Andrei Tarkovski

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Andrei Tarkóvski)
Ir para: navegação, pesquisa
Andrei Tarkovski
Andrei Tarkovski
Nome completo Andrei Arsenyevich Tarkovsky
Nascimento 4 de abril de 1932
Nacionalidade russo


(soviético)

Morte 29 de dezembro de 1986 (54 anos)
Ocupação Cineasta
Cônjuge Irma Raush (1957–1970)
Larisa Tarkovskaya
Festival de Cannes
Grand Prix Spécial du Jury
1972, 1986

Prémio de realização
1983

Outros prêmios
Leão de Ouro
1962

Andrei Arsenyevich Tarkovski (em russo: Андре́й Арсе́ньевич Тарко́вский) (Zavrazhye, 4 de abril de 1932Paris, 29 de dezembro de 1986) foi um cineasta russo, nascido na então União Soviética.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Infância[editar | editar código-fonte]

Tarkovski nasceu na aldeia de Zavrazhye no Distrito de Ivanovo em Volga. Seu pai, Arseny Alexandrovich Tarkovsky, natural de Kirovohrad na Ucrânia foi um dos mais cultuados poetas russos modernos; Sua mãe, Maria Ivanova Vishnyakova, era atriz graduada no Instituto de Literatura Maxim Gorky. Seu avô, Aleksander Tarkowski, era um nobre polonês que trabalhou como funcionário num banco.

Tarkovski passou a infância em Yuryevets. Em 1937 seu pai deixou a família e posteriormente, em 1941, se apresentou ao exército para o front onde ele perdeu a perna. Tarkovski ficou com a mãe, mudando-se com ela e sua irmã Marina para Moscou. Em 1939, Tarkovski se matriculou na escola de Moscou № 554. porém com a eclosão da II Grande Guerra e com a batalha de Moscou, os três foram evacuados para Yuryevets, onde Andrei passou a viver com sua avó materna. Apenas em 1943, a família pode retornar à Moscou. Todas estas passagens e impressões de sua infância - a evacuação na guerra, sua mãe com seus dois filhos pequenos, a ausência do pai, o tempo no hospital, foram registradas no filme autobiográfico "O Espelho" Com o retorno a Moscou, Tarkovski continuou seus estudos em sua antiga escola, onde o conheceu o poeta Andrey Voznesensky que foi um de seus colegas de classe. Estudou piano em uma escola de música e frequentou uma escola de arte plásticas. De novembro de 1947 a Primavera 1948, Andrey foi internado no hospital com tuberculose.

Após a formatura do ensino médio, 1951-1952, Tarkovski estudou árabe no Instituto Oriental, em Moscou, um ramo da Academia de Ciências da URSS. Embora ele já falasse um pouco de árabe e ser bem sucedido em seus primeiros semestres, Andrei não terminou seus estudos e desistiu de trabalhar como um prospector de minérios para a Academia de Ciências Instituto de Metais Não Ferrosos e Ouro. Foi durante de uma expedição de pesquisa que participou ao longo de um ano no rio Kureikye perto Turukhansk na província de Krasnoyarsk que Tarkovski decidiu estudar cinema.

Estudante de Cinema[editar | editar código-fonte]

Ao retornar da expedição em 1954, Tarkovski começou a estudar no conceituado Instituto Estadual de Cinematografia VGIK no curso de direção de cinema. Ele estava na mesma classe de Irma Raush com quem se casou em abril de 1957.

No início da era Khrushchov fora oferecido oportunidades únicas para jovens cineastas. Antes de 1953, a produção anual de cinema tivera sido baixa e a maioria dos filmes foram dirigidos por diretores veteranos. Depois de 1953, a produção de filmes aumentou e os jovens diretores ganharam espaço. Khrushchov aliviou as restrições sociais soviéticas e permitiu um pequeno fluxo de literatura, filmes e música européia e norte-americana para dentro da URSS. Isto permitiu que Tarkovski visse filmes como do Neo-Realismo italiano, Nouvelle Vague francesa, e de diretores como Kurosawa, Buñuel, Bergman, Bresson , Andrzej Wajda (cujo filme Cinzas e Diamantes foi de grande influencia para Tarkovski) e Mizoguchi.

