Amarante (Portugal)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outro significado de Amarante, veja Amarante.
Amarante
Brasão de Amarante Bandeira de Amarante
Amarante-Ponte sobre o Tâmega (1).jpg
Amarante e rio Tâmega
Localização de Amarante
Gentílico Amarantino
Área 301,33 km²
População 56 264 hab. (2011[1])
Densidade populacional 186,7  hab./km²
N.º de freguesias 26
Presidente da
câmara municipal
José Luís Gaspar (PSD/CDS)
Região (NUTS II) Norte
Sub-região (NUTS III) Tâmega
Distrito Porto
Antiga província Douro Litoral
Orago São Gonçalo de Amarante
Feriado municipal 8 de Julho (data de elevação a cidade)
Código postal 4600 Amarante
Sítio oficial www.cm-amarante.pt
Municípios de Portugal Flag of Portugal.svg

Amarante DmTE é uma cidade portuguesa pertencente ao Distrito do Porto, região Norte e sub-região do Tâmega, com cerca de 11 261 habitantes[2].

É sede de um município com 301,33 km²[3] de área e 56 264 habitantes (2011)[1], subdividido em 26 freguesias.[4] O município é limitado a norte pelo município de Celorico de Basto, a nordeste por Mondim de Basto, a leste por Vila Real e por Santa Marta de Penaguião, a sul por Baião, Marco de Canaveses e Penafiel, a oeste por Lousada e a noroeste por Felgueiras.

No contexto de políticas sub-regionais de desenvolvimento e de mobilidade, é membro da Comunidade Intermunicipal (CIM) do Tâmega e Sousa, constituída por 12 municípios, que no seu total contabilizam cerca de 528 000 habitantes.

O comércio e o serviços centram-se principalmente na cidade de Amarante em Vila Meã, que constituem os dois principais núcleos urbanos do concelho. O actual presidente da Câmara Municipal de Amarante é José Luís Gaspar, do Partido Social-Democrata.

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: História de Amarante
Centro histórico.

Amarante teve provavelmente a sua origem nos povos primitivos que habitaram a serra da Aboboreira (habitada desde a Idade da Pedra), embora se desconheça exactamente o nome dos seus fundadores. Contudo, só começou a adquirir importância e visibilidade após a chegada de São Gonçalo (1187-1259), nascido em Tagilde, Guimarães, que aqui se fixou depois de peregrinar por Roma e Jerusalém. A este santo se atribui a construção da velha ponte sobre o Rio Tâmega.

Amarante torna-se alvo de peregrinações e a povoação foi crescendo. Já no Século XVI, D. João III ordena a construção do Mosteiro de São Gonçalo sobre a capela junto à ponte sobre o Rio Tâmega, onde segundo a tradição São Gonçalo terá vivido e foi sepultado.

Em 1763, ocorre a derrocada da velha Ponte de São Gonçalo devido às cheias do Rio Tâmega. Nos anos seguintes foi reconstruída com o aspecto que ainda hoje apresenta.

Solar dos Magalhães, incendiado pelas tropas francesas.

No início do Século XIX, Napoleão Bonaparte tenta invadir Portugal e sobre Amarante passaram também estas invasões francesas, sendo palco do heróico episódio da Defesa da Ponte de Amarante que valeu ao General Silveira o título de Conde de Amarante e a própria vila de Amarante teve a honra de ser agraciada com o colar da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito que reflecte no seu brasão municipal. Após este episódio criam-se planos para a reconstrução da vila, pois os franceses tinham incendiado quase a totalidade das casas.

As reformas liberais do século XIX reorganizaram administrativamente o território e em 1855 extinguiram-se os municípios de Gouveia, Gestaço e Santa Cruz de Ribatâmega, tendo o de Amarante recebido a maioria das suas freguesias e ainda algumas de Celorico de Basto.

O apogeu cultural dá-se nos inícios do século XX, graças a amarantinos como Teixeira de Pascoaes nas letras e Amadeo de Souza-Cardoso na pintura.

Foi feita Dama da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito a 21 de Novembro de 1925.[5]

Amarante adquiriu estatuto de cidade a 8 de Julho de 1985, sendo esta também a data do seu feriado municipal.

