André Costa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Edit-delete-not encyclopedic3.svg
Este artigo ou partes de seu texto pode(m) não ser de natureza enciclopédica. (desde setembro de 2015)
Justifique o uso dessa marcação e tente resolver essas questões na página de discussão.


Ambox important.svg
Este artigo ou seção parece estar escrito em formato publicitário ou apologético.
Por favor ajude a reescrever este artigo para que possa atingir um ponto de vista neutro, evitando assim conflitos de interesse.
Para casos explícitos de propaganda, em que o título ou todo o conteúdo do artigo seja considerado como um anúncio, considere usar {{ER|6|2=~~~~}}, regra n° 6 da eliminação rápida.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde setembro de 2015).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão. (desde julho de 2011)
André Costa
Partido PSDB
Profissão Diplomata

Andr Costa (, 22 de maio ), mais conhecido como André Costa é diplomata, bacharel em Direito, mestre em Relações Internacionais, professor e político.

Como diplomata, foi Cônsul do Brasil em Caiena, Guiana francesa, Barcelona e Copenhague, onde participou ativamente das negociações da conferência do clima COP15 e da candidatura do Rio de Janeiro para as olimpíadas de 2016. Também serviu na Embaixadas do Brasil em Kiev (Ucrânia) e em Bogotá, e assumiu a Encarregatura de Negócios da Embaixada do Brasil em El Salvador e em Harare, Zimbábue. Ao assumir seu mandato, em 2004, foi eleito Vice-presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara, onde lutou pela viabilização do acordo espacial entre Brasil e Ucrânia (de grande aporte em ciência e tecnologia para o nosso país); pela defesa de nossa soberania; e pelos direitos dos cidadãos brasileiros residentes no exterior. Membro atuante da CPMI da Emigração Ilegal, apresentou relatório sobre o tráfico internacional de mulheres e adolescentes brasileiras para fins de exploração sexual, além de medidas para sua prevenção.

André Costa concluiu seus estudos no Instituto Rio Branco em 1995. No mesmo ano, tornou-se Sub-Chefe da Divisão da África no Ministério das Relações Exteriores, em Brasília. Em 1997, foi transferido para o Rio de Janeiro, tornando-se Chefe de Gabinete do Escritório de Representação do MRE, ali permanecendo até 1999. Na ocasião, passou a ocupar o cargo de Vice-Cônsul do Brasil em Barcelona. Em 2005, foi eleito por seus colegas do Itamaraty vice-presidente da Associação dos Diplomatas do Brasil.

Candidato à deputado federal nas eleições de 2010, teve sua carreira política iniciada no movimento estudantil da Universidade Federal Fluminense, onde cursava Direito. Contudo, foi apenas em 1995, após concluir o curso de Relações Internacionais no Instituto Rio Branco, que André Costa ingressou na política partidária, se filiando ao Partido dos trabalhadores. Nessa ocasião foi candidato a deputado federal nas eleições de 1998 (culminando como quarto suplente do PT) e de 2002 (ocupando o posto de primeiro suplente do PT). Após as eleições de 2004, quando o deputado Lindberg Farias tornou-se prefeito de Nova Iguaçu, André Costa foi efetivado na Câmara Federal.

Questionando os rumos do PT, seu partido original, decidiu se desligar da legenda em julho de 2005, filiando-se ao PDT, partido que à época fazia oposição a Lula. A decisão aconteceu em meio a um processo de ruptura política que levou outros líderes políticos, como Cristovam Buarque a deixarem o partido mais tarde.

André Costa foi o autor da PEC 540/2006, que institui o "Voto de Desconfiança" no Brasil. Originado no sistema parlamentarista, este instrumento é uma forma de a população garantir maior controle sobre os mandatos de seus governantes. Através dele, é possível destituir prefeitos, governadores e presidentes através de um referendo popular, em casos de inoperância, omissão, corrupção ou traição ao seu programa de governo.

Como deputado apresentou, entre outros, o Projeto de Lei 6957/2006 isentando do pagamento de contribuição previdenciária os aposentados e pensionistas portadores de AIDS, doenças profissionais, doença de Parkinson, doença de Paget, fibrose cística, alienação mental, esclerose múltipla, cegueira, hanseníase.

