Saltar para o conteúdo

Ana Amália da Prússia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ana Amália da Prússia
Ana Amália da Prússia
Retrato da princesa por Antoine Pesne.
Princesa-Abadessa de Quedlimburgo
Reinado 17561787
Antecessor(a) Maria Isabel de Schleswig-Holstein-Gottorp
Sucessor(a) Sofia Albertina da Suécia
 
Nascimento 9 de novembro de 1723
  Berlim, Prússia
Morte 30 de março de 1787 (63 anos)
Casa Casa de Hohenzollern
Pai Frederico Guilherme I da Prússia
Mãe Sofia Doroteia de Hanôver
Religião Luteranismo

Ana Amália da Prússia (em alemão: Anna Amalie; Berlim, 9 de novembro de 172330 de março de 1787) foi uma compositora alemã, abadessa da Abadia de Quedlimburgo e uma princesa da Prússia, filha do rei Frederico Guilherme I da Prússia e da rainha consorte Sofia Doroteia de Hanôver.

Ana na sua juventude

Ana Amália foi a décima segunda descendente do rei Frederico Guilherme I da Prússia(1688-1740). Sua mãe era filha do rei Jorge I da Grã-Bretanha. Seus irmãos incluíam o famoso rei prussiano Frederico II, o Grande (1712-1786) e a rainha da Suécia, Luísa Ulrica.

Ana Amália teve uma infância infeliz. Sabe-se que Frederico Guilherme demonstrou grande crueldade com seus filhos e filhas, chegando a arrastar a pequena Ana Amália pelos cabelos. Aos sete anos, a menina fez uma tentativa frustrada de fugir de casa, aparentemente após uma das humilhações do pai.

Em 1744, Ana Amália foi eleita co-adjunta da então abadessa de Quedlimburgo, Maria Isabel de Eslésvico-Holsácia-Gottorp, uma posição que lhe permitiu continuar a viver na sua casa em Berlim. Quando ela morreu em 1755, ela assumiu o comando desta rica abadia protestante, que havia sido duramente atingida após a Guerra dos Sete Anos.​​[1][2]

Atividade Musical

[editar | editar código-fonte]

Ana Amália tinha uma grande paixão pela música. Este foi o seu consolo e uma das suas únicas fontes de felicidade. No entanto, Frederico Guilherme não suportou, então proibiu seus filhos e filhas de tocar instrumentos ou ter qualquer coisa a ver com essa arte. Por isso, até a morte do pai, a jovem só conseguiu aprender graças à ajuda clandestina da rainha Sofia Doroteia, que permitiu que Ana Amália e seu irmão, Federico, tivessem acesso a aulas de flauta. Em 1740, após a morte do rei, Ana Amália também começou a aprender cravo, flauta e violino.​[3]

Frederico II, o Grande, tinha uma atitude completamente oposta à música, investindo generosas somas de dinheiro nela. Anna Amalia pôde finalmente assistir a apresentações de ópera italiana e estudou com o organista Gottlieb Hayne. Em 1758 ele começou seus estudos sérios em composição, recebendo aulas de teoria musical e harmonia do novo Kapellmeister, Johann Kirnberger.

A coleção de peças de autores como J.S.Bach,[4] Palestrina, Handel, Telemann ou C.P.E.Bach que Ana Amália prezou constitui um legado de grande valor e permitiu preservar um bom número de obras de património musical antigo para a posteridade. Hoje, o que resta dessa coleção está alojado na Biblioteca Estatal de Berlim.​[3]

Entre as obras que ela mesma compôs está a Sonata para flauta e baixo contínuo em F M (1771), que mostra um estilo galante muito distante do contraponto mais tradicional de seus coros e corais.​[3]

Relação com Frederick von der Trenck

[editar | editar código-fonte]

No casamento de sua irmã, em julho de 1744, Amalie teria conhecido o Barão Friedrich von der Trenck, que daí resultou uma relação íntima não é historiograficamente verificável. A base para esta história é, acima de tudo, as memórias às vezes extremamente arrogantes de Trenck. No entanto, uma carta recém-descoberta de Trenck de 1787 parece indicar pelo menos uma grande intimidade entre ele e a princesa.  Até a década de 1920, havia um boato de que Amalia Schönhausen era filha dos dois. Isso agora é considerado refutado. Trenck foi preso em 1745 e levado sem acusação para a fortaleza de Glatz, no Condado de Glatz, presumivelmente porque Frederico II suspeitava de contatos de espionagem com seu parente, o coronel Panduren Franz Freiherr von der Trenck, que estava a serviço da Áustria. Amália nunca se casou, e nos anos seguintes – como foi amplamente divulgado pelos cronistas da corte – seu comportamento tornou-se cada vez mais desequilibrado, opinativo e rancorosamente sarcástico.[5]

Referências

  1. Biographie, Deutsche. «Anna Amalia - Deutsche Biographie». www.deutsche-biographie.de (em alemão). Consultado em 1 de dezembro de 2023 
  2. Biographie, Deutsche. «Anna Amalia - Deutsche Biographie». www.deutsche-biographie.de (em alemão). Consultado em 1 de dezembro de 2023 
  3. a b c Pendle, Karin (2001). Women & Music: A History. [S.l.]: Indiana University Press. ISBN 978-0253214225 
  4. «Oito mulheres na vida de Johann Sebastian Bach – DW – 28/04/2016». dw.com. Consultado em 1 de dezembro de 2023 
  5. Frey, Christopher (2008). Friedrich von der Trencks Beziehung zu Prinzessin Amalie von Preußen sowie ein bisher unbekannter Brief Trencks. 116 1-2 ed. [S.l.]: Mitteilungen des Instituts für Österreichische Geschichtsforschung. pp. 146–158 


Precedido por
Maria Isabel de Eslésvico-Holsácia-Gottorp
Princesa-Abadessa de Quedlimburgo
17561787
Sucedido por
Sofia Albertina da Suécia
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Ana Amália da Prússia
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.