Geografia[editar | editar código-fonte]

O concelho de Amarante é fortemente marcado pelo seu relevo. Além disso, é também o maior concelho do Distrito do Porto, tendo cerca de 30 000 hectares de superfície (301,3 km²). Atravessado pelo rio Tâmega, cerca de 80% da superfície do concelho encontra-se abaixo dos 600 metros de altitude. No entanto, tal situação não impede de nele estar inserida uma das mais altas serras do país, o Marão, que tem cumes que atingem os 1415 metros, e a serra da Aboboreira. Outros rios que passam ao longo do concelho são o Ovelha, o Olo e o Odres.

O solo é maioritariamente formado por granito, com predomínio da biotite. Há também algumas zonas de xisto dispersas pelo concelho.

População[editar | editar código-fonte]

Número de habitantes [6]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
28 790 30 357 31 654 32 931 35 226 34 989 37 796 41 288 44 606 47 823 49 255 54 159 56 092 59 638 56 264

(Obs.: Número de habitantes "residentes", ou seja, que tinham a residência oficial neste concelho à data em que os censos se realizaram.)

Número de habitantes por Grupo Etário [7]
1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
0-14 Anos 11 938 12 980 12 345 13 568 15 126 15 414 17 582 18 905 17 506 14 058 11 900 9 037
15-24 Anos 5 639 5 995 6 520 6 904 6 861 8 029 7 781 8 250 11 168 10 786 9 655 7 083
25-64 Anos 13 316 14 276 14 115 15 230 16 373 17 738 19 184 18 340 20 526 25 382 30 599 31 073
= ou > 65 Anos 1 950 1 936 1 792 2 170 2 401 2 765 3 276 3 760 4 959 5 866 7 484 9 071
> Id. desconh 74 48 61 57 123

(Obs: De 1900 a 1950 os dados referem-se à população "de facto", ou seja, que estava presente no concelho à data em que os censos se realizaram. Daí que se registem algumas diferenças relativamente à designada população residente)

A população tem realizado um significativo crescimento nos dois últimos séculos, passando de 1 416 habitantes em 1801 para 56 264 em 2011. No entanto, nas últimas décadas, a taxa de crescimento tem decrescido. Entre 1960 e 2004, verificou-se um aumento de somente 27,6%. Tal justifica-se principalmente pelo elevado surto de emigração verificado nas décadas de 60 e 70, das freguesias periféricas dos centros urbanos de Amarante e Vila Meã, para países europeus como a Alemanha, França ou Suíça.

Política[editar | editar código-fonte]

Resultados das eleições autárquicas[editar | editar código-fonte]

Câmara Municipal[editar | editar código-fonte]

Partidos % M % M % M % M % M % M % M % M % M % M % M
1976 1979 1982 1985 1989 1993 1997 2001 2005 2009 2013
PS 31,26 3 30,88 2 36,01 3 31,61 2 45,64 4 58,8 5 58,48 5 46,69 4 41,93 3 46,67 5 37,55 4
PPD/PSD 43,84 4 43,75 4 41,45 4 45,21 4 33,24 2 33,39 2 40,53 3 25,66 2 44,50 4 39,09 4
CDS-PP 7,77 0 10,4 1 9,73 0 12,59 1 14,23 1 4,07 0 27,82 2 2,84 0 2,18 39,09 4
FEPU/APU/CDU 7,47 0 8,85 0 7,19 0 6,42 0 3,65 0 1,52 0 2,88 0 2,65 0 1,26 0 2,08 2,07
BE 3,66 0 1,2 0 2,16 1,75

Organização administrativa[editar | editar código-fonte]

Administração municipal[editar | editar código-fonte]

O município de Amarante é administrado por uma Câmara Municipal, composta pelo Presidente e oito vereadores. Existe uma Assembleia Municipal, que é o órgão deliberativo do município, constituída por 53 deputados, dos quais 26 são Presidentes de cada uma das freguesias do concelho.