Carreira diplomática[editar | editar código-fonte]

Concluiu seus estudos no Instituto Rio Branco em 1995. No mesmo ano, tornou-se Sub-Chefe da Divisão da África no Ministério das Relações Exteriores, em Brasília. Em 1997, foi transferido para o Rio de Janeiro, tornando-se Chefe de Gabinete do Escritório de Representação do MRE, ali permanecendo até 1999. Na ocasião, passou a ocupar o cargo de Vice-Cônsul do Brasil em Barcelona, Espanha. Em 2003, tornou-se Cônsul do Brasil em Caiena, na Guiana Francesa. Em 2004, foi enviado para a Ucrânia para atuar como Diplomata da Embaixada do Brasil em Kiev. Retornou ao Brasil no fim daquele ano para assumir mandato de deputado federal. Desde 2005, contudo, André Costa é vice-presidente da Associação dos Diplomatas do Brasil.

Militância política[editar | editar código-fonte]

Foi na Universidade Federal Fluminense, onde cursava Direito, que André Costa iniciou-se na política, através do movimento estudantil. Contudo, foi apenas em 1995, após concluir o curso de Relações Internacionais no Instituto Rio Branco, que iniciou-se na política partidária, filiando-se ao Partido dos Trabalhadores. Foi candidato a deputado federal nas eleições de 1998 (culminando como quarto suplente do PT) e de 2002 (ocupando o posto de primeiro suplente do PT). Após as eleições de 2004, quando o deputado Lindbergh Farias tornou-se prefeito de Nova Iguaçu, foi efetivado no Congresso Nacional do Brasil.

Questionando os rumos do seu partido desde que assumiu o mandato, decidiu se desligar da legenda em julho de 2005, migrando para o PDT um mês após esta decisão. A decisão aconteceu em meio a um processo de ruptura política que levou outros líderes políticos do PT a deixarem o partido mais tarde. Os principais questionamentos dessas lideranças eram a política econômica dirigida pelo governo petista liderado por Luís Inácio Lula da Silva e o envolvimento do partido no escândalo do mensalão.

Voto de desconfiança[editar | editar código-fonte]

É autor da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 540/2006, que institui o "Voto de Desconfiança" no Brasil. Originado no sistema parlamentarista, este instrumento é uma forma de a população garantir maior controle sobre os mandatos de seus governantes. Através dele, é possível destituir prefeitos, governadores e presidentes através de um referendo popular, em casos de inoperância, omissão, corrupção ou traição ao seu programa de governo.

Metrô linha 3[editar | editar código-fonte]

Uma das grandes lutas de André Costa é para a construção da linha 3 do metrô, ligando Itaboraí ao centro do Rio de Janeiro. Estudos mostram que o funcionamento deste meio de transporte beneficiará mais de três milhões de pessoas que hoje sofrem com engarrafamentos e serviços de má qualidade.

A linha 3 já está aprovada e licitada, falta apenas vontade política para realizar essa obra, que além de extremamente útil para a população, é viável e lucrativa para os investidores.

Instituto Nacional dos Museus[editar | editar código-fonte]

Projeto de lei de sua autoria, aprovado recentemente, institui o ano de 2006 como o Ano Nacional dos Museus e cria, em paralelo, o Instituto Nacional dos Museus, que funcionará a partir de janeiro de 2007 com a função de fiscalizar, regulamentar e incentivar a preservação do patrimônio cultural destas instituições.

Outros projetos destacados[editar | editar código-fonte]

Alguns outros projetos de sua autoria:

  • Projeto de Lei 6957/2006 - Isenta do pagamento de contribuição previdenciária os aposentados e pensionistas portadores de AIDS, doenças profissionais, doença de Parkinson, doença de Paget, fibrose cística, alienação mental, esclerose múltipla, cegueira, hanseníase.
  • Proposta de Emenda à Constituição 475/2005 - Permite que Estados, Distrito Federal e Municípios possam promover atos e celebrar acordos ou convênios com entes subnacionais estrangeiros.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • O Fracasso da Globalização – da Construção dos Brasis às Ruas de Praga (2002).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]