Andorinhão-velho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O andorinhão-velho, também conhecido como andorinhão-velho-da-cascata e taperuçu-velho (nome científico: Cypseloides senex) é uma espécie de ave apodiforme da família Apodidae que pode ser encontrada na Argentina, na Bolívia, no Brasil e no Paraguai.[1][2] Vivem e se reproduzem próximos a cachoeiras e ocorre em bandos durante os meses chuvosos.


Como ler uma infocaixa de taxonomiaAndorinhão-velho
CypseloidesSenexAtIguassuFalls.jpg
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Apodiformes
Família: Apodidae
Género: Cypseloides
Espécie: C. senex
Nome binomial
Cypseloides senex
Temminck, 1826

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome científico Cypseloides senex originou-se do latim com a junção das palavras kupselos (andorinha), oidës (semelhante, aquele que parece com;) e senex (velho, com cabelos brancos, ranzinza), ou seja, semelhante a uma andorinha velha.[2]

Descrição[editar | editar código-fonte]

O andorinhão-velho-da-cascata possui coloração geral marrom-acinzentada e penas orladas de branco na cabeça até próximo ao manto, sem dimorfismo sexual evidente. São aves de pequeno porte com comprimento total em torno de 18 centímetros e peso entre 56 a 110 gramas.[1]

Distribuição e habitat[editar | editar código-fonte]

Os países que o andorinhão-velho ocorre são: Argentina, Bolívia, Brasil e Paraguai. No Brasil essa espécie ocorre no Pará, Mato Grosso, Bahia, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Santa Catarina, Pernambuco, Goiás e no Paraná. É vista com facilidade próxima às Cataratas do Iguaçu, na cidade de Foz do Iguaçu.[1][2] O Cypseloides senex encontra-se na lista vermelha da Bahia, ou seja, é uma espécie da flora ameaçada de extinção do estado da Bahia.[3]

Seu habitat preferido são paredões úmidos próximo de quedas d'água. As cachoeiras escolhidas para o descanso ou reprodução dessa espécie estão associadas a cerrados, campos rupestres, florestas amazônicas e matas atlânticas. O andorinhão-velho é tido como possivelmente migratório, porém, existem poucos registros sobre o assunto. A ave realiza deslocamentos diários em busca de alimentos.[1]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

Cypseloides senex reproduz sempre próximo a cachoeiras e faz seus ninhos em formato circular utilizando matéria vegetal e lama e o fazem protegidos da água atrás ou lateralmente à cascata. A espécie é fiel ao local de reprodução fazendo seus ninhos sempre no mesmo lugar. Seu período reprodutivo é entre outubro e novembro e se reproduzem em grandes colônias.[1]

Conservação[editar | editar código-fonte]

A ave não é tida como globalmente ameaçada e ocorre também em áreas preservadas e em grande número. Localmente ou regionalmente alguns julgam a espécie como ameaçada, como os estados brasileiros de São Paulo e Bahia que incluem o Cypseloides senex em sua lista de espécies em perigo de extinção.[1][3][4]

Referências

  1. a b c d e f STOPIGLIA, Renata; RAPOSO, Marcos A.. Distribuição e biologia do andorinhão-preto-de-cascata Cypseloides fumigatus e do andorinhão-velho-da-cascata C. senex no Brasil: uma síntese. Cotinga, v. 27, p.49-57, 2007.
  2. a b c «taperuçu-velho (Cypseloides senex) | WikiAves - A Enciclopédia das Aves do Brasil». www.wikiaves.com.br. Consultado em 23 de junho de 2018. 
  3. a b «Lista vermelha da Bahia - Avaliação do Estado de Conservação da Fauna e Flora do Estado da Bahia». www.listavermelhabahia.org.br (em inglês). Consultado em 23 de junho de 2018. 
  4. «Tabela da Fauna Ameaçada de Extinção do Estado de São Paulo». www.mpsp.mp.br. Consultado em 23 de junho de 2018. 
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Andorinhão-velho