André Matsangaíssa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Edit-delete-not encyclopedic3.svg
Este artigo ou partes de seu texto pode(m) não ser de natureza enciclopédica.
Justifique o uso dessa marcação e tente resolver essas questões na página de discussão.
Favor adicionar a data dessa marcação, o que pode ser feito automaticamente substituindo essa predefinição por {{subst:não-enc}}.
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste(a) artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.

André Matade Matsangaissa (18 de Março de 195017 de outubro de 1979) foi o primeiro comandante em chefe da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), movimento armado onde ele foi um dos fundadores, em 1975 na antiga Rodésia.

André Matsangaissa, um dissidente da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), foi morto pelas forças governamentais em Gorongosa no ano de 1979, num ataque da RENAMO a uma posição das forcas governamentais.[1]

Após a morte de André Matsangaíssa, ocorrida no auge da guerra civil moçambicana, Afonso Dhlakama, no seguimento de uma violenta luta pelo poder dentro da organização, assumiu a liderança da RENAMO, continuando o conflito com as forças governamentais até 1992, quando, a 04 de Outubro, após prolongadas negociações mediadas primeiramente pelo Conselho Cristão de Moçambique (CCM), e posteriormente pela Comunidade de Santo Egídio (com o apoio do governo italiano) um acordo de paz assinado em Roma fez cessar as hostilidades e abriu caminho às primeiras eleições livres e multipartidárias em Moçambique, realizadas em 1994.

Referências

  1. «Mozambique: Chronology of War and Peace in Mozambique». www.c-r.org. Consultado em 9 de outubro de 2008 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.