Mikhail Romm, professor e orientador de Tarkovski, ensinou muitos estudantes de cinema que mais tarde se tornariam diretores influentes. Em 1956, Tarkovski dirigiu seu primeiro curta-metragem ainda como aluno, The Killers, a partir de um conto de Ernest Hemingway. O curta-metragem There Will Be No Leave Today e o roteiro Concentrated em 1958 e 1959 sucessivamente completam sua experiência na academia.

Outra influência importante sobre a obra de Tarkovski foi do diretor de cinema Grigori Chukhrai, que lecionava na VGIK. Impressionado com o talento de seu aluno, Chukhrai ofereceu a Tarkovski o emprego como assistente de direção de seu filme Clear Skies. Tarkovski inicialmente mostrou interesse, mas, decidiu se concentrar em seus estudos e seus próprios projetos. Durante seu terceiro ano no VGIK, Tarkovsky conheceu Andrei Konchalovsky. Eles descobriram muitas coisas em comum, eles gostavam dos mesmos diretores e compartilhavam ideias sobre cinema e filmes. Em 1959, eles escreveram o Roteiro de Antártica - País Distante, que mais tarde foi publicado no Moskovskij Komsomolets. Tarkovski apresentou o roteiro para Lenfilm, mas foi rejeitado. Eles foram mais bem sucedidos com o Roteiro O Rolo Compressor e o Violinista, que eles venderam a Mosfilm. Este tornou-se o projeto de graduação de Tarkovski, que lhe valeu o diploma em 1960 e seu primeiro prêmio, no Festival Estudantil de Cinema de Nova York, em 1961.

Filmografia: Realizações na União Soviética[editar | editar código-fonte]

Tarkovski dirigiu apenas sete longas-metragens, bem como três curtas de seu tempo em VGIK. Ele também escreveu vários roteiros. Dirigiu a ópera Boris Godunov, em Londres, e uma produção de rádio do conto Turnabout por William Faulkner. Além disso, escreveu Esculpindo o Tempo, um livro sobre a teoria do cinema.

O primeiro longa metragem realizado por Tarkovski foi A Infância de Ivan em 1962. Tarkovski assume o projeto do diretor Eduard Abalov, que abandonou a produção. O longa concedeu a Tarkovski aclamação internacional e foi vencedor do Leão de ouro, na cidade de Veneza, em 1962.

Em 1965 ele dirigi o longa Andrei Rublev  sobre a vida do pintor russo Andei Rublev.  O segundo Longa de Tarkvoski só foi exibido uma vez em moscou no ano de 1966, dado os problemas com as autoridades soviéticas. O filme viu a luz mais algumas vezes em 1969 no Festival de Cannes, onde ganha o prêmio FIPRESCI prize. E foi amplamente divulgado em uma edição não oficial nos anos 1971 na União Soviética. Com o apoio de algumas personalidades que apreciavam o trabalho do diretor uma versão é finalmente liberada em 24 de dezembro de 1971. Essa foi a primeira colaboração entre o diretor e o ator Anatoly Solonitsyn.

Solaris, o terceiro longa do diretor, foi finalizado em 1972. O filme é uma adaptação do Romance de mesmo nome do escritor Stanisław Lem. O filme foi apresentado no festival de Cannes, ganhou o prêmio Grand príx spécial du Jury,  FIPRESCI prize e foi nomeado a Palme D’Or. No documentário "Andrey Tarkvosky: Un poeta en el cine" o diretor faz o seguinte comentário: “Solaris, é para mim, meu pior filme. É o filme que eu menos gosto dentre todos os que realizei.  Ao contrário do autor do livro, eu não tenho interesse no problema da relação entre o homem e o conhecimento. Mas nos problemas psicológicos ... os problemas humanos. Pode o homem viver em condições desumanas e continuar sendo homem?”.[1]

