Amenófis (filho de Hapu)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2017). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Amenófis, filho de Hapu. Museu de Luxor, Egipto

Amenófis, dito "filho de Hapu" (Athribis, 1440 a.C. - 1360 a.C.) foi um Tjati do faraó Amenófis III durante a XVIII dinastia egípcia. Desempenhou funções de comando militar, mas foi também arquitecto. À semelhança de Imhotep, foi transformado numa divindade.

Nasceu em Athribis, uma cidade da região do Delta do Nilo, sendo de origem humilde. Começou a sua carreira como escriba, antes de alcançar o título de vizir.

Entre as obras que supervisionou encontram-se os Colossos de Memnon, nome que os gregos deram a duas estátuas de pedra do faraó Amenófis III.

O faraó dedicou-lhe uma estátua no seu templo de Karnak, um feito raro na época, dado que o seu vizir não tinha origem real. Morreu com oitenta anos, tendo o seu túmulo sido escavado na rocha, na margem ocidental do Nilo, em Tebas.

A deificação da sua pessoa só se desenvolve verdadeiramente na era ptolemaica (mil anos depois da sua morte), quando Ptolomeu IV construiu um templo em Deir el-Medina em volta da sua campa. Nesta era ele foi considerado como uma divindade detentora de poderes curativos, sendo associado a Osíris e a Amon-Ré. Era representado como um homem segurando um rolo de papiro.