Amora-silvestre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde maio de 2013)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.


Como ler uma infocaixa de taxonomiaAmora-silvestre
Amoreira-silvestre ou silva, com amoras em diversos estados de maturação

Amoreira-silvestre ou silva, com amoras em diversos estados de maturação
Classificação científica
Reino: Plantae
Clado: eudicotiledóneas
Clado: rosídeas
Divisão: Magnoliophyta
Ordem: Rosales
Família: Rosaceae
Subfamília: Rosoideae
Género: Rubus
Subgénero: Eubatus
Espécies
Rubus fruticosus
Linnaeus, 1753
Amora-silvestre comum,
entre outras centenas de microespécies (o subgénero inclui ainda as amoras-pretas)

As amoras-silvestres (Rubus fruticosus L.) são os frutos poliaquénios (frutos agregados) de arbustos (amoreira-silvestre) do género Rubus, vulgarmente designados como silvas, da família das rosáceas. As plantas crescem até 3 metros. Os frutos são usados para a composição de sobremesas, compotas e, por vezes, vinho. São muitos os tipos do que é vulgarmente designado como amora – incluindo muitas cultivares híbridas, com mais de duas espécies ancestrais.

A cultivar marionberry nasceu do cruzamento entre a amora tipo olallieberry e o tipo chehalem, de modo a conjugar as qualidades organolépticas dos dois tipos de fruta. A olallieberry resulta do cruzamento de loganberry com youngberry, que, por sua vez, resulta do cruzamento de framboesa, amora-preta e amora-silvestre.

As silvas são compostas por longos caules curvos, com acúleos curtos, levemente encurvados. Quando os caules contactam com o solo desenvolvem, frequentemente, raízes laterais, dando origem a um novo pé de silva (reprodução assexuada), tornando-se uma espécie persistente, colonizando vastas áreas por longos períodos. Tolera facilmente solos pobres, sendo uma das primeiras plantas a colonizar baldios e terrenos de construção abandonados. As suas folhas são simples ou compostas, frequentemente trifoliadas. As flores brancas ou rosadas, florescem de maio a agosto (no hemisfério norte), dando, após a frutificação, as amoras de uma cor vermelha e, depois, negra.

Flor da amora-silvestre

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Amora-silvestre