Andrei Biéli

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Andrei Biéli
Retrato de Andrei Biely, por Léon Bakst
Nascimento Борис Николаевич Бугаев
26 de outubro de 1880
Moscou
Morte 8 de janeiro de 1934 (53 anos)
Moscou
Sepultamento Cemitério Novodevichy
Nacionalidade russo
Cidadania Império Russo, União Soviética, República Socialista Federativa Soviética da Rússia
Progenitores
Cônjuge Assja Turgenieff, Desconhecido
Alma mater
  • Faculty of Physics and Mathematics of Moscow Imperial University
Ocupação Romancista, poeta, teórico e crítico literário
Obras destacadas Petersburg, The Silver Dove, Kotik Letaev
Religião Igreja Ortodoxa
Causa da morte hemorragia intracerebral
Assinatura
Andrei Bely Signature.svg

Andrei Biéli (em alfabeto cirílico Андрей Белый) era o pseudônimo de Boris Nikolaevich Bugaev (26 de Outubro de 1880 - 8 de Janeiro de 1934) foi um romancista, poeta, teórico, comunista e crítico literário russo.[1] Seu romance Petersburg foi considerado por Vladimir Nabokovcomo a terceira maior obra-prima do século XX.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Boris Bugaev nasceu em Moscou , em uma família intelectual proeminente. Seu pai, Nikolai Bugaev, foi um importante matemático que é considerado o fundador da escola de matemática de Moscou. Sua mãe não era apenas muito inteligente, mas também uma famosa beldade da sociedade, e foco de considerável fofoca. O jovem Boris era um polímata cujos interesses incluíam matemática, biologia, química, música, filosofia e literatura. Bugaev frequentou a universidade na Universidade de Moscou.[3] Ele iria participar tanto do movimento simbolista quanto da escola russa de neokantismo. Bugaev tornou-se amigo de Alexander Bloke a esposa dele; ele se apaixonou por ela, o que causou tensões entre os dois poetas.

Nikolai Bugaev era bem conhecido por seus influentes ensaios filosóficos, nos quais condenava a geometria e a probabilidade e alardeava as virtudes da análise rigorosa. Apesar - ou por causa - dos gostos matemáticos de seu pai, Boris Bugaev era fascinado pela probabilidade e particularmente pela entropia, uma noção à qual ele se refere com frequência em obras como Kotik Letaev.[4]

Quando jovem, Biéli foi fortemente influenciado por seu relacionamento com a família do filósofo Vladimir Solovyov, especialmente com o irmão mais novo de Vladimir, Mikhail, descrito em seu longo poema autobiográfico The First Encounter (1921); o título é um reflexo dos Três Encontros de Vladimir Solovyov. Foi Mikhail Solovyov quem deu a Bugaev seu pseudônimo Andrei Biéli.

O romance simbolista de Biéli, Petersburg (1913; 1922), é geralmente considerado sua obra-prima. O livro emprega um método de prosa impressionante em que os sons frequentemente evocam cores. O romance se passa na atmosfera um tanto histérica de Petersburgo na virada do século e da Revolução Russa de 1905. Na medida em que se pode dizer que o livro possui um enredo, isso pode ser resumido como a história do infeliz Nikolai Apollonovich, um vagabundo que se envolveu na política revolucionária.

Em seus últimos anos Biéli foi influenciado por Antroposofia[5] de Rudolf Steiner que tornou-se amigo pessoal de Steiner. Ele passou um tempo entre a Suíça, Alemanha e Rússia, durante sua revolução. Ele apoiou a ascensão bolchevique ao poder e mais tarde dedicou seus esforços à cultura soviética, servindo no Comitê Organizacional da União dos Escritores Soviéticos.[6] Ele morreu, aos 53 anos, em Moscou.

O Prêmio Andrei Biéli, um dos prêmios mais importantes da literatura russa, foi batizado em sua homenagem. Seus poemas eram musicados e frequentemente executados por cantores e compositores russos.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ANDREI BELI - Petersburgo; tr. N. e F. Guerra, Lisboa, 2010.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Andrei Biéli». Encyclopædia Britannica Online (em inglês). Consultado em 7 de agosto de 2020 
  2. «Recomendações de Nabokov (opiniões sobre outros escritores)» 
  3. Noah Giansiracusa, Anastasia Vasilyev. "Simbolismo matemático em uma obra-prima da literatura russa" (Relatório). Morgan, Matthew. arXiv: 1709.02483.
  4. Janecek, Gerald (1976). "A espiral como imagem e princípio estrutural no Kotik Lataev de Andrej Belyj ". Literatura Russa (4): 357–63.
  5. Judith Wermuth-Atkinson, The Red Jester: Andrei Bely's Petersburg as a Novel of the European Modern (2012). ISBN 3643901542
  6. «britannica.com» 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Andrei Biéli