Ana Maria Gonçalves

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ana Maria Gonçalves
Ana Maria Gonçalves na abertura do Festival Latinidades 2014: Griôs da Diáspora Negra (Valter Campanato/Agência Brasil)
Nascimento 13 de fevereiro de 1970 (51 anos)
Ibiá, Brasil
Prémios Prémio Casa de las Américas (2007)
Magnum opus Um defeito de cor

Ana Maria Gonçalves (Ibiá, 1970) é uma escritora brasileira[1].

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ana Maria Gonçalves nasceu em Ibiá, no estado de Minas Gerais, em 1970. Começou a escrever contos e poemas desde a adolescência, sem chegar a publicar[2]. A paixão pela leitura nasceu durante a infância, e desde criança lia jornais, revistas e livros[3].

Trabalhou como publicitária em São Paulo, mas abandonou a profissão em 2002 para morar em Itaparica e escrever seu primeiro livro, Ao lado e à margem do que sentes por mim. O romance foi lançado de forma independente em 2002, e vendeu praticamente toda a edição de mil exemplares através da divulgação pela internet[2].

A autora trabalhou durante 5 anos para escrever seu segundo romance, Um defeito de cor, dos quais a autora utilizou dois anos para uma pesquisa rigorosa, um ano para escrita e mais dois anos para reescrita[3], sendo lançado em 2006, pela editora Record. A obra conquistou o Prêmio Casa de las Américas na categoria literatura brasileira, em 2007, sendo considerado por Millôr Fernandes o livro mais importante da literatura brasileira do século XXI[3]. A obra, inspirada na vida de Luísa Mahin, celebrada heroína da Revolta dos Malês, conta a trajetória de uma menina nascida no Reino do Daomé e capturada como escrava aos 8 anos de idade, até a sua volta à terra natal como mulher livre[4]. Em 2017, o livro já havia vendido cerca de 16 mil exemplares[3].

Em 2015, foi anunciado a adaptação do livro Um defeito de cor para uma série televisiva[5], com previsão para lançamento no ano de 2021[6].

Em dezembro de 2016, Ana Maria Gonçalves se tornou colunista de assuntos raciais, culturais e políticos do jornal The Intercept Brasil[7].

Obras[editar | editar código-fonte]

  • 2002 - Ao lado e à margem do que sentes por mim
  • 2006 - Um defeito de cor

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • 2016 - Tchau, Querida![8]
  • 2017 - Chão de Pequenos (Companhia Negra de Teatro)

Referências

  1. Ana Maria Gonçalves - BUALA - cultura contemporânea africana
  2. a b Duarte, Constância (2010). Dicionário biobibliográfico de escritores mineiros. Belo Horizonte: Autêntica. p. 55. 376 páginas. ISBN 9788575263839 
  3. a b c d Santana, Bianca (9 de novembro de 2017). «Ana Maria Gonçalves: 'Nossas vozes e nossas ideias são pó de ouro'». Cult (229). ISSN 1414-7076. Consultado em 13 de julho de 2020 
  4. «Ana Maria Gonçalves». Literafro. Consultado em 13 de julho de 2020. Cópia arquivada em 20 de abril de 2020 
  5. «Autora de 'Um Defeito de Cor' diz como livro mexeu com sua identidade». GShow | Aprovado. 17 de abril de 2015. Consultado em 13 de julho de 2020 
  6. Padiglione, Cristina (19 de agosto de 2019). «'Um Defeito de Cor', épico escravagista, vira supersérie na Globo em 2021». TelePadi. Consultado em 13 de julho de 2020. Cópia arquivada em 13 de setembro de 2019 
  7. Greenwald, Glenn (2 de dezembro de 2016). «The Intercept Brasil apresenta Ana Maria Gonçalves, nova colunista de assuntos raciais, culturais e políticos». The Intercept Brasil. Consultado em 13 de julho de 2020 
  8. Homenagens dão tom à 11ª Balada Literária Arquivado em 23 de novembro de 2016, no Wayback Machine.. Destak, 22 de Novembro de 2016

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.