunham suas experiências infanto-juvenis.

As histórias contadas em Amkoullel, o menino fula têm seu desfecho na região da savana africana do Mali, especificamente em Bandiagara, onde viviam os fulas: pastores que guiavam seus rebanhos por toda África savânica, em busca de pastos, água fresca e ouvintes para transmitir toda a sabedoria que traziam na memória.

O pastor fula contava seu gado cotidianamente para não perdê-lo; do mesmo modo, fazia com as histórias, cada vez que as contava mais fácil seria encontrá-las na memória, pois, para o povo de tradição oral, a repetição não é defeito, mas sim um mecanismo de sobrevivência. Desde criança, o fula era treinado a escutar e olhar tão atentamente para o narrador que se fazia visível toda a história contada em sua minúcia, quase pictórica. Assim era guardada a força da palavra que mora na narrativa e nunca se apaga.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • L'Empire peul du Macina (1955)
  • Vie et enseignement de Tierno Bokar, le sage de Bandiagara (1957), adaptado ao teatro por Peter Brook em 2003.
  • Kaïdara, récit initiatique peul (1969)
  • L'Étrange Destin de Wangrin (1973, premiado com o Grand Prix de littérature d’Afrique noire em 1974)
  • L’Éclat de la grande étoile (1974)
  • Jésus vu par un musulman (1976)
  • Petit Bodiel (conte peul) e versão em prosa de Kaïdara (1977)
  • Njeddo Dewal mère de la calamité (198)
  • La Poignée de poussière, contes et récits du Mali (1987)
  • Amkoullel l’enfant peul (Mémoires I, 1991) e Oui mon commandant ! (Mémoires II, 1994) publicados após sua morte
  • Il n'y a pas de petites querelles : nouveaux contes de la savane (Stock, 1999) onde se encontra o conto Le Cadavre de Hyène-Mère

Referências

  1. Gikandi, Simon (2003). Encyclopedia of African literature. Taylor & Francis. [S.l.: s.n.] ISBN 9780415230193 
Ícone de esboço Este artigo sobre literatura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.