Exame laboratorial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Análises clínicas)
Ir para: navegação, pesquisa

Análise Clínica ou Exame laboratorial é o conjunto de exames e testes realizados em laboratórios de análises clínicas por biológos, biomédicos, farmacêuticos ou médicos visando um diagnóstico ou confirmação de uma patologia ou para um check-up (exame de rotina).[1]

Análises clínicas em Portugal[editar | editar código-fonte]

Exames laboratoriais são realizados em Portugal, por técnicos de análises clínicas e de saúde pública e/ou técnicos de anatomia patológica (são ambos profissionais inseridos na área dos técnicos de diagnóstico e terapêutica (TDT)), e por outros profissionais como técnicos, químicos, bioquímicos ou microbiologistas, desde que especializados na área, que atuam sob a supervisão ou de um médico especializado em patologia clínica, biólogo, biomédico ou de um farmacêutico especializado em análises clínicas.[2]

As análises clínicas fazem parte da formação do farmacêutico, é ligada a exames de saúde como: exame de fezes, urina, sangue, etc.

Análises clínicas no Brasil[editar | editar código-fonte]

Análises clínicas são executadas por biólogos, farmacêuticos, biomédicos,bioquímicos e médicos patologistas clinicos.[3] Estes profissionais são supervisionados e tem seu trabalho validado pelo responsável técnico legal pelo laboratório clínico (RT no Brasil). A fiscalização do laboratório fica a cargo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária e dos técnicos de nível superior por seus respetivos conselhos profissionais.Nesta área, o analista clínico de qualquer dessas formações analisa os fluidos biológicos do organismo humano.[4]

Etapas do exame[editar | editar código-fonte]

Sequência de ações dentro de um laboratório onde são realizados exames laboratoriais inicia-se com a coleta do material a ser analisado e termina com a emissão de um laudo diagnóstico.

Na fase pré-analítica, o paciente é orientado, é realizado a coleta, a manipulação e conservação do material que posteriormente será analisado. É nesta fase onde ocorrem a maioria dos erros. Logo após, serão analisados os materiais e será feito um laudo pelo profissional habilitado. A fase analítica, com os avanços tecnológicos é realizada através de aparelhos automatizados que garantem um maior percentual de acertos. Nos laudos, os principais erros são unidades erradas, erro de digitação, não informação de interferentes no exame, etc.

Dentro deste contexto, existem diversos fatores que podem interagir com o resultado do exame, resultando em um falso-negativo ou falso-positivo: medicamentos utilizados pelo paciente, sua resposta metabólica, jejum, transporte do material, centrifugação, metrologia, reagentes, calibração e manutenção dos equipamentos, entre outros.

Tipos de exames[editar | editar código-fonte]

Bioquímica do sangue substâncias não eletrolíticas[editar | editar código-fonte]

Bioquímica do sangue - substâncias eletrolíticas[editar | editar código-fonte]

  • Constantes biológicas do sangue
  • Diagnósticos dos desequilíbrios hidreletrolíticos
  • Diagnóstico dos desequilíbrios ácido básicos

Bioquímica do sangue - enzimas[editar | editar código-fonte]

Fosfatase alcalina e ácida, amilase, lipase, aldolase, lactato-desidrogenase, transaminases, creatinofosfoquinase, gamaglutamitranspeptidase, isoenzimas de lactato-desidrogenase, isoenzimas de creatinofosfoquinase.

Hemograma - série vermelha[editar | editar código-fonte]

  • Hemácias, hemoglobina, hematócrito, valores hematimétricos, ferro sérico, transferrina e ferritina.

Hemograma - série branca[editar | editar código-fonte]

  • Leucócitos, leucograma.

granulocitos: neutrófilos, eosinófilos e basófilos. agranulocitos: linfócitos e monócitos

Exame de urina[editar | editar código-fonte]

  • Elementos normais, microscopia de sedimento, estudo bacteriológico, outros

Exame de fezes[editar | editar código-fonte]

  • Exame macroscópico, exame microscópico, parasitas e protozoários e coprocultura.

Outros[editar | editar código-fonte]

  • Líquido cefalorraquidiano
  • Escarro
  • Líquido pleural
  • Espermograma

Principais áreas no laboratório hospitalar[editar | editar código-fonte]

Dentro de um laboratório hospitalar de análises clínicas existem 5:

Atualmente, com o objetivo de obter respostas mais rápidas, a fim de otimizar o tempo do profissional, muitos exames estão sendo realizados por aparelhos automatizados. Este fato permite uma análise em maior escala e propicia aos clínicos uma resposta mais breve do estado fisiológico do paciente, possibilitando uma intervenção mais ágil, aumentando assim a possibilidade de salvar mais vidas humanas. Setores como a microbiologia e outros onde existem alguns exames de maior especificidade, continuam a executar sua atividades manualmente, seja por possuir uma menor rotina, ou por ainda não estarem com métodos automatizados padronizados.

Os fluidos mais comuns para exame são: sangue, urina, fezes e expectoração. No entanto em ambiente hospitalar poderá ser encontrado ainda: liquido sinovial, pleural, céfalo-raquidiano, pus, entre outros.

Entre os exames solicitados com maior frequência temos: hemograma completo, bioquímica do sangue (dosagem de glicose, ureia, creatinina, colesterol total e fracções, triglicerídeos, ácido úrico, etc), hemostasia (coagulograma), imunologia (teste imunológico de gravidez, teste luético, antiestreptolisina o, proteína c reativa, etc), exame parasitológico de fezes, sumário de urina, culturas bacteriológicas, antibiograma, etc.

Notas e referências

  1. C. Jarreau, Patsy (1995). Clinical Laboratory Science Review: A Bottom Line Approach. [S.l.: s.n.] 
  2. «Licenciatura em Análises Clínicas e Saúde Pública | Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa». www.estesl.ipl.pt. Consultado em 21 de março de 2017 
  3. «Decisão do TRF». Isaude.net 
  4. «Analises-clinicas | Conselho Federal de Biologia - CFBio». www.cfbio.gov.br (em inglês). Consultado em 21 de março de 2017 

[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  1. «DECRETO Nº 85877». www.cfq.org.br. Consultado em 25 de setembro de 2016