Amaggi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
AMAGGI
Logotipo da empresa
Razão social Amaggi Exportação e Importação Ltda.
Empresa de capital fechado
Atividade Trading, Logística, Produção agrícola
Fundação 1977 (42 anos)
Fundador(es) André Maggi
Sede Cuiabá, Mato Grosso, Brasil
Área(s) servida(s)  Brasil
 Argentina
 Noruega
 Países Baixos
Suíça
 Paraguai
Presidente Judiney Carvalho
Pessoas-chave Blairo Maggi (acionista)
Judiney Carvalho (Presidente Executivo)

Pedro Jacyr Bongiolo (Presidente do Conselho)

Empregados 6.000[1]
Produtos Agricultura, Navegação, Trading, Sementes, Energia, Finanças
Subsidiárias Amaggi Energia
Amaggi Logística e Operações
AMAGGI & LD Commodities
AMAGGI Serviços Financeiros
AMAGGI Agro
Denofa
Unitapajós
Acionistas Blairo Maggi, Lucia Borges Maggi, Hugo Ribeiro, Itamar Locks
Website oficial amaggi.com.br

Amaggi é uma trading brasileira de propriedade de Lucia Borges Maggi, seu filho Blairo Maggi e suas quatro irmãs, sendo uma herança construída em família junto ao patriarca André Antonio Maggi (1927-2001).[2] Sediada na cidade de Cuiabá, a Amaggi é uma das empresas líderes do Agronegócio na América Latina e com atuação em 7 países. Além de trading a companhia tem ramificação nas áreas de sementes, transporte fluvial, beneficiamento de soja, geração de energia e na área financeira.

História[editar | editar código-fonte]

A trajetória da Amaggi começou em 1977 em uma localidade chamada Vila Gaúcha, que mais tarde, depois de emancipada, passou a se chamar São Miguel do Iguaçu, no estado do Paraná com a Sementes Maggi. O proprietário era o produtor rural André Maggi, sua esposa Lucia Borges Maggi e seu filho Blairo Maggi.

Em 1979, a família adquiriu suas primeiras terras em Mato Grosso, no município de Itiquira. Em 1984 a empresa mudou a sua sede de São Miguel do Iguaçu para Rondonópolis, no estado de Mato Grosso. No mesmo ano é inaugurado o primeiro armazém, em Itiquira.

Entre 1994 e 1997, a companhia construiu sua primeira Pequena Central Hidrelétrica (PCH), a Santa Lucia, localizada no município de Sapezal, no Rio Juruena. Mais tarde foram construídas mais três PCHs no Rio Juruena e uma no Rio Formiga, município de Campos de Julio.

No ano de 1997, a Amaggi deu início à navegação fluvial por meio do Corredor Madeira-Amazonas, onde as barcaças saem de Porto Velho, Rondônia e seguem para Itacoatiara, Amazonas, onde a Amaggi construiu também um terminal de transbordo de grãos. De lá, saem para exportação pelo Oceano Atlântico. Anos mais tarde, a companhia expandiu seus negócios para esses dois estados, inaugurando em 2002 a indústria de esmagamento de soja em Itacoatiara, e o porto próprio Portochuelo, em Porto Velho, em 2015.

No ano de 2001 morre o empresário e fundador André Maggi, com esse evento, Blairo (atualmente ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do governo Michel Temer), assume e se torna o presidente e principal executivo do Grupo Andre Maggi.[3]

Em 2009 a Amaggi inicia processo de transferência da sede de cidade para Cuiabá, motivado pela expansão física, logistica e de estratégica, inicialmente a empresa transferiu as áreas de produção e Engenharia Corporativa, os Departamentos de Meio Ambiente, Segurança do Trabalho e Suprimentos.[4]

Em 2011 a Amaggi avança no processo de internacionalização com a abertura de um escritório na Argentina localizado na capital Buenos Aires e iniciou suas atividades como trading.[5]

Divisão[editar | editar código-fonte]

A Amaggi é considerada a 4º maior empresa em exportação de comodities em Mato Grosso e sendo a 18º maior do Brasil sendo atualmente formada por quatro companhias divisões a AMAGGI Commodities, AMAGGI Agro, AMAGGI Navegação e AMAGGI Energia tendo ela tais áreas onde proporcionam à empresa uma estrutura com duas indústrias, 33 silos e armazéns, três portos, cinco Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs), 12 fazendas, seis países com escritórios da companhia.[6] Em 2009 a trading compra 51% da empresa Norueguesa Denofa que opera no processamento de soja na Noruega, com uma capacidade de esmagamento de 430 mil toneladas por ano, e beneficiamento de óleo de colza, por meio de uma fábrica na Polônia[7], sendo em 2011 havia comprado 100% da companhia.[8]

Referências

  1. «http://www.amaggi.com.br/relatorio2017»  Ligação externa em |título= (ajuda)
  2. «Família do senador Blairo Maggi entra na lista de bilionários da Forbes». Estado de Minas. 11 de abril de 2014. Consultado em 7 de setembro de 2016 
  3. Amaggi. «História». Consultado em 18 de janeiro de 2015 
  4. Rd News. «Grupo Amaggi decide trocar Rondonópolis por Cuiabá». Consultado em 18 de janeiro de 2015 
  5. Rural Centro. «Amaggi dá o maior passo para internacionalização». Consultado em 18 de janeiro de 2015 
  6. Agro Olhar. «Grupo André Maggi agora é AMAGGI; Empresa passa a usar nome de sua trading». Consultado em 18 de janeiro de 2015 
  7. Plantão News. «Amaggi compra 51% das ações da norueguesa Denofa». Consultado em 18 de janeiro de 2015 
  8. Exame.com. «Grupo André Maggi compra 100% da Denofa». Consultado em 18 de janeiro de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]