Depois das eleições autárquicas de 2013, um presidente e três vereadores são da coligação Afirmar Amarante (PSD/CDS-PP), quatro do Partido Socialista (PS) e um do movimento independente Amarante Somos Todos. O actual Presidente da Câmara de Amarante é José Luís Gaspar, pela coligação PSD/CDS, que foi eleito pela primeira vez para o cargo com cerca de 39% dos votos. A maioria das cadeiras da assembleia municipal e das juntas de freguesias são dominadas pelo PS.

Desde as primeiras eleições livres, após o fim do período do Estado Novo, que houve três fases distintas nas inclinações partidárias do município. A câmara foi governada pelo PSD entre 1976 e 1985. No entanto, de 1989 a 2013, o PS venceu todas as autárquicas, primeiro com Francisco Assis entre 1989 e 1995, e depois com Armindo Abreu, de 1995 a 2013. De realçar que em 1993 e em 1997, o PS garantiu as únicas maiorias absolutas em autárquicas neste concelho, com 58,8% e 58,48% dos votos, respectivamente. Em 2013, o PSD, em coligação com o CDS-PP, volta a ganhar a presidência da autarquia com José Luís Gaspar, embora sem maioria absoluta e com o PS a curta distância, a continuar a manter a presidência da assembleia municipal e a maioria das juntas de freguesia do concelho.

Freguesias[editar | editar código-fonte]

Freguesias do concelho de Amarante após a reorganização administrativa de 2013.

Desde a reorganização administrativa de 2012/2013,[4] o concelho de Amarante está dividido em 26 freguesias:

Geminações[editar | editar código-fonte]

O concelho de Amarante é geminado com as seguintes cidades:[8]

Economia[editar | editar código-fonte]

As principais actividades económicas do concelho são a agricultura, presente em todas as freguesias, da qual se destaca a produção de vinhos verdes. Outros sectores importantes são a construção civil, a transformação de madeiras, o pequeno comércio e a indústria.

A pecuária, a silvicultura, a hotelaria e a metalomecânica, juntamente com os serviços, completam o tecido económico das várias freguesias que compõem o concelho. O turismo é um sector com fortes potencialidades, dadas as características ambientais e patrimoniais do concelho.

No passado, o sector secundário foi uma das principais marcas de progresso do concelho. No entanto, tal como em várias outras regiões do país, nos últimos anos assistiu-se ao encerramento de importantes fábricas de mobiliário e metalomecânica, que afectaram a economia local.

Comunicação social No concelho existem vários jornais e rádios a trabalhar activamente. Entre as muitas edições semanais ou mensais concelhias, destacam-se o «Jornal de Amarante», o «Repórter do Marão», e o «Notícias de Figueiró».

A nível de rádio, existem duas: a «Rádio Clube de Amarante» e a «Emissora Regional de Amarante». Ambas emitem em FM, sendo que a Radio Clube de Amarante foi adquirida por uma cadeia nacional de rádios, a NFM, fazendo apenas a retransmissão das emissões desta ultima.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Monumentos e locais a visitar[editar | editar código-fonte]

Varanda dos Reis na fachada da Igreja de S. Gonçalo

Na cidade:

No concelho:

Festas[editar | editar código-fonte]

Gastronomia[editar | editar código-fonte]

  • Doçaria conventual de Amarante (Papos de anjo, Lérias, Bolos de S. Gonçalo, Foguetes, Brisas do Tâmega)
  • Vinho verde
  • Cabrito assado no forno, Vitela maronesa

Figuras ilustres[editar | editar código-fonte]

Teixeira de Pascoaes
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Amarante (Portugal)


Instituições[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Geral
Câmara Municipal de Amarante, Portal das Freguesias
Desporto e lazer
Campo de Golf de Amarante, Amarante FC, Clube de Aeoromodelismo Vooraso, Terríveis Clube Aventura, Nucleo de PaintBall de Amarante
Cultura
Orquestra do Norte, Museu Municipal Amadeo de Souza-Cardoso, Biblioteca Municipal Albano Sardoeira
Comunicação social
Repórter do Marão, Notícias de Figueiró, Tâmega Online / Tâmega Jornal,
Saúde
Farmácias de Amarante
Turismo
Fotografias de Amarante, Mapa do concelho de Amarante, Comércio Tradicional de Amarante On-line, Região de Turismo do Marão
Outros
Amarante na internet (História, Cultura e Natureza)