Análise leiga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Uma análise leiga é uma psicanálise realizada por alguém que não é médico; essa pessoa foi designada analista leiga.

Em A Questão da Análise Leiga (1927), Sigmund Freud defendeu o direito daqueles treinados em psicanálise de praticar terapia independentemente de qualquer diploma de medicina.[1] Ele se esforçava incansavelmente para manter a independência do movimento psicanalítico do que via como monopólio médico pelo resto da vida.[2]

Freud e analistas não médicos[editar | editar código-fonte]

Desde o início, Freud acolheu leigos (não médicos) como praticantes da psicanálise:[3] Otto Rank e Theodor Reik eram dois analistas notáveis, assim como a filha de Freud, Anna. Na visão de Freud, a psicanálise era um campo profissional completo e poderia ter seus próprios padrões, independentemente da medicina. De fato, em 1913, ele escreveu: "A prática da psicanálise tem muito menos necessidade de treinamento médico do que de preparação educacional em psicologia e conhecimento humano gratuito. A maioria dos médicos não está equipada para o trabalho da psicanálise".[4]

Assim, Freud via a psicanálise como "uma profissão de curadores leigos de almas que não precisam ser médicos e não devem ser padres"; e esse novo uso de "leigo" (para incluir não médicos) é a origem do termo "análise leiga".[5] Figuras psicanalíticas importantes como Anna Freud, Erik H. Erikson, Ernst Kris e Harry Guntrip não eram médicos.[6] Dentre outros que contribuíram para a divulgação da prática da psicanálise ao público geral, destaca-se o clérigo protestante e colaborador freudiano Oskar Pfister, que escreveu uma obra de apresentação da análise psicológica em 1913, O Método Psicanalítico, e ampliou sua aplicação à pedagogia e teologia, ministrando cursos e conferências em diversos países.[7][8]

Quando, na década de 1920, Reik se envolveu em disputas legais por seu direito de praticar a psicanálise, Freud levantou-se ardentemente em sua defesa, escrevendo o Análise Leiga em apoio a sua posição; e acrescentando em particular que "em algum momento a luta pela análise leiga teria de ser travada. Antes tarde do que nunca. Enquanto eu viver, recusarei ter a psicanálise engolida por remédios".[9]

Oposição a Freud[editar | editar código-fonte]

No entanto, envolvido em uma luta pela respeitabilidade psicanalítica, a pluralidade de seguidores de Freud não estava de acordo com ele nessa questão, e a oposição foi especialmente controversa nos Estados Unidos.[10] A questão permaneceu acalorada até a Segunda Guerra Mundial[11] — uma cisão com a Associação Americana apenas sendo evitada na década de 1920, quando um compromisso permitiu que analistas leigos trabalhassem com crianças sozinhas em Nova Iorque.[12]

No entanto, em 1938, a American Psychoanalytic Association (APsaA) começou formalmente a limitação de membros da associação a médicos que primeiro haviam treinado como psiquiatras e, posteriormente, foram submetidos a uma análise de treinamento em um instituto psicanalítico (então europeu). A medida foi descrita como iniciando uma clivagem oficial com o restante do IPA, que não seria resolvida até 1987.[13]

Durante esse período, muitos nos Estados Unidos acreditavam, nas palavras de Janet Malcolm, que "a psicanálise americana é um grande corte acima da psicanálise em outras partes do mundo [...] a negligência das análises em inglês, europeu e sul-americano. Existem outras pessoas, naturalmente, que [...] [debatem] se muita coisa não foi perdida por essa estratégia — se muitas pessoas boas que não estão dispostas a passar por treinamento médico não estão sendo perdidas para análise".[14] A política foi um pouco atenuada pela disponibilidade da APsaA de conceder isenções ao longo de décadas a vários indivíduos: entre elas, por exemplo, Erik Erikson e David Rapaport.[15] Havia também a Associação Nacional de Psicologia para a Psicanálise, fundada por Reik em 1946, especificamente para treinar não médicos.[16]

Contudo, somente quando os processos foram movidos na década de 1980, alegando "restrição ao comércio"[17] a posição oficial americana finalmente foi alterada e a questão da análise leiga foi resolvida — como o próprio Freud sempre defendia.

Referências

  1. Roger Perron, "Lay Analysis"
  2. Ernest Jones, The Life and Work of Sigmund Freud (Penguin 1964) p. 580
  3. Jones, p. 581
  4. Peter Gay, Freud: A Life for Our Time (London 1989) p. 492
  5. Rycroft 1995, pp. 93–94
  6. Janet Malcolm, Psychoanalysis: The Impossible Profession (London 1988) p 51
  7. Morano, Carlos Dominguez. Psicanálise e religião: um diálogo interminável - Sigmund Freud e Oskar Pfister. [S.l.]: LOYOLA 
  8. Zulliger, Hans (1 de janeiro de 1995). «Oskar Pfister 1873-1956. Psychoanalysis and Faith.». In: Alexander, Franz; Eisenstein, Samuel; Grotjahn, Martin. Psychoanalytic Pioneers (em inglês). [S.l.]: Transaction Publishers 
  9. Freud, quoted in Gay, p. 490-1
  10. Gay, p. 494
  11. Jones, p. 585
  12. Gay, p. 500
  13. Robert S. Wallerstein, Lay Analysis (1998) p. 42
  14. Malcolm, p. 51
  15. Gifford 2008, p. 647
  16. Malcolm, p. 52
  17. E. S. Person et al, The American Psychiatric Publishing Textbook of Psychoanalysis (2005) p. 400-1

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]