Entre 1973 e 1974 o diretor realizou as filmagens de seu quarto longa . O Espelho é um filme autobiográfico, que remonta a infância do diretor. A narrativa não linear  e os fatos dispersos temporalmente no filme são um das interpretações mais fidedignas feita sobre memória . Os primeiros fragmentos de O espelho foram escritos enquanto tarkvoski trabalhava em Andrei Rublev. Os fragmentos foram publicados como uma história curta sob o título A White day em 1970. O título do filme foi retirado de uma dos poemas de seu pai Arseny Tarkvoski . Uma primeira versão do roteiro é escrita, embora contenha temas populares como: Uma mãe heroica, a guerra e o patriotismo. O roteiro foi recusado, dado a natureza complexa e nada convencional do roteiro. Com a recusa do roteiro, Tarkvoski ingressa na Realização de Solaris. Mas o próprio diretor escreve em seu diário que está ansioso para rodar o longa. Com um roteiro  não linear o próprio diretor admite que não saberia o produto final que se tornaria o filme. Finalizado o projeto, O espelho ganhou a classificação de terceira categoria que limitou com severidade a distribuição do filme, só pode alcançar alguns pouco cinemas e alguns clubes de trabalhadores. A terceira categoria colocou o cineasta em risco de receber algumas acusações por desperdiçar fundos públicos. Acredita-se que essa seja um dos motivos que fez Tarkvoski considerar fazer filmes fora da União Soviética.

Em dezembro de 1976 Tarkvoski dirigiu Hamlet no teatro. O papel principal foi desempenado por Anatoly Solonitsyn. [2]

Stalker foi sua última realização na união Soviética.O filme é baseado no romance  Roadside Picnic ( Piquenique à beira da estrada) dos irmão  Arkady e Boris Strugatsky. Após a leitura do romance Tarkovski indicou a um amigo, o diretor  Mikhail Kalatozov, tendo em mente que o poderia interessar. Mikhail falhou em conseguir os direitos para rodar o projeto. Tarkovski considerava cada vez mais a possibilidade de fazer o filme.  O que veio a se concretizar.  O quinto filme de Tarkovski enfrentou uma série de complicações. Uma versão das cenas foram gravadas, mas quando a equipe analisou o material viu que tudo tinha sido perdido, todo o material era inútil. Mesmo antes desse problema, a relação de Tarkvoski e seu  câmera Georgy Rerberg se deterioram, e após o incidente com os negativos o câmera foi demitido.  O filme foi inteiramente gravado mais uma vez. O filme foi concluído em 1979 e ganhou o Prêmio do Júri Ecumênico no Festival de Cannes.

No mesmo ano Tarkovski também começou a produção do filme O Primeiro dia  baseado em um roteiro de seu amigo e colaborador de longo prazo Andrei Konchalovsky. O filme foi ambientado na Rússia do século XVIII durante o reinado de Pedro, o Grande e estrelou Natalya Bondarchuk e Anatoli Papanov. Para obter o projeto aprovado por Goskino, Tarkovski apresentou um roteiro que era diferente do roteiro original, omitindo várias cenas que faziam críticas ao ateísmo oficial da União Soviética. Depois de fotografar cerca de metade do filme, o projeto foi interrompido por Goskino depois que ficou claro que o filme diferia do roteiro apresentado aos censores. Tarkovski ficou enfurecido por esta interrupção e destruiu a maior parte do filme.[3]

Realizações na Itália e Suécia[editar | editar código-fonte]

Durante o verão de 1979, Tarkovski viajou para a Itália, onde filmou o documentário Voyage in Time, juntamente com seu amigo de longa data, Tonino Guerra. Tarkovski voltou à Itália em 1980 para uma viagem prolongada durante a qual ele e Guerra completaram o roteiro para o filme Nostalghia. O longa foi o primeiro realizado fora da União Soviética. O diretor deveria contar com o apoio da MOSFILM, mas a MOSFILM retirou seu apoio e Tarkvoski precisou contar com a ajuda da televisão italiana do estado e  da companhia francesa Gaumont. Tarkovski completou o filme em 1983. Nostalghia foi apresentado no Festival de Cinema de Cannes e ganhou o Prêmio FIPRESCI e o Prêmio do Júri Ecumênico. Tarkovski também compartilhou um prêmio especial chamado Grande Prêmio do cinema de criação com Robert Bresson.[4]

 Tarkovski considerou o Sacrifício diferente de seus filmes anteriores porque enquanto comentava que seus filmes anteriores haviam sido: "impressionistas em estrutura", e neste caso "tinha como objetivo[...] desenvolver seus episódios à luz da minha própria experiência. E das regras da estrutura dramática ", mas também" construir o quadro num conjunto poético no qual todos os episódios estavam harmoniosamente ligados ", e que:" Por isso assumiu a forma de uma parábola poética"</nowiki>.

