Ameaça vermelha nos Estados Unidos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Terror Vermelho.
Caricatura publicada em 1919: um "anarquista europeu" tenta apunhalar a Estátua da Liberdade.

Na história dos Estados Unidos, a expressão ameaça vermelha ou perigo vermelho (em inglês, red scare: 'pavor vermelho') refere-se a dois períodos de forte desenvolvimento do anticomunismo nos Estados Unidos. A expressão também é frequentemente usada para descrever a atmosfera política que favorecia perseguições políticas e a violações de direitos civis

Ambos os períodos se caracterizaram pela criminalização de opiniões políticas comunistas ou anarquistas, pelo pavor generalizado de uma infiltração comunista no governo americano ou de uma revolução anarquista ou comunista que pudesse derrubar a ordem capitalista vigente nos Estados Unidos, impondo uma ditadura comunista, tal como na URSS.

Esse pavor difuso deu margem a investigações agressivas e (sobretudo entre 1917 e 1920) à prisão de pessoas ideologicamente suspeitas ou de alguma forma associadas a movimentos comunistas ou socialistas.

O primeiro período (first Red Scare) começa com a Revolução Russa de 1917 e vai até 1920, quando se difundiu na sociedade americana o temor de uma revolução de trabalhadores sindicalizados inspirados pela Revolução Russa. O segundo período (second Red Scare ) começa em 1947, pouco depois da Segunda Guerra Mundial, e se desenvolveu, no contexto da guerra fria, até 1957, sendo popularmente conhecido como macartismo, período em que se criou a suspeita e o temor de que houvesse espiões comunistas (estrangeiros ou estadunidenses) infiltrados no governo dos Estados Unidos ou, ainda, de um iminente ataque aos Estados Unidos e seus aliados, pela URSS ou pela República Popular da China. Esse temor popular se amplia após o bloqueio de Berlim (1948–49), a Guerra Civil Chinesa, as confissões de espionagem para a URSS por parte de vários altos funcionários do governo americano e a guerra da Coreia.

Paralelamente, durante o macartismo, desenvolveu-se também a crença na chamada "ameaça lilás" ou "terror lilás" (lavender scare), que tinha como alvo os homossexuais.[1] [2] Em 1950, mesmo ano em que o senador Joseph McCarthy afirmou que havia 205 comunistas trabalhando no Departamento de Estado, o Subsecretário de Estado, John Emil Peurifoy, informou que o Departamento havia aceitado a demissão de 91 homossexuais.[3] [4] Em 19 de abril de 1950, o líder do Partido Republicano, Guy George Gabrielson, declarou que "os pervertidos sexuais que se infiltraram em nosso governo nos últimos anos" podiam ser "tão perigosos quanto os próprios comunistas".[5] McCarthy contratou Roy Cohn – amplamente considerado como um homossexual não assumido [6] [7] – para ser assessor-chefe da sua sub-comissão no Congresso. Juntos, McCarthy e Cohn, com o apoio entusiástico do chefe do FBI, J. Edgar Hoover (outro suposto homossexual não assumido) foram responsáveis pela demissão de dezenas de homens gays de seus empregos no governo e constrangeram muitos oponentes a se manter em silêncio, usando, para isso, os rumores acerca da sua homossexualidade.[8] [9] [10] Em 1953, durante os meses finais da administração Truman, o Departamento de Estado informou que havia demitido 425 funcionários por alegações de homossexualidade.[11] [12] [13]

Referências

  1. Michael Kerrigan (de de). "Dark History of the American Presidents" Amber Books Ltd [S.l.] 
  2. Stone, Oliver; Kuznick, Peter. A história não contada dos Estados Unidos. Girassol Brasil, 2015
  3. Arthur L. Miller (deputado por Nebraska). "Homosexuals in Government." Congressional Record 96:4 (29 de março de 1950), H4527
  4. "Thailand: Smiling Jack". Time. 22 de agosto de 1955. 
  5. "Perverts Called Government peril". 19 de abril de 1950. 
  6. The New York Times
  7. Nicholas von Hoffman (março de 1988). "The Snarling Death of Roy M. Cohn". Life Magazine. 
  8. Johnson, David K. (2004). The Lavender Scare: The Cold War Persecution of Gays and Lesbians in the Federal Government University of Chicago Press [S.l.][falta página]. ISBN 0-226-40190-1. 
  9. Rodger McDaniel, Dying for Joe McCarthy's Sins: The Suicide of Wyoming Senator Lester Hunt (WordsWorth, 2013), ISBN 978-0983027591
  10. White, William S. (20 de maio de 1950). "Inquiry by Senate on Perverts Asked". New York Times [S.l.: s.n.] Consult. December 29, 2014. 
  11. "The Legacy of Discriminatory State Laws, Policies, and Practices, 1945-Present" (PDF). Williams Institute, UCLA. 
  12. "126 Perverts Discharged". New York Times [S.l.: s.n.] 26 de março de 1952. Consult. December 29, 2014. 
  13. Berard, Lauren B., "Something Changed: The Social and Legal Status of Homosexuality in America as Reported by The New York Times" (2014). Honors Theses. Paper 357.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre História dos Estados Unidos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.