André Maginot

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
André Maginot
Nascimento 17 de fevereiro de 1877
9.º arrondissement de Paris
Morte 7 de janeiro de 1932 (54 anos)
Paris
Cidadania França
Ocupação político, militar
Prêmios Cavaleiro da Legião de Honra, Croix de guerre 1914–1918, Medalha Militar, Medalha dos feridos de guerra
Causa da morte febre tifoide

André Maginot (Paris, 17 de Fevereiro de 1877 — Paris, 7 de Janeiro de 1932) foi um soldado e membro do parlamento francês, mais conhecido por ter idealizado a Linha Maginot.[1]

Primeiros anos, para a Primeira Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Maginot nasceu em Paris, mas passou parte de sua juventude na Alsácia-Lorena, região onde a Linha Maginot seria construída posteriormente. Depois de fazer o concurso para o serviço público em 1897, Maginot começou uma carreira na burocracia francesa que duraria o resto de sua vida. Trabalhou como assistente do Governador-Geral na Argélia até 1910, quando se demitiu e iniciou sua carreira política. Ele foi eleito para a Câmara dos Deputados naquele ano e atuou como Subsecretário de Estado da Guerra antes do início da Primeira Guerra Mundial em 1914.

Quando a guerra começou, Maginot alistou-se no exército e foi colocado ao longo da frente de Lorraine. Em novembro de 1914, Maginot (agora promovido a sargento por sua "frieza e coragem") foi ferido na perna perto de Verdun (ele mancaria pelo resto da vida). Por extrema coragem, ele foi premiado com a militaire Médaille. Ele também era esgrimista.[2]

Desenvolvimento da Linha Maginot[editar | editar código-fonte]

Após a Primeira Guerra Mundial, Maginot voltou à Câmara dos Deputados e ocupou vários cargos no governo, incluindo Ministro da França Ultramarina (20 de março de 1917 - 12 de setembro de 1917, 11 de novembro de 1928 - 3 de novembro de 1929), Ministro das Pensões a partir de 1920 e Ministro da Guerra (1922–1924, 1929–1930, 1931–1932). Ele acreditava que o Tratado de Versalhes não fornecia à França segurança suficiente. Ele pressionou por mais fundos para a defesa e ficou mais desconfiado da Alemanha durante um período em que poucos na França queriam pensar na possibilidade de outra guerra.

Maginot passou a defender a construção de uma série de fortificações defensivas ao longo da fronteira da França com a Alemanha, que incluiria uma combinação de posições de campo e fortes de concreto permanentes. Ele foi influenciado nesta decisão por suas observações de fortificações bem-sucedidas empregadas em Verdun na Primeira Guerra Mundial. Ele também foi provavelmente influenciado pela destruição de sua casa em Revigny-sur-Ornain, o que o tornou determinado a evitar que Lorraine fosse invadida novamente..

Em 1926, Maginot conseguiu fazer com que o governo alocasse dinheiro para construir várias seções experimentais da linha defensiva. Durante um debate sobre o orçamento em 1926, André Maginot fez lobby pesado pelo dinheiro necessário para construir a enorme linha de fortificações. Ele finalmente conseguiu persuadir o Parlamento a alocar 3,3 bilhões de francos para o projeto (a câmara alta votou 274 a 26 a favor do projeto alguns dias depois).

O trabalho no projeto progrediu rapidamente. Maginot visitou um local de trabalho em outubro de 1930 e expressou satisfação com o trabalho. Ficou especialmente satisfeito com a obra em Lorraine, local da residência e onde passou a infância, e lutou por mais recursos para construção naquela área. Embora Maginot tenha sido o principal proponente do projeto, a maioria dos projetos reais para a linha Maginot foram obra de Paul Painlevé, o sucessor de Maginot como Ministro da Guerra.

Morte[editar | editar código-fonte]

André Maginot nunca viu a linha concluída; ele adoeceu em dezembro de 1931 e morreu em Paris em 7 de janeiro de 1932 de febre tifóide. Muitas pessoas o prantearam em toda a França e foi somente após sua morte que a linha de defesa que ele defendeu passou a levar seu nome. No entanto, no final, a linha foi ineficaz para o propósito pretendido. Na Segunda Guerra Mundial, a Alemanha foi capaz de contornar a linha passando seus Panzers por colinas e pântanos que eram impenetráveis ​​aos tanques quando Maginot fez suas recomendações. Um monumento em memória de André Maginot foi dedicado perto de Verdun em setembro de 1966.[3]

Citação[editar | editar código-fonte]

Nem poderíamos sonhar em construir uma espécie de Grande Muralha da França, o que, de qualquer modo, seria muito caro. Em vez disso, previmos meios poderosos, mas flexíveis, de organizar a defesa, com base no princípio duplo de aproveitar ao máximo o terreno e estabelecer uma linha de fogo contínua em todos os lugares.

–10 de dezembro de 1929

Referências

  1. «"Maginot Line - World War II"». www.history.com . Página acessada em 1 de outubro de 2016.
  2. "France: Death & Crisis". Time. 18 January 1932.
  3. «Wayback Machine». web.archive.org. 11 de julho de 2011. Consultado em 16 de fevereiro de 2021 
Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre André Maginot