A casa de Alexander, especialmente construída para a produção, devia ser queimada para a cena culminante, em que Alexander queima sua casa e suas posses. A tomada foi muito difícil de ser realizada, e fracassaram na primeira tentativa. Apesar do protesto de Sven Nykvist, apenas uma câmera foi usada para esta cena, e enquanto gravavam a casa em chamas, a câmera ficou presa e as filmagens foram arruinadas.  O sacrifício foi o último filme realizado pelo diretor.

 No documentário “Um dia na vida de Andrei Arsenevich” nos deparamos com um fato interessante sobre o número de filmes realizados por Tarkvoski, durante uma sessão de espiritismo ele teria se comunicado com Boris Pasternak que lhe disse que ele só iria realizar sete filmes. Andrei perguntou:“Somente sete?’’ e Boris respondeu:“Mas serão ótimos’’.

O de A infância de Ivan mostra uma criança aos pés de uma árvore e a última cena de o Sacrifício mostra uma criança também aos pés de uma árvore. Respectivamente elas são a primeira e a última cena do primeiro e do último filme do diretor.

Ano
Título original
Título no Brasil
Título em Portugal
Observações
1956 Ubiytsy
1959 Segodnya uvolneniya ne budet Hoje não haverá saída livre curta-metragem
1960 Katok i skripka O Rolo Compressor e o Violinista
1962 Ivanovo Detstvo A Infância de Ivan A Infância de Ivan
1966 Andrei Rublyov Andrei Rublev Andrey Rublev
1972 Solyaris Solyaris Solaris
1974 Zerkalo O Espelho O Espelho
1979 Stalker Stalker Stalker
1983 Nostalghia Nostalgia Nostalgia
1983 Tempo de Viagem Documentário para a RAI
1986 Offret - Sacrificatio O Sacrifício O Sacrifício

Estilo cinematográfico[editar | editar código-fonte]

Tarkovsky desenvolveu a teoria de cinema chamada “esculpir no tempo”. Com isto ele pretende que a verdadeira caraterística do cinema é transmitir a nossa experiência de tempo e alterá-lo. A película não editada transcreve o tempo em tempo real. Com uso dos planos longos e poucos cortes nos filmes, ele pretende para dar aos espectadores a sensação de passar do tempo, do perder o tempo, e a relação entre um momento em tempo com o outro.

Filmes Preferidos[editar | editar código-fonte]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Inúmeros prêmios foram concedidos à Tarkovski ao longo de sua carreira. No Festival de Cinema de Veneza, ele foi premiado com o Leão de Ouro pelo filme "A Infância de Ivan". No Festival de Cannes, ganhou o prêmio FIPRESCI quatro vezes, o Prêmio do Júri Ecumênico três vezes (mais do que qualquer outro diretor), eo Grand Prix Spécial du Jury duas vezes. Ele também foi nomeado para a Palma de Ouro duas vezes. Em 1987, a Academia Britânica de Cinema e Televisão concedeu o prêmio BAFTA de Melhor Filme Estrangeiro para O Sacrifício .

Sob a influência da Glasnost e Perestroika , Tarkovsky foi finalmente reconhecida na União Soviética no Outono de 1986, pouco antes de sua morte, por uma retrospectiva de seus filmes em Moscou. Após sua morte, uma edição inteira da revista de cinema Kino Iskusstvo lhe foi dedicada. Em seus obituários, o comitê filme do Conselho de Ministros da URSS e da União dos Diretores Soviéticos expressaram sua tristeza por Tarkovski ter passado os últimos anos de sua vida no exílio.

