Amanhã (1909)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Amanhã : revista popular de orientação racional
Categoria Revista
País  Portugal
Idioma Português europeu
Primeira edição 1 de Junho de 1909
Última edição 15 de Agosto de 1909

Amanhã : revista popular de orientação racional dirigida por Grácio Ramos e Pinto Quartim, publicou-se em Lisboa, entre 1 de Junho e 15 de Agosto de 1909, num total de 6 números editados. Classificada como “periódico anarquista”, constitui um importante acervo das ideias progressistas do início do século, abordando temas liberais para a época: amor livre, divórcio, pedagogia libertária, ateísmo e nova ortografia. [1]

Na lista de colaboradores encontram-se nomes como : António Altavila, Augusto Casimiro, Bento Faria, Coriolano Leite , Dikran Elmassian , Elisée Reclus , Emílio Costa, José Bacelar, Piotr Kropotkin, Manuel Ribeiro , Pinto Quartim, Tomás da Fonseca, Deolinda Lopes Vieira e Angelo Jorge.[1]

Referências

  1. a b Daniel Pires (1996). «Ficha histórica: Amanhã : revista popular de orientação racional (1909)» (pdf). Dicionário da Imprensa Periódica Literária Portuguesa do Século XX (1900-1940) Lisboa, Grifo, 1996, pp. 64-65. Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 08 de Maio de 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre meios de comunicação é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.