Andrei Kolesnikov

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Andrei Kolesnikov
Nascimento 6 de fevereiro de 1977
Oktyabrskoye
Morte 11 de março de 2022 (45 anos)
Ucrânia
Cidadania União Soviética, Rússia
Alma mater
  • Chelyabinsk High Tank Command School
  • Combined Arms Academy of the Armed Forces of the Russian Federation
  • Academia Militar do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia
Ocupação oficial
Prêmios
  • Ordem da Coragem
  • Medal for military valour, 1st class
  • Medal for military valour, 2nd class
  • Medal "For Strengthening of Brotherhood in Arms"
Lealdade Rússia

Andrei Borisovich Kolesnikov (em russo: Андрей Борисович Колесников;[1] Oktyabrskoye, 6 de fevereiro de 1977 - Mariupol, 15 de março de 2022) foi um major-general das Forças Terrestres da Rússia.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em Oktyabrskoye, Voronezh Oblast, em 6 de fevereiro de 1977, Kolesnikov se formou em uma faculdade de tanques em Kazan (1999), na Academia de Armas Combinadas das Forças Armadas da Federação Russa (2008) e na Academia Militar do Estado-Maior das Forças Armadas. Forças da Rússia (2020). Em 2010, Kolesnikov era tenente-coronel e serviu como chefe de gabinete da 4ª Divisão de Tanques de Guardas.[1] Ele foi promovido ao posto de major-general e nomeado, em dezembro de 2021, o comandante do 29º Exército de Armas Combinadas do Distrito Militar do Leste no Zabaykalsky Krai.[2]

Kolesnikov participou da invasão russa da Ucrânia e foi morto, segundo as autoridades ucranianas, em 11 de março de 2022.[3] Oficiais da OTAN confirmaram que um comandante russo do distrito militar oriental da Rússia se tornou o terceiro oficial general russo a ser morto nas hostilidades (depois de Andrey Sukhovetsky e Vitaly Gerasimov), mas não especificou seu nome.[4] Fontes ocidentais disseram que cerca de 20 grandes generais foram enviados para a frente ucraniana, dos quais três foram mortos na época.[5] Fontes ocidentais disseram que mais generais estão sendo mortos do que o normal, porque estão sendo empurrados para mais perto da linha de frente do que o normal, para aumentar o moral dos soldados russos.[6] Autoridades ucranianas disseram que um quarto general, Oleg Mityaev, morreu em 15 de março em Mariupol.[7] A morte destes oficiais, contudo, não foi confirmada por fontes independentes.[8]

Referências

  1. a b Yermolin, Anatoly (11 de setembro 2010). «Андрей Колесников — Военный совет» (em Russian). Arquivado do original em 5 de abril de 2014 
  2. Прокофьев, Семён (7 de dezembro de 2021). «Новый командующий общевойсковым объединением ВВО назначен в Забайкалье». Чита.ру (em russo). Consultado em 20 de março de 2022 
  3. «Украинские защитники уничтожили командующего росармии - Геращенко». Интерфакс-Украина (em russo). 11 de março de 2022. Consultado em 20 de março de 2022 
  4. «Death of Russian general confirmed by Western officials». BBC News (em inglês). 11 de março de 2022. Consultado em 20 de março de 2022 
  5. Smout, Alistair; MacAskill, Andrew (11 de março de 2022). «Russia may use chemical weapons in false flag attack but not more broadly, Western official says». Reuters (em inglês). Consultado em 20 de março de 2022. The officials said a third Russian major general had been killed in fighting in Ukraine. There had probably been around 20 Russian major generals deployed in Ukraine, the officials said. 
  6. Mann, Sebastian (14 de março 2022). «Commanders among '12,000 Russian war dead'». The Times (em inglês). ISSN 0140-0460. Consultado em 20 de março de 2022 
  7. Brown, Larisa; Rose, David (16 de março de 2022). «Fourth Russian general killed, claims Ukraine». The Times (em inglês). ISSN 0140-0460. Consultado em 20 de março 2022 
  8. «Deaths of generals expose Russia's troubles in Ukraine». France24. 28 de março de 2022