Postumamente, ele foi agraciado com o Prêmio Lenin em 1990, uma das mais altas honras de Estado na União Soviética. Em 1989, o Prêmio Memorial Andrei Tarkovski foi estabelecido, com o seu primeiro destinatário ser o animador russo Yuriy Norshteyn. Desde 1993, o Festival Internacional de Cinema de Moscou estabeleceu o prêmio Andrei Tarkovski. Em 1996, o Museu de Andrei Tarkovsky, foi inaugurado em Yuryevets, sua cidade em que cresceu. Um planeta menor descoberto pela astrônoma Soviética Lyudmila Georgievna Karachkina em 1982,fora nomeada em sua homenagem como Tarkovskij. Tarkovski tem sido assunto de vários documentários. O mais notável deles é o documentário de 1988 Moscow Elegy , pelo diretor de cinema russo Alexander Sokurov. O próprio trabalho de Sokurov tem sido fortemente influenciado por Tarkovski. O filme consiste principalmente de narração sobre clipes de filmes de Tarkovski. O diretor de cinema Chris Marker produziu o documentário de televisão Um Dia na Vida de Andrei Arsenevich como uma homenagem a Andrei Tarkovsky, em 2000.

Ingmar Bergman disse: "Tarkovski para mim é o maior [de todos nós], aquele que inventou uma nova línguagem, fiel à natureza do cinema, uma vez que capta a vida como um reflexo, a vida como um sonho" O historiador de cinema Steven Dillon afirma que muito do cinema subseqüente foi profundamente influenciado pelos filmes de Tarkovski.

Na entrada para o Instituto de Cinematografia Gerasimov em Moscou, na Rússia há um monumento que inclui estátuas de Tarkovski, Gennady Shpalikov e Vasily Shukshin.

Referências

  1. Tarkovsky, Andrei (1 de janeiro de 2000), Andrei Tarkovsky: A Poet in the Cinema, consultado em 18 de abril de 2017 
  2. «Tarkovsky's Theatre. «Hamlet» » A.A. Bakhrushin State Central Theatre Museum». www.gctm.ru (em inglês). Consultado em 18 de abril de 2017 
  3. Bondarchuk, Natalya; Papanov, Anatoliy (1 de janeiro de 2000), The First Day, consultado em 18 de abril de 2017 
  4. Guerra, Tonino; Tarkovsky, Andrei (9 de maio de 1983), Voyage in Time, consultado em 18 de abril de 2017 
Gianvito, John (2006). Andrei Tarkovsky: Interviews (Conversations with Filmmakers Series). University Press of Mississippi. pp. XXV. ISBN 1-57806-220-9.
Marshall, Herbert. Sight and Sound. Vol 45, no 2. Spring 1976. p. 93.

Tarkovsky, Andrei; translated by Kitty Hunter-Blair (1991). Time Within Time: The Diaries 1970-1986. Calcutta: Seagull Books. ISBN 81-7046-083-2.

Мир и фильмы Андрея Тарковского. Сост. А. Сандлер. [Andey Tarkovsky's world and films] (in Russian). Moscow: Iskusstvo(Искусство). 1990. ISBN 81-7046-083-2. Tarkovsky, Andrei (1989). Sculpting in Time. University of Texas Press. p. 222. ISBN 978-0-292-77624-1.

^ Jump up to: a b c d e f Gianvito, John (2006), Andrei Tarkovsky: Interviews, University Press of Mississippi, pp. 50–54, ISBN 1-57806-220-9

R·U·S·C·I·C·O-DVD of Stalker 

Tarkovsky, Andrei; translated by Kitty Hunter-Blair (1991). Time Within Time: The Diaries 1970-1986. Calcutta: Seagull Books. ISBN 81-7046-083-2. Jump up ^

Tarkovsky, Andrei (1999). William Powell, ed. Collected Screenplays. London: Faber & Faber.

Tarkovsky, Andrei (1991). Time Within Time: The Diaries 1970–1986. Translated by Kitty Hunter-Blair. Calcutta: Seagull Book. p. 77 (July 11, 1973). ISBN 81-7046-083-2.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Andrei Tarkovski
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.