Aníbal Benício de Toledo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Aníbal Benício de Toledo
Deputado federal por Mato Grosso nas 29.ª, 30.ª , 31.ª, 32.ª, 33.ª e 34.ª Legislaturas
Período
1912 - 1929
Governador do Mato Grosso
Período 1930
Dados pessoais
Nascimento 21 de junho de 1881 (138 anos)
Miranda
Morte 13 de julho de 1962
Brasília
Nacionalidade brasileira
Alma mater Faculdade Livre de Direito
Cônjuge Ester Chammas de Carlos
Partido Partido Republicano Conservador
Profissão advogado

Aníbal Benício de Toledo (Miranda, 21 de junho de 1881-Rio de Janeiro, 13 de julho de 1962) foi um advogado e político brasileiro.

História[editar | editar código-fonte]

Nascido na então província de Mato Grosso mudou-se para o Rio de Janeiro, graduando-se bacharel em direito pela Faculdade Livre de Direito em 1906. Ao retornar ao Mato Grosso, alinhou-se aos políticos conservadores, tendo exercido diversos cargos entre magistrado e chefe de polícia, este último no governo de Pedro Celestino Corrêa da Costa. Após ingressar no Partido Republicano Conservador, elegeu-se deputado federal em 1912. Pelas próximas 6 legislaturas (1912-1929), representou o estado de Mato Grosso. Durante sua passagem pelo legislativo, tornou-se assessor e protegido do senador Antônio Francisco Azeredo.[1]

Ficou famoso ao denunciar um suposto dossiê comunista em 1927. Apesar de andar pelos corredores da Câmara Federal com o tal dossiê embaixo do braço, nunca o apresentou oficialmente aos seus pares ou para a imprensa, optando por divulgar pequenos trechos-o que colocou em dúvida a veracidade do suposto dossiê. Por conta do suposto dossiê, foi um dos principais incentivadores da Lei Celerada e de mudanças na constituição para controlar o nascente movimento sindical e a imprensa.[2]

Através de candidatura única (apoiada pelo senador Azeredo), elegeu-se governador de Mato Grosso em 1930. Porém por ser membro do grupo apoiador dos governos da República Velha (em especial de Washington Luís) e da chapa Julio Prestes/Vital Soares, acabou deposto pela Revolução de 1930 com pouco mais de 10 meses de mandato e substituído pelo interventor Major Sebastião Rabello Leite em 30 de outubro de 1930.[3]

Referências

  1. Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. «TOLEDO, Aníbal de» (PDF). Fundação Getúlio Vargas. Consultado em 21 de maio de 2019 
  2. Domingos Meirelles (2005). 1930. Os Órfãos da Revolução. [S.l.]: Record. p. 86. ISBN 9788501070685 
  3. «Governo do estado». O Mato Grosso, ano LII, edição 2182, página 2/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 2 de novembro de 1930. Consultado em 2 de outubro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Mário Corrêa da Costa
Governador de Mato Grosso
1930
Sucedido por
Sebastião Rabelo Leite